BNP Paribas une-se à Aliança Bancária Net-Zero, lançada pela PNUMA

  • Alinhado a seus compromissos com a mudança climática, o BNP Paribas aderiu à Net-Zero Banking Alliance – NZBA (Aliança Bancária Net-Zero) lançada hoje pela Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).
  • Esta aliança bancária é um passo decisivo na mobilização do setor financeiro para o clima. Ela faz parte da Aliança Financeira de Glasgow para o Net Zero presidida por Mark Carney antes do C0P26.

SAO PAULO, 27 de abril de 2021 /PRNewswire/ -- O BNP Paribas incluiu a busca de impactos ambientais positivos em seu "propósito empresarial" e pretende fazer do financiamento sustentável um dos principais motores de seu próximo plano estratégico. O Grupo está convencido de que a realização dos objetivos do Acordo de Paris requer a mobilização de todo o sistema financeiro

Em particular, desde a assinatura do acordo de Paris em 2015, o Grupo aderiu:

- Ao Compromisso Coletivo da PNUMA com a Ação Climática em 2019, um grupo de bancos que trabalha concretamente para alinhar sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris.

- À Força Tarefa de Serviços Financeiros da Iniciativa de Mercado Sustentável criada pelo Príncipe de Gales em fevereiro de 2021, que reúne alguns dos maiores bancos americanos, britânicos e europeus determinados a acelerar a transformação de seu modelo de financiamento visando conseguir a transição para uma economia descarbonizada. Estes bancos financiam uma parcela significativa da atividade econômica e podem, portanto, através de suas decisões de crédito e investimento, estimular e apoiar a transformação de empresas.

A NZBA é sediada pelo Compromisso Coletivo de Ação Climática e foi construída em parceria com a Força Tarefa de Serviços Financeiros, o que naturalmente levou o BNP Paribas a aderir a esta aliança.

Os membros da NZBA se comprometem a:

- Alinhar as emissões de gases de efeito estufa decorrentes de seus créditos e investimentos para atividades por conta própria com o caminho necessário para atingir a neutralidade de carbono em 2050 (aumento de temperatura limitado a 1,5° C);

- Apoiar-se em cenários de transição confiáveis, publicados por órgãos reconhecidos (IPCC, IEA);

- Concentrar-se nos setores que mais emitem gases de efeito estufa e desempenham um papel fundamental na transição para uma economia neutra em carbono;

- Definir metas provisórias até 2030;

- Publicar anualmente seu progresso e os planos de ação associados.

A adesão do BNP Paribas à NZBA está em consonância com seu compromisso assumido na sequência da COP21 em 2015 de alinhar sua carteira de crédito aos objetivos do Acordo de Paris.

- Entre 2015 e 2020, o Grupo fez um esforço especial para reduzir seu apoio às atividades econômicas que são mais prejudiciais ao clima. Em 2017, suspendeu a prestação de quaisquer novos serviços financeiros a empresas especializadas em hidrocarbonetos não convencionais (gás xistoso, etc.). Em 2020, intensificou sua política de carvão, cessando imediatamente o financiamento às empresas que desenvolvem novos projetos a partir desta energia e exigindo que os clientes remanescentes tenham um cronograma que preveja a saída do carvão térmico até 2030 nos países da UE e da OCDE, e até 2040 no resto do mundo, ao longo de toda a cadeia de valor (minas de carvão, usinas elétricas alimentadas a carvão e infraestrutura relacionada ao carvão). Esta política levou o BNP Paribas a pôr um fim ao seu relacionamento com cerca da metade das empresas de eletricidade que eram seus clientes no mundo inteiro até 2020.

- Desde dezembro de 2018, o grupo começou a trabalhar para alinhar sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris. Em setembro de 2020, o BNP Paribas e outros quatro bancos europeus publicaram o primeiro relatório sobre a aplicação da metodologia PACTA para avaliar o alinhamento de suas carteiras de crédito com cinco setores altamente carbonizados (extração de combustíveis fósseis, geração de energia, transporte, aço e cimento), responsáveis por cerca de 75% das emissões diretas de gases de efeito estufa em todo o mundo, de acordo com a AIE. Enquanto estes setores representam apenas uma parcela minoritária dos empréstimos bancários (por exemplo, o setor de petróleo e gás representa apenas 1,9% da carteira de crédito do BNP Paribas), sua transformação é um desafio vital para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. No que diz respeito ao setor energético, que é uma prioridade para o BNP Paribas em termos da trajetória de sua carteira de crédito, um primeiro roteiro do PACTA será publicado em breve;

- Estes avanços estão incluídos no relatório TCFD [sigla em inglês para Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima] publicado anualmente pelo BNP Paribas;

- Além disso, o BNP Paribas vem acelerando o financiamento de todas as atividades que contribuem para uma economia descarbonizada, estabelecendo metas ambiciosas - regularmente superadas - para o financiamento de energias renováveis desde 2015 e investindo proativamente em tecnologia Verde. Além disso, o BNP Paribas é um dos bancos líderes na emissão de títulos verdes e sustentáveis no mercado global.

A assinatura de um compromisso comum de carbono líquido zero com metas intermediárias é um passo decisivo para a mobilização do setor financeiro na defesa de nosso clima. Isto envia um forte sinal a todos os stakeholders e fornece uma base metodológica para ação, bem como uma alavanca cultural para a transição ambiental dos bancos e seus clientes. Desde a COP 21, em dezembro de 2015, o BNP Paribas se comprometeu a alinhar gradativamente sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris. Começamos por nos desvincular das atividades mais poluentes como gás de xisto ou carvão e estabelecemos metas muito ambiciosas para apoiar as tecnologias verdes. Agora estamos mobilizados para enfrentar o desafio mais amplo de incentivar e apoiar sistematicamente a transformação para todos os nossos clientes em todos os setores de atividade e em projetos que já estão em andamento. Para isso, estamos aperfeiçoando completamente os critérios de decisão e as competências de nossos processos, produtos e serviços".

Jean-Laurent Bonnafé, Diretor e Chief Executive Officer do BNP Paribas

Sobre o BNP Paribas

O BNP Paribas é um banco líder na Europa com alcance internacional. Opera em 68 países e tem mais de 193.000 funcionários, incluindo quase 148.000 na Europa. O Grupo tem posições-chave em suas três principais atividades: Domestic Markets and International Financial Services (cujas redes de bancos de varejo e financeiros são cobertas pelo Retail Banking & Services) e Corporate & Institutional Banking, que atende duas franquias de clientes: clientes corporativos e investidores institucionais. O Grupo ajuda todos os seus clientes (pessoas físicas, associações comunitárias, empresários, PMEs, empresas e clientes institucionais) a realizar seus projetos através de soluções que abrangem financiamento, investimento, poupança e seguro de proteção. Na Europa, o Grupo possui quatro mercados domésticos (Bélgica, França, Itália e Luxemburgo) e o BNP Paribas Personal Finance é o líder europeu em empréstimos ao consumidor. O BNP Paribas está implementando seu modelo integrado de banco de varejo nos países do Mediterrâneo, na Turquia, na Europa Oriental e em uma grande rede na parte ocidental dos Estados Unidos. Em suas atividades de Corporate & Institutional Banking e International Financial Services, o BNP Paribas também desfruta de posições de liderança na Europa, uma forte presença nas Américas, assim como um negócio sólido e de rápido crescimento na região Ásia-Pacífico.

FONTE BNP Paribas

  • Alinhado a seus compromissos com a mudança climática, o BNP Paribas aderiu à Net-Zero Banking Alliance – NZBA (Aliança Bancária Net-Zero) lançada hoje pela Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA).
  • Esta aliança bancária é um passo decisivo na mobilização do setor financeiro para o clima. Ela faz parte da Aliança Financeira de Glasgow para o Net Zero presidida por Mark Carney antes do C0P26.

SAO PAULO, 27 de abril de 2021 /PRNewswire/ -- O BNP Paribas incluiu a busca de impactos ambientais positivos em seu "propósito empresarial" e pretende fazer do financiamento sustentável um dos principais motores de seu próximo plano estratégico. O Grupo está convencido de que a realização dos objetivos do Acordo de Paris requer a mobilização de todo o sistema financeiro

Em particular, desde a assinatura do acordo de Paris em 2015, o Grupo aderiu:

- Ao Compromisso Coletivo da PNUMA com a Ação Climática em 2019, um grupo de bancos que trabalha concretamente para alinhar sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris.

- À Força Tarefa de Serviços Financeiros da Iniciativa de Mercado Sustentável criada pelo Príncipe de Gales em fevereiro de 2021, que reúne alguns dos maiores bancos americanos, britânicos e europeus determinados a acelerar a transformação de seu modelo de financiamento visando conseguir a transição para uma economia descarbonizada. Estes bancos financiam uma parcela significativa da atividade econômica e podem, portanto, através de suas decisões de crédito e investimento, estimular e apoiar a transformação de empresas.

A NZBA é sediada pelo Compromisso Coletivo de Ação Climática e foi construída em parceria com a Força Tarefa de Serviços Financeiros, o que naturalmente levou o BNP Paribas a aderir a esta aliança.

Os membros da NZBA se comprometem a:

- Alinhar as emissões de gases de efeito estufa decorrentes de seus créditos e investimentos para atividades por conta própria com o caminho necessário para atingir a neutralidade de carbono em 2050 (aumento de temperatura limitado a 1,5° C);

- Apoiar-se em cenários de transição confiáveis, publicados por órgãos reconhecidos (IPCC, IEA);

- Concentrar-se nos setores que mais emitem gases de efeito estufa e desempenham um papel fundamental na transição para uma economia neutra em carbono;

- Definir metas provisórias até 2030;

- Publicar anualmente seu progresso e os planos de ação associados.

A adesão do BNP Paribas à NZBA está em consonância com seu compromisso assumido na sequência da COP21 em 2015 de alinhar sua carteira de crédito aos objetivos do Acordo de Paris.

- Entre 2015 e 2020, o Grupo fez um esforço especial para reduzir seu apoio às atividades econômicas que são mais prejudiciais ao clima. Em 2017, suspendeu a prestação de quaisquer novos serviços financeiros a empresas especializadas em hidrocarbonetos não convencionais (gás xistoso, etc.). Em 2020, intensificou sua política de carvão, cessando imediatamente o financiamento às empresas que desenvolvem novos projetos a partir desta energia e exigindo que os clientes remanescentes tenham um cronograma que preveja a saída do carvão térmico até 2030 nos países da UE e da OCDE, e até 2040 no resto do mundo, ao longo de toda a cadeia de valor (minas de carvão, usinas elétricas alimentadas a carvão e infraestrutura relacionada ao carvão). Esta política levou o BNP Paribas a pôr um fim ao seu relacionamento com cerca da metade das empresas de eletricidade que eram seus clientes no mundo inteiro até 2020.

- Desde dezembro de 2018, o grupo começou a trabalhar para alinhar sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris. Em setembro de 2020, o BNP Paribas e outros quatro bancos europeus publicaram o primeiro relatório sobre a aplicação da metodologia PACTA para avaliar o alinhamento de suas carteiras de crédito com cinco setores altamente carbonizados (extração de combustíveis fósseis, geração de energia, transporte, aço e cimento), responsáveis por cerca de 75% das emissões diretas de gases de efeito estufa em todo o mundo, de acordo com a AIE. Enquanto estes setores representam apenas uma parcela minoritária dos empréstimos bancários (por exemplo, o setor de petróleo e gás representa apenas 1,9% da carteira de crédito do BNP Paribas), sua transformação é um desafio vital para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. No que diz respeito ao setor energético, que é uma prioridade para o BNP Paribas em termos da trajetória de sua carteira de crédito, um primeiro roteiro do PACTA será publicado em breve;

- Estes avanços estão incluídos no relatório TCFD [sigla em inglês para Força Tarefa sobre Divulgações Financeiras Relacionadas ao Clima] publicado anualmente pelo BNP Paribas;

- Além disso, o BNP Paribas vem acelerando o financiamento de todas as atividades que contribuem para uma economia descarbonizada, estabelecendo metas ambiciosas - regularmente superadas - para o financiamento de energias renováveis desde 2015 e investindo proativamente em tecnologia Verde. Além disso, o BNP Paribas é um dos bancos líderes na emissão de títulos verdes e sustentáveis no mercado global.

A assinatura de um compromisso comum de carbono líquido zero com metas intermediárias é um passo decisivo para a mobilização do setor financeiro na defesa de nosso clima. Isto envia um forte sinal a todos os stakeholders e fornece uma base metodológica para ação, bem como uma alavanca cultural para a transição ambiental dos bancos e seus clientes. Desde a COP 21, em dezembro de 2015, o BNP Paribas se comprometeu a alinhar gradativamente sua carteira de crédito com os objetivos do Acordo de Paris. Começamos por nos desvincular das atividades mais poluentes como gás de xisto ou carvão e estabelecemos metas muito ambiciosas para apoiar as tecnologias verdes. Agora estamos mobilizados para enfrentar o desafio mais amplo de incentivar e apoiar sistematicamente a transformação para todos os nossos clientes em todos os setores de atividade e em projetos que já estão em andamento. Para isso, estamos aperfeiçoando completamente os critérios de decisão e as competências de nossos processos, produtos e serviços".

Jean-Laurent Bonnafé, Diretor e Chief Executive Officer do BNP Paribas

Sobre o BNP Paribas

O BNP Paribas é um banco líder na Europa com alcance internacional. Opera em 68 países e tem mais de 193.000 funcionários, incluindo quase 148.000 na Europa. O Grupo tem posições-chave em suas três principais atividades: Domestic Markets and International Financial Services (cujas redes de bancos de varejo e financeiros são cobertas pelo Retail Banking & Services) e Corporate & Institutional Banking, que atende duas franquias de clientes: clientes corporativos e investidores institucionais. O Grupo ajuda todos os seus clientes (pessoas físicas, associações comunitárias, empresários, PMEs, empresas e clientes institucionais) a realizar seus projetos através de soluções que abrangem financiamento, investimento, poupança e seguro de proteção. Na Europa, o Grupo possui quatro mercados domésticos (Bélgica, França, Itália e Luxemburgo) e o BNP Paribas Personal Finance é o líder europeu em empréstimos ao consumidor. O BNP Paribas está implementando seu modelo integrado de banco de varejo nos países do Mediterrâneo, na Turquia, na Europa Oriental e em uma grande rede na parte ocidental dos Estados Unidos. Em suas atividades de Corporate & Institutional Banking e International Financial Services, o BNP Paribas também desfruta de posições de liderança na Europa, uma forte presença nas Américas, assim como um negócio sólido e de rápido crescimento na região Ásia-Pacífico.

FONTE BNP Paribas

Você acabou de ler:

BNP Paribas une-se à Aliança Bancária Net-Zero, lançada pela PNUMA

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/bnp-paribas-une-se-a-alianca-bancaria-net-zero-lancada-pela-pnuma/