Casos globais de demência têm previsão de triplicar até 2050

Nova análise mostra uma diminuição na prevalência devido à educação contrabalançada por um aumento devido a fatores de risco para a saúde cardíaca

DENVER, 27 de julho de 2021 /PRNewswire/ -- Estima-se que tendências positivas no acesso à educação global diminuam a prevalência da demência mundial em 6,2 milhões de casos até o ano de 2050. Ao mesmo tempo, estima-se que as tendências previstas no tabagismo, alto índice de massa corporal e alto nível de açúcar no sangue aumentem a prevalência em quase o mesmo número: 6,8 milhões de casos. Ambos de acordo com novos dados de prevalência global relatados na Alzheimer's Association International Conference® (AAIC®) 2021 em Denver, Colorado, e virtualmente.

Com essas previsões incorporadas, os pesquisadores do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington relataram na AAIC 2021 que estimam que o número de pessoas com demência quase triplique para mais 152 milhões até 2050. Estima-se que o maior aumento na prevalência seja na África Subsaariana Oriental, norte da África e Oriente Médio.

"Melhorias no estilo de vida em adultos em países desenvolvidos e em outros lugares, incluindo o acesso à educação e maior atenção às questões de saúde cardíaca, reduziram a incidência nos últimos anos, mas o número total de demências ainda está aumentando devido ao envelhecimento da população", declarou Maria C. Carrillo, PhD, diretora de ciência da Associação de Alzheimer. "Além disso, a obesidade, o diabetes e o estilo de vida sedentário em pessoas mais jovens estão crescendo rapidamente, e esses são fatores de risco para a demência."

O Instituto Nacional dos EUA sobre envelhecimento estima que as pessoas com mais de 65 anos ocuparão 16% da população mundial até 2050, um aumento de 8% em comparação a 2010.

Durante a AAIC 2021 também foram reportados mais dois estudos de prevalência/incidência. Os resultados principais incluem:

  • A cada ano, estima-se que 10 em cada 100.000 indivíduos desenvolvam demência com início precoce (antes dos 65 anos). Isso corresponde a 350.000 novos casos de demência precoce por ano, globalmente.
  • De 1999 a 2019, a taxa de mortalidade dos EUA em decorrência do Alzheimer na população geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100.000, um aumento de 88%.
  • Entre todas as áreas dos EUA, as taxas de mortalidade por Alzheimer foram mais altas nas áreas rurais da região Centro-Sul do leste dos EUA, onde a taxa de mortalidade por Alzheimer é de 274 por 100 mil para pessoas com mais de 65 anos.

A prevalência global da demência deverá crescer rapidamente até 2050

Para prever com mais precisão a prevalência global da demência e produzir estimativas em nível de país, Emma Nichols, MPH, pesquisadora do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, e colegas alavancaram os dados de 1999 a 2019 do estudo Global Burden of Disease (GBD), um conjunto abrangente de estimativas de tendências de saúde em todo o mundo. Este estudo também teve como objetivo melhorar em previsões anteriores por meio da incorporação de informações sobre tendências em fatores de risco de demência.

Nichols e equipe observaram que a demência aumentaria de cerca de 57,4 (50,4 a 65,1) milhões de casos em todo o mundo em 2019 para cerca de 152,8 (130,8 a 175,6) milhões de casos em 2050. Os maiores aumentos foram observados no leste da África Subsaariana, Norte da África e Oriente Médio. A análise deles sugeriu que a projeção de aumento de casos poderia ser, em grande parte, atribuída ao crescimento e ao envelhecimento da população, embora a importância relativa desses dois fatores variasse pela região mundial.

Além do mais, Nichols e equipe previram a prevalência de demência atribuível ao tabagismo, alto índice de massa corporal (IMC) e alta glicemia plasmática em jejum usando a relação esperada entre esses fatores de risco e a prevalência de demência. Eles identificaram um aumento de 6,8 milhões de casos de demência em todo o mundo entre 2019 e 2050 devido especificamente às mudanças esperadas nesses fatores de risco. Separadamente e por outro lado, os pesquisadores constataram que as mudanças esperadas nos níveis de educação resultarão em um declínio na prevalência da demência em 6,2 milhões de indivíduos em todo o mundo entre 2019 e 2050. Juntas, essas tendências opostas chegam quase a se equilibrar.

"Essas estimativas permitirão que os formuladores de políticas e tomadores de decisão compreendam melhor os aumentos esperados no número de indivíduos com demência, bem como os impulsionadores desses aumentos em um determinado ambiente geográfico", disse Nichols. "O grande aumento estimado no número de indivíduos com demência enfatiza a necessidade vital de pesquisas focadas na descoberta de tratamentos modificadores de doenças e intervenções eficazes de baixo custo para a prevenção ou retardo do início da demência."

Publicado recentemente  no Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association, Nichols e equipe usaram os mesmos dados definidos para estimar que as taxas de mortalidade de Alzheimer aumentaram 38,0% entre 1990 e 2019.

"Sem tratamentos eficazes para interromper, retardar ou prevenir o Alzheimer e toda a demência, esse número crescerá além de 2050 e continuará a impactar indivíduos, cuidadores, sistemas de saúde e governos em todo o mundo", disse Carrillo. "Além da terapia, é fundamental descobrir intervenções culturalmente personalizadas que reduzam o risco de demência por meio de fatores de estilo de vida como educação, dieta e exercício."

O estudo da Associação de Alzheimer dos EUA para proteger a saúde do cérebro por meio da intervenção no estilo de vida para reduzir o risco (U.S. POINTER) é um estudo clínico de dois anos para avaliar se as intervenções no estilo de vida que visam simultaneamente muitos fatores de risco protegem a função cognitiva em adultos mais velhos que correm maior risco de declínio cognitivo.

Estimativas de incidência para demência de início precoce sugerem 350 mil novos casos por ano

Dados sobre demência de início precoce (YOD), uma forma de demência em que o início dos sintomas surge antes dos 65 anos, são extremamente limitados. Para entender melhor a incidência de YOD, Stevie Hendriks, MSc, estudante da Universidade de Maastricht na Holanda, e colegas realizaram uma revisão sistemática da literatura de todos os estudos publicada nos últimos 30 anos, que relatou números sobre quantas pessoas desenvolveram demência antes dos 65 anos.

Hendriks e equipe constataram que, no geral, a taxa de incidência global era de 10 novos casos a cada ano por 100 mil pessoas. Também observaram aumentos de incidência com a idade. Isso sugere que cerca de 350.000 pessoas em todo o mundo desenvolvem demência de início precoce todos os anos. As taxas de incidência para homens e mulheres eram semelhantes e eram as mais altas para a doença de Alzheimer, seguida de demência vascular e demência frontológica.

"Nossos resultados devem aumentar a conscientização em profissionais de saúde, pesquisadores e formuladores de políticas porque mostram que um número significativo de pessoas são afetadas pela demência de início precoce a cada ano", disse Hendriks. "Isso mostra a necessidade de investimento em cuidados com a saúde sob medida para este grupo especial de pacientes e mais pesquisas sobre como podemos oferecer o melhor suporte, mas também para prevenir e tratar a demência de início precoce."

"As pessoas que vivem com Alzheimer de início precoce enfrentam desafios únicos quando se trata de diagnóstico, família, trabalho, finanças, atendimento futuro e — com a recente ação do FDA — possíveis opções de tratamento. Mas o suporte e as informações estão disponíveis", disse Kristen Clifford, diretor do programa da Associação de Alzheimer. "E você tem o poder de fazer um novo plano e determinar como você escolhe viver uma vida melhor com a doença."

As áreas rurais do sul dos EUA enfrentam uma incidência desproporcional de mortalidade por Alzheimer, embora a vida útil média tenha aumentado continuamente nas últimas décadas nos Estados Unidos, há uma crescente divergência nas taxas de mortalidade entre as populações urbanas e rurais.

Essa discrepância provavelmente é o resultado de muitas disparidades de saúde vividas por residentes rurais em comparação com seus parceiros urbanos, incluindo status socioeconômico mais baixo, níveis mais altos de doenças crônicas, disponibilidade limitada de serviços de Internet e menos acesso aos serviços de saúde, incluindo atendimento primário.

Para entender especificamente variações geográficas na mortalidade da doença de Alzheimer, Ambar Kulshreshtha, MD, PhD, da Universidade de Emory, e colegas usaram dados do National Center for Health Statistics para examinar tendências nas taxas de mortalidade de Alzheimer entre 1999 e 2019 pelos níveis de urbanização.

Kulshreshtha e equipe descobriram que, de 1999 a 2019, a taxa de mortalidade do Alzheimer na população geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100.000, um aumento de 88%. Demonstrou-se que as áreas rurais nos Estados Unidos apresentam taxas de mortalidade por Alzheimer mais altas em comparação com as áreas urbanas. Essas taxas foram mais altas na áreas rurais na região Centro-Sul do leste dos EUA, de 274 por 100 mil nos indivíduos com 65 anos ou mais, mais de três vezes as de áreas urbanas na região do Médio Atlântico, em que as taxas de mortalidade eram as mais baixas.

"Nosso trabalho mostra que há uma discrepância crescente na mortalidade em decorrência do Alzheimer entre as áreas urbanas e rurais. Essa discrepância poderia estar relacionada, ou pode ser o resultado de outras disparidades urbanos-rurais de saúde, incluindo acesso ao atendimento primário e outros serviços de saúde, nível socioeconômico, tempo de diagnóstico e a crescente proporção de americanos mais velhos que vivem nessas áreas", declarou Kulshreshtha. "Identificar e entender os motivos para essas disparidades de saúde é fundamental para alocar adequadamente os principais recursos sociais e de saúde pública."

Esse estudo foi parcialmente financiado pela Associação de Alzheimer.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é a maior reunião mundial de pesquisadores de todo o mundo com foco no Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC atua como catalisadora para gerar novos conhecimentos sobre a demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e coletiva.

Webpage da AAIC 2021: www.alz.org/aaic/

Sala de Imprensa AAIC 2021: www.alz.org/aaic/pressroom.asp

Hashtag da AAIC 2021: #AAIC21

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer lidera o caminho para acabar com o mal de Alzheimer e com todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, impulsionando a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a qualidade dos cuidados e o apoio. Nossa visão é um mundo sem Alzheimer e todas as outras demências. Visite alz.org ou ligue para a Central de Ajuda 24 horas por dia, 7 dias por semana, 800.272.3900.

  • Emma Nichols, MPH, et al. A estimativa da prevalência global da demência de 1990 a 2019 e a prevalência prevista até 2050: Uma análise para o estudo da Carga Global de Doença (GBD) de 2019. (Financiador(es): Gates Ventures)
  • Stevie Hendriks, MSc, et al. A incidência de demência de início precoce: uma revisão sistemática e meta-análise.(Financiador(es): Alzheimer Nederland; Gieskes-Strijbis Foundation; Dutch Knowledge Center on Young-Onset Dementia )
  • Ambar Kulshreshtha, MD, PhD, Alta mortalidade por doença de Alzheimer em áreas rurais do sul: 1999-2019. (Financiador(es): Alzheimer's Association)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1579813/Alzheimers_Association_International_Conference_2021_Logo.jpg

FONTE Alzheimer’s Association

Nova análise mostra uma diminuição na prevalência devido à educação contrabalançada por um aumento devido a fatores de risco para a saúde cardíaca

DENVER, 27 de julho de 2021 /PRNewswire/ -- Estima-se que tendências positivas no acesso à educação global diminuam a prevalência da demência mundial em 6,2 milhões de casos até o ano de 2050. Ao mesmo tempo, estima-se que as tendências previstas no tabagismo, alto índice de massa corporal e alto nível de açúcar no sangue aumentem a prevalência em quase o mesmo número: 6,8 milhões de casos. Ambos de acordo com novos dados de prevalência global relatados na Alzheimer's Association International Conference® (AAIC®) 2021 em Denver, Colorado, e virtualmente.

Com essas previsões incorporadas, os pesquisadores do Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington relataram na AAIC 2021 que estimam que o número de pessoas com demência quase triplique para mais 152 milhões até 2050. Estima-se que o maior aumento na prevalência seja na África Subsaariana Oriental, norte da África e Oriente Médio.

"Melhorias no estilo de vida em adultos em países desenvolvidos e em outros lugares, incluindo o acesso à educação e maior atenção às questões de saúde cardíaca, reduziram a incidência nos últimos anos, mas o número total de demências ainda está aumentando devido ao envelhecimento da população", declarou Maria C. Carrillo, PhD, diretora de ciência da Associação de Alzheimer. "Além disso, a obesidade, o diabetes e o estilo de vida sedentário em pessoas mais jovens estão crescendo rapidamente, e esses são fatores de risco para a demência."

O Instituto Nacional dos EUA sobre envelhecimento estima que as pessoas com mais de 65 anos ocuparão 16% da população mundial até 2050, um aumento de 8% em comparação a 2010.

Durante a AAIC 2021 também foram reportados mais dois estudos de prevalência/incidência. Os resultados principais incluem:

  • A cada ano, estima-se que 10 em cada 100.000 indivíduos desenvolvam demência com início precoce (antes dos 65 anos). Isso corresponde a 350.000 novos casos de demência precoce por ano, globalmente.
  • De 1999 a 2019, a taxa de mortalidade dos EUA em decorrência do Alzheimer na população geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100.000, um aumento de 88%.
  • Entre todas as áreas dos EUA, as taxas de mortalidade por Alzheimer foram mais altas nas áreas rurais da região Centro-Sul do leste dos EUA, onde a taxa de mortalidade por Alzheimer é de 274 por 100 mil para pessoas com mais de 65 anos.

A prevalência global da demência deverá crescer rapidamente até 2050

Para prever com mais precisão a prevalência global da demência e produzir estimativas em nível de país, Emma Nichols, MPH, pesquisadora do Instituto de Métricas e Avaliação de Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade de Washington, e colegas alavancaram os dados de 1999 a 2019 do estudo Global Burden of Disease (GBD), um conjunto abrangente de estimativas de tendências de saúde em todo o mundo. Este estudo também teve como objetivo melhorar em previsões anteriores por meio da incorporação de informações sobre tendências em fatores de risco de demência.

Nichols e equipe observaram que a demência aumentaria de cerca de 57,4 (50,4 a 65,1) milhões de casos em todo o mundo em 2019 para cerca de 152,8 (130,8 a 175,6) milhões de casos em 2050. Os maiores aumentos foram observados no leste da África Subsaariana, Norte da África e Oriente Médio. A análise deles sugeriu que a projeção de aumento de casos poderia ser, em grande parte, atribuída ao crescimento e ao envelhecimento da população, embora a importância relativa desses dois fatores variasse pela região mundial.

Além do mais, Nichols e equipe previram a prevalência de demência atribuível ao tabagismo, alto índice de massa corporal (IMC) e alta glicemia plasmática em jejum usando a relação esperada entre esses fatores de risco e a prevalência de demência. Eles identificaram um aumento de 6,8 milhões de casos de demência em todo o mundo entre 2019 e 2050 devido especificamente às mudanças esperadas nesses fatores de risco. Separadamente e por outro lado, os pesquisadores constataram que as mudanças esperadas nos níveis de educação resultarão em um declínio na prevalência da demência em 6,2 milhões de indivíduos em todo o mundo entre 2019 e 2050. Juntas, essas tendências opostas chegam quase a se equilibrar.

"Essas estimativas permitirão que os formuladores de políticas e tomadores de decisão compreendam melhor os aumentos esperados no número de indivíduos com demência, bem como os impulsionadores desses aumentos em um determinado ambiente geográfico", disse Nichols. "O grande aumento estimado no número de indivíduos com demência enfatiza a necessidade vital de pesquisas focadas na descoberta de tratamentos modificadores de doenças e intervenções eficazes de baixo custo para a prevenção ou retardo do início da demência."

Publicado recentemente  no Alzheimer's & Dementia: The Journal of the Alzheimer's Association, Nichols e equipe usaram os mesmos dados definidos para estimar que as taxas de mortalidade de Alzheimer aumentaram 38,0% entre 1990 e 2019.

"Sem tratamentos eficazes para interromper, retardar ou prevenir o Alzheimer e toda a demência, esse número crescerá além de 2050 e continuará a impactar indivíduos, cuidadores, sistemas de saúde e governos em todo o mundo", disse Carrillo. "Além da terapia, é fundamental descobrir intervenções culturalmente personalizadas que reduzam o risco de demência por meio de fatores de estilo de vida como educação, dieta e exercício."

O estudo da Associação de Alzheimer dos EUA para proteger a saúde do cérebro por meio da intervenção no estilo de vida para reduzir o risco (U.S. POINTER) é um estudo clínico de dois anos para avaliar se as intervenções no estilo de vida que visam simultaneamente muitos fatores de risco protegem a função cognitiva em adultos mais velhos que correm maior risco de declínio cognitivo.

Estimativas de incidência para demência de início precoce sugerem 350 mil novos casos por ano

Dados sobre demência de início precoce (YOD), uma forma de demência em que o início dos sintomas surge antes dos 65 anos, são extremamente limitados. Para entender melhor a incidência de YOD, Stevie Hendriks, MSc, estudante da Universidade de Maastricht na Holanda, e colegas realizaram uma revisão sistemática da literatura de todos os estudos publicada nos últimos 30 anos, que relatou números sobre quantas pessoas desenvolveram demência antes dos 65 anos.

Hendriks e equipe constataram que, no geral, a taxa de incidência global era de 10 novos casos a cada ano por 100 mil pessoas. Também observaram aumentos de incidência com a idade. Isso sugere que cerca de 350.000 pessoas em todo o mundo desenvolvem demência de início precoce todos os anos. As taxas de incidência para homens e mulheres eram semelhantes e eram as mais altas para a doença de Alzheimer, seguida de demência vascular e demência frontológica.

"Nossos resultados devem aumentar a conscientização em profissionais de saúde, pesquisadores e formuladores de políticas porque mostram que um número significativo de pessoas são afetadas pela demência de início precoce a cada ano", disse Hendriks. "Isso mostra a necessidade de investimento em cuidados com a saúde sob medida para este grupo especial de pacientes e mais pesquisas sobre como podemos oferecer o melhor suporte, mas também para prevenir e tratar a demência de início precoce."

"As pessoas que vivem com Alzheimer de início precoce enfrentam desafios únicos quando se trata de diagnóstico, família, trabalho, finanças, atendimento futuro e — com a recente ação do FDA — possíveis opções de tratamento. Mas o suporte e as informações estão disponíveis", disse Kristen Clifford, diretor do programa da Associação de Alzheimer. "E você tem o poder de fazer um novo plano e determinar como você escolhe viver uma vida melhor com a doença."

As áreas rurais do sul dos EUA enfrentam uma incidência desproporcional de mortalidade por Alzheimer, embora a vida útil média tenha aumentado continuamente nas últimas décadas nos Estados Unidos, há uma crescente divergência nas taxas de mortalidade entre as populações urbanas e rurais.

Essa discrepância provavelmente é o resultado de muitas disparidades de saúde vividas por residentes rurais em comparação com seus parceiros urbanos, incluindo status socioeconômico mais baixo, níveis mais altos de doenças crônicas, disponibilidade limitada de serviços de Internet e menos acesso aos serviços de saúde, incluindo atendimento primário.

Para entender especificamente variações geográficas na mortalidade da doença de Alzheimer, Ambar Kulshreshtha, MD, PhD, da Universidade de Emory, e colegas usaram dados do National Center for Health Statistics para examinar tendências nas taxas de mortalidade de Alzheimer entre 1999 e 2019 pelos níveis de urbanização.

Kulshreshtha e equipe descobriram que, de 1999 a 2019, a taxa de mortalidade do Alzheimer na população geral aumentou significativamente de 16 para 30 mortes por 100.000, um aumento de 88%. Demonstrou-se que as áreas rurais nos Estados Unidos apresentam taxas de mortalidade por Alzheimer mais altas em comparação com as áreas urbanas. Essas taxas foram mais altas na áreas rurais na região Centro-Sul do leste dos EUA, de 274 por 100 mil nos indivíduos com 65 anos ou mais, mais de três vezes as de áreas urbanas na região do Médio Atlântico, em que as taxas de mortalidade eram as mais baixas.

"Nosso trabalho mostra que há uma discrepância crescente na mortalidade em decorrência do Alzheimer entre as áreas urbanas e rurais. Essa discrepância poderia estar relacionada, ou pode ser o resultado de outras disparidades urbanos-rurais de saúde, incluindo acesso ao atendimento primário e outros serviços de saúde, nível socioeconômico, tempo de diagnóstico e a crescente proporção de americanos mais velhos que vivem nessas áreas", declarou Kulshreshtha. "Identificar e entender os motivos para essas disparidades de saúde é fundamental para alocar adequadamente os principais recursos sociais e de saúde pública."

Esse estudo foi parcialmente financiado pela Associação de Alzheimer.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é a maior reunião mundial de pesquisadores de todo o mundo com foco no Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC atua como catalisadora para gerar novos conhecimentos sobre a demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e coletiva.

Webpage da AAIC 2021: www.alz.org/aaic/

Sala de Imprensa AAIC 2021: www.alz.org/aaic/pressroom.asp

Hashtag da AAIC 2021: #AAIC21

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer lidera o caminho para acabar com o mal de Alzheimer e com todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, impulsionando a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a qualidade dos cuidados e o apoio. Nossa visão é um mundo sem Alzheimer e todas as outras demências. Visite alz.org ou ligue para a Central de Ajuda 24 horas por dia, 7 dias por semana, 800.272.3900.

  • Emma Nichols, MPH, et al. A estimativa da prevalência global da demência de 1990 a 2019 e a prevalência prevista até 2050: Uma análise para o estudo da Carga Global de Doença (GBD) de 2019. (Financiador(es): Gates Ventures)
  • Stevie Hendriks, MSc, et al. A incidência de demência de início precoce: uma revisão sistemática e meta-análise.(Financiador(es): Alzheimer Nederland; Gieskes-Strijbis Foundation; Dutch Knowledge Center on Young-Onset Dementia )
  • Ambar Kulshreshtha, MD, PhD, Alta mortalidade por doença de Alzheimer em áreas rurais do sul: 1999-2019. (Financiador(es): Alzheimer's Association)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1579813/Alzheimers_Association_International_Conference_2021_Logo.jpg

FONTE Alzheimer’s Association

Você acabou de ler:

Casos globais de demência têm previsão de triplicar até 2050

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/casos-globais-de-demencia-tem-previsao-de-triplicar-ate-2050/