Interaction 2017: Investimento em propaganda digital ultrapassará TV em mais cinco países

Interaction 2017: Investimento em propaganda digital ultrapassará TV em mais cinco países

A TV ainda reina, mas deserção do público jovem/medição deficiente limitam o crescimento

Estimulados pelas tecnologias móveis, o tempo gasto com mídia e o comércio eletrônico continuam crescendo

PR Newswire

NOVA YORK e LONDRES, 1 de maio de 2017 /PRNewswire/ -- A GroupM publicou hoje o relatório Interaction 2017, uma avaliação do estado geral da propaganda digital em todo o mundo, com previsões sobre os desenvolvimentos tecnológicos, tendências do mercado de mídia e desenvolvimento dos comportamentos dos consumidores, informadas por especialistas da WPP, uma rede mundial de companhias  de comunicações, marketing e dados. O relatório oferece opiniões aprofundadas que sustentam as previsões de  crescimento da propaganda digital em 46 mercados. Os tópicos cobertos incluem fraude nos anúncios e integridade do mercado, notícias falsas, privacidade, bloqueio de anúncios, inteligência artificial, realidade aumentada e virtual, concorrência de vídeos através de plataformas, vídeos ao vivo, televisão avançada, transmissão e áudio por demanda e muito mais. No relatório, o Executivo-Chefe da Área Digital, Rob Norman e Adam Smith, Diretor de Futuros também compartilham opiniões sobre preços da mídia, consolidação do valor econômico na mídia entre um pequeno grupo de companhias, e consumo de mídia e tendências do comércio eletrônico.

GroupM Logo

 

Métricas da Interação Global



2014

2015

2016f

2017f






Dia da mídia ponderado pela

população (em horas)

7.72

7.86

8.01

8.11






Usuários adultos da Internet

1,97 B

2,16 B

2,34 B

2,54 B






Investimento em anúncios digitais (US$)
do relatório TYNY 2016

119,13 B

140,42 B

160,97 B

182,38 B






Participação % da propaganda

digital no investimento em mídia

24,6

27,9

30,7

33,3






Investimentos em anúncios digitais
por usuário (US$)

61

65

69

72






Total dos gastos com

comércio eletrônico (US$)

1,26 T

1,56 T

1,87 T

2,21 T






Média dos gastos com

comércio eletrônico por usuário (US$)

641

721

801

869

 

Conforme reportado no relatório This Year, Next Year, sua previsão mundial para mídia e marketing, a GroupM prevê que a propaganda digital irá capturar 77 centavos de cada dólar em novos anúncios em 2017; a TV irá capturar 17 centavos. Apesar dos desafios em torno dos padrões, medições e integridade da cadeia de suprimentos, a propaganda digital continua a crescer rapidamente, na medida em que os comerciantes seguem os consumidores aos destinos da mídia, onde eles passam seu tempo e, cada vez mais, negociam bens e serviços. O investimento digital já ultrapassou a TV em dez mercados* e outros cinco irão atravessar essa marca em 2017 (França, Alemanha, Irlanda, Hong Kong e Taiwan), conforme a previsão do GroupM. 

Na medida em que a concorrência pela atenção do consumidor e pelo investimento do anunciante aumenta, as pessoas de todo o mundo estão passando mais tempo com a mídia. Numa média ponderada pela população, o tempo total gasto com a mídia ( o 'dia da mídia') cresceu nove minutos atingindo oito horas em 2016. Mas o tempo gasto com a mídia on-line cresceu 14 minutos. Isso se atribui ao maior acesso à mídia proporcionado pelas tecnologias móveis. Da mesma forma, os serviços móveis contribuíram para o aumento dos usuários adultos da Internet para 2,34 bilhões em 2016.

Entretanto, os dados do GroupM demonstram que até o presente, a TV ainda reina com os anunciantes quando os dados globais são agregados. A participação da TV nos investimentos em propaganda se manteve relativamente estável em 42% em 2016; o GroupM prevê uma diminuição na participação para 41% em 2017. A TV manteve um pico de participação de cinco anos em 44% de 2010 a 2014, com perda mínima de participação desde então.

Mesmo assim, a demografia da TV linear continuou mudando em 2016, com a perda do grupo demográfico de idades de 16 a 24 anos sendo um de seus maiores desafios. Apesar de que a população global entre 16 e 24 anos tenha diminuído somente 1% de 2014 a 2016, o "volume" médio do público de 16 a 24 anos da TV linear encolheu 16%, com alguns mercados alcançando números próximos a 30%. O GroupM esclarece que parte dessa perda é exacerbada pelo outro grande desafio da TV – a medição inadequada da audiência total da TV através das plataformas. O GroupM continua a defender melhorias na medição para melhor avaliar a televisão através de dispositivos nos mercados em todo o mundo. A ausência de substitutos próximos significa que, por hora, aqueles anunciantes em busca desse público de TV formado por adultos jovens, podem estar querendo arcar com a inflação dos preços na proporção de sua crescente escassez.

No relatório, o GroupM também examina a fusão do valor econômico entre as seis companhias globais as quais detêm a parte principal dos gastos com anúncios digitais, lideradas pela Google e Facebook. O GroupM observa que essas companhias possuem modelos de negócios bastante diferentes daqueles dos proprietários de TV linear, e também atraem anunciantes diferentes. Os anunciantes responsáveis por 90% da receita de propagandas da TV representam entre 30% e 40% da receita obtida pelas gigantes digitais. Os outros 70% de sua receita são oriundos de uma combinação de empresas pequenas e locais, frequentemente aquelas que comercializam produtos e serviços digitais. Essa bifurcação entre as classes de anunciantes está sujeita a mudanças, na medida em que a televisão se torna mais abastecida com dados e direcionada (parecendo mais digital) e na medida em que o conteúdo de vídeos em plataformas digitais continua a ser aprimorado com maior qualidade (parecendo mais TV).

"Google e Facebook atraíram a maior parte do crescimento no investimento adicional em anúncios digitais em 2016", disse Adam Smith, Diretor de Futuros. "Em 2017, o setor estará observando de perto para ver como a Snapchat ou Amazon poderão penetrar na cadeia de valores do Facebook e Google, e se a fortaleza que a 'BAT' (Baidu, Alibaba, Tencent) possui na China se expandirá para os mercados internacionais".

O relatório Interaction 2017 também observa os comportamentos de compras dos consumidores. Em 2016, o comércio eletrônico totalizou US$ 1,874 trilhões, globalmente, um total de 20% a mais do que os US$ 1,558 trilhões registrados em 2015. O GroupM prevê um crescimento de 18% no comércio eletrônico em 2017, ultrapassando a marca de dois trilhões, para US$ 2,205 trilhões. Em média, as compras on-line por usuário estão projetadas para US$ 869 em 2017. O Reino Unido continua ser a casa dos compradores on-line mais ativos, com previsão média de US$ 4.000 por usuário em 2017. Combinadas, Amazon e Alibaba representam mais do que a metade de todo o comércio eletrônico (excluindo a categoria viagens).

"No ano passado, fomos cautelosos na nossa estimativa da taxa de mudança, mas esse ano estamos menos cautelosos perante os progressos nas tecnologias de hardware e de software, as quais estão nos levando da era da informação para a era da inteligência", disse Rob Norman, Executivo-Chefe da Área Digital. "Para ajudar a moldar nossa linha de pensamento e especulação no relatório Interaction desse ano, convidamos mais de 20 parceiros** para discutirmos IA, realidade aumentada e virtual, competição de vídeos, TV avançada e orientada por dados, transmissão e áudio sob demanda, o duopólio digital Google/Facebook, vídeo ao vivo, comércio eletrônico, integridade do mercado e notícias falsas. O resultado é tanto um dos mais completos relatórios sobre o estado de serviços digitais que já escrevemos e também um ponto de partida para os comerciantes refletirem longa e profundamente sobre o futuro. Incentivamos o debate que certamente resultará".

* Austrália, Canadá, China, Dinamarca, Finlândia, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Reino Unido
** Amazon, AppNexus, comScore, DoubleClick, eMarketer, ESPN, Facebook, Google, Hulu, IAB, IBM, LinkedIn, NBCU, Pandora, Pinterest, The New York Times, Snapchat, Turner, Twitter, Vox Media, YouTube

Sobre o GroupM

O GroupM é a principal companhia de gestão de investimento em mídia global, servindo como controladora de agências de mídia da WPP, incluindo a Mindshare, MEC, MediaCom, Maxus, Essence e m/SIX, bem como a plataforma de mídia digital programática Xaxis, todas com operações globais por seus próprios méritos e posições de liderança de mercado. A principal finalidade do GroupM é maximizar o desempenho das agências de mídia da WPP, operando como líder e colaboradora em comercialização, criação de conteúdo, esportes, serviços digitais, finanças e desenvolvimento de ferramentas patenteadas. O foco do GroupM é proporcionar vantagens de mercado inigualáveis a seus clientes, grupos de interesse e pessoas, e está, progressivamente, trabalhando de perto, para o benefício dos clientes, com a Kantar, grupo de gestão de investimento em dados da WPP. Conjuntamente, o GroupM e a Kantar respondem por mais de 50% das receitas do grupo WPP, de mais de US$ 20 bilhões.

Saiba mais sobre o GroupM no endereço www.groupm.com.
Siga @GroupMWorldwide no Twitter
Siga o GroupM no LinkedIn - https://www.linkedin.com/company/groupm

Contatos com a mídia:

David.Grabert@GroupM.com 
+1 212.297.8092 (EUA e Global)

Samantha.Kops@GroupM.com 
+1 917.421.3019 (EUA e Global)

Logo - http://mma.prnewswire.com/media/283547/groupm_Logo.jpg

FONTE GroupM