CGTN: China pede desenvolvimento mais inclusivo para o mundo pós-COVID

PEQUIM, 23 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- Com a COVID-19 ainda provocando danos generalizados em todo o mundo, neste sábado, a China pediu esforços conjuntos das principais economias para promover um desenvolvimento mais inclusivo e aprimorar a governança global na era pós-pandemia.

Leia o artigo original aqui

A pandemia, que já infectou mais de 57,4 milhões de pessoas e vitimou mais de 1,3 milhão em todo o mundo, expôs muitos elos frágeis na governança global. A comunidade internacional está se perguntando o que o Grupo dos 20 (G20) pode fazer para melhorar o sistema, disse o presidente chinês Xi Jinping, ao discursar na Cúpula do G20 em Riad por meio de um link de vídeo.

Xi disse que o G20, desempenhando um papel insubstituível na batalha global contra a COVID-19, deveria manter o multilateralismo, a abertura, a inclusão, a cooperação mutuamente benéfica e acompanhar a marcha dos tempos.

Fundado em 1999, o G20 é o principal fórum de cooperação internacional para questões financeiras e econômicas. Compreende 19 países - Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia, Grã-Bretanha e Estados Unidos - mais a União Europeia.

Apoio a países em desenvolvimento

"Devemos manter nosso apoio aos países em desenvolvimento e ajudá-los a superar as dificuldades causadas pela pandemia", disse Xi a outros líderes do G20, incentivando as principais economias do mundo a adotar um desenvolvimento mais inclusivo.

A China implementou plenamente a Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (Debt Service Suspension Initiative, DSSI) do G20, superando suas próprias dificuldades, com um montante total superior a US$ 1,3 bilhão, observou ele.

O G20 lançou a DSSI em abril para suprir as necessidades imediatas de liquidez dos países de baixa renda, autorizando a suspensão dos pagamentos do serviço da dívida devidos de 1º de maio até o final do ano pelos países mais empobrecidos. A suspensão da dívida será prorrogada por mais seis meses, até 30 de junho de 2021, conforme decisão dos ministros das finanças do G20 e dirigentes dos bancos centrais em outubro.

A China ficou em primeiro lugar entre os membros do G20 em termos de montantes de prorrogação da dívida sob a DSSI para os países mais pobres, disse recentemente o Ministro das Finanças, Liu Kun.

"A China ampliará o nível de suspensão e alívio da dívida para os países que enfrentam dificuldades específicas e incentivará suas instituições financeiras a conceder novos suportes financeiros de forma voluntária e de acordo com os princípios do mercado", disse Xi em seu discurso.

Ele reafirmou o compromisso da China de ajudar e apoiar outros países em desenvolvimento, tornando as vacinas da COVID-19 um bem público que seja disponível e acessível em todo o mundo.

O presidente chinês também solicitou ao G20 estimular o livre comércio, opor-se ao unilateralismo e ao protecionismo e resguardar o direito e o espaço de desenvolvimento dos países em desenvolvimento.

Enfrentar desafios globais

"Precisamos desenvolver habilidades para enfrentar os desafios globais", enfatizou Xi. "A missão mais urgente do momento é fortalecer o sistema de saúde pública global e controlar a COVID-19 e outras doenças infecciosas".

Os membros do G20 devem trabalhar juntos para reforçar o papel da Organização Mundial da Saúde e desenvolver uma comunidade global de saúde para todos, disse ele.

Enquanto isso, o presidente pediu colaboração internacional para proteger o meio ambiente, enfrentar as mudanças climáticas e construir um "mundo limpo e belo no qual homem e natureza coexistam em harmonia".

A China anunciou em setembro que faria esforços para atingir a neutralidade de carbono antes de 2060. A meta do país é atingir o pico de emissões de CO2 antes de 2030.

O G20 também deve desempenhar um papel de liderança na promoção do desenvolvimento impulsionado por inovação na era digital e melhorar a globalização econômica, de acordo com Xi.

Observando que a pandemia alimentou uma expansão de novas tecnologias e formatos de negócios, ele pediu ações para transformar a crise em uma oportunidade.

"Podemos intensificar a reforma estrutural e cultivar novos fatores de crescimento por meio da inovação científica e tecnológica e da transformação digital", disse ele.

Comentando a reação contra a globalização econômica, ele pediu que os desafios sejam abordados de frente e que a globalização seja "mais aberta, inclusiva, equilibrada e benéfica para todos".

A iniciativa da China de estabelecer um novo modelo de desenvolvimento proporcionará mais oportunidades para que os países em todo o mundo compartilhem suas conquistas na busca de um desenvolvimento econômico de alta qualidade, disse Xi a outros líderes presentes na cúpula. 

A alta liderança da China tomou uma decisão estratégica de estimular um novo modelo de desenvolvimento, tendo a circulação interna como base, e as circulações interna e externa fortalecendo-se mutuamente.

"A China sempre será um promotor da paz global, um contribuidor para o desenvolvimento global e um defensor da ordem internacional", disse Xi. "Podemos superar as diferenças por meio do diálogo, resolver litigios por meio da negociação e fazer um esforço conjunto pela paz e pelo desenvolvimento mundial."

Vídeo - https://www.youtube.com/watch?v=bbm3JzjkVTA

FONTE CGTN

PEQUIM, 23 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- Com a COVID-19 ainda provocando danos generalizados em todo o mundo, neste sábado, a China pediu esforços conjuntos das principais economias para promover um desenvolvimento mais inclusivo e aprimorar a governança global na era pós-pandemia.

Leia o artigo original aqui

A pandemia, que já infectou mais de 57,4 milhões de pessoas e vitimou mais de 1,3 milhão em todo o mundo, expôs muitos elos frágeis na governança global. A comunidade internacional está se perguntando o que o Grupo dos 20 (G20) pode fazer para melhorar o sistema, disse o presidente chinês Xi Jinping, ao discursar na Cúpula do G20 em Riad por meio de um link de vídeo.

Xi disse que o G20, desempenhando um papel insubstituível na batalha global contra a COVID-19, deveria manter o multilateralismo, a abertura, a inclusão, a cooperação mutuamente benéfica e acompanhar a marcha dos tempos.

Fundado em 1999, o G20 é o principal fórum de cooperação internacional para questões financeiras e econômicas. Compreende 19 países - Argentina, Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Indonésia, Itália, Japão, México, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Coreia do Sul, Turquia, Grã-Bretanha e Estados Unidos - mais a União Europeia.

Apoio a países em desenvolvimento

"Devemos manter nosso apoio aos países em desenvolvimento e ajudá-los a superar as dificuldades causadas pela pandemia", disse Xi a outros líderes do G20, incentivando as principais economias do mundo a adotar um desenvolvimento mais inclusivo.

A China implementou plenamente a Iniciativa de Suspensão do Serviço da Dívida (Debt Service Suspension Initiative, DSSI) do G20, superando suas próprias dificuldades, com um montante total superior a US$ 1,3 bilhão, observou ele.

O G20 lançou a DSSI em abril para suprir as necessidades imediatas de liquidez dos países de baixa renda, autorizando a suspensão dos pagamentos do serviço da dívida devidos de 1º de maio até o final do ano pelos países mais empobrecidos. A suspensão da dívida será prorrogada por mais seis meses, até 30 de junho de 2021, conforme decisão dos ministros das finanças do G20 e dirigentes dos bancos centrais em outubro.

A China ficou em primeiro lugar entre os membros do G20 em termos de montantes de prorrogação da dívida sob a DSSI para os países mais pobres, disse recentemente o Ministro das Finanças, Liu Kun.

"A China ampliará o nível de suspensão e alívio da dívida para os países que enfrentam dificuldades específicas e incentivará suas instituições financeiras a conceder novos suportes financeiros de forma voluntária e de acordo com os princípios do mercado", disse Xi em seu discurso.

Ele reafirmou o compromisso da China de ajudar e apoiar outros países em desenvolvimento, tornando as vacinas da COVID-19 um bem público que seja disponível e acessível em todo o mundo.

O presidente chinês também solicitou ao G20 estimular o livre comércio, opor-se ao unilateralismo e ao protecionismo e resguardar o direito e o espaço de desenvolvimento dos países em desenvolvimento.

Enfrentar desafios globais

"Precisamos desenvolver habilidades para enfrentar os desafios globais", enfatizou Xi. "A missão mais urgente do momento é fortalecer o sistema de saúde pública global e controlar a COVID-19 e outras doenças infecciosas".

Os membros do G20 devem trabalhar juntos para reforçar o papel da Organização Mundial da Saúde e desenvolver uma comunidade global de saúde para todos, disse ele.

Enquanto isso, o presidente pediu colaboração internacional para proteger o meio ambiente, enfrentar as mudanças climáticas e construir um "mundo limpo e belo no qual homem e natureza coexistam em harmonia".

A China anunciou em setembro que faria esforços para atingir a neutralidade de carbono antes de 2060. A meta do país é atingir o pico de emissões de CO2 antes de 2030.

O G20 também deve desempenhar um papel de liderança na promoção do desenvolvimento impulsionado por inovação na era digital e melhorar a globalização econômica, de acordo com Xi.

Observando que a pandemia alimentou uma expansão de novas tecnologias e formatos de negócios, ele pediu ações para transformar a crise em uma oportunidade.

"Podemos intensificar a reforma estrutural e cultivar novos fatores de crescimento por meio da inovação científica e tecnológica e da transformação digital", disse ele.

Comentando a reação contra a globalização econômica, ele pediu que os desafios sejam abordados de frente e que a globalização seja "mais aberta, inclusiva, equilibrada e benéfica para todos".

A iniciativa da China de estabelecer um novo modelo de desenvolvimento proporcionará mais oportunidades para que os países em todo o mundo compartilhem suas conquistas na busca de um desenvolvimento econômico de alta qualidade, disse Xi a outros líderes presentes na cúpula. 

A alta liderança da China tomou uma decisão estratégica de estimular um novo modelo de desenvolvimento, tendo a circulação interna como base, e as circulações interna e externa fortalecendo-se mutuamente.

"A China sempre será um promotor da paz global, um contribuidor para o desenvolvimento global e um defensor da ordem internacional", disse Xi. "Podemos superar as diferenças por meio do diálogo, resolver litigios por meio da negociação e fazer um esforço conjunto pela paz e pelo desenvolvimento mundial."

Vídeo - https://www.youtube.com/watch?v=bbm3JzjkVTA

FONTE CGTN

Você acabou de ler:

CGTN: China pede desenvolvimento mais inclusivo para o mundo pós-COVID

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/cgtn-china-pede-desenvolvimento-mais-inclusivo-para-o-mundo-pos-covid/