A flexibilização é tema de 70% das conversas em redes sociais sobre mercado de trabalho

Os 30% restantes alertam para os problemas de desligamento, excesso de trabalho e maior precariedade.  A conversa sobre o mercado de trabalho cresceu 385% em 4 anos

SÃO PAULO, 23 de junho de 2022 /PRNewswire/ -- Se a pandemia mudou a nossa forma de trabalhar, o local a partir do qual o desenvolvemos e a forma como nos relacionamos com outros colegas e equipes, a grande questão que se soma a esta equação é que as organizações têm grandes oportunidades, mas, também, correm o risco de perder seus talentos não cuidados. Isso porque a revolução das novas formas de trabalho já é uma realidade, como expõe este estudo do LLYC, em colaboração com a DCH (International Organization of Human Capital Managers), que analisou as redes sociais para descobrir, precisamente, que nossa relação com o trabalho mudou e não é mais a mesma.

A conversa analisada tem um recorte que vai de 2018 e 2022 e monitorou 9,3 milhões de mensagens em redes sociais em todo o mundo. Segundo o estudo, 70% veem o novo paradigma de trabalho de forma positiva, pois agora temos maior flexibilidade de horário, o que resulta em maior desempenho dos profissionais e melhor saúde mental, o que ajuda a descentralização dos territórios. Mas, 30% da amostra também nos deixa com outros alertas, como problemas de desconexão, cargas de trabalho excessivas e, às vezes, até insegurança no trabalho.

Além disso, o estudo mostra que essa é uma conversa cada vez mais interessante e que cresceu 385% em quatro anos. A equipe de Deep Digital Business da LLYC fez esse levantamento usando técnicas de análise de dados, inteligência artificial (IA), processamento de linguagem natural (NPL) e análise de redes sociais (SNA), com palavras-chave como novas formas de trabalho, híbrido, flexível, teletrabalho, virtual, remoto, futuro do trabalho ou home office, entre outros.

Segundo Naira Feldman, Gerente de Comunicação Estratégica & Talent Engagement na LLYC Brasil, "o estudo mostra que a maioria dos profissionais não quer dar um passo atrás nos benefícios obtidos e que exigimos cada vez mais de nossas organizações. Por esta razão, as empresas terão de ser cada vez mais inovadoras na sua proposta de valor aos colaboradores e apostar numa maior flexibilidade e capacidade de adaptação a novos ambientes e necessidades das pessoas".

"Os dados deste estudo nos oferecem uma visão clara dos desafios que as empresas com propósito devem enfrentar imediatamente, atentas à realidade social e aos novos modelos culturais, modelos esses que marcarão também os da própria empresa", explica Juan Carlos Pérez Espinosa, Presidente Global da DCH – International Organization of Human Capital Managers.

Algumas das principais descobertas destacadas pelo estudo são:

  • Crescimento de 385% na conversação em quatro anos. As perguntas sobre o trabalho, suas formas e condições são temas de conversas em geral, passando de mais de 22.000 pessoas ativas nessas falas no período 2018-2019 para mais de 74.000 no período 2020-2022.
  • 70% das conversas são positivas. Os internautas falam de uma nova era apoiada em tecnologia e que aposta na flexibilidade de horários, atuação, saúde mental e descentralização de territórios.
  • 30% das conversas destacam os problemas decorrentes do novo modelo. Os usuários acreditam que os novos modelos de trabalho são a causa de problemas de desligamento, excesso de trabalho ou precariedade.
  • Ampliação de temas. As conversas refletem a maturidade das pessoas e das empresas, abandonando os termos "governo", "projeto", "acordo", "nacional" ou "viagem", e abordando questões relacionadas à transformação e compreensão das necessidades com "transformação", "pessoas ", "tempo", "vida" ou "digital".
  • Flexibilidade. O tema que terá maior relevância nas conversas dos próximos meses será a flexibilidade e não o teletrabalho. À data do estudo (abril de 2022), o trabalho flexível é a tendência que apresenta maior capacidade de crescimento e a única que continua a crescer desde 2021.
  • Maternidade e família, dois temas menos óbvios. O cuidado com os filhos, a conciliação e o papel da mulher no lar e na empresa têm maior força nos debates sobre o modelo de relacionamento entre empresas e profissionais. A maternidade aparece associada a quase 3% das menções ao teletrabalho; em vez disso, a família em mais de 13% em questões relacionadas à jornada de trabalho.
  • Transporte. É outra tendência que sofre uma maior aceleração (26%) quando se trata de horários flexíveis. Mais de 300 mil menções, 11% das conversas, entre o período 2020-2022 tem a ver com transporte.

O estudo completo está aqui.

Sobre a LLYC

A LLYC é uma consultoria global de comunicação, marketing digital e relações públicas que ajuda seus clientes a tomar decisões estratégicas de forma proativa, com a criatividade, inovação e experiência necessárias para executá-las minimizando riscos, aproveitando oportunidades e sempre considerando o impacto reputacional. No atual contexto disruptivo e incerto, a LLYC ajuda seus clientes a atingir seus objetivos de negócios de curto prazo e traçar um rumo, com visão de longo prazo, para defender sua licença social para operar e aumentar seu prestígio.

A LLYC (BME:LLYC) está cotada na bolsa de valores alternativa espanhola, BME Growth. Atualmente, possui 20 escritórios na Argentina, Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro), Colômbia, Chile, Equador, Espanha (Madri e Barcelona), Estados Unidos (Miami, Nova York e Washington, DC), México, Panamá, Peru, Portugal e República Dominicana. Além disso, oferece seus serviços por meio de empresas afiliadas nos demais mercados da América Latina.

As duas publicações líderes do setor classificam a LLYC entre as principais empresas de comunicação do mundo. É a consultoria número 36 em receita em todo o mundo, de acordo com o Relatório de Negócios de Agências Globais da PRWeek 2022 e ocupa a 42ª posição no Ranking Global de 2022 da PRovoke. A LLYC foi eleita Melhor Consultoria de Comunicação na Europa 2022 no PRWeek Global Awards e Consultoria de Comunicação do Ano na América Latina no International Business Awards 2021.

Sobre a DCH

A DCH – International Organization of Human Capital Managers, é o maior ecossistema global de Gestores de Recursos Humanos da Península Ibérica e América Latina. A Organização conta atualmente com mais de 3.500 membros pertencentes a grandes empresas multinacionais e atua na Espanha, Portugal, Argentina, México, Peru, Chile, Colômbia, Paraguai, Uruguai, Brasil, América Central, Caribe e Estados Unidos. O objetivo da DCH é desenvolver pessoas através da promoção da função de gestão do capital humano.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1846345/AY5A9288.jpg

 



 

FONTE LLYC

Os 30% restantes alertam para os problemas de desligamento, excesso de trabalho e maior precariedade.  A conversa sobre o mercado de trabalho cresceu 385% em 4 anos

SÃO PAULO, 23 de junho de 2022 /PRNewswire/ -- Se a pandemia mudou a nossa forma de trabalhar, o local a partir do qual o desenvolvemos e a forma como nos relacionamos com outros colegas e equipes, a grande questão que se soma a esta equação é que as organizações têm grandes oportunidades, mas, também, correm o risco de perder seus talentos não cuidados. Isso porque a revolução das novas formas de trabalho já é uma realidade, como expõe este estudo do LLYC, em colaboração com a DCH (International Organization of Human Capital Managers), que analisou as redes sociais para descobrir, precisamente, que nossa relação com o trabalho mudou e não é mais a mesma.

A conversa analisada tem um recorte que vai de 2018 e 2022 e monitorou 9,3 milhões de mensagens em redes sociais em todo o mundo. Segundo o estudo, 70% veem o novo paradigma de trabalho de forma positiva, pois agora temos maior flexibilidade de horário, o que resulta em maior desempenho dos profissionais e melhor saúde mental, o que ajuda a descentralização dos territórios. Mas, 30% da amostra também nos deixa com outros alertas, como problemas de desconexão, cargas de trabalho excessivas e, às vezes, até insegurança no trabalho.

Além disso, o estudo mostra que essa é uma conversa cada vez mais interessante e que cresceu 385% em quatro anos. A equipe de Deep Digital Business da LLYC fez esse levantamento usando técnicas de análise de dados, inteligência artificial (IA), processamento de linguagem natural (NPL) e análise de redes sociais (SNA), com palavras-chave como novas formas de trabalho, híbrido, flexível, teletrabalho, virtual, remoto, futuro do trabalho ou home office, entre outros.

Segundo Naira Feldman, Gerente de Comunicação Estratégica & Talent Engagement na LLYC Brasil, "o estudo mostra que a maioria dos profissionais não quer dar um passo atrás nos benefícios obtidos e que exigimos cada vez mais de nossas organizações. Por esta razão, as empresas terão de ser cada vez mais inovadoras na sua proposta de valor aos colaboradores e apostar numa maior flexibilidade e capacidade de adaptação a novos ambientes e necessidades das pessoas".

"Os dados deste estudo nos oferecem uma visão clara dos desafios que as empresas com propósito devem enfrentar imediatamente, atentas à realidade social e aos novos modelos culturais, modelos esses que marcarão também os da própria empresa", explica Juan Carlos Pérez Espinosa, Presidente Global da DCH – International Organization of Human Capital Managers.

Algumas das principais descobertas destacadas pelo estudo são:

  • Crescimento de 385% na conversação em quatro anos. As perguntas sobre o trabalho, suas formas e condições são temas de conversas em geral, passando de mais de 22.000 pessoas ativas nessas falas no período 2018-2019 para mais de 74.000 no período 2020-2022.
  • 70% das conversas são positivas. Os internautas falam de uma nova era apoiada em tecnologia e que aposta na flexibilidade de horários, atuação, saúde mental e descentralização de territórios.
  • 30% das conversas destacam os problemas decorrentes do novo modelo. Os usuários acreditam que os novos modelos de trabalho são a causa de problemas de desligamento, excesso de trabalho ou precariedade.
  • Ampliação de temas. As conversas refletem a maturidade das pessoas e das empresas, abandonando os termos "governo", "projeto", "acordo", "nacional" ou "viagem", e abordando questões relacionadas à transformação e compreensão das necessidades com "transformação", "pessoas ", "tempo", "vida" ou "digital".
  • Flexibilidade. O tema que terá maior relevância nas conversas dos próximos meses será a flexibilidade e não o teletrabalho. À data do estudo (abril de 2022), o trabalho flexível é a tendência que apresenta maior capacidade de crescimento e a única que continua a crescer desde 2021.
  • Maternidade e família, dois temas menos óbvios. O cuidado com os filhos, a conciliação e o papel da mulher no lar e na empresa têm maior força nos debates sobre o modelo de relacionamento entre empresas e profissionais. A maternidade aparece associada a quase 3% das menções ao teletrabalho; em vez disso, a família em mais de 13% em questões relacionadas à jornada de trabalho.
  • Transporte. É outra tendência que sofre uma maior aceleração (26%) quando se trata de horários flexíveis. Mais de 300 mil menções, 11% das conversas, entre o período 2020-2022 tem a ver com transporte.

O estudo completo está aqui.

Sobre a LLYC

A LLYC é uma consultoria global de comunicação, marketing digital e relações públicas que ajuda seus clientes a tomar decisões estratégicas de forma proativa, com a criatividade, inovação e experiência necessárias para executá-las minimizando riscos, aproveitando oportunidades e sempre considerando o impacto reputacional. No atual contexto disruptivo e incerto, a LLYC ajuda seus clientes a atingir seus objetivos de negócios de curto prazo e traçar um rumo, com visão de longo prazo, para defender sua licença social para operar e aumentar seu prestígio.

A LLYC (BME:LLYC) está cotada na bolsa de valores alternativa espanhola, BME Growth. Atualmente, possui 20 escritórios na Argentina, Brasil (São Paulo e Rio de Janeiro), Colômbia, Chile, Equador, Espanha (Madri e Barcelona), Estados Unidos (Miami, Nova York e Washington, DC), México, Panamá, Peru, Portugal e República Dominicana. Além disso, oferece seus serviços por meio de empresas afiliadas nos demais mercados da América Latina.

As duas publicações líderes do setor classificam a LLYC entre as principais empresas de comunicação do mundo. É a consultoria número 36 em receita em todo o mundo, de acordo com o Relatório de Negócios de Agências Globais da PRWeek 2022 e ocupa a 42ª posição no Ranking Global de 2022 da PRovoke. A LLYC foi eleita Melhor Consultoria de Comunicação na Europa 2022 no PRWeek Global Awards e Consultoria de Comunicação do Ano na América Latina no International Business Awards 2021.

Sobre a DCH

A DCH – International Organization of Human Capital Managers, é o maior ecossistema global de Gestores de Recursos Humanos da Península Ibérica e América Latina. A Organização conta atualmente com mais de 3.500 membros pertencentes a grandes empresas multinacionais e atua na Espanha, Portugal, Argentina, México, Peru, Chile, Colômbia, Paraguai, Uruguai, Brasil, América Central, Caribe e Estados Unidos. O objetivo da DCH é desenvolver pessoas através da promoção da função de gestão do capital humano.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1846345/AY5A9288.jpg

 



 

FONTE LLYC

Você acabou de ler:

A flexibilização é tema de 70% das conversas em redes sociais sobre mercado de trabalho

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/a-flexibilizacao-e-tema-de-70-das-conversas-em-redes-sociais-sobre-mercado-de-trabalho/