Coletiva de imprensa via teleconferência: o cidadão americano Luis F. Andrade fala com a imprensa antes de ser injustamente aprisionado pelo governo colombiano

Andrade está sendo processado injustamente pelo governo colombiano como parte do escândalo do suborno desencadeado pela construtora brasileira Odebrecht. Em nome da família, Connie Mack, ex-congressista e presidente do subcomitê do hemisfério ocidental sobre relações exteriores, disse: "O procurador-geral Martinez está ameaçando usar seu poder e influência para acobertar seus próprios delitos aprisionando Luis Andrade, um inocente cidadão americano. O governo americano e Duque, o presidente colombiano, devem buscar defender as normas jurídicas e proteger os direitos e a liberdade de Luis".

WASHINGTON, 10 de setembro de 2018 /PRNewswire/ -- O contraditório procurador-geral da Colômbia tem como objetivo silenciar e aprisionar Luis F. Andrade, um cidadão americano e ex-diretor da agência nacional de infraestrutura da Colômbia. O departamento do procurador-geral está fazendo novas acusações contra Andrade por um "interesse indevido" absurdo relacionado a um adendo ao contrato da rodovia Ruta del Sol 3, o qual não foi assinado por Luis.

O promotor buscou a prisão de Luis no ano passado quando ele foi acusado pela primeira vez. Um juiz não concordou, determinando, por sua vez, a prisão domiciliar preventiva de Andrade. Agora com a expiração do prazo da prisão preventiva, está sendo realizada uma segunda tentativa de aprisioná-lo em um processo sistêmico de assédio que parece não ter fim.

No primeiro julgamento, Andrade está sendo acusado por um "interesse indevido" igualmente absurdo em um adendo ao contrato da Ruta del Sol 2, na qual Odebrecht é o acionista majoritário. O contrato da Ruta del Sol foi concedido em dezembro de 2009 que ocorreu dois anos antes de Andrade ter sido nomeado diretor da agência de infraestrutura (consulte o infográfico do cronograma completo aqui).

Atualmente na posição de procurador geral, Nestor Humberto Martinez atuou previamente como advogado externo para a Ruta del Sol 2 onde emitiu um parecer jurídico favorável em setembro de 2012 sobre o adendo pelo qual Andrade está sendo agora acusado. E depois o aprovou como chefe de gabinete para o presidente Santos em outubro de 2014. Preocupantemente, na semana passada, em uma entrevista realizada no rádio, Martinez negou estas ações apesar dos documentos conterem sua assinatura.

Em uma tentativa desesperada de denegrir Andrade, seu telefone foi grampeado em nome da Agência de Combate às Drogas ("DEA" na sigla em inglês). A DEA nega ter registros de solicitações para grampear o telefone de Andrade o que causa suspeitas de que o memorando da DEA solicitando o grampo telefônico fosse falsificado.

Entre estas contradições, conflitos de interesse e documentos do governo dos Estados Unidos potencialmente falsificados, o procurador-geral Martinez continua sua guerra visando condenar Andrade que possui um longo histórico de se opor à Odebrecht e seus parceiros. É apenas uma questão de semanas até o cidadão americano Luis Andrade ser transferido da prisão domiciliar para a cadeia. É crucial que Andrade conte sua história.

Quem:

Luis Andrade e sua esposa Teresa falarão sobre o caso.



Connie Mack, ex-congressista americano (pela Flórida)





O que: 

Coletiva de imprensa via teleconferência + oportunidade para perguntas e respostas





Quando: 

Quarta-feira, 12 de setembro, às 11 horas (horário da costa leste dos Estados Unidos)





Onde: 

Informações para a chamada do participante:



(877) 830-2597 ou (785) 424-1743



ID da conferência: ANDRADE







Os países e os números para ligação internacional gratuita reservados para a conferência são:



Brasil: 0 800 891 6744



Colômbia: 01 800 518 0807





RSVP:

TheAndradeStory@gmail.com



Com a confirmação de sua presença, você receberá antecipadamente uma cópia das observações que Luis fará durante a coletiva de imprensa via teleconferência.

 

FONTE Luis F. Andrade

Andrade está sendo processado injustamente pelo governo colombiano como parte do escândalo do suborno desencadeado pela construtora brasileira Odebrecht. Em nome da família, Connie Mack, ex-congressista e presidente do subcomitê do hemisfério ocidental sobre relações exteriores, disse: "O procurador-geral Martinez está ameaçando usar seu poder e influência para acobertar seus próprios delitos aprisionando Luis Andrade, um inocente cidadão americano. O governo americano e Duque, o presidente colombiano, devem buscar defender as normas jurídicas e proteger os direitos e a liberdade de Luis".

WASHINGTON, 10 de setembro de 2018 /PRNewswire/ -- O contraditório procurador-geral da Colômbia tem como objetivo silenciar e aprisionar Luis F. Andrade, um cidadão americano e ex-diretor da agência nacional de infraestrutura da Colômbia. O departamento do procurador-geral está fazendo novas acusações contra Andrade por um "interesse indevido" absurdo relacionado a um adendo ao contrato da rodovia Ruta del Sol 3, o qual não foi assinado por Luis.

O promotor buscou a prisão de Luis no ano passado quando ele foi acusado pela primeira vez. Um juiz não concordou, determinando, por sua vez, a prisão domiciliar preventiva de Andrade. Agora com a expiração do prazo da prisão preventiva, está sendo realizada uma segunda tentativa de aprisioná-lo em um processo sistêmico de assédio que parece não ter fim.

No primeiro julgamento, Andrade está sendo acusado por um "interesse indevido" igualmente absurdo em um adendo ao contrato da Ruta del Sol 2, na qual Odebrecht é o acionista majoritário. O contrato da Ruta del Sol foi concedido em dezembro de 2009 que ocorreu dois anos antes de Andrade ter sido nomeado diretor da agência de infraestrutura (consulte o infográfico do cronograma completo aqui).

Atualmente na posição de procurador geral, Nestor Humberto Martinez atuou previamente como advogado externo para a Ruta del Sol 2 onde emitiu um parecer jurídico favorável em setembro de 2012 sobre o adendo pelo qual Andrade está sendo agora acusado. E depois o aprovou como chefe de gabinete para o presidente Santos em outubro de 2014. Preocupantemente, na semana passada, em uma entrevista realizada no rádio, Martinez negou estas ações apesar dos documentos conterem sua assinatura.

Em uma tentativa desesperada de denegrir Andrade, seu telefone foi grampeado em nome da Agência de Combate às Drogas ("DEA" na sigla em inglês). A DEA nega ter registros de solicitações para grampear o telefone de Andrade o que causa suspeitas de que o memorando da DEA solicitando o grampo telefônico fosse falsificado.

Entre estas contradições, conflitos de interesse e documentos do governo dos Estados Unidos potencialmente falsificados, o procurador-geral Martinez continua sua guerra visando condenar Andrade que possui um longo histórico de se opor à Odebrecht e seus parceiros. É apenas uma questão de semanas até o cidadão americano Luis Andrade ser transferido da prisão domiciliar para a cadeia. É crucial que Andrade conte sua história.

Quem:

Luis Andrade e sua esposa Teresa falarão sobre o caso.



Connie Mack, ex-congressista americano (pela Flórida)





O que: 

Coletiva de imprensa via teleconferência + oportunidade para perguntas e respostas





Quando: 

Quarta-feira, 12 de setembro, às 11 horas (horário da costa leste dos Estados Unidos)





Onde: 

Informações para a chamada do participante:



(877) 830-2597 ou (785) 424-1743



ID da conferência: ANDRADE







Os países e os números para ligação internacional gratuita reservados para a conferência são:



Brasil: 0 800 891 6744



Colômbia: 01 800 518 0807





RSVP:

TheAndradeStory@gmail.com



Com a confirmação de sua presença, você receberá antecipadamente uma cópia das observações que Luis fará durante a coletiva de imprensa via teleconferência.

 

FONTE Luis F. Andrade

Você acabou de ler:

Coletiva de imprensa via teleconferência: o cidadão americano Luis F. Andrade fala com a imprensa antes de ser injustamente aprisionado pelo governo colombiano

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/coletiva-de-imprensa-via-teleconferencia-o-cidadao-americano-luis-f-andrade-fala-com-a-imprensa-antes-de-ser-injustamente-aprisionado-pelo-governo-colombiano/