Cooperação convocada na Conferência de Entendimento da China 2020 (Guangzhou)

GUANGZHOU, China, 23 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- Em 20 de novembro, a Conferência Entendendo a China 2020 foi aberta em Guangzhou, com o tema "Grande transformação, grande teste, grande cooperação: a nova jornada da China em direção à modernização e construção de uma comunidade com um futuro compartilhado em prol da humanidade". De acordo com o comitê organizador, mais de 600 convidados internacionais entre políticos, estrategistas, acadêmicos e empreendedores renomados participaram desse encontro pessoalmente ou on-line.

"Confrontados com todos os tipos de desafios complexos e graves, nós, seres humanos, precisamos, mais do que nunca, de fortalecer a cooperação para superar as dificuldades e avançar juntos." No encontro deste ano, frases como o "14º Plano Quinquenal", "novo paradigma de desenvolvimento" e "dupla circulação internacional e doméstica" foram mencionados com mais frequência ao longo dos seus dez seminários paralelos e outras formas de discussão.

Os participantes acreditam que o fato de a China estar embarcando em uma nova jornada na direção de um país socialista moderno de uma forma abrangente não apenas reflete sua busca incessante e firme crença na modernização e em levar o bem-estar para os indivíduos e a humanidade, mas também demonstra a posição firme do país em promover o desenvolvimento de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade e sua determinação distinta de fortalecer a cooperação internacional e expandir continuamente a abertura.

Na Conferência deste ano, o apelo à cooperação não poderia ser maior. Segundo Ernesto Zedillo, ex-presidente do México e presidente do Conselho do Século XXI, não há vencedor em uma guerra comercial, e grandes economias e países emergentes de mente aberta podem trilhar juntos um novo caminho, um caminho para a paz mundial e a prosperidade que é do interesse de todas as partes.

Nosso objetivo deve ser transcender as diferenças de ideologia e sistemas sociais e descartar a atitude provinciana de fechar a porta para os outros, disse Gordon Brown, ex-primeiro-ministro do Reino Unido.

A cooperação internacional ampliada serve, sem dúvida, como uma grande força para o desenvolvimento econômico e o progresso humano desde a Segunda Guerra Mundial, disse o ex-primeiro-ministro da Bélgica, Yves Leterme. A UE e a China têm mais em comum para ajudar a trazer de volta o desenvolvimento global, o que é crucial para uma maior colaboração internacional e cooperação comercial, ele espera.

Atualmente, a humanidade está vivenciando um período histórico especial, pois a pandemia global acelerou a evolução das tremendas mudanças do mundo que não foram vistas no século passado. Apesar de alguma resistência à globalização econômica e ao aumento dos riscos ou incertezas na economia mundial, a paz e o desenvolvimento ainda prevalecem, e enfrentar os desafios por meio da cooperação continua sendo a única opção racional para a comunidade internacional.

A tendência geral agora é enfrentar grandes mudanças, enfrentar testes difíceis e promover a cooperação. Na opinião de Zheng Bijian, presidente do Instituto de Inovação e Desenvolvimento de Estratégia da China, está comprovado, desde o início deste ano, que toda a humanidade expressou um forte desejo de trabalhar em conjunto para combater a COVID-19, produzindo "raios de luz" na escuridão da pandemia sem precedentes. Como sugere o 14º Plano Quinquenal, considerando todas as realidades internas e externas, o Comitê Central do Partido Comunista da China acredita firmemente que o país ainda desfruta de oportunidades estratégicas neste importante período. Do início da terceira década do século XXI em diante, a China manterá sua resolução estratégica e se concentrará na administração de seus próprios assuntos, aproveitando oportunidades em crises e fazendo inovações entre as mudanças. Isso não apenas facilitará seu próprio desenvolvimento, mas também aumentará a cooperação global, criando um espaço mais amplo para um desenvolvimento ainda maior.

FONTE The Organizing Committee of the Understanding China Conference 2020 (Guangzhou)

GUANGZHOU, China, 23 de novembro de 2020 /PRNewswire/ -- Em 20 de novembro, a Conferência Entendendo a China 2020 foi aberta em Guangzhou, com o tema "Grande transformação, grande teste, grande cooperação: a nova jornada da China em direção à modernização e construção de uma comunidade com um futuro compartilhado em prol da humanidade". De acordo com o comitê organizador, mais de 600 convidados internacionais entre políticos, estrategistas, acadêmicos e empreendedores renomados participaram desse encontro pessoalmente ou on-line.

"Confrontados com todos os tipos de desafios complexos e graves, nós, seres humanos, precisamos, mais do que nunca, de fortalecer a cooperação para superar as dificuldades e avançar juntos." No encontro deste ano, frases como o "14º Plano Quinquenal", "novo paradigma de desenvolvimento" e "dupla circulação internacional e doméstica" foram mencionados com mais frequência ao longo dos seus dez seminários paralelos e outras formas de discussão.

Os participantes acreditam que o fato de a China estar embarcando em uma nova jornada na direção de um país socialista moderno de uma forma abrangente não apenas reflete sua busca incessante e firme crença na modernização e em levar o bem-estar para os indivíduos e a humanidade, mas também demonstra a posição firme do país em promover o desenvolvimento de uma comunidade com um futuro compartilhado para a humanidade e sua determinação distinta de fortalecer a cooperação internacional e expandir continuamente a abertura.

Na Conferência deste ano, o apelo à cooperação não poderia ser maior. Segundo Ernesto Zedillo, ex-presidente do México e presidente do Conselho do Século XXI, não há vencedor em uma guerra comercial, e grandes economias e países emergentes de mente aberta podem trilhar juntos um novo caminho, um caminho para a paz mundial e a prosperidade que é do interesse de todas as partes.

Nosso objetivo deve ser transcender as diferenças de ideologia e sistemas sociais e descartar a atitude provinciana de fechar a porta para os outros, disse Gordon Brown, ex-primeiro-ministro do Reino Unido.

A cooperação internacional ampliada serve, sem dúvida, como uma grande força para o desenvolvimento econômico e o progresso humano desde a Segunda Guerra Mundial, disse o ex-primeiro-ministro da Bélgica, Yves Leterme. A UE e a China têm mais em comum para ajudar a trazer de volta o desenvolvimento global, o que é crucial para uma maior colaboração internacional e cooperação comercial, ele espera.

Atualmente, a humanidade está vivenciando um período histórico especial, pois a pandemia global acelerou a evolução das tremendas mudanças do mundo que não foram vistas no século passado. Apesar de alguma resistência à globalização econômica e ao aumento dos riscos ou incertezas na economia mundial, a paz e o desenvolvimento ainda prevalecem, e enfrentar os desafios por meio da cooperação continua sendo a única opção racional para a comunidade internacional.

A tendência geral agora é enfrentar grandes mudanças, enfrentar testes difíceis e promover a cooperação. Na opinião de Zheng Bijian, presidente do Instituto de Inovação e Desenvolvimento de Estratégia da China, está comprovado, desde o início deste ano, que toda a humanidade expressou um forte desejo de trabalhar em conjunto para combater a COVID-19, produzindo "raios de luz" na escuridão da pandemia sem precedentes. Como sugere o 14º Plano Quinquenal, considerando todas as realidades internas e externas, o Comitê Central do Partido Comunista da China acredita firmemente que o país ainda desfruta de oportunidades estratégicas neste importante período. Do início da terceira década do século XXI em diante, a China manterá sua resolução estratégica e se concentrará na administração de seus próprios assuntos, aproveitando oportunidades em crises e fazendo inovações entre as mudanças. Isso não apenas facilitará seu próprio desenvolvimento, mas também aumentará a cooperação global, criando um espaço mais amplo para um desenvolvimento ainda maior.

FONTE The Organizing Committee of the Understanding China Conference 2020 (Guangzhou)