Crise de ''esgotamento'' no trabalho ameaça locais de trabalho após a pandemia

Acesso ao trabalho remoto aumenta o bem-estar e a produtividade do funcionário.

NOVA YORK, 26 de maio de 2021 /PRNewswire/ -- Sob a denominação "crise no trabalho", a Catalyst descobriu em uma pesquisa mundial que 92% dos trabalhadores dizem estar enfrentando esgotamento por estresse relacionado a seu local de trabalho, suas vivências no trabalho durante a pandemia da Covid-19 e/ou suas vidas pessoais. Uma solução para melhorar o bem-estar do funcionário, assim como sua produtividade, inovação, retenção e inclusão, é o acesso ao trabalho remoto, de acordo com os pesquisadores. Para as mulheres, que foram desproporcionalmente afetadas por perdas de emprego durante a pandemia, esses resultados são muito importantes.

O estudo https://www.catalyst.org/reports/remote-work-burnout-productivity/ (Opções de Trabalho Remoto Podem Melhorar a Produtividade e Reduzir o Esgotamento) entrevistou cerca de 7.500 funcionários em todo o mundo e define o esgotamento como "exaustão física e psicológica decorrente do estresse prolongado com consequências negativas, incluindo distância mental do trabalho e sentimentos de ineficácia profissional". É a primeira etapa da série de pesquisas "Equity in the Future of Work" (Igualdade no Futuro do Trabalho) da Catalyst.

Na análise, a autora Tara Van Bommel, PhD identifica três tipos de esgotamento: esgotamento no trabalho, esgotamento no trabalho durante a pandemia da Covid-19 e esgotamento pessoal. O acesso ao trabalho remoto reduziu todos os três tipos de esgotamento, independentemente das diferenças de grupo como gênero ou cuidados com os filhos. Esses dados ilustram que o que funciona para as mulheres no local de trabalho funciona para todos.

Os dados mostram que, quando as empresas oferecem opções de trabalho remoto, incluindo um local de trabalho flexível, equipes distribuídas e/ou trabalho virtual/teletrabalho/trabalho em casa, os funcionários relatam uma redução de 26% no esgotamento no local de trabalho, em comparação com as pessoas que não têm acesso ao trabalho remoto. O esgotamento no local de trabalho cai 43% quando os funcionários têm acesso ao trabalho remoto, e seus gerentes demonstram empatia, em comparação com pessoas sem acesso ao trabalho remoto ou sem gerentes empáticos.

O estudo também mostra que os funcionários com acesso ao trabalho remoto são 30% menos propensos a procurar outro emprego no próximo ano, em comparação com as pessoas que não têm acesso ao trabalho remoto. As mulheres com responsabilidades relacionadas aos cuidados com os filhos são 32% menos propensas a relatar intenção de sair do emprego quando têm acesso ao trabalho remoto, em comparação com as mulheres com responsabilidades relacionadas aos cuidados com os filhos que não têm acesso ao trabalho remoto.

Não é de se surpreender que o relatório observe que as expectativas atuais de que o funcionário esteja sempre à disposição no trabalho são insustentáveis e recomenda às empresas as seguintes soluções para ajudar a combater o esgotamento: 

  • Criar políticas de trabalho remoto que detalhem as expectativas para funcionários, gerentes e equipes.
  • Gerentes de aperfeiçoamento sobre como gerenciar equipes remotas de forma inclusiva.
  • Investir em programas e bolsas de estudo para funcionários que precisem de opções adicionais de cuidados com as crianças.
  • Normalizar a escuta com empatia por meio de verificações regulares e outras oportunidades de compartilhar experiências de vida e trabalho.

"O esgotamento leva à rotatividade, mas isso pode ser mitigado por políticas de trabalho remoto intencionais e liderança inclusiva e empática", disse Lorraine Hariton, presidente e CEO da Catalyst. "Quando implementadas de forma eficaz, as opções de trabalho flexível e remoto para os funcionários, no fim das contas, ajudam as empresas a ter acesso a mais talentos e menos rotatividade e também a aumentar a inovação e a produtividade."

Saiba mais e baixe o estudo https://www.catalyst.org/reports/remote-work-burnout-productivity/.

Sobre a Catalyst

A Catalyst é uma organização global sem fins lucrativos que trabalha com alguns dos CEOs mais poderosos do mundo e com importantes empresas para ajudar a construir ambientes de trabalho favoráveis às mulheres. Fundada em 1962, a Catalyst promove mudanças com pesquisas pioneiras, ferramentas práticas e soluções comprovadas para acelerar e conduzir as mulheres à liderança, porque o progresso para as mulheres significa progresso para todos.

Contatos:

Naomi R. Patton

Vice-presidente, mídia e relações públicas

Catalyst

npatton@catalyst.org

Stephanie Wolf

Consultora de comunicações nos EUA

Catalyst

stephanie@stephaniewolfpr.com

Francine Beck

Consultora de comunicações no Canadá

Catalyst

francine@fbstrategiesgroup.com

Frances Knox

Consultora de comunicações na região EMEA

Catalyst

frances@frankly-pr.co.uk

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/732308/Catalyst_Tagline_Logo.jpg  

FONTE Catalyst

Acesso ao trabalho remoto aumenta o bem-estar e a produtividade do funcionário.

NOVA YORK, 26 de maio de 2021 /PRNewswire/ -- Sob a denominação "crise no trabalho", a Catalyst descobriu em uma pesquisa mundial que 92% dos trabalhadores dizem estar enfrentando esgotamento por estresse relacionado a seu local de trabalho, suas vivências no trabalho durante a pandemia da Covid-19 e/ou suas vidas pessoais. Uma solução para melhorar o bem-estar do funcionário, assim como sua produtividade, inovação, retenção e inclusão, é o acesso ao trabalho remoto, de acordo com os pesquisadores. Para as mulheres, que foram desproporcionalmente afetadas por perdas de emprego durante a pandemia, esses resultados são muito importantes.

O estudo https://www.catalyst.org/reports/remote-work-burnout-productivity/ (Opções de Trabalho Remoto Podem Melhorar a Produtividade e Reduzir o Esgotamento) entrevistou cerca de 7.500 funcionários em todo o mundo e define o esgotamento como "exaustão física e psicológica decorrente do estresse prolongado com consequências negativas, incluindo distância mental do trabalho e sentimentos de ineficácia profissional". É a primeira etapa da série de pesquisas "Equity in the Future of Work" (Igualdade no Futuro do Trabalho) da Catalyst.

Na análise, a autora Tara Van Bommel, PhD identifica três tipos de esgotamento: esgotamento no trabalho, esgotamento no trabalho durante a pandemia da Covid-19 e esgotamento pessoal. O acesso ao trabalho remoto reduziu todos os três tipos de esgotamento, independentemente das diferenças de grupo como gênero ou cuidados com os filhos. Esses dados ilustram que o que funciona para as mulheres no local de trabalho funciona para todos.

Os dados mostram que, quando as empresas oferecem opções de trabalho remoto, incluindo um local de trabalho flexível, equipes distribuídas e/ou trabalho virtual/teletrabalho/trabalho em casa, os funcionários relatam uma redução de 26% no esgotamento no local de trabalho, em comparação com as pessoas que não têm acesso ao trabalho remoto. O esgotamento no local de trabalho cai 43% quando os funcionários têm acesso ao trabalho remoto, e seus gerentes demonstram empatia, em comparação com pessoas sem acesso ao trabalho remoto ou sem gerentes empáticos.

O estudo também mostra que os funcionários com acesso ao trabalho remoto são 30% menos propensos a procurar outro emprego no próximo ano, em comparação com as pessoas que não têm acesso ao trabalho remoto. As mulheres com responsabilidades relacionadas aos cuidados com os filhos são 32% menos propensas a relatar intenção de sair do emprego quando têm acesso ao trabalho remoto, em comparação com as mulheres com responsabilidades relacionadas aos cuidados com os filhos que não têm acesso ao trabalho remoto.

Não é de se surpreender que o relatório observe que as expectativas atuais de que o funcionário esteja sempre à disposição no trabalho são insustentáveis e recomenda às empresas as seguintes soluções para ajudar a combater o esgotamento: 

  • Criar políticas de trabalho remoto que detalhem as expectativas para funcionários, gerentes e equipes.
  • Gerentes de aperfeiçoamento sobre como gerenciar equipes remotas de forma inclusiva.
  • Investir em programas e bolsas de estudo para funcionários que precisem de opções adicionais de cuidados com as crianças.
  • Normalizar a escuta com empatia por meio de verificações regulares e outras oportunidades de compartilhar experiências de vida e trabalho.

"O esgotamento leva à rotatividade, mas isso pode ser mitigado por políticas de trabalho remoto intencionais e liderança inclusiva e empática", disse Lorraine Hariton, presidente e CEO da Catalyst. "Quando implementadas de forma eficaz, as opções de trabalho flexível e remoto para os funcionários, no fim das contas, ajudam as empresas a ter acesso a mais talentos e menos rotatividade e também a aumentar a inovação e a produtividade."

Saiba mais e baixe o estudo https://www.catalyst.org/reports/remote-work-burnout-productivity/.

Sobre a Catalyst

A Catalyst é uma organização global sem fins lucrativos que trabalha com alguns dos CEOs mais poderosos do mundo e com importantes empresas para ajudar a construir ambientes de trabalho favoráveis às mulheres. Fundada em 1962, a Catalyst promove mudanças com pesquisas pioneiras, ferramentas práticas e soluções comprovadas para acelerar e conduzir as mulheres à liderança, porque o progresso para as mulheres significa progresso para todos.

Contatos:

Naomi R. Patton

Vice-presidente, mídia e relações públicas

Catalyst

npatton@catalyst.org

Stephanie Wolf

Consultora de comunicações nos EUA

Catalyst

stephanie@stephaniewolfpr.com

Francine Beck

Consultora de comunicações no Canadá

Catalyst

francine@fbstrategiesgroup.com

Frances Knox

Consultora de comunicações na região EMEA

Catalyst

frances@frankly-pr.co.uk

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/732308/Catalyst_Tagline_Logo.jpg  

FONTE Catalyst

Você acabou de ler:

Crise de ''esgotamento'' no trabalho ameaça locais de trabalho após a pandemia

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/crise-de-esgotamento-no-trabalho-ameaca-locais-de-trabalho-apos-a-pandemia/