China e Japão realizaram discussões genuínas sobre economia digital: como impulsionar conjuntamente a cooperação regional

PEQUIM, 10 de dezembro de 2020 /PRNewswire/ -- Um relatório do Science and Technology Daily | IUSTC:

Em 2020, a COVID-19 causou um profundo impacto no mundo, e a economia digital destacou seu enorme potencial na resposta conjunta global à pandemia.

Segundo a estimativa de um relatório publicado pela Oxford Economics, a participação da economia digital no PIB global aumentará de 15% a cerca de 25% até 2025. Atualmente, em termos de porte da economia digital, os Estados Unidos estão em primeiro lugar, a China em segundo lugar e a Alemanha, o Japão e o Reino Unido classificam-se do terceiro ao quinto lugar.

Essa tendência de desenvolvimento posicionou a "economia digital" no centro das atenções no cenário mundial, e os temas relacionados à economia digital passaram a ser temas essenciais promovidos nos âmbitos bilateral e multilateral.

O "Sub-forum de Economia Digital do 16º "Fórum Pequim-Tóquio" aconteceu no dia 1º de dezembro. Doze especialistas e acadêmicos da China e do Japão discutiram a possibilidade de cooperação entre os dois países e também chegaram a um consenso sobre aspectos relevantes durante a sessão.

Um novo tópico: como será o envolvimento da economia digital na governança social?

Que tipo de sociedade digital vamos construir? Zhao Jiannan, vice-presidente comercial e representante-chefe do Nordeste da Ásia da Tencent Cloud enfatizou a importância da economia digital: "a tecnologia digital é como o "ligamento" da operação econômica e social, aliviando o "forte impacto"' por meio de "alta resiliência" e economizando força para "recuperação em forma de V" de setores no processo de enfrentar rapidamente as dificuldades econômicas resultantes da pandemia." 

Que função a tecnologia digital pode desempenhar no apoio à economia digital e até mesmo à governança social?

Liu Song, vice-presidente da Alibaba, ressaltou que a governança digital provavelmente passará a ser uma direção importante para aumentar a capacidade de governança global sob a perspectiva da luta científica e tecnológica da China contra a pandemia da COVID-19 e a recuperação econômica. A co-governança pluralística baseada em tecnologia digital passará a ser uma forma inovadora de governança social e municipal. Os especialistas da conferência concordaram amplamente com essa ideia e acreditaram que a Ásia se tornaria uma região importante para realizar testes de digitalização global.

Ao responder como gerenciar dados, especialmente na confirmação de dados transfronteiriços, tributação e outros problemas comuns enfrentados por muitos países, Liu explicou compartilhando a sabedoria do antigo controle de água na China. Ele disse: "os elementos de dados de hoje são muito semelhantes aos elementos da água. O gerenciamento de dados também é semelhante ao controle da água, que não deve ser bloqueada ou dispersa. Em razão da diversidade e variabilidade dos elementos de dados, regras rigorosas simples não podem ser usadas para regular os dados de liquidez."

Os convidados de ambos os lados concordaram que, a era da economia digital já começou, o conhecimento e a informação digital tornaram-se um importante fator de produção e uma nova força motriz para o crescimento econômico e o desenvolvimento social.

Quanto à economia digital, que pode trazer uma nova rodada de revolução tecnológica, como podemos projetar o entusiasmo da inovação e avançar ao mesmo tempo de forma ordenada sob a regulamentação?

Fang Hanting, anfitrião do forum do lado chinês e vice-presidente do Science and Technology Daily, afirmou que inovação e regulamentação são um par de contradições. Sem um determinado processo de inovação, é impossível ter em mente quais devem ser regulamentadas e quais devem ser flexibilizadas. Inversamente, se a série de riscos trazidos por novas mudanças não for considerada quando as atividades de inovação entrarem em novas fases, também haverá muitos problemas imprevisíveis. Se for vista sob outra perspectiva, a inovação é uma forma de avanço, enquanto a regulamentação protege a inovação. Os dois elementos ao mesmo tempo restringem e reforçam  um ao outro.

Considerando a tecnologia de inteligência artificial como exemplo, Toshio Iwamoto, conselheiro chefe corporativo da NTT DATA Corporation, propôs que os desenvolvedores de dados de tecnologia de IA precisam formular regras para o uso de dados, e regras relevantes devem ser formuladas para definir restrições para usuários de dados. Norihiro Suzuki, diretor executivo e CTO da Hitachi, sugeriu que o uso de dados exige maior sabedoria para equilibrar os interesses pessoais e públicos de forma abrangente.

Um novo ponto de partida: aumento da confiança mútua na Parceria Econômica Regional Abrangente Regional Comprehensive Economic Partnership, (RCEP)

A segurança digital foi um tema importante de discussão no forum.

Tatsuya Ito, membro da Câmara dos Representantes do Japão, observou que a China fez uso total da tecnologia digital durante a COVID-19.

Norihiro Suzuki ressaltou que diferentes países têm situações diferentes e precisamos considerar de modo abrangente fatores como instituições e sistemas para discutir questões relacionadas. Ele expressou sua esperança de que o Japão e a China possam explorar mais a possibilidade de cooperação nesse aspecto.

Fang Hanting enfatizou que a China e o Japão, em especial o setor industrial de ambos os países, devem considerar seriamente como aprofundar a cooperação na cadeia industrial digital e garantir o fornecimento ininterrupto da cadeia industrial, usando e mantendo-a em conjunto como um produto público.

Xu Zhiyu, presidente de Assuntos Governamentais Globais da Huawei Technologies Co., Ltd., enfatizou que a Huawei sempre considerou a segurança de rede e a proteção da privacidade do usuário como a principal orientação e base dos seus negócios. Por mais de 30 anos, a Huawei atendeu a clientes em mais de 170 países e regiões e nunca recebeu qualquer solicitação do governo para oferecer informações do usuário. A Huawei nunca arriscará os direitos dos seus clientes ou a sua própria sobrevivência.

Os convidados de ambas as partes mencionaram o "Acordo de Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP)" que acabou de ser assinado. Eles concordaram que, em meio à incerteza do processo de digitalização, a assinatura desse acordo oferece uma rara oportunidade histórica para a cooperação internacional no campo da tecnologia digital e da indústria digital. As perspectivas de cooperação China-Japão em estruturas bilaterais e mesmo em estruturas multilaterais são promissoras.

No dia 8 de setembro de 2020, a China propôs a Iniciativa Global de Segurança de Dados em um seminário internacional sobre "Aproveitamento das oportunidades digitais para cooperação e desenvolvimento". Referindo-se à assimetria de informações existente até certo ponto entre a China e o Japão, Fang enfatizou que a mídia de ambos os lados precisa oferecer cobertura equilibrada para os seus cidadãos, para que a base de confiança mútua seja estabelecida o mais rápido possível. "Acreditamos que precisamos respeitar a soberania digital uns dos outros, construir confiança mútua digital sob a estrutura da ONU e implementar a integração regional da economia digital sob estruturas multilaterais como RCEP."

Uma nova direção: cooperação aberta para a criação conjunta de um futuro digital da região

Assim como uma competição esportiva é transferida para uma nova arena, a nova revolução tecnológica e a transformação industrial remodelarão a estrutura da economia global. No forum, os participantes chegaram ao consenso de que a China e o Japão, especialmente o setor industrial de ambos os países, precisam compreender rapidamente a tendência e aproveitar a oportunidade. Todos os participantes dos dois lados não devem perder muito tempo esperando e observando. O chamado da nova era tecnológica precisa de participação ativa e cooperação.

Taro Shimada, diretor executivo e vice-presidente sênior corporativo da Toshiba Co., Ltd., no Japão, e chefe dos negócios digitais da empresa, ressaltou que a manutenção da paz mundial exige abertura e intercâmbios. O ponto mais importante é a troca de informações científicas e tecnológicas. Ele sugeriu que a China e o Japão podem se abrir cada vez mais um ao outro e chegar a um consenso por meio de intercâmbios que sejam ao mesmo tempo abertos e honestos.

Com relação à troca de informações entre idiomas e culturas, Jiang Tao, vice-presidente sênior da iFlytek Co., Ltd., ressaltou que o escopo da cooperação entre a China e o Japão no campo da inteligência artificial será muito amplo. Ele citou um exemplo. Em outubro de 2018, a Eiken Foundation do Japão anunciou pela primeira vez que introduziria a tecnologia de avaliação de máquina no teste de linguagem oral e a iFlytek é o único parceiro. A partir de 2019,. o sistema de pontuação automática de IA oferecido pela iFlytek ajuda a melhorar a precisão e a eficiência da pontuação no teste prático de habilidades em inglês CBT. "Atualmente, os tradutores da iFlytek foram vendidos para mais de 130 países e regiões e conseguiram a comunicação sem barreiras entre mais de 60 idiomas. A iFlytek tornou-se o fornecedor oficial exclusivo de conversão automática de voz e tradução para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 e as Paraolimpíadas. Esperamos que nossa tecnologia de inteligência artificial também possa oferecer ajuda às Olimpíadas de Tóquio no próximo ano."

Jia Jingdun, diretor do Torch High Technology Industry Development Center do Ministério da Ciência e Tecnologia da República Popular da China, sugeriu que as zonas de desenvolvimento industrial de alta tecnologia da China oferecem um bom ambiente para a inovação da tecnologia digital e o desenvolvimento industrial. As 169 zonas nacionais de desenvolvimento industrial de alta tecnologia dedicam grande importância ao desenvolvimento da economia digital. Nos últimos anos, dezenas de zonas nacionais de alta tecnologia, como Xi'an, Hefei, Hangzhou e Shenyang, formularam planos correspondentes para a economia digital ou o desenvolvimento da indústria digital.

Jia fez várias sugestões sobre a cooperação entre a China e o Japão. Em primeiro lugar, as diferenças não devem restringir a cooperação entre as duas partes. Considerando que a cooperação sino-japonesa não viola as leis atuais, levantar preocupações pode oferecer um ponto de partida para aprofundar a cooperação; em segundo lugar, a China e o Japão podem concretizar uma cooperação pragmática no desenvolvimento da economia e da indústria digital e continuar a propor soluções específicas para as preocupações de ambas as partes; terceiro, devem ser realizados intercâmbios e cooperação multicamadas entre governo, universidades, institutos de pesquisa e empresas.

Liu Song também respondeu a essa sugestão. Ele propôs, "Também podemos adotar o modelo de "zona especial" nas zonas de desenvolvimento industrial de alta tecnologia e nas zonas de livre comércio para discutir continuamente e, em última instância, formular regulamentos aceitos por ambas as partes".

Norihiro Suzuki observou que, na cooperação para o desenvolvimento digital, também é muito importante compartilhar os conceitos e valores sociais uns dos outros. Ambas as partes precisam formular  regras para o fluxo de dados com base em valores compartilhados e aplicá-los melhor para revitalizar as empresas privadas, e desta forma promover o desenvolvimento de uma sociedade digital no futuro.

Os convidados de ambas as partes também discutiram a lógica inerente da moeda digital e a futura integração econômica regional. Hiromi Yamaoka, diretor da Future Co., Ltd., Japão, ressaltou que o Japão está disposto a cooperar com a China e continuar a promover o desenvolvimento coordenado da economia regional.

"Respeitando os valores dos clientes, a Huawei espera continuar a criar valor local em todo o mundo, incluindo o Japão. A China e o Japão têm vantagens industriais e espírito inovador. As empresas japonesas e a Huawei têm vantagens complementares naturais em relação à cadeia de suprimentos e tecnologia. A franca cooperação entre as empresas chinesas e japonesas pode criar conjuntamente um futuro digital. Além disso, o desenvolvimento da economia digital na China e no Japão é inseparável de um bom ambiente industrial e de talentos inovadores. Também é esperado que a China e o Japão possam criar um ambiente de política mais aberta, incentivar a inovação e ajudar as pequenas e médias empresas dos dois países a desenvolverem cooperação maior e mais profunda, proporcionando assim, em conjunto, as soluções e os produtos mais competitivos para o mercado mundial", enfatizou Xu Zhiyu.

 

 

FONTE Science and Technology Daily | IUSTC

PEQUIM, 10 de dezembro de 2020 /PRNewswire/ -- Um relatório do Science and Technology Daily | IUSTC:

Em 2020, a COVID-19 causou um profundo impacto no mundo, e a economia digital destacou seu enorme potencial na resposta conjunta global à pandemia.

Segundo a estimativa de um relatório publicado pela Oxford Economics, a participação da economia digital no PIB global aumentará de 15% a cerca de 25% até 2025. Atualmente, em termos de porte da economia digital, os Estados Unidos estão em primeiro lugar, a China em segundo lugar e a Alemanha, o Japão e o Reino Unido classificam-se do terceiro ao quinto lugar.

Essa tendência de desenvolvimento posicionou a "economia digital" no centro das atenções no cenário mundial, e os temas relacionados à economia digital passaram a ser temas essenciais promovidos nos âmbitos bilateral e multilateral.

O "Sub-forum de Economia Digital do 16º "Fórum Pequim-Tóquio" aconteceu no dia 1º de dezembro. Doze especialistas e acadêmicos da China e do Japão discutiram a possibilidade de cooperação entre os dois países e também chegaram a um consenso sobre aspectos relevantes durante a sessão.

Um novo tópico: como será o envolvimento da economia digital na governança social?

Que tipo de sociedade digital vamos construir? Zhao Jiannan, vice-presidente comercial e representante-chefe do Nordeste da Ásia da Tencent Cloud enfatizou a importância da economia digital: "a tecnologia digital é como o "ligamento" da operação econômica e social, aliviando o "forte impacto"' por meio de "alta resiliência" e economizando força para "recuperação em forma de V" de setores no processo de enfrentar rapidamente as dificuldades econômicas resultantes da pandemia." 

Que função a tecnologia digital pode desempenhar no apoio à economia digital e até mesmo à governança social?

Liu Song, vice-presidente da Alibaba, ressaltou que a governança digital provavelmente passará a ser uma direção importante para aumentar a capacidade de governança global sob a perspectiva da luta científica e tecnológica da China contra a pandemia da COVID-19 e a recuperação econômica. A co-governança pluralística baseada em tecnologia digital passará a ser uma forma inovadora de governança social e municipal. Os especialistas da conferência concordaram amplamente com essa ideia e acreditaram que a Ásia se tornaria uma região importante para realizar testes de digitalização global.

Ao responder como gerenciar dados, especialmente na confirmação de dados transfronteiriços, tributação e outros problemas comuns enfrentados por muitos países, Liu explicou compartilhando a sabedoria do antigo controle de água na China. Ele disse: "os elementos de dados de hoje são muito semelhantes aos elementos da água. O gerenciamento de dados também é semelhante ao controle da água, que não deve ser bloqueada ou dispersa. Em razão da diversidade e variabilidade dos elementos de dados, regras rigorosas simples não podem ser usadas para regular os dados de liquidez."

Os convidados de ambos os lados concordaram que, a era da economia digital já começou, o conhecimento e a informação digital tornaram-se um importante fator de produção e uma nova força motriz para o crescimento econômico e o desenvolvimento social.

Quanto à economia digital, que pode trazer uma nova rodada de revolução tecnológica, como podemos projetar o entusiasmo da inovação e avançar ao mesmo tempo de forma ordenada sob a regulamentação?

Fang Hanting, anfitrião do forum do lado chinês e vice-presidente do Science and Technology Daily, afirmou que inovação e regulamentação são um par de contradições. Sem um determinado processo de inovação, é impossível ter em mente quais devem ser regulamentadas e quais devem ser flexibilizadas. Inversamente, se a série de riscos trazidos por novas mudanças não for considerada quando as atividades de inovação entrarem em novas fases, também haverá muitos problemas imprevisíveis. Se for vista sob outra perspectiva, a inovação é uma forma de avanço, enquanto a regulamentação protege a inovação. Os dois elementos ao mesmo tempo restringem e reforçam  um ao outro.

Considerando a tecnologia de inteligência artificial como exemplo, Toshio Iwamoto, conselheiro chefe corporativo da NTT DATA Corporation, propôs que os desenvolvedores de dados de tecnologia de IA precisam formular regras para o uso de dados, e regras relevantes devem ser formuladas para definir restrições para usuários de dados. Norihiro Suzuki, diretor executivo e CTO da Hitachi, sugeriu que o uso de dados exige maior sabedoria para equilibrar os interesses pessoais e públicos de forma abrangente.

Um novo ponto de partida: aumento da confiança mútua na Parceria Econômica Regional Abrangente Regional Comprehensive Economic Partnership, (RCEP)

A segurança digital foi um tema importante de discussão no forum.

Tatsuya Ito, membro da Câmara dos Representantes do Japão, observou que a China fez uso total da tecnologia digital durante a COVID-19.

Norihiro Suzuki ressaltou que diferentes países têm situações diferentes e precisamos considerar de modo abrangente fatores como instituições e sistemas para discutir questões relacionadas. Ele expressou sua esperança de que o Japão e a China possam explorar mais a possibilidade de cooperação nesse aspecto.

Fang Hanting enfatizou que a China e o Japão, em especial o setor industrial de ambos os países, devem considerar seriamente como aprofundar a cooperação na cadeia industrial digital e garantir o fornecimento ininterrupto da cadeia industrial, usando e mantendo-a em conjunto como um produto público.

Xu Zhiyu, presidente de Assuntos Governamentais Globais da Huawei Technologies Co., Ltd., enfatizou que a Huawei sempre considerou a segurança de rede e a proteção da privacidade do usuário como a principal orientação e base dos seus negócios. Por mais de 30 anos, a Huawei atendeu a clientes em mais de 170 países e regiões e nunca recebeu qualquer solicitação do governo para oferecer informações do usuário. A Huawei nunca arriscará os direitos dos seus clientes ou a sua própria sobrevivência.

Os convidados de ambas as partes mencionaram o "Acordo de Parceria Econômica Regional Abrangente (RCEP)" que acabou de ser assinado. Eles concordaram que, em meio à incerteza do processo de digitalização, a assinatura desse acordo oferece uma rara oportunidade histórica para a cooperação internacional no campo da tecnologia digital e da indústria digital. As perspectivas de cooperação China-Japão em estruturas bilaterais e mesmo em estruturas multilaterais são promissoras.

No dia 8 de setembro de 2020, a China propôs a Iniciativa Global de Segurança de Dados em um seminário internacional sobre "Aproveitamento das oportunidades digitais para cooperação e desenvolvimento". Referindo-se à assimetria de informações existente até certo ponto entre a China e o Japão, Fang enfatizou que a mídia de ambos os lados precisa oferecer cobertura equilibrada para os seus cidadãos, para que a base de confiança mútua seja estabelecida o mais rápido possível. "Acreditamos que precisamos respeitar a soberania digital uns dos outros, construir confiança mútua digital sob a estrutura da ONU e implementar a integração regional da economia digital sob estruturas multilaterais como RCEP."

Uma nova direção: cooperação aberta para a criação conjunta de um futuro digital da região

Assim como uma competição esportiva é transferida para uma nova arena, a nova revolução tecnológica e a transformação industrial remodelarão a estrutura da economia global. No forum, os participantes chegaram ao consenso de que a China e o Japão, especialmente o setor industrial de ambos os países, precisam compreender rapidamente a tendência e aproveitar a oportunidade. Todos os participantes dos dois lados não devem perder muito tempo esperando e observando. O chamado da nova era tecnológica precisa de participação ativa e cooperação.

Taro Shimada, diretor executivo e vice-presidente sênior corporativo da Toshiba Co., Ltd., no Japão, e chefe dos negócios digitais da empresa, ressaltou que a manutenção da paz mundial exige abertura e intercâmbios. O ponto mais importante é a troca de informações científicas e tecnológicas. Ele sugeriu que a China e o Japão podem se abrir cada vez mais um ao outro e chegar a um consenso por meio de intercâmbios que sejam ao mesmo tempo abertos e honestos.

Com relação à troca de informações entre idiomas e culturas, Jiang Tao, vice-presidente sênior da iFlytek Co., Ltd., ressaltou que o escopo da cooperação entre a China e o Japão no campo da inteligência artificial será muito amplo. Ele citou um exemplo. Em outubro de 2018, a Eiken Foundation do Japão anunciou pela primeira vez que introduziria a tecnologia de avaliação de máquina no teste de linguagem oral e a iFlytek é o único parceiro. A partir de 2019,. o sistema de pontuação automática de IA oferecido pela iFlytek ajuda a melhorar a precisão e a eficiência da pontuação no teste prático de habilidades em inglês CBT. "Atualmente, os tradutores da iFlytek foram vendidos para mais de 130 países e regiões e conseguiram a comunicação sem barreiras entre mais de 60 idiomas. A iFlytek tornou-se o fornecedor oficial exclusivo de conversão automática de voz e tradução para os Jogos Olímpicos de Inverno de Pequim 2022 e as Paraolimpíadas. Esperamos que nossa tecnologia de inteligência artificial também possa oferecer ajuda às Olimpíadas de Tóquio no próximo ano."

Jia Jingdun, diretor do Torch High Technology Industry Development Center do Ministério da Ciência e Tecnologia da República Popular da China, sugeriu que as zonas de desenvolvimento industrial de alta tecnologia da China oferecem um bom ambiente para a inovação da tecnologia digital e o desenvolvimento industrial. As 169 zonas nacionais de desenvolvimento industrial de alta tecnologia dedicam grande importância ao desenvolvimento da economia digital. Nos últimos anos, dezenas de zonas nacionais de alta tecnologia, como Xi'an, Hefei, Hangzhou e Shenyang, formularam planos correspondentes para a economia digital ou o desenvolvimento da indústria digital.

Jia fez várias sugestões sobre a cooperação entre a China e o Japão. Em primeiro lugar, as diferenças não devem restringir a cooperação entre as duas partes. Considerando que a cooperação sino-japonesa não viola as leis atuais, levantar preocupações pode oferecer um ponto de partida para aprofundar a cooperação; em segundo lugar, a China e o Japão podem concretizar uma cooperação pragmática no desenvolvimento da economia e da indústria digital e continuar a propor soluções específicas para as preocupações de ambas as partes; terceiro, devem ser realizados intercâmbios e cooperação multicamadas entre governo, universidades, institutos de pesquisa e empresas.

Liu Song também respondeu a essa sugestão. Ele propôs, "Também podemos adotar o modelo de "zona especial" nas zonas de desenvolvimento industrial de alta tecnologia e nas zonas de livre comércio para discutir continuamente e, em última instância, formular regulamentos aceitos por ambas as partes".

Norihiro Suzuki observou que, na cooperação para o desenvolvimento digital, também é muito importante compartilhar os conceitos e valores sociais uns dos outros. Ambas as partes precisam formular  regras para o fluxo de dados com base em valores compartilhados e aplicá-los melhor para revitalizar as empresas privadas, e desta forma promover o desenvolvimento de uma sociedade digital no futuro.

Os convidados de ambas as partes também discutiram a lógica inerente da moeda digital e a futura integração econômica regional. Hiromi Yamaoka, diretor da Future Co., Ltd., Japão, ressaltou que o Japão está disposto a cooperar com a China e continuar a promover o desenvolvimento coordenado da economia regional.

"Respeitando os valores dos clientes, a Huawei espera continuar a criar valor local em todo o mundo, incluindo o Japão. A China e o Japão têm vantagens industriais e espírito inovador. As empresas japonesas e a Huawei têm vantagens complementares naturais em relação à cadeia de suprimentos e tecnologia. A franca cooperação entre as empresas chinesas e japonesas pode criar conjuntamente um futuro digital. Além disso, o desenvolvimento da economia digital na China e no Japão é inseparável de um bom ambiente industrial e de talentos inovadores. Também é esperado que a China e o Japão possam criar um ambiente de política mais aberta, incentivar a inovação e ajudar as pequenas e médias empresas dos dois países a desenvolverem cooperação maior e mais profunda, proporcionando assim, em conjunto, as soluções e os produtos mais competitivos para o mercado mundial", enfatizou Xu Zhiyu.

 

 

FONTE Science and Technology Daily | IUSTC

Você acabou de ler:

China e Japão realizaram discussões genuínas sobre economia digital: como impulsionar conjuntamente a cooperação regional

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/china-e-japao-realizaram-discussoes-genuinas-sobre-economia-digital-como-impulsionar-conjuntamente-a-cooperacao-regional/