CGTN: decodificando a visão da China para o exército de alto nível da nova era

PEQUIM, 31 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- O Exército de Libertação Popular (PLA) percorreu um longo caminho desde seu nascimento durante a revolta armada, na cidade de Nanchang, no dia 1º de agosto de 1927, quando tinha apenas 20.000 soldados.

Com dois milhões de militares, o PLA atual compromete-se a criar novos tipos de forças de combate que tenham capacidade de conduzir operações especiais, ataque e defesa multidimensionais, operações anfíbias, proteção de mares distantes e projeção estratégica.

Nos últimos anos, o presidente chinês Xi Jinping, também secretário geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (CPC) e presidente da Comissão Militar Central (CMC), reformulou o PLA e o está conduzindo para se tornar um grupo de alto nível de força militar.

Forças de alto nível

O presidente da Comissão Central Militar, pensando em fortalecer as forças armadas, responde às perguntas fundamentais sobre que tipo de forças armadas a China está buscando e como deve construí-las.

Em dezembro de 2012, apenas um mês depois de assumir o cargo mais alto do partido, Xi Jinping falou da necessidade de construir um exército forte.

"Para realizar o grande rejuvenescimento da nação chinesa, precisamos aderir à combinação de construir um país próspero com um exército forte", disse ele.

O PLA reformulou seu sistema de liderança e gestão, otimizou sua estrutura e reformou suas políticas e instituições militares desde 2015.

No desfile do Dia V, comemorativo dos 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, em setembro de 2015, a China disse ao mundo que reduziria o número de suas tropas em 300.000 e prometeu que nunca buscaria hegemonia.

Em 2017, foi apresentado no 19º Congresso Nacional do CPC um roteiro, pelo qual a China transformará completamente o PLA em uma força militar de alto nível em meados do século XXI.

O roteiro dizia que, na nova era, a tarefa de construir a defesa nacional e as forças armadas também abriu um novo capítulo. Até 2020, o PLA alcançará sua mecanização, fará progressos significativos em informatização e obterá melhorias substanciais na capacidade estratégica. Também estabeleceu uma meta de médio prazo para as forças armadas chinesas, de se tornar uma potência modernizada até 2035 e no longo prazo, para se tornar uma força militar de primeira linha no mundo até 2050.

Em dezembro de 2018, Xi Jinping a descreveu como uma tarefa estratégica da modernização socialista para construir uma defesa nacional fortificada e um sólido exército, proporcional à posição internacional da China e seus interesses de segurança e desenvolvimento.

Enquanto a China está a caminho da modernização militar, seu orçamento militar permanece em nível relativamente baixo. De acordo com o último número oficial, o orçamento de defesa da China para 2020 continua apresentando crescimento de um dígito pelo quinto ano consecutivo, 6,6%, a menor taxa de crescimento dos últimos anos.

O orçamento ficou em cerca de 1,3% do produto interno bruto, bem abaixo da média mundial de 2,6%.

A ideia de construir forças armadas de alto nível significa que o exército pode oferecer sólido apoio à proteção da soberania da China, aos interesses de segurança e desenvolvimento, à salvaguarda da paz e da estabilidade mundial e à realização do rejuvenescimento nacional.

Formado para lutar

"Um exército é formado para lutar. Nosso exército deve considerar a capacidade de combate como o critério a ser atendido em todo o seu trabalho e se concentrar em como vencer quando for chamado", destacou Xi Jinping.

Durante suas visitas de inspeção ao exército, ele reiterou a necessidade de as forças armadas melhorarem sua capacidade de combate e a prontidão para a guerra.

Em resposta ao seu chamado, o treinamento militar em condições reais de combate nas forças armadas está em pleno andamento.

Desde 2012, as forças armadas da China realizam extenso treinamento voltado para a missão, adaptado às necessidades específicas de diferentes direções estratégicas e exercícios de todos os serviços e armas, incluindo mais de 80 exercícios conjuntos em nível de brigada ou divisão e acima.

Este ano, o PLA também mostrou sua capacidade de combate em resposta a emergências.

Na batalha da China contra a COVID-19, o PLA despachou mais de 4.000 profissionais da área médica para o epicentro do surto, na província de Hubei, para trabalhar no controle da epidemia. As equipes médicas foram formadas duas horas após o recebimento do pedido e chegaram aos seus destinos em 24 horas, levando um estoque de sete dias de materiais de proteção. Na chegada, começaram a tratar os pacientes imediatamente.

De acordo com o Ministério da Defesa chinês, no dia 28 de julho, o PLA e as Políticas Armadas Populares (PAP) haviam despachado 725.000 pessoas para lutar nas linhas de frente anti-inundação, reforçando diques, obstruindo violações de barragens e evacuando moradores.

Governança militar rígida

O presidente Xi Jinping enfatizou repetidamente a necessidade de governar os militares com rigorosa disciplina e de acordo com a lei em todos os aspectos.

A ideia também foi escrita, em 2014, no modelo de estado de direito do país durante a quarta sessão plenária do 18º Comitê Central do CPC.

Ao inspecionar o 13º agrupamento do exército no sudoeste da China, em janeiro de 2016, Xi Jinping também pediu o fortalecimento das forças armadas por meio de reformas, além de aumentar a consciência política e a legalidade para formar um exército forte.

Desde 2012, o combate à corrupção no exército também tem sido o foco da abrangente repressão anticorrupção, com dezenas de oficiais militares investigados e presos, incluindo Xu Caihou e Guo Boxiong, ex-altos generais e vice-presidentes do CMC.

Vídeo - https://www.youtube.com/watch?v=TCjHaHJIUoE 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222456/1.jpg

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222457/2.jpg

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222458/3.jpg

FONTE CGTN

PEQUIM, 31 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- O Exército de Libertação Popular (PLA) percorreu um longo caminho desde seu nascimento durante a revolta armada, na cidade de Nanchang, no dia 1º de agosto de 1927, quando tinha apenas 20.000 soldados.

Com dois milhões de militares, o PLA atual compromete-se a criar novos tipos de forças de combate que tenham capacidade de conduzir operações especiais, ataque e defesa multidimensionais, operações anfíbias, proteção de mares distantes e projeção estratégica.

Nos últimos anos, o presidente chinês Xi Jinping, também secretário geral do Comitê Central do Partido Comunista da China (CPC) e presidente da Comissão Militar Central (CMC), reformulou o PLA e o está conduzindo para se tornar um grupo de alto nível de força militar.

Forças de alto nível

O presidente da Comissão Central Militar, pensando em fortalecer as forças armadas, responde às perguntas fundamentais sobre que tipo de forças armadas a China está buscando e como deve construí-las.

Em dezembro de 2012, apenas um mês depois de assumir o cargo mais alto do partido, Xi Jinping falou da necessidade de construir um exército forte.

"Para realizar o grande rejuvenescimento da nação chinesa, precisamos aderir à combinação de construir um país próspero com um exército forte", disse ele.

O PLA reformulou seu sistema de liderança e gestão, otimizou sua estrutura e reformou suas políticas e instituições militares desde 2015.

No desfile do Dia V, comemorativo dos 70 anos do fim da Segunda Guerra Mundial, em setembro de 2015, a China disse ao mundo que reduziria o número de suas tropas em 300.000 e prometeu que nunca buscaria hegemonia.

Em 2017, foi apresentado no 19º Congresso Nacional do CPC um roteiro, pelo qual a China transformará completamente o PLA em uma força militar de alto nível em meados do século XXI.

O roteiro dizia que, na nova era, a tarefa de construir a defesa nacional e as forças armadas também abriu um novo capítulo. Até 2020, o PLA alcançará sua mecanização, fará progressos significativos em informatização e obterá melhorias substanciais na capacidade estratégica. Também estabeleceu uma meta de médio prazo para as forças armadas chinesas, de se tornar uma potência modernizada até 2035 e no longo prazo, para se tornar uma força militar de primeira linha no mundo até 2050.

Em dezembro de 2018, Xi Jinping a descreveu como uma tarefa estratégica da modernização socialista para construir uma defesa nacional fortificada e um sólido exército, proporcional à posição internacional da China e seus interesses de segurança e desenvolvimento.

Enquanto a China está a caminho da modernização militar, seu orçamento militar permanece em nível relativamente baixo. De acordo com o último número oficial, o orçamento de defesa da China para 2020 continua apresentando crescimento de um dígito pelo quinto ano consecutivo, 6,6%, a menor taxa de crescimento dos últimos anos.

O orçamento ficou em cerca de 1,3% do produto interno bruto, bem abaixo da média mundial de 2,6%.

A ideia de construir forças armadas de alto nível significa que o exército pode oferecer sólido apoio à proteção da soberania da China, aos interesses de segurança e desenvolvimento, à salvaguarda da paz e da estabilidade mundial e à realização do rejuvenescimento nacional.

Formado para lutar

"Um exército é formado para lutar. Nosso exército deve considerar a capacidade de combate como o critério a ser atendido em todo o seu trabalho e se concentrar em como vencer quando for chamado", destacou Xi Jinping.

Durante suas visitas de inspeção ao exército, ele reiterou a necessidade de as forças armadas melhorarem sua capacidade de combate e a prontidão para a guerra.

Em resposta ao seu chamado, o treinamento militar em condições reais de combate nas forças armadas está em pleno andamento.

Desde 2012, as forças armadas da China realizam extenso treinamento voltado para a missão, adaptado às necessidades específicas de diferentes direções estratégicas e exercícios de todos os serviços e armas, incluindo mais de 80 exercícios conjuntos em nível de brigada ou divisão e acima.

Este ano, o PLA também mostrou sua capacidade de combate em resposta a emergências.

Na batalha da China contra a COVID-19, o PLA despachou mais de 4.000 profissionais da área médica para o epicentro do surto, na província de Hubei, para trabalhar no controle da epidemia. As equipes médicas foram formadas duas horas após o recebimento do pedido e chegaram aos seus destinos em 24 horas, levando um estoque de sete dias de materiais de proteção. Na chegada, começaram a tratar os pacientes imediatamente.

De acordo com o Ministério da Defesa chinês, no dia 28 de julho, o PLA e as Políticas Armadas Populares (PAP) haviam despachado 725.000 pessoas para lutar nas linhas de frente anti-inundação, reforçando diques, obstruindo violações de barragens e evacuando moradores.

Governança militar rígida

O presidente Xi Jinping enfatizou repetidamente a necessidade de governar os militares com rigorosa disciplina e de acordo com a lei em todos os aspectos.

A ideia também foi escrita, em 2014, no modelo de estado de direito do país durante a quarta sessão plenária do 18º Comitê Central do CPC.

Ao inspecionar o 13º agrupamento do exército no sudoeste da China, em janeiro de 2016, Xi Jinping também pediu o fortalecimento das forças armadas por meio de reformas, além de aumentar a consciência política e a legalidade para formar um exército forte.

Desde 2012, o combate à corrupção no exército também tem sido o foco da abrangente repressão anticorrupção, com dezenas de oficiais militares investigados e presos, incluindo Xu Caihou e Guo Boxiong, ex-altos generais e vice-presidentes do CMC.

Vídeo - https://www.youtube.com/watch?v=TCjHaHJIUoE 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222456/1.jpg

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222457/2.jpg

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1222458/3.jpg

FONTE CGTN

Você acabou de ler:

CGTN: decodificando a visão da China para o exército de alto nível da nova era

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/cgtn-decodificando-a-visao-da-china-para-o-exercito-de-alto-nivel-da-nova-era/