Clusters de servidor raiz gerenciados pela ICANN fortalecem infraestrutura de Internet da África

ICANN permite conectividade mais rápida e mais robusta no Quênia com instalação de cluster.

ISTAMBUL, 28 de fevereiro de 2022 /PRNewswire/ -- Os usuários da Internet na África em breve se beneficiarão do acesso mais rápido e de melhor proteção contra ataques cibernéticos, graças à instalação de dois clusters de servidor raiz. A Internet Corporation for Designed Names and Numbers (ICANN), a organização global sem fins lucrativos que coordena o sistema de nomes de domínio e desempenha um papel fundamental para garantir uma internet global, interoperável e segura, anunciou que instalará e gerenciará dois novos clusters ICANN Managed Root Root Server (IMRS) na África, tendo confirmado que uma unidade será instalada no Quênia. Este é o primeiro investimento da ICANN na África.

Atualmente, 33% da população na África tem acesso à internet. De acordo com o International Telecommunication Union (ITU), o número de indivíduos que utilizam a internet na África cresceu 23% entre 2019 e 2021. Esse crescimento é impulsionado por uma força de trabalho urbana digitalmente experiente, jovem e instruída, para a qual a adoção e o consumo de serviços on-line são uma segunda natureza.

A instalação dos clusters IMRS agregará capacidade importante para apoiar o crescimento do uso da Internet em toda a África. Isso, por sua vez, sustentará o crescimento econômico e trará oportunidades para uma grande parcela de novos usuários de internet. Os clusters garantem que as consultas de Internet da África possam ser respondidas na região e não sejam dependentes de redes e servidores em outras partes do mundo, reduzindo assim a latência e melhorando a experiência do usuário da internet em toda a região.

"Ampliar nossa infraestrutura na África está alinhada com a missão da ICANN de garantir que a internet continue segura, estável e resiliente em todo o mundo", disse Göran Marby, presidente e CEO da ICANN. "Adicionar os clusters na África é um passo fundamental para estimular o acesso à internet e fortalecer sua estabilidade em todo o continente. Naturalmente, isso só poderia ser alcançado com a participação da comunidade local. Somos gratos ao Ministério de TIC, Inovação e Relações da Juventude do Quênia por seu apoio ao estabelecimento do cluster IMRS em seu país e por seu compromisso em promover a Internet no continente."

Ao permitir conectividade significativa na África, a ICANN, um membro do International Telecommunication Union Telecommunication Development Sector (ITU-D), também contribui para o objetivo da iniciativa Partner2Connect Digital Coalition para trazer conectividade e transformação digital para comunidades "difíceis de alcançar".

"A Partner2Connect Digital Coalition é uma oportunidade revolucionária para o setor de TIC adotar uma abordagem holística, catalisar novas parcerias e mobilizar os recursos necessários para conectar aqueles que ainda estão off-line", disse Doreen Bogdan-Martin, diretora do ITU Telecommunication Development Bureau. Saúdo o compromisso da ICANN em relação aos objetivos do Partner2Connect de trazer a infraestrutura crítica da Internet para a África e promover a conectividade universal e a transformação digital."

Joseph Mucheru, E.G.H, secretário do gabinete do Ministério de TIC, Inovação e Relações da Juventude do Quênia, saudou o investimento. "Esta iniciativa é um desenvolvimento positivo bem-vindo, alinhado com a Estratégia de Transformação Digital Africana (2020-2030) e, mais especificamente, com Plano de Economia Digital do Quênia, que identifica a infraestrutura como um dos cinco principais pilares necessários para a transformação digital da economia. Portanto, agradecemos à ICANN por sua confiança em escolher o Quênia mais uma vez como um dos anfitriões dessa importante infraestrutura que serviria não apenas ao Quênia, mas ao resto da África e do mundo. A implementação dessa iniciativa será de imensa importância na aceleração da agenda de transformação digital no Quênia."

Os clusters reduzirão o tempo necessário para que um site seja carregado, particularmente quando houver picos de uso da internet. Isso trará benefícios imediatos para os utilizadores diários da internet em todo o continente. Talvez o mais importante, os novos clusters IMRS reduzirão o impacto de um potencial ataque cibernético no continente. Os ataques cibernéticos de negação de serviço distribuído (DDoS) funcionam por servidores gigantescos com uma grande quantidade de consultas. Com dois locais de cluster IMRS separados e maior largura de banda e capacidade de processamento de dados, o risco de queda da Internet devido a um ataque cibernético será reduzido significativamente. Uma maior capacidade diminui o impacto dos ataques.

Este projeto faz parte de uma iniciativa maior da ICANN para expandir a presença global de seus servidores raiz, adicionando os dois clusters gerenciados e operados pela ICANN na África aos clusters existentes na América do Norte, Ásia e Europa.

Recursos de mídia 

PERGUNTAS FREQUENTES sobre a ICANN na África

Perguntas Frequentes sobre o servidor raiz gerenciado pela ICANN (IMRS)

Sobre a ICANN

A missão da ICANN é ajudar a garantir uma internet global estável, segura e unificada. Para acessar outra pessoa na internet, você precisa digitar um endereço – um nome ou número – em seu computador ou outro dispositivo. Esse endereço deve ser exclusivo, para que os computadores saibam onde encontrar uns aos outros. A ICANN ajuda a coordenar e oferecer suporte a esses identificadores exclusivos em todo o mundo. A ICANN foi criada em 1998 como uma empresa sem fins lucrativos de benefícios públicos e uma comunidade com participantes de todo o mundo.

FONTE ICANN

ICANN permite conectividade mais rápida e mais robusta no Quênia com instalação de cluster.

ISTAMBUL, 28 de fevereiro de 2022 /PRNewswire/ -- Os usuários da Internet na África em breve se beneficiarão do acesso mais rápido e de melhor proteção contra ataques cibernéticos, graças à instalação de dois clusters de servidor raiz. A Internet Corporation for Designed Names and Numbers (ICANN), a organização global sem fins lucrativos que coordena o sistema de nomes de domínio e desempenha um papel fundamental para garantir uma internet global, interoperável e segura, anunciou que instalará e gerenciará dois novos clusters ICANN Managed Root Root Server (IMRS) na África, tendo confirmado que uma unidade será instalada no Quênia. Este é o primeiro investimento da ICANN na África.

Atualmente, 33% da população na África tem acesso à internet. De acordo com o International Telecommunication Union (ITU), o número de indivíduos que utilizam a internet na África cresceu 23% entre 2019 e 2021. Esse crescimento é impulsionado por uma força de trabalho urbana digitalmente experiente, jovem e instruída, para a qual a adoção e o consumo de serviços on-line são uma segunda natureza.

A instalação dos clusters IMRS agregará capacidade importante para apoiar o crescimento do uso da Internet em toda a África. Isso, por sua vez, sustentará o crescimento econômico e trará oportunidades para uma grande parcela de novos usuários de internet. Os clusters garantem que as consultas de Internet da África possam ser respondidas na região e não sejam dependentes de redes e servidores em outras partes do mundo, reduzindo assim a latência e melhorando a experiência do usuário da internet em toda a região.

"Ampliar nossa infraestrutura na África está alinhada com a missão da ICANN de garantir que a internet continue segura, estável e resiliente em todo o mundo", disse Göran Marby, presidente e CEO da ICANN. "Adicionar os clusters na África é um passo fundamental para estimular o acesso à internet e fortalecer sua estabilidade em todo o continente. Naturalmente, isso só poderia ser alcançado com a participação da comunidade local. Somos gratos ao Ministério de TIC, Inovação e Relações da Juventude do Quênia por seu apoio ao estabelecimento do cluster IMRS em seu país e por seu compromisso em promover a Internet no continente."

Ao permitir conectividade significativa na África, a ICANN, um membro do International Telecommunication Union Telecommunication Development Sector (ITU-D), também contribui para o objetivo da iniciativa Partner2Connect Digital Coalition para trazer conectividade e transformação digital para comunidades "difíceis de alcançar".

"A Partner2Connect Digital Coalition é uma oportunidade revolucionária para o setor de TIC adotar uma abordagem holística, catalisar novas parcerias e mobilizar os recursos necessários para conectar aqueles que ainda estão off-line", disse Doreen Bogdan-Martin, diretora do ITU Telecommunication Development Bureau. Saúdo o compromisso da ICANN em relação aos objetivos do Partner2Connect de trazer a infraestrutura crítica da Internet para a África e promover a conectividade universal e a transformação digital."

Joseph Mucheru, E.G.H, secretário do gabinete do Ministério de TIC, Inovação e Relações da Juventude do Quênia, saudou o investimento. "Esta iniciativa é um desenvolvimento positivo bem-vindo, alinhado com a Estratégia de Transformação Digital Africana (2020-2030) e, mais especificamente, com Plano de Economia Digital do Quênia, que identifica a infraestrutura como um dos cinco principais pilares necessários para a transformação digital da economia. Portanto, agradecemos à ICANN por sua confiança em escolher o Quênia mais uma vez como um dos anfitriões dessa importante infraestrutura que serviria não apenas ao Quênia, mas ao resto da África e do mundo. A implementação dessa iniciativa será de imensa importância na aceleração da agenda de transformação digital no Quênia."

Os clusters reduzirão o tempo necessário para que um site seja carregado, particularmente quando houver picos de uso da internet. Isso trará benefícios imediatos para os utilizadores diários da internet em todo o continente. Talvez o mais importante, os novos clusters IMRS reduzirão o impacto de um potencial ataque cibernético no continente. Os ataques cibernéticos de negação de serviço distribuído (DDoS) funcionam por servidores gigantescos com uma grande quantidade de consultas. Com dois locais de cluster IMRS separados e maior largura de banda e capacidade de processamento de dados, o risco de queda da Internet devido a um ataque cibernético será reduzido significativamente. Uma maior capacidade diminui o impacto dos ataques.

Este projeto faz parte de uma iniciativa maior da ICANN para expandir a presença global de seus servidores raiz, adicionando os dois clusters gerenciados e operados pela ICANN na África aos clusters existentes na América do Norte, Ásia e Europa.

Recursos de mídia 

PERGUNTAS FREQUENTES sobre a ICANN na África

Perguntas Frequentes sobre o servidor raiz gerenciado pela ICANN (IMRS)

Sobre a ICANN

A missão da ICANN é ajudar a garantir uma internet global estável, segura e unificada. Para acessar outra pessoa na internet, você precisa digitar um endereço – um nome ou número – em seu computador ou outro dispositivo. Esse endereço deve ser exclusivo, para que os computadores saibam onde encontrar uns aos outros. A ICANN ajuda a coordenar e oferecer suporte a esses identificadores exclusivos em todo o mundo. A ICANN foi criada em 1998 como uma empresa sem fins lucrativos de benefícios públicos e uma comunidade com participantes de todo o mundo.

FONTE ICANN

Você acabou de ler:

Clusters de servidor raiz gerenciados pela ICANN fortalecem infraestrutura de Internet da África

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/clusters-de-servidor-raiz-gerenciados-pela-icann-fortalecem-infraestrutura-de-internet-da-africa/