China (Guangdong) testa zona de livre comércio por comprometimento com um ambiente de negócios de classe mundial

Desenvolvimento de um novo centro inovador na Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau

GUANGZHOU, China, 20 de dezembro de 2019 /PRNewswire/ -- O dia 20 de dezembro de 2019 marca o aniversário do retorno de Macau à pátria. A Área de Hengqin de Zhuhai, parte da zona-piloto de livre comércio da China (Guangdong) (GDFTZ), foi estabelecida graças ao vizinho, Macau. Agora, com o Sistema mais aberto do continente, Hengqin surge como um local para alavancar o crescimento econômico moderadamente diverso e sustentável de Macau, tornando-se sede para 1.900 empreendimentos de Macau, com um investimento total de 85,5 bilhões de dólares.

Este é um dos exemplos do compromisso da GDFTZ, que abrange a Área de Nansha de Guangzhou, a Área de Qianhai e Shekou de Shenzhen, e a Área de Hengqin de Zhuhai, de promover a abertura e o desenvolvimento impulsionado pela inovação da Área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau.

A construção da zona-piloto de livre comércio representa uma das maiores medidas da China para seguir a tendência mundial de desenvolvimento econômico com maior comprometimento com a abertura. A próspera GDFTZ, que se estende por uma área de 116,2 quilômetros quadrados na Área da Grande Baía, demonstra imenso potencial de ser um concorrente e influenciador mais forte e com mais visão.

A GDFTZ ocupa o 32º lugar em todo o mundo e tem pontuação de 77,31 no que tange a facilidade de fazer negócios, de acordo com uma simulação de classificação do Relatório do Ambiente Comercial da Zona-Piloto de Livre Comércio da China (Guangdong) lançado pela KPMG Advisory (China) meses atrás. No relatório, a GDFTZ também figurava entre os 15 primeiros em todo o mundo, quanto aos indicadores de início de negócios, acesso a eletricidade e cumprimento de contratos.

O ambiente comercial capacitante da GDFTZ foi fomentado com a resolução de avançar nas reformas e na inovação. Desde a fundação, em 2015, a GDFTZ alcançou a marca de 456 inovações institucionais, muitas inéditas na China. Nansha, por exemplo, liderou o lançamento de sistemas inteligentes de supervisão, como as "alfândegas online", "o Sistema global de qualidade e rastreabilidade" e os "portos para inspeção de qualidade", reduzindo o tempo para a liberação de cargas gerais em 42,6%. A plataforma para o monitoramento, prevenção e controle dos riscos locais que Qianhai e Shekou estabeleceram garantiu a eficiência em supervisão em mais de 170.000 empreendimentos.

Um ambiente comercial sólido implica maior produtividade. Na GDFTZ, há ainda maior conveniência para que as empresas iniciem seus negócios de todos os tipos conforme há um fluxo maior de negócios online e transfronteiriços; assim, as empresas têm mais oportunidades de expandir seus negócios para todo o mundo, uma vez que os bens são transferidos para a área central para serem exibidos e, além disso, houve significativa redução de custos graças ao armazenamento integrado de cargas, alfandegadas ou não.

Os analistas internacionais acreditam que a zona-piloto de livre comércio colabora com o aprofundamento das reformas da China em todos os aspectos e, principalmente, coloca o país em melhor posição para atrair investimentos com um ambiente comercial melhorado e, em decorrência disso, a entrada de diversos fatores e recursos.

Nos últimos 4 anos, a GDFTZ transformou-se em um novo centro urbano com edifícios altos que se ergueram às margens e nas ilhas da região estuaria do Rio Pérola. Todos esses sucessos não seriam possíveis sem os esforços para priorizar a inovação institucional, sem o compromisso de construir uma zona de demonstração para a cooperação na Área da Grande Baía e manter a prosperidade e a estabilidade em longo prazo de Hong Kong e Macau e sem a resolução de moldar um ambiente comercial de primeira classe.

Links para os anexos de imagens:

http://asianetnews.net/view-attachment?attach-id=354367

 

 

FONTE China (Guangdong) Pilot Free Trade Zone

Desenvolvimento de um novo centro inovador na Área da Grande Baía Guangdong-Hong Kong-Macau

GUANGZHOU, China, 20 de dezembro de 2019 /PRNewswire/ -- O dia 20 de dezembro de 2019 marca o aniversário do retorno de Macau à pátria. A Área de Hengqin de Zhuhai, parte da zona-piloto de livre comércio da China (Guangdong) (GDFTZ), foi estabelecida graças ao vizinho, Macau. Agora, com o Sistema mais aberto do continente, Hengqin surge como um local para alavancar o crescimento econômico moderadamente diverso e sustentável de Macau, tornando-se sede para 1.900 empreendimentos de Macau, com um investimento total de 85,5 bilhões de dólares.

Este é um dos exemplos do compromisso da GDFTZ, que abrange a Área de Nansha de Guangzhou, a Área de Qianhai e Shekou de Shenzhen, e a Área de Hengqin de Zhuhai, de promover a abertura e o desenvolvimento impulsionado pela inovação da Área da Grande Baía de Guangdong-Hong Kong-Macau.

A construção da zona-piloto de livre comércio representa uma das maiores medidas da China para seguir a tendência mundial de desenvolvimento econômico com maior comprometimento com a abertura. A próspera GDFTZ, que se estende por uma área de 116,2 quilômetros quadrados na Área da Grande Baía, demonstra imenso potencial de ser um concorrente e influenciador mais forte e com mais visão.

A GDFTZ ocupa o 32º lugar em todo o mundo e tem pontuação de 77,31 no que tange a facilidade de fazer negócios, de acordo com uma simulação de classificação do Relatório do Ambiente Comercial da Zona-Piloto de Livre Comércio da China (Guangdong) lançado pela KPMG Advisory (China) meses atrás. No relatório, a GDFTZ também figurava entre os 15 primeiros em todo o mundo, quanto aos indicadores de início de negócios, acesso a eletricidade e cumprimento de contratos.

O ambiente comercial capacitante da GDFTZ foi fomentado com a resolução de avançar nas reformas e na inovação. Desde a fundação, em 2015, a GDFTZ alcançou a marca de 456 inovações institucionais, muitas inéditas na China. Nansha, por exemplo, liderou o lançamento de sistemas inteligentes de supervisão, como as "alfândegas online", "o Sistema global de qualidade e rastreabilidade" e os "portos para inspeção de qualidade", reduzindo o tempo para a liberação de cargas gerais em 42,6%. A plataforma para o monitoramento, prevenção e controle dos riscos locais que Qianhai e Shekou estabeleceram garantiu a eficiência em supervisão em mais de 170.000 empreendimentos.

Um ambiente comercial sólido implica maior produtividade. Na GDFTZ, há ainda maior conveniência para que as empresas iniciem seus negócios de todos os tipos conforme há um fluxo maior de negócios online e transfronteiriços; assim, as empresas têm mais oportunidades de expandir seus negócios para todo o mundo, uma vez que os bens são transferidos para a área central para serem exibidos e, além disso, houve significativa redução de custos graças ao armazenamento integrado de cargas, alfandegadas ou não.

Os analistas internacionais acreditam que a zona-piloto de livre comércio colabora com o aprofundamento das reformas da China em todos os aspectos e, principalmente, coloca o país em melhor posição para atrair investimentos com um ambiente comercial melhorado e, em decorrência disso, a entrada de diversos fatores e recursos.

Nos últimos 4 anos, a GDFTZ transformou-se em um novo centro urbano com edifícios altos que se ergueram às margens e nas ilhas da região estuaria do Rio Pérola. Todos esses sucessos não seriam possíveis sem os esforços para priorizar a inovação institucional, sem o compromisso de construir uma zona de demonstração para a cooperação na Área da Grande Baía e manter a prosperidade e a estabilidade em longo prazo de Hong Kong e Macau e sem a resolução de moldar um ambiente comercial de primeira classe.

Links para os anexos de imagens:

http://asianetnews.net/view-attachment?attach-id=354367

 

 

FONTE China (Guangdong) Pilot Free Trade Zone