39% dos brasileiros não se sentem identificados na hora de uma transação digital, revela Experian

SÃO PAULO, 8 de abril de 2020 /PRNewswire/ -- A mais recente Pesquisa Global de Fraude e Identidade, realizada pela Experian, mostra que 39% dos usuários brasileiros não se sentem identificados pelas empresas quando fazem transações digitais, ou seja, precisam incluir informações pessoais repetidas vezes durante as interações no ambiente eletrônico, prejudicando a sua experiência. A pesquisa mostra que 95% das organizações entrevistadas em todo o mundo estão confiantes na habilidade que têm de identificar os usuários no ambiente digital, número que no Brasil é de 100% entre as empresas entrevistadas. Apesar de estarem convictos do sucesso de seus processos, 70% dos negócios online afirmam ter tido aumento dos prejuízos com fraude.

"Esta disparidade levanta uma série de questões sobre o entendimento das empresas em relação a esta identificação, se são iniciativas voltadas para ações de marketing ou se consideram a presença de credenciais autênticas, mas roubadas, como nomes de usuário, senhas, códigos de uso único ou autenticação baseada em conhecimento. Este é um problema grave para os negócios, já que eles podem estar reconhecendo fraudadores se passando por consumidores sem perceber", comenta o diretor de soluções de Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Eduardo Castro.

Segurança é mais importante do que conveniência para os brasileiros

Pelo terceiro ano consecutivo, os usuários ao redor do mundo citaram a segurança como o elemento mais importante das experiências online, com 74% dizendo que a segurança ainda é a prioridade. Já a conveniência, como facilidade de acesso à conta e instruções claras para login, aparece como segundo item de importância, à frente da personalização. Localmente, o índice é ainda maior, com 80% das pessoas apontando que ter a garantia da proteção dos dados é mais importante do que conveniência ou experiência personalizada. Castro diz que "enquanto consumidores dizem que notam e gostam do que as companhias estão fazendo para melhorar as experiências digitais, como ofertas personalizadas, a probabilidade de eles continuarem um relacionamento com uma empresa se resumirá a quão seguros e significativos são esses relacionamentos".

A íntegra da pesquisa 2020 Global Identity and Fraud Report pode ser acessada pelo link: www.serasaexperian.com.br/pesquisafraude2020

Contato: Marianna Perri | serasaexperian@edelman.com

FONTE Serasa Experian

SÃO PAULO, 8 de abril de 2020 /PRNewswire/ -- A mais recente Pesquisa Global de Fraude e Identidade, realizada pela Experian, mostra que 39% dos usuários brasileiros não se sentem identificados pelas empresas quando fazem transações digitais, ou seja, precisam incluir informações pessoais repetidas vezes durante as interações no ambiente eletrônico, prejudicando a sua experiência. A pesquisa mostra que 95% das organizações entrevistadas em todo o mundo estão confiantes na habilidade que têm de identificar os usuários no ambiente digital, número que no Brasil é de 100% entre as empresas entrevistadas. Apesar de estarem convictos do sucesso de seus processos, 70% dos negócios online afirmam ter tido aumento dos prejuízos com fraude.

"Esta disparidade levanta uma série de questões sobre o entendimento das empresas em relação a esta identificação, se são iniciativas voltadas para ações de marketing ou se consideram a presença de credenciais autênticas, mas roubadas, como nomes de usuário, senhas, códigos de uso único ou autenticação baseada em conhecimento. Este é um problema grave para os negócios, já que eles podem estar reconhecendo fraudadores se passando por consumidores sem perceber", comenta o diretor de soluções de Prevenção à Fraude da Serasa Experian, Eduardo Castro.

Segurança é mais importante do que conveniência para os brasileiros

Pelo terceiro ano consecutivo, os usuários ao redor do mundo citaram a segurança como o elemento mais importante das experiências online, com 74% dizendo que a segurança ainda é a prioridade. Já a conveniência, como facilidade de acesso à conta e instruções claras para login, aparece como segundo item de importância, à frente da personalização. Localmente, o índice é ainda maior, com 80% das pessoas apontando que ter a garantia da proteção dos dados é mais importante do que conveniência ou experiência personalizada. Castro diz que "enquanto consumidores dizem que notam e gostam do que as companhias estão fazendo para melhorar as experiências digitais, como ofertas personalizadas, a probabilidade de eles continuarem um relacionamento com uma empresa se resumirá a quão seguros e significativos são esses relacionamentos".

A íntegra da pesquisa 2020 Global Identity and Fraud Report pode ser acessada pelo link: www.serasaexperian.com.br/pesquisafraude2020

Contato: Marianna Perri | serasaexperian@edelman.com

FONTE Serasa Experian

Você acabou de ler:

39% dos brasileiros não se sentem identificados na hora de uma transação digital, revela Experian

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/39-dos-brasileiros-nao-se-sentem-identificados-na-hora-de-uma-transacao-digital-revela-experian/