Espaço PR Newswire para Comunicadores

O Blog da PR Newswire é um espaço dedicado à produção e desenvolvimento de conhecimento. Aqui você encontra as notícias e os artigos mais interessantes sobre Comunicação. São abordados temas relacionados às Relações Públicas, Jornalismo, Marketing, Publicidade, Mídias Sociais e Digitais. Confira nossos posts e deixe suas observações nos comentários. Queremos saber sua opinião.

Walmor Chagas marca a história do teatro e alcança o Topo do Ranking Semanal da PR Newswire

05. 24JAN2013 TOPCAST

Qualquer jornalista, site ou blogueiro interessado em obter mais informações sobre o assunto poderá entrar em contato pelo e-mail atendimento@prnewswire.com.

Equipe de Auditoria de Imagem PR Newswire

Tags: Aline Mattos, artistas, famosos, Giovanna Antonelli, Luciana Gimenez, Miguel Falabella, ranking de celebridades, Top Cast PR Newswire, Walmor Chagas

Google “ame-o ou deixei-o” - Políticas de Privacidade e Integração

No começo do mês, o jornal americano The Wall Street Journal publicou um artigo sobre o polêmico modo como o Google vem “incentivado” as pessoas a usarem a sua rede social Google+. A criação da rede social teve como objetivo concorrer e impedir o domínio do Facebook no segmento. Porém, hoje também está sendo usada como um ativo estratégico na integração de todos os serviços prestados pelo Google, como o Youtube e o Gmail. A polêmica surgiu quando internautas americanos sentiram-se ameaçados com algumas ações entre os serviços da empresa.

Privacidade

No final de 2012, o Google começou a exigir que os comentários sobre os Apps disponíveis no Pay Store (loja online de apps do Google) fossem feitos através do perfil pessoal do Google+, evitando assim comentários anônimos e vinculando o comentário ao perfil do usuário na rede social. Essa integração permite que seus amigos vejam as suas resenhas sobre Apps, Livros, Jogos e outras opiniões particulares através da rede social.

O site especializado Tecmundo, em uma publicação de janeiro de 2012, relata que a própria organização notificou seus usuários sobre os novos termos de serviço e política de privacidade. Em resumo, os termos relataram que, durante o uso de um dos serviços do Google, os dados de navegação serão integrados com os obtidos em seus outros produtos.

Tendo hoje o Google+ como “Hub” para integrar todas essas informações, o Google consegue traçar um perfil mais exato sobre seus usuários por meio de uma única conta, unindo todos os serviços da organização e a forma como cada pessoa os usa.

Mas por que isso é interessante para o Google?

95% da receita da empresa derivam de publicidade, e esse cenário propicia maior informação para os anunciantes sobre como atingir seu público, propondo ferramentas baseadas nos hábitos dos internautas e tendo como produto o conteúdo direcionado.

O que o internauta ganha com a integração? Por exemplo: se um jornalista que escreve publicações sobre o mercado financeiro e utiliza o buscador do Google para pesquisar assuntos relacionados ao tema, quando esse profissional acessar o Youtube, provavelmente terá sugestões de vídeos de empresas que usam esse canal para divulgação de resultados ou relacionamento com investidores. Quando acessar a Pay Store, aplicativos relacionados a economia e livros financeiros serão sugeridos, promovendo maior assertividade de acordo com seu perfil profissional.

O que o internauta perde? “Privacidade”.

Se direcionar conteúdo é a parte benéfica e produto final para os usuários, anunciantes e para o próprio Google, a parte “ruim” é que com essa nova proposta a empresa manterá forte monitoramento das atividades dos internautas na rede, observando com quem se relacionam, conteúdo que acessam, onde estão ou onde costumam ir (geo localização), entre outras informações.

Como não existe um filtro para dizer quais dados pessoais você gostaria de fornecer ao Google, a situação é radical. Para os que não veem problemas nisso, basta tirar vantagens do conteúdo direcionado. Já os usuários que não concordam com a política de privacidade podem cancelar suas contas no Youtube, Gmail, Google+, Play Store, Picasa, Blogger e demais serviços da empresa.

Resta saber se é possível para um internauta viver sem todos esses serviços.

Saiba mais em: •The Wall Street Journal •Tecmundo

Por Victor Melo, Assistente de Comunicação e Marketing PR Newswire

Tags: Google +, novidade rede social, Play Store, Política de privacidade, Privacidade, Tecnologia, The Wall Street Journal, Victor Melo, youtube

20 Perfis no Twitter para comunicadores seguirem

Conteúdo informativo e de qualidade em 140 caracteres, com fotos, vídeos e notícias. O Twitter pode se tornar uma excelente fonte de conteúdo e informação para comunicadores. Abaixo listamos 20 perfis interessantes do microblog que você pode seguir.

IMAGEM BLOG

Para se manter informado em tempo real:

• Estadão: @Estadao – Com mais de 600 mil seguidores, o perfil traz o conteúdo online do jornal O Estado de São Paulo, o mais antigo ainda em circulação no país.

• Folha de São Paulo: @Folha_com – Versão Online do jornal Folha de S. Paulo traz as principais notícias da versão online do jornal.

• Revista Época: @RevistaEpoca – Notícia e opinião sobre o Brasil e o mundo, cultura, tecnologia, negócios, saúde e bem-estar estão disponíveis no perfil.

• Revista ISTOÉ:‏ @RevistaISTOE - Vídeos, fotos podcasts, notícias do Brasil e do mundo, com a opinião de colunistas nos blogs.

• Revista Veja: @veja - Reportagens, informação, vídeos e opinião nos blogs de colunistas sobre os temas do Brasil e do mundo.

• Valor Econômico: @valor_economico – Notícias atualizadas sobre economia, negócios e finanças.

Jornalismo, Relações Públicas, Publicidade e Propaganda e Marketing

• AD News: @adnews_com_br  - Perfil do site AD News, com informações e notícias do mercado de tecnologia, mídia e propaganda.

• Blue Bus: @bluebusbr – Informação sobre mídia, cultura pop e internet de forma bem humorada e criativa.

• Blog Ser RP: @BlogSerRP - Perfil do Blog que trata de diversos assuntos da área de Relações Públicas.

• Blog Mídia 8 : @midia8 - Tudo sobre comunicação digital e redes sociais que é publicado no Blog vai para o Twitter.

• Comunicadores: @comunicadores - Fazem parte do universo do Blog e estão no perfil do Twitter, publicidade, marketing, design,  tecnologia, novas mídias e web.

• ESPM : @espm - Fique por dentro do que acontece no mercado de comunicação , marketing e gestão com o conteúdo oferecido pela Escola Superior de Propaganda e Marketing.

• Exame Marketing: @EXAME_marketing - Notícias do portal Exame voltadas para Marketing e Publicidade.

• Jornal Propaganda e Marketing: @propmark – Perfil do Jornal Propaganda e Marketing, que conta de comunicação, propaganda e marketing.

• Meio &Mensagem: @meioemensagem – As notícias mais relevantes do mercado brasileiro e global de Comunicação, Marketing e Mídia estão no Twitter do jornal.

• Portal Imprensa: @portalimprensa – O perfil acompanha a versão online da Revista Imprensa que aborda diversos temas da área de comunicação.

• Portal RP Bahia: @portalrpbahia - Canal de comunicação permanente voltado para a área de Relações Públicas em âmbito nacional.

Mídias Sociais e Tecnologia

• Blog Mídias Sociais: @redes_sociais - Perfil que, assim como o Blog, traz tendências, aplicações e atualizações do universo das mídias sociais.

• Olhar Digital: @olhardigital  - Notícias sobre tecnologia e internet, em uma linguagem descomplicada  no Twitter.

• IDG Now: @idgnow - Tecnologia, internet e mobilidade reunidos no perfil do Twitter.

Dê uma boa olhada nesta lista e veja quais são os perfis que você, comunicador, ainda não segue e se tiver alguma sugestão compartilhe conosco! Aproveite a oportunidade e conheça também o nosso perfil no Twitter @prnewswirebr. Lá tuitamos sobre mídia, jornalismo, marketing, mídia social e RP. ;)

Por Richele Manoel, Coordenadora de Distribuição Online PR Newswire

Tags: contas para seguir, dicas twitter, epoca, estadao, folha, isto é, twitter, veja

Ética nas redes sociais – Pratique!

Quando navegamos na internet, criamos a ilusão de estarmos “imunes” às nossas publicações, textos, fotos, vídeos e etc. Porém, muitos se esquecem de que podemos ser prejudicados dependendo do que postamos, pois sempre somos responsáveis por nossas ações online. Algumas situações podem até gerar processos por causa de uma leve brincadeira, isso sem contar demissões por justa causa, separações de casais, brigas entre amigos e etc., por isso é importante manter uma postura ética não só nas redes sociais, mas em toda internet. Na dúvida, não publique!

liberdade de expressão

Todos nós sabemos que a internet abre possibilidades para nos expressarmos com mais liberdade, encontrarmos pessoas que pensam de maneira parecida (ou não), mas lembre-se: “O seu direito termina onde começa o direito do outro”.

Já que a situação não é tão legal quando o prejudicado é você, então antes de escrever por impulso, pense um pouco, veja se não vai ofender ninguém, pois alguém pode um dia se deparar com alguma coisa que você escreveu e não gostar, daí o problema começa.

Algumas dicas que podem evitar confusões online: 
  • Se for abordar algum amigo ou falar algo sobre ele, faça-o com bom senso, para não ser mal interpretado.
  • Não fale mal de pessoas ou empresas, pois isso é um ponto extremamente negativo em um processo de seleção e pode pegar mal também dentro do ambiente de trabalho ou com um cliente, chegando a acarretar em uma demissão.
  • Críticas sempre são bem-vindas, desde que sejam construtivas. Evite opiniões radicais e polêmicas.
  • Caso se sinta atacado, prejudicado ou provocado, não vale a pena se estressar, você pode usar o recurso de bloquear aquela pessoa indigesta.
  • Seja legal e educado, você só tem a ganhar com isso.
  • Não escreva nada em letras maiúsculas, pois passa a impressão de que você está gritando.
E lembre-se: por mais que você pense que não é monitorado, isso não é verdade, na internet tudo é rastreado sim, então não abuse e aja com ética e respeito!

Fontes: http://tecnologia.uol.com.br/album/dicas_comportamento_redes_sociais_album.htm http://carreiras.empregos.com.br/carreira/administracao/noticias/como-se-comportar-redes.shtm

Leandro Santos, Executivo de Contas PR Newswire

Tags: Comunicação Organizacional, dicas de mídias sociais, etica na rede, mídias sociais, redes sociais, Tecnologia

10 Melhores Práticas para Mídias Sociais

 

Post originalmente publicado no Blog da PR Newswire USA em 03 de janeiro de 2013.

editorial-guidelines-sticky-note

 

Recentemente, eu me desafiei a trazer à tona as 10 melhores práticas para mídia social em um breve resumo. Assim que comecei, percebi logo que seria difícil manter a lista para apenas 10 itens. Fiz uma pesquisa e tratei de ir eliminando regras excessivas, para enfim conseguir delinear os 10 principios básicos para ser bem sucedido nas mídias sociais.

#10 – Conte com boas ferramentas Você definitivamente pode traçar uma estratégia para mídia social somente contando com o acesso via web para Twitter e Facebook, mas se você quiser mensurar seu desempenho neste segmento e ter uma presença bem orquestrada para a sua marca (pessoal ou empresarial), então você precisa pensar em ferramentas que podem economizar tempo e dar estatísticas úteis. Alguns dos meus favoritos incluem Hootsuite (web e mobile), SocialOomph, Buffer, Twitter lists, SproutSocial, Bit.ly e Topsy. #9 – Seja legal Pode parecer simplista, mas eu não me canso de reforçar o quanto isto é importante. Mídia Social está diretamente relacionada ao envolvimento do ser humano, participando de uma grande festa virtual. Então isso significa ser bom e ajudar os outros sempre que possível. Oferecer respostas quando as pessoas estão procurando por elas.Especialmente quando você não tem nada para se beneficiar disto. As pessoas notam e lembram-se.

Quer que um jornalista no Twitter lembre-se de você com carinho? Ajude-os com uma dica descompromissada, sem interesses pessoais.

# 8 - Seja receptivo Você tem que manejar suas contas sociais. Clientes esperam que você proveja um serviço equilibrado. Para isso, é preciso responder a perguntas e manejar as preocupações. É melhor ter um ou dois canais de mídia social bem administrados do que várias contas que você não consegue acompanhar.

#7 – Comprometa-se Não há necessidade de comprar um anel de diamantes para isso, mas você precisa envolver sua audiência. Um fluxo de tweets que não têm ou com poucas respostas é pouco diferente de mídia paga. Se você quiser mídia espontêna, você tem que participar ativamente da conversa.

# 6 - Tenha diretrizes editoriais claras Diretrizes em seus editoriais podem ser muito simples, mas são essenciais para sua estratégia, mesmo se você for o único gerente de contas de Mídia Social. Você precisa deixar claro quais tópicos irá debater ou não dentro das contas sociais de sua marca.

Isto, claro, se torna muito mais importante quando você tem várias pessoas integarindo em seus canais de mídia social. # 5 - Tenha um plano de crise

Mesmo que seja algo simples, um plano de crise é essencial. Liste quem precisa ser consultado ou contatado em uma situação potencial. Se você tem vários gestores de contas, é preciso deixar claro o que configura ou não uma crise.

Mantenha isto de forma simples. Não é necessário supervalorizar uma situação de risco.

# 4 - Tenha uma missão clara Você deve ter uma razão para guiar seus esforços em mídia social e você deve ser capaz de colocar isso claramente em uma ou duas frases. Mais uma vez, como já descrito acima, isto é especialmente importante se você tem várias pessoas trabalhando em conjunto, mas mesmo que seja só você, mantenha isto como um lembrete diário. # 3 – Escute! Ouça seus clientes, ouça especialistas do setor, ouça os seus concorrentes e, em seguida, ouça um pouco mais algumas pessoas. Ouvir é aprender, ou seja, nunca é o bastante.

# 2 - Defina políticas e diretrizes de mídia social Suas políticas e diretrizes não precisam ser complicadas, mas elas precisam existir e precisam estar disponíveis para que os funcionários tenham fácil acesso a elas. Todos devem estar familiarizados com elas e, mais importante, precisam ter uma compreensão clara das mesmas.

E, por último, mas não menos importante:

# 1 - Como sua mãe sempre disse: "Seja verdadeiro!" Talvez sua mãe não tenha dito isso, mas eu tenho certeza que alguém já o fez. Sério, seja humano, seja você mesmo, seja “real”. O maior presente das mídias sociais é a oportunidade de humanizar uma marca e ser real é a única maneira de fazê-lo.

Deixei algo de fora? Avise-me caso considere um item #11. Gostaria muito de ouvir seus pensamentos sobre as melhores práticas.

Victoria Harres é Diretora de Desenvolvimento de Audiência na PR Newswire, a voz principal por trás do twitter @PRNewswire, líder do @Business4Better , palestrante frequente e escritora sobre mídia social para os negócios.

Traduzido e adaptado por Camila Conte, Gerente de Relacionamento com a Mídia PR Newswire

 

Tags: Comunicação Organizacional, dicas midias sociais, Facebook, mídias sociais, melhores práticas, redes sociais, twitter

Carolina Dieckmann se despede do papel mais difícil de sua carreira e alcança o topo do Top Cast da semana

Top Cast semanal de volta em 2013!

RankingCasting-Sem01 Qualquer jornalista, site ou blogueiro interessado em obter mais informações sobre o assunto poderá entrar em contato pelo e-mail atendimento@prnewswire.com.

Equipe de Auditoria de Imagem PR Newswire

Tags: carolina Dieckmann, Flávia Alessandra, Guilhermina Guinle, Mariana Ximenes, pr newswire, ranking de celebridades, Sabrina Sato, Top Cast PR Newswire

GetGlue, Mine e Skoob - Conheça novas redes sociais e mostre ao mundo o que você está fazendo

Muitos usuários das redes sociais gostam de estar sempre conectados e mostrando ao mundo o que estão fazendo. Algumas redes novas vieram para deixar essa experiência mais prática e divertida.

getglue

GetGlue: O GetGlue é uma rede social em que seus usuários fazem check-in ao assistir um filme, uma série, um show, ler um livro, jogar um jogo, ouvir uma música ou simplesmente ao pensar alguma coisa que considere interessante compartilhar. Mas o foco está nos programas de televisão e filmes. Também é possível acompanhar o feed, curtir e comentar o que seus amigos estão assistindo.

Além disso, o GetGlue é uma rede interativa, ao assistir a programas específicos ou atingir determinado número de check-ins, o usuário ganha stickers (adesivos) colecionáveis e muitas vezes limitados, após completar 20 stickers,  é possível recebê-los em casa, sem custo e em qualquer lugar do mundo.

mine

Mine: O Mine é uma rede social em que os usuários podem compartilhar tudo o que estão comprando ou acabaram de comprar, postar seus produtos preferidos e importar seu histórico de sites de compras como iTunes e Amazon, por exemplo.

Também é possível acompanhar as atividades de seus amigos através do feed, curtir e comentar suas novas aquisições.

skoob

Skoob: O Skoob, diferente da maioria das redes sociais que tem origem americana, é uma rede brasileira voltada a leitores e novos escritores. Nela é possível que o usuário compartilhe os livros que estão lendo, já leram, pretender ler, reler ou abandonaram, e também podem publicar suas opiniões sobre leitura por meio de resenhas e avaliações de livros. O Skoob também é interativo e permite que haja troca de livros entre os usuários pelo seu sistema Plus.

Uma curiosidade interessante sobre o Skoob é que seu nome ao contrário significa Books – livros em inglês.

Todas as redes citadas podem ser compartilhadas com outras redes sociais como Facebook e Twitter, e o GleGlue e o Mine possuem versões de aplicativos para Android e iOS.

Você gosta de redes sociais novas e diferentes? Gostou das nossas opções? Aproveite para comentar e interagir conosco.

Fontes: http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/mine-uma-rede-social-para-compartilhar-suas-compras http://pt.wikipedia.org/wiki/GetGlue http://pt.wikipedia.org/wiki/Skoob

Evely Souza, Executiva de Monitoramento de Mídia PR Newswire

Tags: getglue, interatividade, lista+rede+sociais, mídias+sociais, mine, novas+redes+sociais, redes+sociais, skoob

O seu conteúdo é real? 4 maneiras de atrair audiência qualificada com conteúdo

Este texto foi traduzido do post escrito por Sarah Skerik no Blog Beyond PR, em 11 de janeiro de 2013.

real

Houve um tempo em que os profissionais de relações públicas e os seus colegas em marketing mediam o sucesso pelo número de impressões geradas em uma campanha. Eu nunca me importei muito com a impressão passageira. Em minha mente, a menos que elas se transformem em um resultado mensurável, as impressões são simplesmente uma estimativa abstrata do número de pessoas incomodadas com uma campanha.

"Incomodadas". Interrupção não é modelo de comunicação viável, não nos dias de hoje, quando nossas audiências estão firmemente no controle do conteúdo que consomem. Em vez de abrir nosso caminho dentro das mentes das audiências, os comunicadores têm uma nova tarefa. Nossas marcas têm que ser vistas como inteligentes, interessantes, úteis, acessíveis e humanas por nosso público. E isso serve aos comunicadores não apenas para criar esta imagem, mas para oferecer experiência.

"Experiência" é a pedra angular, e comunicadores têm que considerar a experiência do cliente assim como eles criam e publicam conteúdo. Para determinar se o seu conteúdo está no caminho certo, pergunte-se se o conteúdo que você está publicando é "real", eu estou usando uma sigla pouco útil para o seguinte:



Relevante: Muitas vezes, as marcas contam a história que elas querem que suas audiências ouçam, não pensam em termos de quais informações seu público está procurando ativamente. O primeiro passo para alcançar relevância é ouvir o que o público está dizendo. Que perguntas se repetem mais e mais em grupos de discussão on-line? Quais são os termos de busca mais utilizadas em sua indústria? Que perguntas de equipes de campo o seu cliente enfrenta com mais frequência? Agregando esses dados você irá ajudar a sua organização a entender com o que o seu público realmente se preocupa. Além de responder a essas perguntas diretamente, a organização também poderá usar essa inteligência valiosa como um quadro de mensagens. Criação de conteúdo relevante é a melhor maneira de garantir ao público que o que ele está adquirindo é realmente qualificado.

Entreter (ou engajar, ou ambos): Não importa a qual assunto seu conteúdo está endereçado, a fim de ser bem sucedido, o conteúdo deve entreter ou engajar - e de preferência ambos! Alguns temas servem bem para o humor, o que torna a peça divertida. Mas se o seu assunto é de natureza mais seca e não se presta bem a ser engraçado, isso ainda não é desculpa para ser chato. A escrita animada, salpicada com anedotas e histórias da vida real podem tornar o conteúdo mais interessante para os leitores. “Bullet points” e listas irão atrair leitores. E visuais - gráficos até mesmo simples – adicionarm apelo e dimensão ao conteúdo padrão.

Acionável: Será que o seu conteúdo melhorar a vida dos leitores? Essa é uma grande questão, mas garantir que a resposta seja "sim" irá praticamente garantir a utilidade do conteúdo que você está publicando. Embora seu conteúdo não possa ser a resposta para a felicidade ao longo da vida, deve permitir que seus leitores façam algo melhor. Que tal oferecer dicas para ajudá-los a usar o seu serviço com mais eficiência, economizar dólares do orçamento ou fazer o seu trabalho melhor? Que tal oferecer conhecimento para ajudá-los a tomar uma decisão de compra mais informada? Garanta que o seu conteúdo oferecerá um caminho para seus leitores seguirem que trará impacto positivo em suas vidas.

Liderando: Enquanto muitos de nós amam escrever, o conteúdo que estamos produzindo realmente precisa ter um ponto. Ele precisa oferecer um caminho para que os leitores interessados ​​sigam. No entanto, o caminho pelo qual você guiar seus leitores não precisa ser (e provavelmente não deveria ser) tão astensivo, como obrigando-os a preencher um formulário para mais informações. Em vez disso, se você tem desenvolvido um conjunto de conteúdo interessante e útil, confie nele para atrair e orientar seus clientes potenciais. Ofereça informações mais úteis, exercícios que atendam às necessidades específicas e forneça respostas cada vez mais detalhadas. Efetivamente, você está mapeando conteúdo para o ciclo de compra, colocando informações de interesse geral na parte superior do funil para atrair clientes potenciais e qualificando aqueles propects na busca por informações. No momento em que seus propects entrarem em contato com a sua marca, a maioria deles terá feito uma extensa pesquisa, e terá eliminado potenciais fornecedores - e eles serão prospects muito bem qualificados.

Qualquer um que tenha uma mão na criação de conteúdo para uma marca sabe da demanda incessante de informações geradas nos mercados de informação de hoje. E vamos encarar isso, a criação de conteúdo é demorada e cara. No entanto, o conteúdo que é verdadeiramente "real" e é mapeado para os diferentes estágios de funil de compra da sua organização pode ser um gerador tremendamente eficiente de leads qualificados para o seu negócio. Antes de publicar, respeite o tempo necessário para obter o conteúdo certo e tenha a certeza de que ele é "real".

Sarah Skerik é Vice-Presidente de Mídias Sociais da PR Newswire.

Traduzido e adaptado por Tatiana Meneses, Gerente de Comunicação e Marketing PR Newswire, América Latina

Tags: comunicação, Comunicação Organizacional, conteudo+qualidade, conteudo+relevante, informação+marketin, marketing, relações+públicas

Mídia Impressa - Seria um adeus?

Desde o surgimento da internet, o jornalismo tradicional vem sofrendo as mudanças da comunicação tecnológica, seja pela migração de jornalistas para os meios online ou pelos fechamentos das versões impressas de alguns veículos. Em um mundo novo, em que a informação, mobilidade, instantaneidade, objetividade e interatividade são as palavras de ordem, os meios impressos começam a perder força e não conseguem se adaptar dentro do mesmo formato.

No Brasil, essa tendência iniciou-se com o fechamento da Tribuna da Imprensa, seguida pelo Jornal do Brasil – que passou a ter versão apenas online. Em 2012, o Grupo Estado anunciou o encerramento do Jornal da Tarde. No entanto, essa não é só uma tendência no nosso país. Em 2012, prestes a celebrar 80 anos, a americana Newsweek revelou que a partir de 2013 estará disponível apenas na versão digital.

newsweek-final-print-edition Última capa impressa divulgada pela revista Newsweek que marcou sua transição para a era totalmente digital, com uma rashtag do Twitter.

Mas o que o fim da versão impressa de uma das mais tradicionais revistas americanas significa? Isso seria um indício do que acontecerá com os outros veículos?  Inúmeros pesquisadores e especialistas em comunicação afirmam que não. Do ponto de vista do jornal versus mídia online, por mais que o meio virtual esteja ganhado cada vez mais expressão, isso necessariamente não indica que tomará o lugar dos impressos. Com a rotina apertada dos grandes portais em busca da primeira notícia, do furo, a credibilidade não é a mesma dos grandes jornais. Esse fato, somado com o público romântico e fiel da versão impressa, não indica o fim dos jornais impressos tão cedo.

Olhando pelo lado da lógica de mercado, o cenário realmente é outro. Se antes era cada vez maior o número de anunciantes nos veículos impressos, hoje já não é bem assim. Os anunciantes começam a preferir a internet, cujo alcance é grande e requer menos financiamento. Essa é a nova realidade, os meios impressos terão que lutar e se reinventar para sobreviver, contando com a competição publicitária dos meios online.

No caso da Newsweek, a circulação impressa da revista foi reduzida pela metade nos últimos anos, acompanhando a queda do número de publicidade, de 80%. Como sobreviver sem esse financiamento? Essa é a briga que muitos Grupos e veículos vivenciarão nos próximos anos. Continuarão com a ideologia do jornalismo impresso e com a análise dos fatos? Ou migrarão para o online a fim de sobreviverem? Isso, só o tempo responderá.

E sobre o fim da versão impressa de umas das mais tradicionais revistas, Baba Shetty, CEO da Newsweek Daily Beast Company, e Tina Brown, editora-chefe da revista, despedem-se em comunicado oficial: “Extinguir o impresso é um momento extremamente difícil para nós que amamos o romantismo do papel e a camaradagem única daquelas horas agitadas antes do fechamento na noite de sexta-feira. Mas, como caminhamos para o 80º aniversário da Newsweek no ano que vem (2013), temos de sustentar o jornalismo que deu à revista seu propósito – e abraçar o futuro all-digital”.

Leia Mais em: Meio & Mensagem Revista Exame

Por Marina Landert, Coordenadora de Análise de Conteúdo de Mídia PR Newswire

Tags: fim+midia+impressa, futuro+digital, futuro+jornalismo, jornal+da+tarde, newsweek

Instagram e suas novas políticas – Analisando o lado positivo da venda das imagens sem direitos autorais

Recentemente, o Instagram – um dos maiores aplicativos de compartilhamento de fotos do mundo – anunciou mudanças nas suas políticas, gerando uma polêmica especialmente por conta de uma nova cláusula que supostamente estaria relacionada à venda das imagens dos usuários, sem nenhum tipo de crédito ou pagamento para quem clicou a foto. A tal nova política nem entrou em vigor (a data é meados de janeiro) e os responsáveis pelo Instagram já precisaram rever a estratégia, tamanha a confusão.

Young Girls Taking a Picture

Usuários irritadíssimos (e pareciam ser muitos) prometeram apagar suas contas e a pressão foi aumentando. Mas, e se isto um dia realmente acontecer? Se o Instagram ou qualquer outro aplicativo de compartilhamento de imagens resolverem vender as imagens, isto pode ter algum lado positivo?

Preparamos algumas dicas e estratégias para este cenário:
  1. Use como portfólio: ok, eles poderão usar suas imagens e não pagar nada, mas se você está começando a sua carreira como fotógrafo, por exemplo, pode ser uma oportunidade de tornar as suas imagens populares e comerciais. Escolha o que quer postar, pensando de que forma aquilo poderá ser utilizado e, se for e você conseguir mapear, colha os louros. Pode ser um trampolim interessante neste sentido.
  2. Use como autopromoção: você é um cozinheiro, um Hair Stylist ou algum profissional que queira vender seus serviços? Pode ser muito bom para você ter a foto de um prato seu ilustrando alguma campanha publicitária por aí. Neste caso, o que conta não é a imagem em si, mas o conteúdo da imagem, que está diretamente ligado ao seu ramo de atuação. Pode ser uma disseminação estratégica.
  3. Use como diversão: tirou uma foto incrível ou mega divertida e quer ver se a imagem tem futuro? A foto que você postou vai render boas risadas caso estampe algum tipo de publicidade? Então, vá em frente. Postar por diversão pode render risadas e... Tornar você famoso, quem sabe?
Viu? Nem tudo está perdido. Mesmo se um dia o Instagram ou qualquer outro aplicativo ou site de compartilhamento de imagem resolver vender o seu conteúdo, ainda assim isto poderá ter um lado positivo. Mas se você não quer ter suas fotos replicadas sem direitos por aí, atenção às políticas de uso, proteção de imagens (abuse das marca d’águas) e, em último caso, simplesmente não torne público. Você decide! :)

Por Camila Conte, Gerente de Relacionamento com a Mídia PR Newswire

Tags: dicas+instagram, direitos+autorais, direitos+autorais+instagram, fotos+instagram, instagram, instagram+políticas