CGTN: vozes da China em Boao: multilateralismo, abertura e BRI

PEQUIM, 21 de abril de 2021 /PRNewswire/ -- Com o mundo em meio a uma crise econômica e de saúde induzida pelo coronavírus, a China tem apelado a todos os países da Ásia e do mundo para que sustentem o multilateralismo, adotem a abertura e aprimorem a cooperação Cinturão e Rota.

O presidente chinês Xi Jinping proferiu as mensagens em um discurso de abertura por meio de um vídeo link no plenário de abertura da Conferência Anual de 2021 do Fórum Boao para a Ásia (BFA) na manhã de terça-feira.

O tema da conferência: "Um Mundo em Mudança: Unir as Mãos para Fortalecer a Governança Global e Promover a cooperação da iniciativa Cinturão e Rota" é ainda mais oportuna e relevante sob nas atuais circunstâncias, afirmou Xi.

Justiça, e não hegemonia

O presidente chinês observou que o apelo pela defesa do multilateralismo ficou mais forte à medida que vivemos em uma era repleta de desafios.

O presidente chinês Xi Jinping profere um discurso de abertura por meio de um vídeo link no plenário de abertura da Conferência Anual de 2021 do Fórum Boao para a Ásia (BFA) na manhã de terça-feira, 21 de abril de 2021. /Xinhua

"O futuro do mundo deve ser decidido por todos os países atuando em conjunto. Não podemos aceitar que as regras estabelecidas por um ou alguns países sejam impostas a outros, ou permitir que o unilateralismo perseguido por determinados países determine o ritmo para o mundo inteiro".

"O que precisamos no mundo de hoje é justiça, e não hegemonia. Os grandes países devem se comportar de forma compatível ao seu status e com maior senso de responsabilidade", enfatizou o presidente, pedindo que todos os países protejam o sistema internacional centrado na ONU.

A China vem demonstrando seu papel como um país importante e responsável nas relações internacionais. Em 13 de abril, o país pagou integralmente todas as contribuições avaliadas para o orçamento ordinário da ONU e para o Mecanismo Residual Internacional para Tribunais Criminais para o ano de 2021. Nos últimos 30 anos, a China enviou mais de 40 mil soldados para 25 operações de manutenção da paz da ONU.

Abertura

"A abertura é a chave para a recuperação econômica pós-COVID", destacou Xi. "Precisamos promover a liberação e a facilitação do comércio e dos investimentos, aprofundar a integração econômica regional e melhorar as cadeias de suprimento, industrial, de dados e de recursos humanos, visando a construção de uma economia mundial aberta."

A integração econômica na Ásia vem acelerando desde a assinatura da Parceria Regional Econômica Abrangente (RCEP) em novembro de 2020. A dependência do comércio das economias asiáticas entre as outras foi de cerca de 50% em 2019, com volumes de comércio bilateral continuando a crescer, disse Lin Guijun, vice-presidente da Universidade de Negócios Internacionais e Economia.

Tentativas de "levantar muros" ou "separar" vão contra a lei da economia e os princípios do mercado. Elas prejudicariam os interesses dos outros sem beneficiar a si mesmo, observou Xi.

A vida das pessoas acima de tudo

"Devemos colocar as pessoas e suas vidas acima de tudo, ampliar o compartilhamento de informações e os esforços coletivos e melhorar a saúde pública e a cooperação médica", afirmou Xi.

Ele clamou pelo fortalecimento da cooperação internacional em P&D, produção e distribuição de vacinas e pelo aumento de sua acessibilidade e viabilidade econômica nos países em desenvolvimento, para que todos no mundo possam ter acesso e obtenham as vacinas necessárias.

Até o momento, a China forneceu materiais antiepidêmicos para mais de 160 países e organizações internacionais em todo o mundo e está fornecendo vacinas necessárias com urgência para mais de 100 países e organizações internacionais.

Iniciativa Cinturão e Rota (BRI), uma via pública aberta a todos

A iniciativa Cinturão e Rota é uma estrada pública aberta a todos, e não a um caminho privado que pertence a uma única parte, observou Xi, acrescentando que todos os países interessados são bem-vindos a bordo.

Prometendo construir uma parceria mais estreita para promover a cooperação em saúde, Xi disse que as empresas chinesas já começaram a produção conjunta de vacinas em países participantes da BRI.

Xi acrescentou que a China construirá uma parceria mais estreita para o desenvolvimento verde e transformará a BRI em um caminho para a redução da pobreza e o crescimento.

Um total de 126 países, incluindo nações desenvolvidas e em desenvolvimento, e 29 organizações internacionais assinaram documentos de cooperação com a China sobre a BRI.

O comércio exterior da China com os países do Cinturão e da Rota aumentou um por cento atingindo 9,37 trilhões de yuans (US$ 1,4 trilhão) no ano passado, de acordo com o Ministério do Comércio da China.

https://news.cgtn.com/news/2021-04-20/China-s-voices-at-Boao-Multilateralism-openness-and-BRI--ZBO4YRbHfW/index.html 

Video - https://www.youtube.com/watch?v=kC7-jZPJWZw

 

FONTE CGTN

PEQUIM, 21 de abril de 2021 /PRNewswire/ -- Com o mundo em meio a uma crise econômica e de saúde induzida pelo coronavírus, a China tem apelado a todos os países da Ásia e do mundo para que sustentem o multilateralismo, adotem a abertura e aprimorem a cooperação Cinturão e Rota.

O presidente chinês Xi Jinping proferiu as mensagens em um discurso de abertura por meio de um vídeo link no plenário de abertura da Conferência Anual de 2021 do Fórum Boao para a Ásia (BFA) na manhã de terça-feira.

O tema da conferência: "Um Mundo em Mudança: Unir as Mãos para Fortalecer a Governança Global e Promover a cooperação da iniciativa Cinturão e Rota" é ainda mais oportuna e relevante sob nas atuais circunstâncias, afirmou Xi.

Justiça, e não hegemonia

O presidente chinês observou que o apelo pela defesa do multilateralismo ficou mais forte à medida que vivemos em uma era repleta de desafios.

O presidente chinês Xi Jinping profere um discurso de abertura por meio de um vídeo link no plenário de abertura da Conferência Anual de 2021 do Fórum Boao para a Ásia (BFA) na manhã de terça-feira, 21 de abril de 2021. /Xinhua

"O futuro do mundo deve ser decidido por todos os países atuando em conjunto. Não podemos aceitar que as regras estabelecidas por um ou alguns países sejam impostas a outros, ou permitir que o unilateralismo perseguido por determinados países determine o ritmo para o mundo inteiro".

"O que precisamos no mundo de hoje é justiça, e não hegemonia. Os grandes países devem se comportar de forma compatível ao seu status e com maior senso de responsabilidade", enfatizou o presidente, pedindo que todos os países protejam o sistema internacional centrado na ONU.

A China vem demonstrando seu papel como um país importante e responsável nas relações internacionais. Em 13 de abril, o país pagou integralmente todas as contribuições avaliadas para o orçamento ordinário da ONU e para o Mecanismo Residual Internacional para Tribunais Criminais para o ano de 2021. Nos últimos 30 anos, a China enviou mais de 40 mil soldados para 25 operações de manutenção da paz da ONU.

Abertura

"A abertura é a chave para a recuperação econômica pós-COVID", destacou Xi. "Precisamos promover a liberação e a facilitação do comércio e dos investimentos, aprofundar a integração econômica regional e melhorar as cadeias de suprimento, industrial, de dados e de recursos humanos, visando a construção de uma economia mundial aberta."

A integração econômica na Ásia vem acelerando desde a assinatura da Parceria Regional Econômica Abrangente (RCEP) em novembro de 2020. A dependência do comércio das economias asiáticas entre as outras foi de cerca de 50% em 2019, com volumes de comércio bilateral continuando a crescer, disse Lin Guijun, vice-presidente da Universidade de Negócios Internacionais e Economia.

Tentativas de "levantar muros" ou "separar" vão contra a lei da economia e os princípios do mercado. Elas prejudicariam os interesses dos outros sem beneficiar a si mesmo, observou Xi.

A vida das pessoas acima de tudo

"Devemos colocar as pessoas e suas vidas acima de tudo, ampliar o compartilhamento de informações e os esforços coletivos e melhorar a saúde pública e a cooperação médica", afirmou Xi.

Ele clamou pelo fortalecimento da cooperação internacional em P&D, produção e distribuição de vacinas e pelo aumento de sua acessibilidade e viabilidade econômica nos países em desenvolvimento, para que todos no mundo possam ter acesso e obtenham as vacinas necessárias.

Até o momento, a China forneceu materiais antiepidêmicos para mais de 160 países e organizações internacionais em todo o mundo e está fornecendo vacinas necessárias com urgência para mais de 100 países e organizações internacionais.

Iniciativa Cinturão e Rota (BRI), uma via pública aberta a todos

A iniciativa Cinturão e Rota é uma estrada pública aberta a todos, e não a um caminho privado que pertence a uma única parte, observou Xi, acrescentando que todos os países interessados são bem-vindos a bordo.

Prometendo construir uma parceria mais estreita para promover a cooperação em saúde, Xi disse que as empresas chinesas já começaram a produção conjunta de vacinas em países participantes da BRI.

Xi acrescentou que a China construirá uma parceria mais estreita para o desenvolvimento verde e transformará a BRI em um caminho para a redução da pobreza e o crescimento.

Um total de 126 países, incluindo nações desenvolvidas e em desenvolvimento, e 29 organizações internacionais assinaram documentos de cooperação com a China sobre a BRI.

O comércio exterior da China com os países do Cinturão e da Rota aumentou um por cento atingindo 9,37 trilhões de yuans (US$ 1,4 trilhão) no ano passado, de acordo com o Ministério do Comércio da China.

https://news.cgtn.com/news/2021-04-20/China-s-voices-at-Boao-Multilateralism-openness-and-BRI--ZBO4YRbHfW/index.html 

Video - https://www.youtube.com/watch?v=kC7-jZPJWZw

 

FONTE CGTN

Você acabou de ler:

CGTN: vozes da China em Boao: multilateralismo, abertura e BRI

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/cgtn-vozes-da-china-em-boao-multilateralismo-abertura-e-bri/