CGTN: de Paris a Glasgow: a China está em ação para proteger o planeta

PEQUIM, 2 de novembro de 2021 /PRNewswire/ -- A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) foi aberta no domingo em Glasgow, na Escócia, a primeira conferência após o ciclo de avaliação de cinco anos sob o Acordo de Paris firmado em 2015.

Em muitas ocasiões, o presidente chinês Xi Jinping destacou a visão da China sobre o enfrentamento do desafio climático, expressou o apoio firme da China ao Acordo de Paris e anunciou as ações concretas do país para proteger o planeta.

Em sua declaração por escrito ao World Leaders Summit na COP26, publicada na segunda-feira, Xi reiterou um apelo por unidade global e ações para abordar as mudanças climáticas e apresentou três sugestões.

Promover o consenso multilateral

"Quando se trata de desafios globais, como as mudanças climáticas, o multilateralismo é a prescrição certa", disse Xi na declaração, conclamando todas as partes a desenvolver o consenso existente, aumentar a confiança mútua e intensificar a cooperação para que a COP26 seja bem-sucedida.

O presidente chinês contribuiu para o grande progresso nas questões climáticas em nível global. Em 2015, Xi fez um discurso na Conferência de Paris sobre Mudanças Climáticas, fazendo uma contribuição histórica para a conclusão do Acordo de Paris.

Na cúpula Climate Ambition em dezembro de 2020, o presidente Xi anunciou os compromissos adicionais da China para 2030, fazendo progressos constantes na implementação do Acordo de Paris.

No início deste mês, ele destacou a importância de compartilhar os frutos do desenvolvimento verde entre todos os países ao se dirigir à cúpula dos líderes da 15ª reunião da Conferência das Partes para a Convenção de Diversidade Biológica (COP15), organizada pela China.

Foco em ação concreta

"As visões se tornarão realidade apenas quando agirmos de acordo com elas", disse Xi na segunda-feira, ao incentivar todos os países a honrar seus compromissos, estabelecer metas realistas e fazer o seu melhor de acordo com as condições nacionais para cumprir suas medidas de ação climática.

Como o presidente chinês disse, a China sempre honra suas palavras com ações. De acordo com um relatório sobre mudanças climáticas divulgado na semana passada, a intensidade de emissões de carbono do país em 2020 caiu 48,8% em comparação com 2005 e 18,8% no nível de 2015, mostrando que a China leva o Acordo de Paris a sério.

Até o final de 2020, os combustíveis não fósseis respondiam por 16% do consumo de energia primária na China e o país também retirou gradualmente, durante a última década, 120 milhões de quilowatts de capacidade instalada de geração de energia a carvão.

A China lançou iniciativas de ações ecológicas que incentivam a infraestrutura, a energia, o transporte e o financiamento verdes sob a estrutura da iniciativa Cinturão e Rota (BRI). Em 2020, 57% do investimento da China em países parceiros da BRI foi para projetos de energia renovável, um aumento de 38% em 2019.

Acelerando a transição ecológica

Na segunda-feira, Xi destacou o papel da inovação em ciência e tecnologia e pediu a promoção de uma economia e sociedade mais verdes e a exploração de um novo caminho que coordene o desenvolvimento com conservação.

Recentemente, a China publicou duas diretrizes importantes: um documento de um projeto de alto nível para atingir o pico das emissões de carbono e alcançar a neutralidade de carbono, e um plano de ação para atingir o pico das emissões de carbono antes de 2030.

De acordo com Xi, o país lançará ainda planos específicos de implementação para áreas-chave, como energia, indústria, construção e transporte; e para setores-chave, como carvão, eletricidade, ferro e aço, cimento, juntamente com medidas de apoio em termos de ciência e tecnologia, sequestro de carbono, tributação e incentivos financeiros.

Esses planos juntos formarão a estrutura política "1+N" da China para ajudar o país a cumprir seu compromisso de atingir o pico de suas emissões de CO2 antes de 2030 e alcançar a neutralidade de carbono antes de 2060 com um cronograma, roteiro e plano claramente definidos.

https://news.cgtn.com/news/2021-11-02/From-COP15-to-COP26-China-calls-for-unite-actions-to-protect-Earth-14R8MSzM208/index.html

 

FONTE CGTN

PEQUIM, 2 de novembro de 2021 /PRNewswire/ -- A 26ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP26) foi aberta no domingo em Glasgow, na Escócia, a primeira conferência após o ciclo de avaliação de cinco anos sob o Acordo de Paris firmado em 2015.

Em muitas ocasiões, o presidente chinês Xi Jinping destacou a visão da China sobre o enfrentamento do desafio climático, expressou o apoio firme da China ao Acordo de Paris e anunciou as ações concretas do país para proteger o planeta.

Em sua declaração por escrito ao World Leaders Summit na COP26, publicada na segunda-feira, Xi reiterou um apelo por unidade global e ações para abordar as mudanças climáticas e apresentou três sugestões.

Promover o consenso multilateral

"Quando se trata de desafios globais, como as mudanças climáticas, o multilateralismo é a prescrição certa", disse Xi na declaração, conclamando todas as partes a desenvolver o consenso existente, aumentar a confiança mútua e intensificar a cooperação para que a COP26 seja bem-sucedida.

O presidente chinês contribuiu para o grande progresso nas questões climáticas em nível global. Em 2015, Xi fez um discurso na Conferência de Paris sobre Mudanças Climáticas, fazendo uma contribuição histórica para a conclusão do Acordo de Paris.

Na cúpula Climate Ambition em dezembro de 2020, o presidente Xi anunciou os compromissos adicionais da China para 2030, fazendo progressos constantes na implementação do Acordo de Paris.

No início deste mês, ele destacou a importância de compartilhar os frutos do desenvolvimento verde entre todos os países ao se dirigir à cúpula dos líderes da 15ª reunião da Conferência das Partes para a Convenção de Diversidade Biológica (COP15), organizada pela China.

Foco em ação concreta

"As visões se tornarão realidade apenas quando agirmos de acordo com elas", disse Xi na segunda-feira, ao incentivar todos os países a honrar seus compromissos, estabelecer metas realistas e fazer o seu melhor de acordo com as condições nacionais para cumprir suas medidas de ação climática.

Como o presidente chinês disse, a China sempre honra suas palavras com ações. De acordo com um relatório sobre mudanças climáticas divulgado na semana passada, a intensidade de emissões de carbono do país em 2020 caiu 48,8% em comparação com 2005 e 18,8% no nível de 2015, mostrando que a China leva o Acordo de Paris a sério.

Até o final de 2020, os combustíveis não fósseis respondiam por 16% do consumo de energia primária na China e o país também retirou gradualmente, durante a última década, 120 milhões de quilowatts de capacidade instalada de geração de energia a carvão.

A China lançou iniciativas de ações ecológicas que incentivam a infraestrutura, a energia, o transporte e o financiamento verdes sob a estrutura da iniciativa Cinturão e Rota (BRI). Em 2020, 57% do investimento da China em países parceiros da BRI foi para projetos de energia renovável, um aumento de 38% em 2019.

Acelerando a transição ecológica

Na segunda-feira, Xi destacou o papel da inovação em ciência e tecnologia e pediu a promoção de uma economia e sociedade mais verdes e a exploração de um novo caminho que coordene o desenvolvimento com conservação.

Recentemente, a China publicou duas diretrizes importantes: um documento de um projeto de alto nível para atingir o pico das emissões de carbono e alcançar a neutralidade de carbono, e um plano de ação para atingir o pico das emissões de carbono antes de 2030.

De acordo com Xi, o país lançará ainda planos específicos de implementação para áreas-chave, como energia, indústria, construção e transporte; e para setores-chave, como carvão, eletricidade, ferro e aço, cimento, juntamente com medidas de apoio em termos de ciência e tecnologia, sequestro de carbono, tributação e incentivos financeiros.

Esses planos juntos formarão a estrutura política "1+N" da China para ajudar o país a cumprir seu compromisso de atingir o pico de suas emissões de CO2 antes de 2030 e alcançar a neutralidade de carbono antes de 2060 com um cronograma, roteiro e plano claramente definidos.

https://news.cgtn.com/news/2021-11-02/From-COP15-to-COP26-China-calls-for-unite-actions-to-protect-Earth-14R8MSzM208/index.html

 

FONTE CGTN

Você acabou de ler:

CGTN: de Paris a Glasgow: a China está em ação para proteger o planeta

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/cgtn-de-paris-a-glasgow-a-china-esta-em-acao-para-proteger-o-planeta/