CEBINA identifica um spray nasal anti-histamínico comum como possível abordagem contra a COVID-19

VIENA, 9 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A CEBINA GmbH, uma empresa austríaca de biotecnologia, anunciou que obteve resultados positivos com seu projeto de reposicionamento de medicamentos contra a COVID-19 com a identificação de medicamentos aprovados e comumente utilizados que atuam contra a infecção pelo SARS-CoV-2 em testes in vitro. Um desses medicamentos, a Azelastina, é um anti-histamínico atualmente disponível como spray nasal, e foi identificado como uma possível abordagem preventiva para uso tópico contra a COVID-19 ou após exposição ao vírus.

A CEBINA, em colaboração com o professor Robert Konrat, renomado biólogo estrutural (Universidade de Viena, Áustria) utilizou uma abordagem computacional, integrando várias ferramentas de software e uma nova análise de vias biológicas para identificar possíveis medicamentos para combate à COVID-19. Essa abordagem foi complementada com um teste de infecção viral in vitro com SARS-CoV-2 executado em colaboração com o professor Ferenc Jakab, diretor do laboratório BSL-4 no Centro de Pesquisas Szentágothai da Universidade de Pécs, na Hungria. Os resultados revelaram que cinco medicamentos genéricos demonstraram ação contra o SARS-CoV-2. Entre eles, o mais potente foi a Azelastina, que está disponível como produto para uso tópico e que tem efeitos colaterais modestos. Os outros medicamentos identificados são comumente utilizados em tratamentos para hipertensão: Telmisartana, Metroprolol, Losartana e Amilorida.

"Os casos de COVID-19 continuam aumentando, e a identificação da Azelastina é uma solução bastante promissora como medida preventiva e/ou para depois da exposição ao vírus da COVID-19, principalmente porque esse medicamento pode ser facilmente encontrado como spray nasal e pode atuar diretamente no local do início da infecção viral", disse a dra. Eszter Nagy, diretora executiva e fundadora da CEBINA. "Estamos trabalhando para confirmar nossas descobertas em um estudo clínico, especialmente a observação de que uma dose significativamente menor talvez seja eficaz. Uma dose menor reduziria os efeitos colaterais que conhecemos, que não são significativos, mas que podem ser desagradáveis, e isso poderia diferenciar as indicações como tratamento contra alergia ou para COVID-19."

"Estamos muito entusiasmados em ver que nossa abordagem in silico permitiu identificar medicamentos já existentes, fáceis de ser encontrados, e que demonstraram atuar contra o SARS-CoV-2, porque essas descobertas podem ter um efeito benéfico imediato na luta contra a COVID-19", comentou o professor Robert Konrat.

CEBINA pediu proteção de patente para suas descobertas e divulgará os dados científicos em breve.

A CEBINA está em negociações com a Sigmapharm Arzneimittel GmbH, uma empresa austríaca com vasta experiência na fabricação de sprays nasais e com capacidade de produção significativa e imediata para o desenvolvimento e produção de um produto da Azelastina. Para agilizar o acesso a essa abordagem contra a COVID-19 com ampla disponibilidade e adequado para as necessidades globais, a CEBINA está aberta a financiamento de terceiros e buscará parceiros de licenciamento para a distribuição em nível mundial para entrar no mercado num futuro próximo.

SOBRE A CEBINA

A CEBINA GmbH, empresa de biotecnologia da Europa Central, incubadora e aceleradora de empresas (http://www.cebina.eu/) tem sede na Áustria e oferece as capacidades de pesquisa, desenvolvimento, financiamento e gestão de sua equipe a empresas de biotecnologia em fase inicial e média, e desenvolve seus próprios projetos, especialmente no campo de doenças infecciosas. A CEBINA anunciou recentemente que iniciou vários projetos de pesquisa para combater a pandemia da COVID-19.

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1202024/CEBINA_Logo.jpg

CONTATO

Sophie Zettl

Vice-presidente de desenvolvimento comercial

+43-676-3731595

sophie.zettl@cebina.eu

 

FONTE Cebina GmbH

VIENA, 9 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A CEBINA GmbH, uma empresa austríaca de biotecnologia, anunciou que obteve resultados positivos com seu projeto de reposicionamento de medicamentos contra a COVID-19 com a identificação de medicamentos aprovados e comumente utilizados que atuam contra a infecção pelo SARS-CoV-2 em testes in vitro. Um desses medicamentos, a Azelastina, é um anti-histamínico atualmente disponível como spray nasal, e foi identificado como uma possível abordagem preventiva para uso tópico contra a COVID-19 ou após exposição ao vírus.

A CEBINA, em colaboração com o professor Robert Konrat, renomado biólogo estrutural (Universidade de Viena, Áustria) utilizou uma abordagem computacional, integrando várias ferramentas de software e uma nova análise de vias biológicas para identificar possíveis medicamentos para combate à COVID-19. Essa abordagem foi complementada com um teste de infecção viral in vitro com SARS-CoV-2 executado em colaboração com o professor Ferenc Jakab, diretor do laboratório BSL-4 no Centro de Pesquisas Szentágothai da Universidade de Pécs, na Hungria. Os resultados revelaram que cinco medicamentos genéricos demonstraram ação contra o SARS-CoV-2. Entre eles, o mais potente foi a Azelastina, que está disponível como produto para uso tópico e que tem efeitos colaterais modestos. Os outros medicamentos identificados são comumente utilizados em tratamentos para hipertensão: Telmisartana, Metroprolol, Losartana e Amilorida.

"Os casos de COVID-19 continuam aumentando, e a identificação da Azelastina é uma solução bastante promissora como medida preventiva e/ou para depois da exposição ao vírus da COVID-19, principalmente porque esse medicamento pode ser facilmente encontrado como spray nasal e pode atuar diretamente no local do início da infecção viral", disse a dra. Eszter Nagy, diretora executiva e fundadora da CEBINA. "Estamos trabalhando para confirmar nossas descobertas em um estudo clínico, especialmente a observação de que uma dose significativamente menor talvez seja eficaz. Uma dose menor reduziria os efeitos colaterais que conhecemos, que não são significativos, mas que podem ser desagradáveis, e isso poderia diferenciar as indicações como tratamento contra alergia ou para COVID-19."

"Estamos muito entusiasmados em ver que nossa abordagem in silico permitiu identificar medicamentos já existentes, fáceis de ser encontrados, e que demonstraram atuar contra o SARS-CoV-2, porque essas descobertas podem ter um efeito benéfico imediato na luta contra a COVID-19", comentou o professor Robert Konrat.

CEBINA pediu proteção de patente para suas descobertas e divulgará os dados científicos em breve.

A CEBINA está em negociações com a Sigmapharm Arzneimittel GmbH, uma empresa austríaca com vasta experiência na fabricação de sprays nasais e com capacidade de produção significativa e imediata para o desenvolvimento e produção de um produto da Azelastina. Para agilizar o acesso a essa abordagem contra a COVID-19 com ampla disponibilidade e adequado para as necessidades globais, a CEBINA está aberta a financiamento de terceiros e buscará parceiros de licenciamento para a distribuição em nível mundial para entrar no mercado num futuro próximo.

SOBRE A CEBINA

A CEBINA GmbH, empresa de biotecnologia da Europa Central, incubadora e aceleradora de empresas (http://www.cebina.eu/) tem sede na Áustria e oferece as capacidades de pesquisa, desenvolvimento, financiamento e gestão de sua equipe a empresas de biotecnologia em fase inicial e média, e desenvolve seus próprios projetos, especialmente no campo de doenças infecciosas. A CEBINA anunciou recentemente que iniciou vários projetos de pesquisa para combater a pandemia da COVID-19.

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1202024/CEBINA_Logo.jpg

CONTATO

Sophie Zettl

Vice-presidente de desenvolvimento comercial

+43-676-3731595

sophie.zettl@cebina.eu

 

FONTE Cebina GmbH

Você acabou de ler:

CEBINA identifica um spray nasal anti-histamínico comum como possível abordagem contra a COVID-19

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/cebina-identifica-um-spray-nasal-anti-histaminico-comum-como-possivel-abordagem-contra-a-covid-19/