Conheça a maior plataforma de compra e venda de empresas no Brasil

SÃO PAULO, 14 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- De acordo com um estudo da Global Entrepreneurship Monitor em conjunto com o SEBRAE e a FGV, em 2017, o Brasil contava com quase 50 milhões de empreendedores. Ou seja, 1 a cada 4 brasileiros com idade entre 18 e 64 anos tinha seu próprio negócio. A pesquisa ainda mostra que a maioria, 60%, começa um negócio por oportunidade, ao invés de necessidade (40%).

Por outro lado, o estudo Doing Business, elaborado pelo The World Bank, mostra a dificuldade em abrir uma empresa no país. O relatório compara 190 economias, com alguns parâmetros específicos entre as empresas. O objetivo é avaliar os seguintes fatores para uma pequena empresa iniciar e operar:

- Número de procedimentos;

- Tempo em dias;

- Custo.

Para o Brasil, os resultados não são animadores. Rio e São Paulo, as duas cidades brasileiras avaliadas na pesquisa, mostram 10 e 11 procedimentos, e um total de 21,5 e 13,5 dias, respectivamente. Comparando com Pequim, são 3 procedimentos em 8 dias e, em Nova Iorque, 6 procedimentos em 4 dias.

Os especialistas da Quero um Negócio sugerem uma alternativa para aqueles que querem empreender sem lidar com o excesso de burocracia. O processo é conhecido como sucessão empresarial. A partir dele, um comprador passa a ser o responsável por uma empresa já existente, com todos os direitos e obrigações do novo negócio.

Para ajudar o empreendedor que seguir este caminho, o SEBRAE traz um conjunto de boas práticas. Através delas, apontam as franquias e a compra de empresas como opções para quem quer empreender sem lidar com a burocracia, ou sem precisar encontrar um novo ponto comercial.

Contudo, a aquisição de um negócio traz diversas responsabilidades e cuidados, como aponta o relatório do SEBRAE e os especialistas do Quero um Negócio.

O guia de boas práticas do SEBRAE deixa claro que é preciso conhecer a saúde financeira da empresa, aos menores detalhes. Analisar o valor do patrimônio, do ponto comercial e se existem dívidas com fornecedores, são as primeiras preocupações. Para quem quer ir mais a fundo e conhecer todos os detalhes, o DRE tem estas informações.

Além do aspecto financeiro, os especialistas da Quero um Negócio recomendam observar a infraestrutura. Isso significa os equipamentos e a força de trabalho. Neste segundo ponto, é crucial entender o passivo trabalhista, pois ele pode ser determinante para o sucesso do negócio. Gerenciar pessoas é um dos maiores desafios de qualquer empreendedor, destacam os especialistas, seja abrindo ou comprando uma empresa.

Os especialistas também recomendam olhar para fora da empresa. Ou seja, entender se existe alguma notícia negativa sobre a marca, ou algo que pode afetar a reputação em relação ao público geral.

Um último ponto a observar é a cartela de clientes da empresa. Para lojas, o SEBRAE lembra que o ponto comercial é um bom reflexo disso. Se for a um ambiente muito movimentado, é esperado que tenham clientes. Para outros tipos de empresas, é preciso observar o número de clientes ativos e inativos. Se o segundo mais alto, pode haver um problema com o produto ou serviço. É preciso que haja um plano de recuperação antes da compra.

A compra e venda de empresas por meio de plataformas como a Quero um Negócio, pode ser uma forma de empreender, sem precisar lidar com toda a burocracia. Conheça a empresa: https://www.queroumnegocio.com.br/.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1168323/conheca_a_maior_plataforma_de_compra_e_venda_de_empresas_no_brasil.jpg?p=original

FONTE Quero Um Negócio

SÃO PAULO, 14 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- De acordo com um estudo da Global Entrepreneurship Monitor em conjunto com o SEBRAE e a FGV, em 2017, o Brasil contava com quase 50 milhões de empreendedores. Ou seja, 1 a cada 4 brasileiros com idade entre 18 e 64 anos tinha seu próprio negócio. A pesquisa ainda mostra que a maioria, 60%, começa um negócio por oportunidade, ao invés de necessidade (40%).

Por outro lado, o estudo Doing Business, elaborado pelo The World Bank, mostra a dificuldade em abrir uma empresa no país. O relatório compara 190 economias, com alguns parâmetros específicos entre as empresas. O objetivo é avaliar os seguintes fatores para uma pequena empresa iniciar e operar:

- Número de procedimentos;

- Tempo em dias;

- Custo.

Para o Brasil, os resultados não são animadores. Rio e São Paulo, as duas cidades brasileiras avaliadas na pesquisa, mostram 10 e 11 procedimentos, e um total de 21,5 e 13,5 dias, respectivamente. Comparando com Pequim, são 3 procedimentos em 8 dias e, em Nova Iorque, 6 procedimentos em 4 dias.

Os especialistas da Quero um Negócio sugerem uma alternativa para aqueles que querem empreender sem lidar com o excesso de burocracia. O processo é conhecido como sucessão empresarial. A partir dele, um comprador passa a ser o responsável por uma empresa já existente, com todos os direitos e obrigações do novo negócio.

Para ajudar o empreendedor que seguir este caminho, o SEBRAE traz um conjunto de boas práticas. Através delas, apontam as franquias e a compra de empresas como opções para quem quer empreender sem lidar com a burocracia, ou sem precisar encontrar um novo ponto comercial.

Contudo, a aquisição de um negócio traz diversas responsabilidades e cuidados, como aponta o relatório do SEBRAE e os especialistas do Quero um Negócio.

O guia de boas práticas do SEBRAE deixa claro que é preciso conhecer a saúde financeira da empresa, aos menores detalhes. Analisar o valor do patrimônio, do ponto comercial e se existem dívidas com fornecedores, são as primeiras preocupações. Para quem quer ir mais a fundo e conhecer todos os detalhes, o DRE tem estas informações.

Além do aspecto financeiro, os especialistas da Quero um Negócio recomendam observar a infraestrutura. Isso significa os equipamentos e a força de trabalho. Neste segundo ponto, é crucial entender o passivo trabalhista, pois ele pode ser determinante para o sucesso do negócio. Gerenciar pessoas é um dos maiores desafios de qualquer empreendedor, destacam os especialistas, seja abrindo ou comprando uma empresa.

Os especialistas também recomendam olhar para fora da empresa. Ou seja, entender se existe alguma notícia negativa sobre a marca, ou algo que pode afetar a reputação em relação ao público geral.

Um último ponto a observar é a cartela de clientes da empresa. Para lojas, o SEBRAE lembra que o ponto comercial é um bom reflexo disso. Se for a um ambiente muito movimentado, é esperado que tenham clientes. Para outros tipos de empresas, é preciso observar o número de clientes ativos e inativos. Se o segundo mais alto, pode haver um problema com o produto ou serviço. É preciso que haja um plano de recuperação antes da compra.

A compra e venda de empresas por meio de plataformas como a Quero um Negócio, pode ser uma forma de empreender, sem precisar lidar com toda a burocracia. Conheça a empresa: https://www.queroumnegocio.com.br/.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1168323/conheca_a_maior_plataforma_de_compra_e_venda_de_empresas_no_brasil.jpg?p=original

FONTE Quero Um Negócio