Estudo revela que o tratamento com as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres® melhoram a qualidade da sobrevivência do paciente com câncer de fígado primário

Estudo revela que o tratamento com as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres® melhoram a qualidade da sobrevivência do paciente com câncer de fígado primário

O estudo SARAH realizado com 459 pacientes demonstra que tratamentos locais de Carcinoma Hepatocelular (CHC) avançado ou inoperável com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres não diferem emcomparação à terapia sistêmica com sorafenibe, apesar de reduzir significativamente os efeitos colaterais e melhorar a qualidade de vida dos pacientes

PR Newswire

AMSTERDAM, 2 de maio de 2017 /PRNewswire/ -- De acordo com o estudo frânces SARAH realizado com 459 pacientes com Carcinoma Hepatocelular (CHC) avançado ou inoperável que receberam um ou dois tratamentos com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres dirigidas ao fígado tiveram sobrevivência similar em comparação aos pacientes que receberam o tratamento sistêmico padrão com sorafenibe duas vezes por dia, mas com menos da metade do número de efeitos adversos relacionados ao tratamento e melhor qualidade de vida, de acordo com os dados apresentados no Congressso Internaccional do Fígado 2017 1

(Logo: http://photos.prnewswire.com/prnh/20150119/724485 )

Os resultados, que podem afetar o tratamento de dezenas de milhares de pacientes com câncer de fígado por ano, foram anunciados pela pesquisadora principal do estudo SARAH, a Prof. Valérie Vilgrain MD, PhD, do Departamento de Radiologia, Beaujon Hospital, Assistance Publique – Hôpitaux de Paris (AP-HP) e da Universidade Paris Diderot, em Sorbonne, Paris, França.

"Nem o sorafenibe e nem as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres produziram uma diferença estatisticamente significativa na Sobrevivência Geral (SG) dos pacientes que estudamos", disse a Prof. Vilgrain. "Apesar de 26,6% dos pacientes na ala SIRT não estarem recebendo as esferas SIR por protocolo, o principal ponto de Sobrevivência Global por intenção para tratar [ITT] não foi significativamente diferente (média de 8,0 X 9,9 meses; p = 0,18). Além disso, se olharmos os pacientes que receberam as esferas SIR ou sorafenibe de acordo com o protocolo SARAH, a média de SG foi idêntica (9,9 X 9,9 meses; p = 0,92)".

"Considerando o que importa para os pacientes, os resultados s desta primeira grande comparação entre a Radioterapia Seletiva Interna (SIRT) dirigida ao fígado e a quimioterapia sistêmica com sorafenibe mostram claramente que os procedimentos dirigidos ao fígado com esferas SIR resultaram na melhor tolerância do tratamento e da qualidade de vida," afirmou a Prof. Vilgrain. "Acredito que esta consideração deve ser um fator decisivo na escolha do tratamento de primeira linha para esta população de pacientes no futuro."

A diferença na frequência e severidade dos efeitos colaterais de pacientes tratados com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres contra sorafenibe foi surpreendente. De forma significativa, menos pacientes tratados com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres tiveram efeitos colaterais relacionados ao tratamento (76,5% X 94,0% para sorafenibe; p < 0,001), e estes também foram menos graves (grau ≥ 3; 40,7% X 63,0%, respectivamente; p < 0,001). Além disso, os pacientes tratados com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres que relataram efeitos colaterais relacionados com o tratamento, experimentaram uma média de apenas 5 destes eventos ao longo do estudo SARAH, em comparação com uma média de 10 de eventos naqueles que receberam o sorafenibe (p<0,001).

Os sintomas gerais relacionados ao tratamento, tais como fadiga (42% X 65%; p<0,001), dor abdominal (20% X 29%; p=0,032), náuseas ou vômitos (12% X 23%; p=0,001) e infecção (4% X 11%; p=0,007) também foram relatados com menor frequência e foram considerados menos graves para os pacientes que receberam o tratamento com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres em comparação com sorafenibe.

Outra revelação importante é que os pacientes tratados com as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres experimentaram menos casos de diarreia relacionados ao tratamento (13% X 68% para sorafenibe; p < 0,001), reação da pele da mão-pé (0,4% X 21%; p < 0,001), anorexia (13% X 32%; p < 0,001), perda de peso (6% X 21%; p < 0,001) e alopecia (0% X 16%; p < 0,001), bem como infecções (4% X 11%; p = 0,007), hipertensão (3% X 13%; p < 0,001) e hemorragia não-gastrointestinal (3% X 10%; p = 0,002).

Houveram algumas complicações associadas ao tratamento relacionado a SIRT e, importante, sem experimentar doença hepática induzida por radioembolização (hepatite por radiação). Não houve nenhum aumento significativo para as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres em ulceração gastrointestinais (GI) (2% X 0,5% para sorafenibe; p=0,37) incluindo um caso de úlcera GI induzida por radiação, ascite (12% X 11%; p=0,57), hiperbilirrubinemia (12% X 13%; p=0,86) e apenas um caso de pneumonite de radiação (0,4% X 0; p=0,46).

Os resultados das pesquisas inquéritos de Qualidade de Vida (QoL) preenchidos pelos participantes do SARAH em intervalos de três meses após o tratamento inicial ressaltaram o benefício das microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres. "Com base em suas respostas para as perguntas do Estado de Saúde geral na Organização Europeia para o questionário da Pesquisa e Tratamento do Câncer [os pacientes tratados com as esferas SIR mantiveram seu estado de saúde ao longo do estudo SARAH, considerando que os pacientes tratados com sorafenibe relataram uma diminuição significativa da Qualidade de Vida (efeito de grupo: p = 0,005; efeito de tempo: p < 0,001; diferença entre grupo aumenta ao longo do tempo: p = 0,045)," disse a Prof. Vilgrain.

"Além disso" "descobrimos que os tumores dos pacientes tratados com as esferas SIR tiveram maior resposta objetiva (19,0% X 11,6%; p=0,042) do que foi observado com sorafenibe, e experimentaram um risco s reduzido de seu câncer progredir no fígado, que é a principal causa de morte por esta doença."

Histórico do estudo SARAH

"Pacientes com Carcinoma Hepatocelular que não são elegíveis para o transplante de fígado, cirurgia ou ablação para tratar seus tumores enfrentam um prognóstico de tempo muito sombrio de um ou dois anos de vida com debilitação crescente e dor", disse o Prof. Vilgrain. "Em muitos casos, o CHC do paciente já está tão avançado que a principal opção de tratamento disponível é o sorafenibe. Em outros casos, somos capazes de tratar pacientes com a doença na fase intermediária, inicialmente, com vário cliclos de quimioterapia infundidos diretamente em seus fígados, chamado de Quimioembolização Transarterial, ou TACE, mas esta abordagem pode falhar.

"Para pacientes com CHC avançado ou aqueles para quem a TACE falhou, nos últimos dez anos confiamos no tratamento sistêmico oral com sorafenibe, que mostrou prolongar a sobrevida dos pacientes em comparação com placebo. Porém, esse tipo de tratamento também causa muitos efeitos colaterais que podem comprometer a qualidade de vida dos pacientes. É por isso que decidimos verificar se o tratamento com uma nova forma de terapia dirigida ao fígado, radioterapia interna seletiva, ou SIRT, com SIR-Spheres poderia representar uma alternativa melhor. Nossa decisão de iniciar o estudo SARAH foi baseada em estudos anteriores menores e análises retrospectivas, o que sugeriu que o tratamento com SIR-Spheres poderia sers bem eficazes e tolerado por pacientes com CHC", afirmou.

O estudo SARAH - SorAfenibe versus Radioembolização em Carcinoma Hepatocelular Avançado), randomizado, controlado e aberto, comparou diretamente a eficácia da terapia de radiação interna seletiva (SIRT, ou radioembolização) utilizando as microesferas de resina de ítrio-90 [Y-90] (microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres, Sirtex Medical Ltda , Sidney, Austrália) versus sorafenibe (Nexavar®, Bayer HealthCare Pharmaceuticals, Berlim, Alemanha). 

O estudo SARAH foi lançado em dezembro de 2011 e concluiu as inscrições em fevereiro de 2015.

Com 459 pacientes tratados em 25 centros clínicos em toda a França, o SARAH é o maior estudo randomizado que comparou a radioterapia interna seletiva - ou qualquer terapia dirigida ao fígado - contra a terapia sistêmica padrão de tratamento no tratamento do câncer primário do fígado. Quase 70% dos pacientes participantes do estudo SARAH apresentaram CHC avançado (estágio C de Câncer de Fígado da Clínica de Barcelona), com trombose da veia porta e sem propagação extra-hepática. A maioria dos outros pacientes falhou em dois ciclos de TACE.

Os resultados do SIRveNIB, um estudo paralelo em mais de 360 pacientes com CHC na Ásia-Pacífico serão apresentados na Reunião Anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (ASCO), em Chicago, em 4 de junho de 2017.

O que é Carcinoma Hepatocelular (CHC)?

O Carcinoma Hepatocelular (CHC) atinge 90% das pessoas diagnosticadas com câncer primário do fígado, é o sexto tipo de câncer mais comum no mundo e a segunda causa principal de morte relacionada ao câncer. O CHC afeta, principalmente, pacientes com cirrose por qualquer origem, incluindo hepatite viral, uso indevido de álcool e doença hepática gordurosa, resultando em mais de 670.000 mortes a nível global a cada ano.2 Entre o grupo de risco para o desenvolvimento de CHC, a incidência da doença aumenta progressivamente com o avanço da idade , atingindo o pico perto dos 70 anos.3

Em geral, um terço dos pacientes com cirrose hepática desenvolverá CHC durante a vida.4

  • Em todo o mundo, cerca de 54% dos casos de CHC pode ser atribuído à infecção do vírus da hepatite B (HBV) (afetando 400 milhões de pessoas), enquanto 31% pode ser atribuída à infecção do vírus da hepatite C (HCV) (afetando a 170 milhões de pessoas).3
  • Na África e Sudeste Asiático, a maior fração atribuível é devido a infecção pelo HBV (60%) considerando que, no mundo ocidental desenvolvido, a infecção crônica do HCV parece ser o grande fator de risco.5,6

Além destas causas, agora acredita-se que um em cada oito (12,8%) pacientes com esteato-hepatite não-alcoólica (NASH) com cirrose progredirá para o CHC.7 NASH – amplamente desencadeada pela diabetes tipo II, com resistência à insulina, obesidade,hiperlipidemia e hipertensão arterial – tem se tornado a principal causa de doença hepática nos países ocidentais. O progresso de NASH aumenta drasticamente o risco de cirrose, insuficiência hepática e CHC. Isto é relacionado com a epidemia mundial de diabetes e obesidade.8

O CHC ocorre mais frequentemente em homens do que mulheres, exceto na África, onde mais mulheres são afetadas .2

O que é SIRT com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres?

O SIRT com microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres é um tratamento aprovado para tumores hepáticos inoperáveis. O tratamento é minimamente invasivo e fornece altas doses de radiação beta de alta energia diretamente aos tumores. O SIRT é administrado nos pacientes por radiologistas intervencionistas, que infundem milhões de microesferas de resina radioativa (entre 20-60 mícrons de diâmetro) através de um cateter nas artérias hepáticas que fornecem sangue aos tumores. Usando o suprimento de sangue dos tumores, as microesferas, seletivamente, alvejam os tumores hepáticos com uma dose de radiação que é até 40 vezes maior do que a radioterapia convencional, preservando, dessa forma, o tecido saudável.

As microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres são aprovadas para uso na Argentina, Austrália, Brasil, União Europeia (Marca CE), Suíça, Turquia e em vários outros países dentro e fora da Ásia para o tratamento de pacientes com tumores avançados de fígado irressecáveis. Nos EUA, as microesferas de resina de ítrio-90 SIR-Spheres têm a Aprovação Pré-Mercado (PMA) total da FDA e são indicadas para o tratamento de tumores de fígado metastáticos irressecáveis de câncer colorretal primário com quimioterapia da artéria hepática intra adjuvante (IHAC) de FUDR (fluoridina).

Referências:

  1. Vilgrain V et al.  The International Liver Congress™ 2017 – 52nd annual meeting of the European Association for the Study of the Liver, J Hepatol 2017; 66 (Suppl 1): Abs. GS-012.
  2. Extrapolated from Ferlay J et al.  Globocan 2012. v1.0, Cancer Incidence and Mortality Worldwide: IARC CancerBase No. 11 [Internet]. Lyon, France: International Agency for Research on Cancer; 2013. Available from: http://globocan.iarc.fr, accessed on 14/April/2017.
  3. EASL–EORTC Clinical Practice Guidelines: Management of hepatocellular carcinoma.  J Hepatol 2012; 56: 908–43.
  4. Sangiovanni A et alHepatology 2006; 43: 1303–10.
  5. Di Bisceglie AM.  Hepatology 2009; 49 (Suppl 5): S56–60.
  6. Davis GL et alProc (Bayl Univ Med Cent) 2008; 21: 266–80
  7. White DL et alClin Gastroenterol Hepatol 2012; 10: 1342–59.
  8. World Gastroenterology Organisation Global Guidelines: Nonalcoholic Fatty Liver Disease and Nonalcoholic Steatohepatitis, 2012.

SIR-Spheres® é uma marca registrada da Sirtex SIR-Spheres Pty Ltd.

To view the original version on PR Newswire, visit:http://www.prnewswire.com/news-releases/estudo-revela-que-o-tratamento-com-as-microesferas-de-resina-de-itrio-90-sir-spheres-melhoram-a-qualidade-da-sobrevivencia-do-paciente-com-cancer-de-figado-primario-300449498.html

FONTE Sirtex Medical Limited