Control Risks: divergências comerciais entre os EUA e a China prenunciam uma nova ordem mundial a partir de 2019

LONDRES, 10 de dezembro de 2018 /PRNewswire/ -- A Control Risks, consultora especializada em riscos globais, afirma que a política dos EUA de contenção da China deverá se tornar a base da nova ordem mundial em 2019.

A previsão foi feita no RiskMap, panorama de riscos políticos e de segurança que a Control Risks prepara anualmente para líderes empresariais e responsáveis pela elaboração de políticas em todo o mundo e que foi publicado hoje.

Richard Fenning, CEO da Control Risks, disse: "Em 2019, o que começou como uma guerra comercial se intensificará e se tornará uma situação permanente. A disputa comercial entre os Estados Unidos e a China será a dinâmica que moldará a configuração geopolítica".

"Este relacionamento antagônico complicará a vida não apenas das empresas na China e nos EUA. Empresas que fizerem parte desse embate em um âmbito mais amplo sentirão seu impacto político e econômico", acrescentou Fenning.

Cinco Principais Riscos para 2019 

A análise da dinâmica entre os EUA e a China encabeça a lista da Control Risk dos Cinco Principais Riscos para 2019. Nos aspectos de governança de dados e de política após as eleições de meio de mandato, respectivamente, a dinâmica chinesa e americana está em destaque na previsão para 2019.

Os riscos que as condições meteorológicas adversas representam para as empresas colocaram as mudanças climáticas pela primeira vez em uma posição de maior relevância na lista.

O aumento constante das políticas nacionalistas em todo o mundo significa que os Cinco Principais Riscos representam a possibilidade de as empresas globalizadas se tornarem cada vez mais sem nacionalidade.

  • As divergências comerciais entre os EUA e a China prenunciam uma nova ordem mundial    

    A disputa comercial entre os Estados Unidos e a China será a dinâmica que moldará a configuração geopolítica em 2019. Esse relacionamento antagônico vai complicar a vida não apenas das empresas na China e nos EUA. Empresas que fizerem parte desse embate em um âmbito mais amplo sentirão seu impacto político e econômico. Em 2019, o que começou como uma guerra comercial se intensificará e se tornará uma situação permanente. A política dos EUA para "conter a China" poderá ser uma das bases da nova ordem mundial.
  • A acidentada trajetória mundial dos dados  

    A tensão entre os três domínios de regulação dos dados trará um novo nível de risco para o comércio internacional em 2019. Para a China, os dados são algo que deve ser controlado; para a União Europeia, algo a ser protegido; para os Estados Unidos, os dados são algo a ser comercializado. Preparem-se para o desafio de coletar, armazenar e transferir dados dentro e entre esses três domínios tendo como pano de fundo a não uniformidade na aplicação das leis e o aumento das ameaças à cibersegurança.
  • O impasse politico americano 

    O problema do impasse legislativo será em torno da formulação de políticas em Washington, e lançará os Estados Unidos em um período de grande incerteza política. Os democratas que estão de volta à Câmara dos Deputados tentarão manter o presidente sob escrutínio. A reação do senado republicano e da Casa Branca acabará com qualquer esperança de consistência para os negócios. A política comercial ficará inalterada; a desregulamentação se fará lentamente. A política estrangeira permanecerá instável e ambivalente em um ambiente mundial que exige clareza e determinação.
  • Disrupção causada por condições meteorológicas adversas

    Algumas das piores disrupções comerciais de 2019 não serão causadas por ataques terroristas, mas sim por condições meteorológicas adversas e suas consequências. Tempestades, enchentes, secas e incêndios florestais farão com que os custos da interrupção da produção, distribuição, vendas e viagens aumentem barbaramente em 2019. O recorde do ano passado para sinistros relacionados a incidentes por fatores meteorológicos deverá ser quebrado. Condições meteorológicas adversas e os efeitos a elas associados nunca foram riscos comerciais tão importantes.
  • As multinacionais se tornarão empresas sem nacionalidade específica  

    Em 2019, as empresas globalizadas correrão o risco – ironicamente – de perder sua nacionalidade específica, à medida que as políticas nacionalistas continuarem avançando em todo o mundo. As barreiras formais e informais estão aumentando. O comércio sem atritos está começando a se desgastar e as cadeias de suprimentos estão começando a emperrar. Os líderes empresariais devem fazer ajustes e se adaptar a esta nova realidade ou os players globais terminarão sendo manipulados por um mundo que passa por uma transição cujos resultados não se sabe bem quais serão.
  • A nova realidade e a nova resiliência 

    O RiskMap 2019 explica um mundo que está em pleno processo de transição e rumo a uma nova ordem mundial. As empresas precisarão criar um novo tipo de resiliência para sobreviver.

    "Em 2019, as empresas internacionais lamentarão o fim do consenso liberal do pós-guerra porque ele foi, sem dúvida alguma, muito bom – para elas", disse Steve Wilfor, sócio de nível sênior da Control Risks.

    "Desde o final da Guerra Fria as multinacionais aumentaram maciçamente sua participação na economia mundial e agora dominam o comércio mundial. Elas geralmente mantêm associações nacionais tradicionais, mas são predominantemente estrangeiras no que se refere ao patrimônio e aos funcionários. As políticas nacionalistas colocarão esse modelo sob grande pressão em 2019", acrescentou Wilford.

    Maiores oportunidades para as empresas resilientes em 2019  

    Quase todas as empresas que possuírem operações e cadeias de suprimentos internacionais assistirão em 2019 a essa disputa pela próxima ordem mundial. Os maiores players já estão no ringue, lado a lado com os países que têm influência e exposição.

    "A necessidade de uma defesa coordenada contra os oponentes macropolíticos nunca foi tão real quanto agora, e isso envolve desde a ampla faixa do setor industrial global afetado pela estratégia do 'Feito na China' 2025 até às grandes empresas internacionais cujo relacionamento com o Representante Comercial dos EUA passou de promoção a proteção", disse Dan Tawfik, diretor da Control Risks.

    "Como acontece com qualquer mudança drástica, as maiores oportunidades vão surgir inevitavelmente em 2019, e para aqueles que forem corajosos, valerá extremamente a pena assumir riscos", acrescentou Tawfik.

    O website do RiskMap 2019 estará no ar a partir de 11 de dezembro de 2018, terça-feira. O mapa mundial com as previsões de riscos políticos e de segurança para os países poderá ser acessado aqui http://www.controlrisks.com/riskmap

    Nota para os editores: 

    Sobre a Control Risks  

    A Control Risks é uma consultora especializada em riscos globais que ajuda a criar empresas seguras, resilientes e que cumpram normas e regulamentações, em uma época de constante transformação dos riscos. Trabalhamos em diversas disciplinas, tecnologias e áreas geográficas, e tudo o que fazemos baseia-se na nossa crença de que assumir riscos é essencial para o sucesso dos nossos clientes. Fornecemos aos nossos clientes insights para que possam concentrar seus recursos e para garantir que estejam preparados para solucionar os problemas e as crises que todas as empresas globais ambiciosas enfrentam. Fazemos muito mais do que resolver problemas, fornecemos os insights e a inteligência necessários para as empresas aproveitarem as oportunidades e crescerem.

    http://www.controlrisks.com 

    Foto - https://mma.prnewswire.com/media/795444/RISKMAP_2019_Top_Five_Risks_Infographic.jpg

    FONTE Control Risks

    LONDRES, 10 de dezembro de 2018 /PRNewswire/ -- A Control Risks, consultora especializada em riscos globais, afirma que a política dos EUA de contenção da China deverá se tornar a base da nova ordem mundial em 2019.

    A previsão foi feita no RiskMap, panorama de riscos políticos e de segurança que a Control Risks prepara anualmente para líderes empresariais e responsáveis pela elaboração de políticas em todo o mundo e que foi publicado hoje.

    Richard Fenning, CEO da Control Risks, disse: "Em 2019, o que começou como uma guerra comercial se intensificará e se tornará uma situação permanente. A disputa comercial entre os Estados Unidos e a China será a dinâmica que moldará a configuração geopolítica".

    "Este relacionamento antagônico complicará a vida não apenas das empresas na China e nos EUA. Empresas que fizerem parte desse embate em um âmbito mais amplo sentirão seu impacto político e econômico", acrescentou Fenning.

    Cinco Principais Riscos para 2019 

    A análise da dinâmica entre os EUA e a China encabeça a lista da Control Risk dos Cinco Principais Riscos para 2019. Nos aspectos de governança de dados e de política após as eleições de meio de mandato, respectivamente, a dinâmica chinesa e americana está em destaque na previsão para 2019.

    Os riscos que as condições meteorológicas adversas representam para as empresas colocaram as mudanças climáticas pela primeira vez em uma posição de maior relevância na lista.

    O aumento constante das políticas nacionalistas em todo o mundo significa que os Cinco Principais Riscos representam a possibilidade de as empresas globalizadas se tornarem cada vez mais sem nacionalidade.

  • As divergências comerciais entre os EUA e a China prenunciam uma nova ordem mundial    

    A disputa comercial entre os Estados Unidos e a China será a dinâmica que moldará a configuração geopolítica em 2019. Esse relacionamento antagônico vai complicar a vida não apenas das empresas na China e nos EUA. Empresas que fizerem parte desse embate em um âmbito mais amplo sentirão seu impacto político e econômico. Em 2019, o que começou como uma guerra comercial se intensificará e se tornará uma situação permanente. A política dos EUA para "conter a China" poderá ser uma das bases da nova ordem mundial.
  • A acidentada trajetória mundial dos dados  

    A tensão entre os três domínios de regulação dos dados trará um novo nível de risco para o comércio internacional em 2019. Para a China, os dados são algo que deve ser controlado; para a União Europeia, algo a ser protegido; para os Estados Unidos, os dados são algo a ser comercializado. Preparem-se para o desafio de coletar, armazenar e transferir dados dentro e entre esses três domínios tendo como pano de fundo a não uniformidade na aplicação das leis e o aumento das ameaças à cibersegurança.
  • O impasse politico americano 

    O problema do impasse legislativo será em torno da formulação de políticas em Washington, e lançará os Estados Unidos em um período de grande incerteza política. Os democratas que estão de volta à Câmara dos Deputados tentarão manter o presidente sob escrutínio. A reação do senado republicano e da Casa Branca acabará com qualquer esperança de consistência para os negócios. A política comercial ficará inalterada; a desregulamentação se fará lentamente. A política estrangeira permanecerá instável e ambivalente em um ambiente mundial que exige clareza e determinação.
  • Disrupção causada por condições meteorológicas adversas

    Algumas das piores disrupções comerciais de 2019 não serão causadas por ataques terroristas, mas sim por condições meteorológicas adversas e suas consequências. Tempestades, enchentes, secas e incêndios florestais farão com que os custos da interrupção da produção, distribuição, vendas e viagens aumentem barbaramente em 2019. O recorde do ano passado para sinistros relacionados a incidentes por fatores meteorológicos deverá ser quebrado. Condições meteorológicas adversas e os efeitos a elas associados nunca foram riscos comerciais tão importantes.
  • As multinacionais se tornarão empresas sem nacionalidade específica  

    Em 2019, as empresas globalizadas correrão o risco – ironicamente – de perder sua nacionalidade específica, à medida que as políticas nacionalistas continuarem avançando em todo o mundo. As barreiras formais e informais estão aumentando. O comércio sem atritos está começando a se desgastar e as cadeias de suprimentos estão começando a emperrar. Os líderes empresariais devem fazer ajustes e se adaptar a esta nova realidade ou os players globais terminarão sendo manipulados por um mundo que passa por uma transição cujos resultados não se sabe bem quais serão.
  • A nova realidade e a nova resiliência 

    O RiskMap 2019 explica um mundo que está em pleno processo de transição e rumo a uma nova ordem mundial. As empresas precisarão criar um novo tipo de resiliência para sobreviver.

    "Em 2019, as empresas internacionais lamentarão o fim do consenso liberal do pós-guerra porque ele foi, sem dúvida alguma, muito bom – para elas", disse Steve Wilfor, sócio de nível sênior da Control Risks.

    "Desde o final da Guerra Fria as multinacionais aumentaram maciçamente sua participação na economia mundial e agora dominam o comércio mundial. Elas geralmente mantêm associações nacionais tradicionais, mas são predominantemente estrangeiras no que se refere ao patrimônio e aos funcionários. As políticas nacionalistas colocarão esse modelo sob grande pressão em 2019", acrescentou Wilford.

    Maiores oportunidades para as empresas resilientes em 2019  

    Quase todas as empresas que possuírem operações e cadeias de suprimentos internacionais assistirão em 2019 a essa disputa pela próxima ordem mundial. Os maiores players já estão no ringue, lado a lado com os países que têm influência e exposição.

    "A necessidade de uma defesa coordenada contra os oponentes macropolíticos nunca foi tão real quanto agora, e isso envolve desde a ampla faixa do setor industrial global afetado pela estratégia do 'Feito na China' 2025 até às grandes empresas internacionais cujo relacionamento com o Representante Comercial dos EUA passou de promoção a proteção", disse Dan Tawfik, diretor da Control Risks.

    "Como acontece com qualquer mudança drástica, as maiores oportunidades vão surgir inevitavelmente em 2019, e para aqueles que forem corajosos, valerá extremamente a pena assumir riscos", acrescentou Tawfik.

    O website do RiskMap 2019 estará no ar a partir de 11 de dezembro de 2018, terça-feira. O mapa mundial com as previsões de riscos políticos e de segurança para os países poderá ser acessado aqui http://www.controlrisks.com/riskmap

    Nota para os editores: 

    Sobre a Control Risks  

    A Control Risks é uma consultora especializada em riscos globais que ajuda a criar empresas seguras, resilientes e que cumpram normas e regulamentações, em uma época de constante transformação dos riscos. Trabalhamos em diversas disciplinas, tecnologias e áreas geográficas, e tudo o que fazemos baseia-se na nossa crença de que assumir riscos é essencial para o sucesso dos nossos clientes. Fornecemos aos nossos clientes insights para que possam concentrar seus recursos e para garantir que estejam preparados para solucionar os problemas e as crises que todas as empresas globais ambiciosas enfrentam. Fazemos muito mais do que resolver problemas, fornecemos os insights e a inteligência necessários para as empresas aproveitarem as oportunidades e crescerem.

    http://www.controlrisks.com 

    Foto - https://mma.prnewswire.com/media/795444/RISKMAP_2019_Top_Five_Risks_Infographic.jpg

    FONTE Control Risks

    Você acabou de ler:

    Control Risks: divergências comerciais entre os EUA e a China prenunciam uma nova ordem mundial a partir de 2019

    Compartilhe

    https://prnewswire.com.br/releases/control-risks-divergencias-comerciais-entre-os-eua-e-a-china-prenunciam-uma-nova-ordem-mundial-a-partir-de-2019/