Espaço PR Newswire para Comunicadores

O Blog da PR Newswire é um espaço dedicado à produção e desenvolvimento de conhecimento. Aqui você encontra as notícias e os artigos mais interessantes sobre Comunicação. São abordados temas relacionados às Relações Públicas, Jornalismo, Marketing, Publicidade, Mídias Sociais e Digitais. Confira nossos posts e deixe suas observações nos comentários. Queremos saber sua opinião.

6 Perguntas sobre Estratégia e Teste AB para Press Releases

Mesmo que o blog da sua marca supere suas expectativas em visibilidade e engajamento do público, sempre há espaço para melhorias. Desde testes para saber o melhor horário para publicar nas mídias sociais até os melhores call-to-actions que você pode usar para construir seu newsletter.

Profissionais bem-sucedidos de Content Marketing avaliam continuamente métodos diferentes para a promoção de conteúdo, como canais pagos e mídia espontânea.

Por exemplo, uma pesquisa realizada pelo Content Marketing Institute descobriu que 78% dos profissionais de Marketing de Conteúdo mais eficientes usam serviços de press releases, contra 55% dos profissionais menos eficientes.

Mas, enquanto a mídia espontânea é um fator comprovado para aumento de tráfego, existem diversos métodos diferentes que utilizam um press release para promover conteúdo – alguns deles podem funcionar melhor do que outros de acordo com as necessidades específicas da sua marca.

Adotar uma abordagem orientada por dados à sua estratégia de distribuição de conteúdo pode resultar em um aumento visualizações e engajamento do seu público-alvo.

Responda as seguintes perguntas para começar a planejar a sua própria estratégia de teste A/B para press release:

  1. O que você quer conseguir com a promoção do conteúdo?

Você quer aumentar o tráfego para o seu blog? Você está interessado em conseguir mais leads? Você quer promover um infográfico, relatório de pesquisa ou vídeo que foi destaque em seu blog?

Você pode ter alguns objetivos diferentes que você deseja alcançar. Identificá-los e priorizar os mais importantes ajudará a determinar o formato do press release, a distribuição, entre outros.

  1. O que faz a promoção um sucesso?

Depois de ter seu objetivo traçado, você precisa determinar quais resultados você espera. Ao visualizar os dados do seu blog, você pode definir uma base para a quantidade de tráfego, leads, entre outros, que estão movimentando sua estratégia de promoção atual. Depois, estabeleça uma taxa de crescimento para essas métricas. Ao testar novos métodos de promoção, defina um objetivo realista e um otimista.

  1. Qual é o público que você deseja atingir?

Você está interessado em atingir um público específico ou uma combinação? A parceria com um serviço de press release lhe dará acesso a uma série de distribuições.

Por exemplo, se você estiver interessado apenas em alcançar potenciais compradores, você pode considerar uma distribuição online. Mas, se o conteúdo do seu blog atrai interesse da mídia, desenvolva uma chamada que atinja ambos.

  1. Por quanto tempo você deseja executar o teste?

Um teste A/B não vai lhe dar resultados se você o fizer aleatoriamente ou sem uma frequencia. Tal como acontece com outros canais promocionais, os press releases são mais eficazes quando você os distribui regularmente. Ao enviar vários comunicados de imprensa, você pode observar qual a prática de distribuição, escrita e formatação direciona mais ações.

Quando se trata de tempo, você precisa estabelecer o número de semanas ou meses que o teste vai durar, quantos comunicados você pretende disparar durante esse período de tempo e quais dias e horários testará a distribuição.

  1. Quais formatos de press release você vai testar?

Assim como existem diferentes maneiras de escrever um press release sobre as notícias de empresa mais tradicionais, você pode criar algumas abordagens diferentes com o conteúdo do seu comunicado.

Tendo em mente a sua resposta para a primeira pergunta, você deve testar entre dois ou três formatos para ver qual funciona melhor em conquistar seus objetivos. Os formatos mais usados são:

Teasers de Conteúdo: Um breve resumo do post que você está promovendo com um link para o próprio post.

Rodada de Conteúdo: Promoção de uma série de posts que estão ligados entre si, seja por um tema central ou quando eles foram publicados.

O Próprio Conteúdo: A republicação do texto integral do seu blog com link original para visitar ou se inscrever em seu blog.

  1. Como você vai medir os resultados?

Ao planejar, escrever e distribuir press releases sobre seu blog, você precisa conhecer as ferramentas para relatórios à sua disposição.

Ser capaz de medir o resultado do seu envio é a última peça em seu teste A/B. Portanto, certifique-se de acessar os dados de visibilidade e engajamento dos seus comunicados, bem como informações sobre quem e quantas pessoas estão clicando nos links para o conteúdo que você está promovendo.

Links rastreáveis integrados permitem mensurar a qualidade dos seus leads e a movimentação deles através do processo de compra.

Embora o teste A/B exija tempo e recursos, a informação que você terá ao final será fundamental para orientar o futuro de suas estratégias de promoção do conteúdo.

É um processo que também pode ser aplicado a outros press releases da sua marca. De lançamento de produtos até anúncios de eventos, explore e teste diferentes abordagens para saber quais são mais eficazes em conectar-se com seu público.

Equipe PR Newswire

Tags: estratégia, press release, teste AB

5 Benefícios do Monitoramento de Marca

5 Benefícios do Monitoramento de Marca

A quantidade de dados disponíveis para profissionais de Marketing sobre as marcas tem crescido exponencialmente ao longo da última década, graças ao crescimento dos canais online e off-line. Ao definir seu plano de monitoramento de marca, você pode extrair informações e percepções específicas sobre os seus clientes (e potenciais clientes), que podem ajudá-lo a aprimorar sua estratégia de Marketing e Comunicação.

O monitoramento de marca oferece muitos benefícios para uma organização, como por exemplo ajudá-la a extrair insights importantes através da grande quantidade de dados coletados. Aqui estão alguns destes benefícios:

1. Revela Percepções e Oferece Feedback

O que seus clientes dizem em uma pesquisa de satisfação ou para sua equipe de atendimento é significativamente diferente do que eles dizem por trás do conforto e proteção de seus computadores. Monitorar sua marca on-line irá permitir que você descubra o que realmente está sendo dito sobre sua empresa e fornecerá um feedback muito mais confiável. O Net Promoter Score e o Brand Preference Indicators são grandes recursos para calibrar a verdadeira reputação da sua marca.

O monitoramento de marca pode fornecer informações orientadas para as necessidades de áreas específicas:

  • CEO – Presidente
  • CFO – Diretor Financeiro
  • Head of Sales – Gerente de Vendas
  • CMO – Diretor de Marketing

2. Direciona as Estratégias de Marketing de Conteúdo e Distribuição

Desenvolvimento de conteúdo relevante é essencial para qualquer estratégia de Marketing. Se não é relevante para a sua base de clientes, não irá agregar valor e não será lido no seu site ou blog. Quando você entender quais canais seus clientes usam e qual sua presença on-line, você pode ajustar a sua estratégia de distribuição. O monitoramento de marca permite que você entenda exatamente o que interessa para seu público e onde ele quer interagir e se envolver com o seu conteúdo.

3. Indica Oportunidades de Diferenciação

Acompanhar sua marca também revelará onde você está se posicionado competitivamente contra outras empresas similares. Isso pode revelar oportunidades para se diferenciar dos concorrentes.

4. Expõe Novas Oportunidades de Negócio

O Monitoramento de marca pode ajudar a identificar lacunas no mercado e revelar novas oportunidades de negócios para sua empresa. Pode ajudá-lo a identificar novos nichos de mercado, potenciais parceiros e possibilidades de crescimento.

5. Permite Previsões Precisas e Planejamento de Cenários eficazes

Nenhuma marca pode evitar completamente uma crise, mas monitorar sua marca – muitas vezes – pode antecipar uma crise potencial. Esta previsão lhe dará tempo suficiente para gerenciar a crise de forma mais eficaz, minimizando os efeitos e muitas vezes diminuindo a gravidade e seu impacto negativo.

Equipe PR Newswire

Tags: monitoramento, marca, marketing

3 Mitos desconstruídos sobre UX Design (Experiência do Usuário)

Todo site quer oferecer ao usuário uma experiência de qualidade.

Manter o interesse do público se torna cada vez mais importante para as marcas com presença online.

Com as audiências digitais dividindo seu tempo entre diferentes plataformas (considerando diferentes tipos de aparelhos, serviços de streaming, telefonia móvel, entre outros), a usabilidade se tornou uma commodity. Estamos todos tentando vender uma experiência, não importa quem tentamos alcançar ou onde eles nos veem.

Se você quiser que seu público tenha uma experiência positiva, relevante e memorável, conhecer padrões básicos de usabilidade devem estar em seu plano de desenvolvimento.

O que é UX Design?

UX Design

O design da Experiência do Usuário (UX Design) faz parte do processo de criação de um site, aplicativo ou outro tipo de tecnologia.

Mas, ao invés de se concentrar na aparência de um site ou página, o UX é mais sobre a experiência geral do usuário. É fácil de usar? A navegação é intuitiva? A informação é facilmente acessível? Seu design, tom e voz combinam com o seu público e objetivos?

O verdadeiro sucesso dentro do UX Design vem quando combinamos os desejos do seu público-alvo com as partes interessadas para o seu produto. Se você trabalha para uma grande organização de notícias, um número de pessoas pode pesar sobre isso. Se você é um blogueiro, você é a parte interessada.

De qualquer forma, o processo requer planejamento, organização e “tentativa e erro”. Porém, não há milagre. A maioria das marcas conhecidas por oferecer grandes experiências mantêm ações simples (Google, Apple, etc).

Nós conversamos com David Noboa, designer UX sênior da PR Newswire, sobre os conceitos básicos de um design bem estruturado e alguns mitos que ele descontruiu.

Confira o que ele tem a nos dizer.

Conte-nos sobre você, sua experiência, conhecimento e interesses.

Noboa: Minha formação é em design de comunicação e tecnologia e a maioria do meu trabalho está no digital. Eu gosto de pensar que meu trabalho melhora o desempenho de produtos e comunicações. Antes de ingressar na PR Newswire, minha experiência havia sido no mundo das startups e agências, tendo sorte de ter tido a chance de trabalhar com pessoas muito talentosas, além de receber reconhecimento pelo meu trabalho ao longo dos anos.

Como designer sênior UX na PR Newswire, eu apoio uma variedade de grupos e produtos, por isso meu dia a dia no trabalho nunca é o mesmo. Um dia eu posso trabalhar em wireframes e fluxos de usuário, no dia seguinte em projetos visuais e interfaces de usuário e depois participando em entrevistas e testes - todos apoiando estratégias de negócios e metas.

Seu histórico profissional é especificamente em design para comunicações e tecnologia. Como isso é diferente de outros tipos de trabalho que envolvem design?

Noboa: As boas práticas de design podem ser universais. No meu caso, os fatores diferenciais são as possibilidades e limitações específicas do cenário digital em que eu trabalho, bem como as múltiplas equipes com as quais interajo diariamente para atingir os objetivos de um projeto por meio dos ciclos de produção, avaliação e testes.

Você mencionou que as boas práticas de design são universais. Você pode especificar?

Noboa: Um bom exemplo de princípios de design que são levados a sérios em indústrias e meios de comunicação é como o trabalho de Dieter Rams para a Braun inspirou o trabalho de Jony Ive na Apple, que por sua vez influenciou toda uma indústria. Paul Rand e os Vignellis são também exemplos de referência atemporal no design.

Quais são alguns dos mitos comuns quando se trata de UX design para comunicação?

Noboa: Aqui estão alguns que eu tenho pensado recentemente:

Muitas vezes somos tentados a incorporar padrões e ideias de sites que acessamos e admiramos, mas devemos estar cientes de que esta não é uma maneira eficaz de melhorar o próprio site.

Não há problema em manter uma mente aberta e tentar se adaptar ao abordar os desafios de design, mas sempre tenha em mente quem são seus usuários e o que você espera realizar.

Normalmente, quando implantamos um projeto, temos métricas para sua validação. Mas a mensuração real de uma experiência bem-sucedida é aquela que permite mudanças e melhorias constantes ao longo de períodos prolongados de tempo, com a menor quantidade de atrito para os seus usuários.

O sucesso do UX Design é resultado das constantes avaliações e testes.

Enquanto não há dúvida de que, ao acessar uma página ou site, a área visível possui valor significante e oferece uma oportunidade única para atrair atenção e gerar conversões primárias, a realidade é que as pessoas rolam o cursor para baixo e no geral a maior parte da interação acontece abaixo da parte visível da tela.

No celular a rolagem constante é o comportamento normal, o que deve direcionar como projetar nossas experiências, sendo a tendência de tráfego móvel continua a aumentar.

Quais são algumas das melhores práticas recomendáveis?

Noboa: Em nossa indústria, o sucesso é realmente um esforço de equipe. As melhores práticas a seguir são as que permitem que você (e sua equipe) atingirem os objetivos do seu negócio de uma forma que sempre fique aberta a porta para melhorias e inovação.

As boas equipes criam experiências uniformes que falam com uma única voz. Isso pode ser muito inspirador.

Os recursos podem ser muito apertados. Como você prioriza ou escolhe os itens que você precisa direcionar com o foco no design?

Noboa: A resposta para isso pode variar dependendo da equipe e do produto em que estou trabalhando. Como designer UX, muitas vezes desempenhamos um papel de cortesia e consultoria para a implantação e evolução do produto e, em outras ocasiões, somos chamados a resolver pontos críticos específicos trazidos do setor de vendas, de produto ou de qualquer das múltiplas equipes que apoiamos. Quanto à priorização, na minha experiência, as decisões são tipicamente informadas pelo planejamento e questões ligadas ao orçamento.

Texto original publicado no Blog Beyond Bylines: 3 Common UX Design Myths Debunked

Traduzido e adaptado por Andrés Teixeira, Analista de Comunicação Corporativa Latin America PR Newswire

Tags: ux design, experiencia do usuário, tecnologia

Três erros comuns ao analisar as métricas do seu Press Release

Muitos empresários têm uma ideia distorcida sobre o que um press release pode fazer por eles. Pensam que ao publicá-lo, jornalistas de primeira linha irão vê-lo e instantaneamente irão escrever sobre eles. Ou que, uma vez publicado, milhões de pessoas comprarão seus produtos.

É fácil ficar preso na análise de métricas do seu press release como uma maneira de fazer certas suposições sobre como o comunicado é efetivo, mas queremos esclarecer a situação para que você compreenda realmente como ele te auxilia.

As impressões não equivalem a cliques para seu site

Aqui está um mal-entendido comum. "Impressões do título" não significa o número de vezes que o seu comunicado de imprensa foi lido ou mesmo o número de vezes que alguém clicou no título para ver o lançamento.

Há incorporadores de notícias e feeds RSS em diversos sites que exibem títulos de notícias como o seu. Se seu título aparece, ele é contabilizado. Portanto, embora um número de impressão de título maior signifique que o seu release tem o potencial para ser visto por mais pessoas, não é necessariamente um indicador de quantas pessoas o leem.

Leitura também não equivale a cliques

Mesmo que alguém realmente leia o seu press release, não há obrigação de clicar no link para o seu site. O que você precisa fazer é chamar a atenção do leitor a ponto de leva-los ao seu texto.

Como você pode fazer isso? Além de incluir um link para do site na descrição da empresa, ofereça algo mais, como por exemplo a cópia de um relatório, que para ter acesso ao download é necessário inscrever-se por meio de um cadastro. 

Em seguida, vincule a página de destino para o download para que as pessoas não tenham que se preocupar em encontrá-la. Oferecendo algo atraente (o relatório), as pessoas serão mais propensas a acessar seu site a partir do press release.

Entregas de mídia nem sempre resultam em cobertura

Em sua análise, você pode ver algo parecido com "entregas de mídia", juntamente com uma lista de diferentes meios de comunicação que receberam uma cópia do seu comunicado. Alguns deles irão publicar automaticamente o lançamento, especialmente se eles têm um feed de notícias incorporado como mencionado anteriormente. Mas outros não. Alguns meios possuem editores reais que revisam os comunicados e escolhem apenas os mais relevantes para publicá-los.

Não desanime com isso. Você quer que seu press release apareça onde é mais relevante e onde os leitores obterão máximo proveito do seu conteúdo. Portanto, quando tratamos em quais veículos e portais online o seu release será publicado, priorize a qualidade em vez de quantidade.

O que quer que seus dados lhe mostrem, lembre-se que você precisa fazer a sua parte para tornar o conteúdo do seu press release atraente, para as pessoas lerem, compartilharem e clicarem em seus links.

Texto original publicado no Blog Beyond the Wire: Three Common Misconceptions about News Release Analytics

Traduzido e adaptado por Andrés Teixeira, Analista de Comunicação Corporativa Latin America PR Newswire

Tags: press release, imprensa, métricas

Como fazer suas fotos se destacarem em 4 etapas

No campo competitivo da fotografia, é um trabalho árduo se destacar dos demais.

O papel de um jornalista também se expandiu, e as atribuições que tradicionalmente eram feitas a um repórter e um fotógrafo agora são direcionadas a uma pessoa.

Os avanços da tecnologia permitem aos jornalistas tirar fotografias e gravar vídeos de qualidade em seus smartphones. Se você faz um registro com um telefone ou uma câmera digital SLR, produzir imagens exclusivas pode ser um desafio.

Aqui estão algumas dicas para ajudar suas fotos a se destacarem.

1. Plano Aberto

O uso de uma lente grande angular permite capturar uma cena inteira. Ela também permite que o espectador compreenda a localização de sua imagem com base em certos pontos de referência ou sinais.

Os leitores tendem a se interessar por uma imagem quando eles conhecem o cenário.

Boston Public Garden, Massachusetts, United States
Foto de Robert Linsdell, usada sob CC BY 2.0

2. Pessoas tornam fotos mais interessantes

Uma maneira simples de produzir imagens mais atraentes é permitir que uma pessoa (ou pessoas) entre no quadro. Isso ajuda o espectador a entender a escala e oferece a sua foto um pouco de vida (literalmente).

Se você estiver fotografando uma paisagem, enquadre a imagem da forma que desejar e aguarde até que uma pessoa esteja dentro da composição. Isso pode ser complicado pois alguns irão se se afastar da câmera ou tentar evitar entrar no quadro, mas se você é paciente, tudo se juntará para completar a imagem.

Henri Cartier-Bresson, referido como o "fundador do fotojornalismo moderno", era famoso por produzir imagens fascinantes com pessoas e o ambiente preenchendo o quadro de uma forma esteticamente agradável.

Speeding train photography

Foto de Sebastian Rieger usada sob CC BY-SA 2.0

3. Aproveite a "hora dourada"

Uma hora após o nascer do sol ou uma hora antes do pôr do sol são os momentos ideais para fotografar ao ar livre. É quando você pode tirar proveito do brilho quente e natural do sol, evitando sombras duras causadas por iluminação aérea.

Golden Hour photography

Foto de Timo Gufler usada sob CC BY-NC-ND 2.0

4. Encontre seu próprio estilo

Seu estilo de fotografia provavelmente será inspirado por seus fotógrafos favoritos, mas é importante criar sua própria identidade. Para fazer isso, não tenha medo de quebrar algumas regras. Como Mike Betts, cofundador da Photocrowd, explica que às vezes quebrar a regra dos terços pode ajudar a melhorar suas fotografias. Muitas "regras" de fotografia devem ser interpretadas como direcionamentos.


Jakob Owens Photography
Foto por Jakob Owens

Texto original publicado no Blog Beyond Bylines: How to become the stand-out photographer you’ve always wanted to be – in 4 steps

Traduzido e adaptado por Andrés Teixeira, Analista de Comunicação Corporativa Latin America PR Newswire

Tags: fotografia, jornalismo, conteúdo

Como sua distribuição de press releases pode ajudar no trabalho da imprensa

As empresas geralmente disparam um press release quando querem divulgar a notícia de um lançamento de produto, uma expansão corporativa em grande escala ou a chegada de um novo executivo. Mas é importante ter em mente que seu público-alvo também busca por assuntos pertinentes ao seu negócio. E é exatamente aqui que os objetivos dos jornalistas e dos comunicadores de marca se cruzam. As empresas têm uma história para contar e a mídia precisa publicar notícias.

De acordo com o Cision’s 2017 State of the Media Report, as redações continuam cortando suas equipes e seus orçamentos, tendo que "fazer mais com menos". Isso abre uma oportunidade para os comunicadores, porque os jornalistas ainda classificam press releases como um de seus recursos mais valiosos, principalmente em um cenário como esse.

Sabendo disso, os comunicadores de marca tentam garantir o seu press release para ajudar os jornalistas a fazerem o trabalho deles principalmente pelos fatores de tempo e recursos limitados. Isso significa que é necessário seguir algumas estratégias:

Junte todos os elementos de interesse

Jornalistas procuram alguns elementos obrigatórios para construir uma notícia incluindo citações, imagens, vídeos e dados de apoio. Se o seu comunicado de imprensa inclui todos esses elementos em um único pacote, ele permite que os jornalistas facilmente escrevam uma matéria envolvente.

Segmente seu público-alvo

No Cision’s 2017 State of the Media Report mais de metade dos entrevistados disseram que, acontecimentos no trabalho ocorridos no passado, os influenciaram a escrever uma matéria. Isso significa que os jornalistas – assim como nós - não querem receber informações que não são úteis para seu trabalho diário.

Os especialistas da PR Newswire classificam cada lançamento que enviamos por setor e assunto (automotivo, earnings, novas aquisições, etc.). Desta forma, é possível personalizar o feed, fazendo com que o conteúdo recebido seja apenas da sua área de interesse. Como resultado, isso aumenta as chances dos seus releases receberem uma cobertura de qualidade, porque serão direcionados para os jornalistas que cobrem o segmento.

Faça algum trabalho braçal para jornalistas

Este ano, o relatório provou que os recursos multimídias estão crescendo exponencialmente em importância para os jornalistas. À medida que tentam tornar seus conteúdos mais interativos e compartilháveis ​​para seus públicos, os jornalistas estão incorporando mais elementos como imagens, vídeos e infográficos. A Cision também descobriu que, neste ambiente que os orçamentos estão diminuindo, os jornalistas confiam mais em imagens de ações e menos em fotografia de funcionários.

Por isso, vale a pena repetir: agregue em seu comunicado de imprensa o máximo de fatores possíveis, especialmente qualquer multimídia relacionada na forma de logotipos de marca, headshots, fotos do produto ou vídeos.

Usar um serviço de distribuição confiável

Os entrevistados na imprensa concluíram que o press release e as histórias lideram em primeiro lugar no quesito “recursos mais valiosos”, pelo segundo ano consecutivo. Além disso eles expressaram que, 7% a menos das pessoas concordam que a mídia social é um recurso confiável para a informação.

Isso significa que é mais importante do que nunca garantir que as notícias de sua empresa sejam comunicadas por meio de um canal confiável.

Uma vez que seu conteúdo esteja pronto para ser compartilhado, deixe que a PR Newswire/Cision o ajude a se conectar com jornalistas certos para gerar uma cobertura de qualidade da sua notícia.

Texto original publicado no Blog Cision: How Your News Release Can Help the Media Do Their Job

Traduzido e adaptado por Andrés Teixeira, Analista de Comunicação Corporativa Latin America PR Newswire

Tags: imprensa, distribuição, press+release, mídia

Trazendo o conceito de “Social” para dentro das redes sociais

As mídias sociais estão se tornando cada vez mais o principal canal de comunicação para as marcas. Elas não só oferecem a capacidade de conhecer e construir relacionamentos com jornalistas e influenciadores como também ajudam a criar uma linha de comunicação direta entre empresas e clientes.

Mas de alguma forma, apesar das mídias sociais serem uma ferramenta de comunicação eficaz, grande parte das marcas focam em tentar dizer como elas são grandes e, de forma egoísta, engajar o seu conteúdo próprio. Elas automatizam postagens, respondem seu público com informações já prontas e enviam mensagens automáticas que pedem que você compre seus produtos, compartilhe seu conteúdo ou comente sua ideia mais recente.

Muitas vezes, não há “social” nas redes sociais.

E isso é um grande erro!

Cada postagem que você compartilha será exibida para clientes em potencial e fãs de longa data, e você quer que as interações sejam positivas.

Independente de quantos fãs você tem nas mídias sociais, você pode - e deve - ter um plano para se envolver regularmente com eles. Você deve criar conteúdo que crie uma interação com seu público-alvo.

Aqui estão algumas ideias práticas para fazer isso acontecer:

  • Se programe: O envolvimento com seus seguidores deve ser priorizado. Se programe para que o contato ocorra várias vezes por semana. Faça isso parte do seu planejamento de mídias sociais. Sem planejamento as coisas não funcionam e o propósito se perde ao longo do tempo.

 

  • Vídeo Livestream: Postar no blog é ótimo para compartilhar informações, mas se é engajamento que você procura, o livestreaming é o caminho. Complemente seu conteúdo levando o tópico do assunto para o vídeo ao vivo. Assim, você pode responder comentários e perguntas em tempo real. Como recompensa, esta é uma ótima maneira de ouvir como seus fãs se sentem sobre você, sem realizar pesquisas caras.

 

  • Faça perguntas: Profissionais de comunicação gastam muito tempo (e dinheiro) tentando entender melhor o seu público. Entretanto, existe uma boa maneira para entender seu público, sem custo adicional: Pergunte a eles!

 

  • Crie relacionamentos: Elogie os jornalistas em um artigo bem-feito e compartilhe-o. Dê a um blogueiro outra fonte ou ponto de vista (diferente do seu). Faça perguntas dos analistas do setor sobre suas pesquisas mais recentes. Tire proveito do acesso sem precedentes que a mídia social oferece para começar a construir relacionamentos bem antes de fazer uma pergunta.

 

  • Amplifique o conteúdo gerado pelo usuário: O conteúdo gerado pelo usuário é criado por seus fãs o tempo todo. Tente acompanhar quando alguém cria/posta algo em seu nome. Em seguida, entre em contato com seu criador e peça permissão para compartilhá-lo em seus canais sociais. Você não está vendo muito conteúdo sendo gerado sobre você? Ligue para seus fãs e peça a eles.

 

A mídia social não é apenas um canal de distribuição, é um canal de comunicação valioso e deve ser tratado como tal. Use regularmente para conversar com seu público-alvo.

Texto original publicado no Blog Beyond The Wire: Putting the Social Back into Social Media

Traduzido e adaptado por Edu Borelli, Estagiário PR Newswire Latin America

Tags: redes sociais, conteúdo, digital

Entendendo a mensuração do Total Marketing

Como comunicadores de marketing, estamos à beira de ter todos os dados que poderíamos querer. A única questão é se sabemos o que fazer com eles. Christi Eubanks, vice-presidente da Gartner, recentemente compartilhou o modelo que sua organização usa para fazer a mensuração de marketing. Ela acredita que no futuro os vencedores serão as equipes de marketing que conseguem mensurar “tudo”.

Total Marketing Measurement, ou TMM, é a combinação de vários modelos de medição que existem hoje. Esta nova ideia de mensuração tem como objetivo mostrar uma nova visão de como os consumidores estão se envolvendo com as marcas.

"Você tem que começar agora, mesmo que seja apenas para coletar os dados necessários para construir essas formas de medição. Se você não fizer isso, seus concorrentes vão", disse Eubanks.

Gartner.jpg

Compreender cada forma de mensuração do Total Marketing

Marketing Mix Media Modeling é uma análise feita para tentar projetar o impacto dos esforços de marketing futuros de uma marca. Rever o desempenho passado nos tipos de canais, em relação às vendas, cria uma oportunidade para as empresas aprenderem com suas ações passadas. As companhias podem então usar esses dados para planejar as próximas campanhas e prever o impacto delas.

"Estamos olhando para trás para que possamos seguir em frente", disse Eubanks. "Isso normalmente é feito anualmente na liderança estratégica."

Ao invés de pensar no "aqui e agora", o Marketing Mix Media Modeling tem uma visão de desempenho a longo prazo. Para isso, uma marca deve confiar na análise da experiência do consumidor, que é quando as marcas rastreiam os pontos onde um cliente em potencial pode se envolver antes que uma venda seja concretizada, seja um site, um e-mail, um post social ou uma experiência na loja.

Eubanks explicou que as marcas começaram a olhar em seus websites para melhorar taxas de conversão. Pense em um e-commerce em que um cliente compra um produto e depois retorna ao site para encomendar outro. Ao rever essas experiências dos clientes, os comerciantes podem encontrar deficiências e fazer melhorias contínuas.

Quando essas análises são feitas, a marca começa a entender quem é o cliente, quais são seus hábitos de compra e quais são seus desejos e suas necessidades. No entanto, a experiência do cliente por si só não vai dizer às empresas o que essas pessoas pensam ou como se sentem sobre sua marca.

A peça final do quebra-cabeça é a análise de como o cliente se sente em relação à sua marca. Fazendo isso, as marcas atuam no campo da coleta de opiniões, do sentimento social e dos dados de pontuação dos promotores de rede. Ao usar o monitoramento de mídia para entender o conteúdo que os clientes estão consumindo, você pode enxergar uma imagem melhor de quem eles são.

A posição de Eubanks é que, com todas essas três metodologias, as marcas podem resolver questões relacionadas à atribuição do sucesso de marketing.

Reunindo a mensuração de marketing para criar uma imagem mais clara

O Marketing Mix Media Modeling fornece a estratégia de cima para baixo para decidir como alocar os investimentos no marketing. A coleta de dados de experiência do cliente ajuda a identificar áreas de conflito para que as marcas possam reduzir esse atrito, permitindo uma experiência de compra mais fácil. Ao analisar os sentimentos do cliente, as marcas podem testar o envolvimento diário com os cosumidores para aumentar a eficiência doméstica e melhorar as conversões. Cada uma dessas formas de medição fornece valor, e todas elas devem ser combinadas para criar o quadro mais preciso de desempenho e previsão.

Mesmo se uma empresa não tem um plano claro sobre como usar os dados que estão coletando, eles não podem provar o desempenho ou fazer qualquer tipo de previsão no futuro, se não coletarem esses dados em primeiro lugar.

A ideia do Total Marketing serve para um empresa saber quem será o seu cliente, onde estão em um ciclo de compra e quão perto eles estão de consumir sua marca. Fazer isso requer uma ampla gama de soluções técnicas, integração organizacional e provavelmente uma série de fornecedores que coordenam em seu nome para coletar e operacionalizar todos esses dados, o tempo todo.

É uma tarefa assustadora, mas se Eubanks está certo, as marcas que não estão experimentando vão ficar para trás.

Texto original publicado no Blog Beyond The Wire: Understanding Total Marketing Measurement

Traduzido e adaptado por Edu Borelli, Estagiário PR Newswire Latin America

Tags: marketing, dados, big data

Como criar vídeos para o Facebook Live

Facebook Live é uma forma de criar conteúdo ao vivo. Em um post recente, o vice-presidente de produtos do Facebook, revelou que 20% de todos os vídeos que são postados no Facebook são vídeos ao vivo (live), e que o tempo gasto para assistir esses vídeos, aumentou 400% ano a ano. Essa é uma proporção considerável de conteúdo de vídeo que é filmado ao vivo. Willa Paskin compartilhou que uma vez que os vídeos ao vivo não são feitos de forma planejada, podem se tornar difícil de assistir e interpretar. Todavia, há grandes ferramentas que foram adicionadas ao Facebook Live e que podem ajudá-lo a tornar seus vídeos mais atraentes para o seu público. O que eu quero fazer neste post é mostrar ferramentas disponíveis que podem ajudar a melhorar o seu conteúdo no Facebook Live. Mas primeiro…

Existe alguma razão para que o seu conteúdo seja “ao vivo”?

Existe uma razão convincente para você publicar um vídeo ao vivo? Existe um evento que você está transmitindo? Quando comparamos o vídeo padrão com o Live, é fácil ver que o Live vídeo é inferior. Não tem como editar, além de ter espaço para erros. Os vídeos ao vivo são menos envolventes e exigem muito mais paciência e compreensão do seu público. Por isso seja franco e avalie se o Facebook Live é a ferramenta certa para você, porque se não houver uma razão convincente para estar no Facebook Live, não haverá razão para as pessoas assistirem seu conteúdo em tempo real. Para que os Live vídeos funcionem, é necessário um compromisso de qualidade, tanto para você, quanto para seu público.

O vídeo ao vivo iniciado no desktop permite resoluções de alta qualidade?

Quando o Facebook Live foi lançado pela primeira vez, as queixas mais comuns foram a baixa qualidade do vídeo e a conectividade exclusiva pelo wi-fi. Recentemente, o Facebook integrou ao Facebook Live uma versão para computador e isso deve melhorar os problemas de qualidade de vídeo e conectividade para a maioria das transmissões. Em vez de transmitir por meio de um dispositivo móvel, você pode usar o hardware que fará seu vídeo e áudio. Sempre que você puder, produza vídeos de alta qualidade.

Profissionais de Relações Públicas podem angariar fundos diretamente do Facebook Live


Para os profissionais de RP que fazem arrecadação de fundos, desde o ano passado o Facebook Live permitiu doações para transmissões de Páginas verificadas. Para ativar essa funcionalidade, você deve ser uma instituição de caridade e ter duas verificações administrativas através do Facebook:

  1. Página Verificada do Facebook

  2. Uma verificação de caridade do Facebook

Além disso, o Facebook acaba de abrir sua plataforma para doações pessoais nas transmissões do Facebook Live. Este recurso está atualmente em versão beta e exigirá uma verificação de caridade de 24 horas. Além disso, as campanhas devem estar incluídas nas seis categorias seguintes:

  • Educação
  • Saúde
  • Veterinária
  • Auxílio em Crises
  • Emergência Pessoal
  • Falecimento e Funerais

Facebook Live pode ser feito em 360 graus

Mais um recurso que foi recentemente adicionado é a disponibilidade para transmitir ao vivo vídeos em 360 graus. Este recurso serve para casos em que um contexto compartilhado é divertido ou instrutivo. Várias câmeras e acessórios podem ajudar nesta experiência 360. É muito fácil de encontrá-las tanto em lojas presenciais de tecnologia, como em e-commerce. Um aviso sobre o Facebook 360 é que ele deve usar um navegador compatível ao vídeo, e também é bom lembrar que seu público pode não ser capaz de exibir este tipo de conteúdo.

Facebook Live Audio também é uma opção de conteúdo para o futuro.


Em dezembro, o Facebook anunciou o recurso "Facebook Live Audio", que permite aos criadores de conteúdo compartilharem áudios ao vivo para os seus seguidores. Embora este não tenha sido introduzido ao público ainda, em breve, todos nós seremos capazes de transmitir (e ouvir) áudios ao vivo no Facebook. Conversas em tempo real com o público pode ser uma grande oportunidade para profissionais de relações públicas e criadores de conteúdo.

Promoções são necessárias para ter sucesso no Facebook Live

Uma das recomendações mais importantes é promover seu vídeo ao vivo antes de ser lançado. Se você começar uma transmissão ao vivo agora, você estará limitado ao número de seguidores que estão presentes no Facebook no momento da transmissão. Ao anunciar o seu vídeo ao vivo com antecedência, você é capaz de gerar interesse no seu público. Em outras palavras, promover o seu Live vídeo, é tão importante para este tipo de conteúdo como qualquer outro. Além disso, você pode incentivar as pessoas a se inscreverem para continuarem vendo seus vídeos ao vivo. O botão “seguir” notifica pessoas de eventos ao vivo.

Conclusão

O Facebook Live tornou-se muito popular no Facebook e pode ser facilmente utilizado. Ao usar o Facebook Live Vídeo (ou áudio quando ele for lançado) seguido de uma boa estratégia e ferramentas certas, ele pode alavancar o engajamento do seu público em diversas formas.

Texto original publicado no Blog Cision: How to Create Better Facebook Live Videos

Traduzido e adaptado por Edu Borelli, Estagiário PR Newswire Latin America

Tags: facebook, livestreaming, conteúdo

Ética nas redes sociais - Pratique!

Quando navegamos na internet, muitas vezes temos a impressão de estarmos “imunes” em relação as nossas publicações, textos, fotos, vídeos, entre outros. Porém muitos se esquecem de que somos os únicos responsáveis pelo conteúdo que geramos no ambiente online e dependendo do que postarmos, podemos arcar com as consequências. Algumas situações podem gerar desde bloqueios de postagens e perfis até processos judiciais. Além disso o impacto por uma brincadeira ou conteúdo mal-intencionado pode levar a demissões por justa causa, separações de casais, brigas entre amigos. Por isso é crucial manter uma postura ética não só em redes sociais, mas em toda a rede. Na dúvida, não publique!

Todos nós sabemos que a internet abre possibilidades para nos expressarmos com mais liberdade, e podemos encontrar pessoas que pensam de maneira semelhante ou que tem uma opinião totalmente contrária. Por isso é importante sempre lembrar e praticar: “O seu direito termina onde começa o direito do outro”.

Este tipo de situação pode prejudicar sua reputação dentro e fora do ambiente online, então antes de escrever por impulso, pense um pouco, veja se seu conteúdo pode ofender alguém, pois uma vez publicado ele poderá ser facilmente encontrado e as chances de ser usado contra você serão muito grandes.

Algumas dicas que podem evitar confusões online:

  • Ao abordar algum amigo ou falar algo sobre ele, faça-o com bom senso e saiba escolher bem suas palavras para não ser mal interpretado.
  • Não fale mal de pessoas e empresas. É um ponto extremamente negativo em um processo de seleção e pode prejudicá-lo dentro do ambiente de trabalho ou com um cliente, com chance de acarretar em uma demissão.
  • Críticas sempre são bem-vindas, desde que sejam construtivas. Evite opiniões radicais e polêmicas.
  • Caso se sinta atacado, prejudicado ou provocado, não vale a pena se estressar e responder de volta. Existem recursos em quase todas as plataformas sociais para bloquear ou excluir um usuário.
  • Seja polido e educado, você só tem a ganhar com isso.
  • Não escreva em letras maiúsculas. Na internet esse tipo de escrita dá a impressão de que o usuário está “gritando”.

E lembre-se: todo conteúdo publicado em redes sociais e sites pode ser rastreado conforme o caso, evite problemas e pratique!

Equipe PR Newswire

Tags: etica, redes sociais, conteudo