Da Conferência Internacional da Associação de Alzheimer 2020: exame de sangue para Alzheimer? Marcadores de tau nos levam um passo mais perto

CHICAGO, 28 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Um simples exame de sangue para a doença de Alzheimer seria um grande avanço para indivíduos com a doença e aqueles sob risco de tê-la, assim como para familiares, médicos e pesquisadores.

Na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) 2020, os cientistas divulgaram resultados de vários estudos sobre os avanços nos "exames" de sangue para versões anormais da proteína tau, uma das quais pode detectar alterações no cérebro 20 anos antes de os sintomas de demência começarem. Em particular, os relatos se concentram em uma forma específica de tau, conhecida como p-tau217, que parece ser a mais específica para a doença de Alzheimer e a mais precoce em mostrar mudanças mensuráveis.

Alterações nas proteínas cerebrais amilóide e tau, e sua formação em aglomerados conhecidos como placas e emaranhados, respectivamente, estão definindo características físicas da doença de Alzheimer no cérebro. Pensa-se que o acúmulo de emaranhados de tau se correlaciona intimamente com o declínio cognitivo. Nos resultados divulgados recentemente, os níveis sanguíneos/plasmáticos de p-tau217, uma das formas de tau encontradas nos emaranhados, também parecem se correlacionar intimamente com o acúmulo de amilóide.

Atualmente, as alterações cerebrais que ocorrem antes do aparecimento dos sintomas da demência do Alzheimer só podem ser avaliadas com segurança por tomografia de emissão de pósitrons e pela medição das proteínas amilóide e tau no líquido espinhal (LCR). Esses métodos são caros e invasivos. E, muitas vezes, não estão disponíveis porque não são cobertos pelo seguro saúde ou de difícil acesso, ou ambos.

"Existe a necessidade urgente de ferramentas de diagnóstico simples, baratas, não invasivas e facilmente disponíveis para a doença de Alzheimer. Novas tecnologias de teste também podem apoiar o desenvolvimento de medicamentos de várias formas. Por exemplo, ajudando a identificar as pessoas certas para os estudos clínicos e acompanhando o impacto das terapias em teste", disse Maria C. Carrillo, Ph.D., diretora de ciências da Associação de Alzheimer. "A possibilidade de detecção precoce e da intervenção com tratamento antes que ocorram danos significativos ao cérebro pela doença de Alzheimer seriam uma mudança radical para os indivíduos, as famílias e o nosso sistema de saúde".

Um exame de sangue, por exemplo, permitirá a interpretação e o entendimento da progressão da doença de Alzheimer em populações muito maiores, mais diversas e mais robustas.

"Embora esses novos relatos sejam encorajadores, são resultados iniciais e ainda não sabemos quanto tempo levará até que esses exames estejam disponíveis para uso clínico. Precisam ser testados em estudos de longo prazo e em grande escala, como os estudos clínicos da doença de Alzheimer", acrescentou Maria Carrillo. "Além disso, precisamos continuar a pesquisa para refinar e confirmar que os exames são de última geração, incluindo o líquido cefalorraquidiano e os biomarcadores de tomografia".

O p-tau217 no sangue detecta a doença de Alzheimer (ou seja, placas e emaranhados) com alta precisão

Conforme divulgado na AAIC 2020, uma equipe internacional de pesquisadores identificou um biomarcador sanguíneo altamente preciso para a detecção da doença de Alzheimer, medindo os níveis de p-tau217 no sangue, e validou o achado em várias populações diversas. Os cientistas descobriram que "a precisão diagnóstica do p-tau217 no sangue era tão alta quanto os métodos de diagnóstico estabelecidos, entre eles, a tomografia por emissão de pósitrons e os biomarcadores de líquido cefalorraquidiano, que são invasivos, dispendiosos e menos disponíveis".

A equipe de pesquisa foi liderada pelo Dr. Oskar Hansson, Ph.D., da Universidade de Lund, Suécia, em coordenação com o Dr. Sebastian Palmqvist, Ph.D., e Shorena Janelidze, Ph.D., também da Lund, o Dr. Eric Reiman, do Banner Alzheimer's Institute, EUA, Jeffrey Dage, Ph.D., da Eli Lilly, EUA, e outros colegas de pesquisa. Os pesquisadores da Universidade de Lund apresentaram os resultados na AAIC, que também foram publicados on-line.

Eles estudaram três coortes diferentes, compreendendo mais de 1.400 casos, incluindo um grande estudo clínico da Suécia (o BioFINDER-2), uma coorte com confirmação neuropatológica da doença de Alzheimer (o Arizona Study of Aging and Neurodegenerative Disorders) e uma grande coorte relacionada com o Alzheimer de origem genética (registro colombiano de Alzheimer autossômico dominante). Analisaram outros biomarcadores experimentais atuais (p-tau217, p-tau181, Aβ42/40 e cadeia leve de neurofilamentos) no sangue e no líquido cefalorraquidiano, bem como fizeram imagens PET para patologia tau e amilóide.

A principal descoberta do estudo foi que o p-tau217 no sangue pode diferenciar a doença de Alzheimer de outras doenças neurodegenerativas com precisão diagnóstica entre 89% e 98%. Nesse estudo, a avaliação de p-tau217 foi mais precisa para a doença de Alzheimer do que os testes sanguíneos para p-tau181, luz de neurofilamento ou razão amilóide beta 42/40, bem como ressonância magnética (RM). De fato, de acordo com os pesquisadores, o desempenho foi semelhante a métodos significativamente mais caros, como tomografias e biomarcadores de líquido cefalorraquidiano.

Os pesquisadores também descobriram que o p-tau217 analisado no sangue coletado durante a vida pode detectar alterações cerebrais da tau medidas no tecido cerebral analisado após a morte. Imagina-se que essas alterações cerebrais da tau estejam relacionadas ao acúmulo de placa amilóide. O p-tau217 destacou pessoas que tinham placas e emaranhados sem patologia de Alzheimer, com 89% de precisão, aqueles com placas e emaranhados mais extensos com 98% de precisão e o resultado de tau por tomografia com 93% de precisão.

Os níveis de p-tau217 aumentaram cerca de sete vezes na doença de Alzheimer e, em indivíduos com o gene que causa a doença, os níveis começaram a aumentar já 20 anos antes do início do comprometimento cognitivo. "Esse teste, uma vez verificado e confirmado, abre a possibilidade de diagnóstico precoce da doença de Alzheimer antes do estágio de demência, o que é muito importante para estudos clínicos que avaliam novas terapias que podem interromper ou retardar o processo da doença", disse Hansson.

Amilóide e p-tau no sangue são marcadores precisos de amiloidose cerebral e tauopatia

Para avançar na pesquisa de um exame de sangue para a doença de Alzheimer, a Dra. Suzanne Schindler, Ph.D., da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, e colegas avaliaram o desempenho de uma variedade de medidas de amilóide e tau no sangue.

Usando espectrometria de massa, os cientistas mapearam a proteína tau no plasma sanguíneo e compararam os resultados às medidas identificadas no LCR e na tomografia. Comparados à forma tau mais conhecida, p-tau181, eles descobriram que o p-tau217 estava mais intimamente ligado ao acúmulo de placas amilóides no cérebro, conforme medido por uma tomografia.

Além disso, seus resultados sugerem que medir níveis de p-tau no sangue de várias formas diferentes ao longo do tempo pode permitir que médicos e pesquisadores acompanhem os estágios da progressão da doença de Alzheimer.

Segundo os pesquisadores, um exame de sangue para a doença de Alzheimer, que incorpore medidas de amilóide e tau, poderá permitir diagnósticos de demência mais precoces e precisos, não apenas em participantes de pesquisas, mas também em pacientes clínicos.

Os cientistas lançaram o Estudo para avaliar o amilóide no sangue e imagens relacionadas à demência (SEABIRD) para desenvolver e validar biomarcadores sanguíneos de Alzheimer em uma coorte mais diversificada e representativa da região metropolitana de St. Louis. O SEABIRD terá mais de 1.100 participantes, incluindo diversidade de raça, nível socioeconômico, histórico médico e nível cognitivo.

O p-tau217 no plasma é comparável ao p-tau181 para distinguir entre Alzheimer e degeneração lobar frontotemporal

Estudos recentes mostraram que o p-tau181 é três vezes mais alto em pessoas com Alzheimer, em comparação com idosos saudáveis ou pessoas com uma doença neurodegenerativa conhecida como degeneração lobar frontotemporal (FTLD). Na AAIC 2020, a Dra. Elisabeth Thijssen e o Dr. Adam L. Boxer, Ph.D., do UCSF Memory and Aging Center e colegas divulgaram uma comparação de p-tau181 com uma forma relacionada de tau chamada p- tau217, para determinar qual formulário pode identificar melhor as pessoas com Alzheimer.

O estudo retrospectivo teve 617 participantes: 119 saudáveis no grupo controle, 74 casos de Alzheimer (confirmado por biomarcador) e 294 FTLD. Nesse grupo de estudo, o p-tau181 no plasma aumentou três vezes em pessoas com Alzheimer em comparação aos controles e FTLD. O aumento do p-tau217 no plasma foi ainda maior: cinco vezes na doença de Alzheimer em comparação com controles saudáveis e quatro vezes em relação ao FTLD. Os resultados das comparações de plasma refletiram os achados de tau na tomografia do cérebro. O p-tau181 teve precisão de 91%, e o p-tau217 teve precisão de 96% ao prever se uma pessoa tinha resultado cerebral positivo para tau.

Segundo os pesquisadores, o estudo mostra que tanto o p-tau217 quanto o p-tau181 medidos no sangue são elevados na doença de Alzheimer, e que as medições correspondem intimamente aos resultados da tomografia "padrão-ouro". É provável que esses exames de sangue sejam úteis para diagnosticar a doença de Alzheimer e como ferramentas de monitoramento em estudos clínicos para medir os efeitos do tratamento com as novas terapias.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC funciona como um catalisador para gerar novos conhecimentos sobre demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e colegiada.

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada aos tratamentos, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Tem como missão liderar o caminho para acabar com a doença de Alzheimer e todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, promovendo a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a assistência e o apoio de qualidade. Visite o site alz.org ou ligue para 800 272-3900. 

  • Oskar Hansson, PhD, et al. Phospho-tau217 and phospho-tau181 in plasma and CSF as biomarkers for Alzheimer's disease. (Financiador(es): Conselho de Pesquisa Sueco, a Fundação Knut e Alice Wallenberg e a Fundação Sueca de Alzheimer)
  • Shorena Janelidze, PhD, et al. Plasma phospho-tau217 is a potential early diagnostic and prognostic biomarker of Alzheimer's disease. (Financiador(es): Conselho de Pesquisa Sueco, a Fundação Knut e Alice Wallenberg e a Fundação Sueca de Alzheimer)
  • Dra. Suzanne Schindler, PhD, et al. Mass spectrometry measures of plasma Aβ, tau and p-tau isoforms relationship to amyloid PET, tau PET, and clinical stage of Alzheimer's disease. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Dra. Elisabeth Thijssen, et al. Comparative diagnostic performance of plasma P-tau217 and P-tau181 in Alzheimer's Disease and Frontotemporal Lobar Degeneration and correlations with [18F]Flortaucipir-PET uptake. (Financiador(es): Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA, Centro Nacional de Ciências Translacionais, Consórcio de Pesquisa sobre Tau)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1219566/AAIC_2020_Logo.jpg

FONTE Alzheimer's Association

CHICAGO, 28 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Um simples exame de sangue para a doença de Alzheimer seria um grande avanço para indivíduos com a doença e aqueles sob risco de tê-la, assim como para familiares, médicos e pesquisadores.

Na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) 2020, os cientistas divulgaram resultados de vários estudos sobre os avanços nos "exames" de sangue para versões anormais da proteína tau, uma das quais pode detectar alterações no cérebro 20 anos antes de os sintomas de demência começarem. Em particular, os relatos se concentram em uma forma específica de tau, conhecida como p-tau217, que parece ser a mais específica para a doença de Alzheimer e a mais precoce em mostrar mudanças mensuráveis.

Alterações nas proteínas cerebrais amilóide e tau, e sua formação em aglomerados conhecidos como placas e emaranhados, respectivamente, estão definindo características físicas da doença de Alzheimer no cérebro. Pensa-se que o acúmulo de emaranhados de tau se correlaciona intimamente com o declínio cognitivo. Nos resultados divulgados recentemente, os níveis sanguíneos/plasmáticos de p-tau217, uma das formas de tau encontradas nos emaranhados, também parecem se correlacionar intimamente com o acúmulo de amilóide.

Atualmente, as alterações cerebrais que ocorrem antes do aparecimento dos sintomas da demência do Alzheimer só podem ser avaliadas com segurança por tomografia de emissão de pósitrons e pela medição das proteínas amilóide e tau no líquido espinhal (LCR). Esses métodos são caros e invasivos. E, muitas vezes, não estão disponíveis porque não são cobertos pelo seguro saúde ou de difícil acesso, ou ambos.

"Existe a necessidade urgente de ferramentas de diagnóstico simples, baratas, não invasivas e facilmente disponíveis para a doença de Alzheimer. Novas tecnologias de teste também podem apoiar o desenvolvimento de medicamentos de várias formas. Por exemplo, ajudando a identificar as pessoas certas para os estudos clínicos e acompanhando o impacto das terapias em teste", disse Maria C. Carrillo, Ph.D., diretora de ciências da Associação de Alzheimer. "A possibilidade de detecção precoce e da intervenção com tratamento antes que ocorram danos significativos ao cérebro pela doença de Alzheimer seriam uma mudança radical para os indivíduos, as famílias e o nosso sistema de saúde".

Um exame de sangue, por exemplo, permitirá a interpretação e o entendimento da progressão da doença de Alzheimer em populações muito maiores, mais diversas e mais robustas.

"Embora esses novos relatos sejam encorajadores, são resultados iniciais e ainda não sabemos quanto tempo levará até que esses exames estejam disponíveis para uso clínico. Precisam ser testados em estudos de longo prazo e em grande escala, como os estudos clínicos da doença de Alzheimer", acrescentou Maria Carrillo. "Além disso, precisamos continuar a pesquisa para refinar e confirmar que os exames são de última geração, incluindo o líquido cefalorraquidiano e os biomarcadores de tomografia".

O p-tau217 no sangue detecta a doença de Alzheimer (ou seja, placas e emaranhados) com alta precisão

Conforme divulgado na AAIC 2020, uma equipe internacional de pesquisadores identificou um biomarcador sanguíneo altamente preciso para a detecção da doença de Alzheimer, medindo os níveis de p-tau217 no sangue, e validou o achado em várias populações diversas. Os cientistas descobriram que "a precisão diagnóstica do p-tau217 no sangue era tão alta quanto os métodos de diagnóstico estabelecidos, entre eles, a tomografia por emissão de pósitrons e os biomarcadores de líquido cefalorraquidiano, que são invasivos, dispendiosos e menos disponíveis".

A equipe de pesquisa foi liderada pelo Dr. Oskar Hansson, Ph.D., da Universidade de Lund, Suécia, em coordenação com o Dr. Sebastian Palmqvist, Ph.D., e Shorena Janelidze, Ph.D., também da Lund, o Dr. Eric Reiman, do Banner Alzheimer's Institute, EUA, Jeffrey Dage, Ph.D., da Eli Lilly, EUA, e outros colegas de pesquisa. Os pesquisadores da Universidade de Lund apresentaram os resultados na AAIC, que também foram publicados on-line.

Eles estudaram três coortes diferentes, compreendendo mais de 1.400 casos, incluindo um grande estudo clínico da Suécia (o BioFINDER-2), uma coorte com confirmação neuropatológica da doença de Alzheimer (o Arizona Study of Aging and Neurodegenerative Disorders) e uma grande coorte relacionada com o Alzheimer de origem genética (registro colombiano de Alzheimer autossômico dominante). Analisaram outros biomarcadores experimentais atuais (p-tau217, p-tau181, Aβ42/40 e cadeia leve de neurofilamentos) no sangue e no líquido cefalorraquidiano, bem como fizeram imagens PET para patologia tau e amilóide.

A principal descoberta do estudo foi que o p-tau217 no sangue pode diferenciar a doença de Alzheimer de outras doenças neurodegenerativas com precisão diagnóstica entre 89% e 98%. Nesse estudo, a avaliação de p-tau217 foi mais precisa para a doença de Alzheimer do que os testes sanguíneos para p-tau181, luz de neurofilamento ou razão amilóide beta 42/40, bem como ressonância magnética (RM). De fato, de acordo com os pesquisadores, o desempenho foi semelhante a métodos significativamente mais caros, como tomografias e biomarcadores de líquido cefalorraquidiano.

Os pesquisadores também descobriram que o p-tau217 analisado no sangue coletado durante a vida pode detectar alterações cerebrais da tau medidas no tecido cerebral analisado após a morte. Imagina-se que essas alterações cerebrais da tau estejam relacionadas ao acúmulo de placa amilóide. O p-tau217 destacou pessoas que tinham placas e emaranhados sem patologia de Alzheimer, com 89% de precisão, aqueles com placas e emaranhados mais extensos com 98% de precisão e o resultado de tau por tomografia com 93% de precisão.

Os níveis de p-tau217 aumentaram cerca de sete vezes na doença de Alzheimer e, em indivíduos com o gene que causa a doença, os níveis começaram a aumentar já 20 anos antes do início do comprometimento cognitivo. "Esse teste, uma vez verificado e confirmado, abre a possibilidade de diagnóstico precoce da doença de Alzheimer antes do estágio de demência, o que é muito importante para estudos clínicos que avaliam novas terapias que podem interromper ou retardar o processo da doença", disse Hansson.

Amilóide e p-tau no sangue são marcadores precisos de amiloidose cerebral e tauopatia

Para avançar na pesquisa de um exame de sangue para a doença de Alzheimer, a Dra. Suzanne Schindler, Ph.D., da Escola de Medicina da Universidade de Washington, em St. Louis, e colegas avaliaram o desempenho de uma variedade de medidas de amilóide e tau no sangue.

Usando espectrometria de massa, os cientistas mapearam a proteína tau no plasma sanguíneo e compararam os resultados às medidas identificadas no LCR e na tomografia. Comparados à forma tau mais conhecida, p-tau181, eles descobriram que o p-tau217 estava mais intimamente ligado ao acúmulo de placas amilóides no cérebro, conforme medido por uma tomografia.

Além disso, seus resultados sugerem que medir níveis de p-tau no sangue de várias formas diferentes ao longo do tempo pode permitir que médicos e pesquisadores acompanhem os estágios da progressão da doença de Alzheimer.

Segundo os pesquisadores, um exame de sangue para a doença de Alzheimer, que incorpore medidas de amilóide e tau, poderá permitir diagnósticos de demência mais precoces e precisos, não apenas em participantes de pesquisas, mas também em pacientes clínicos.

Os cientistas lançaram o Estudo para avaliar o amilóide no sangue e imagens relacionadas à demência (SEABIRD) para desenvolver e validar biomarcadores sanguíneos de Alzheimer em uma coorte mais diversificada e representativa da região metropolitana de St. Louis. O SEABIRD terá mais de 1.100 participantes, incluindo diversidade de raça, nível socioeconômico, histórico médico e nível cognitivo.

O p-tau217 no plasma é comparável ao p-tau181 para distinguir entre Alzheimer e degeneração lobar frontotemporal

Estudos recentes mostraram que o p-tau181 é três vezes mais alto em pessoas com Alzheimer, em comparação com idosos saudáveis ou pessoas com uma doença neurodegenerativa conhecida como degeneração lobar frontotemporal (FTLD). Na AAIC 2020, a Dra. Elisabeth Thijssen e o Dr. Adam L. Boxer, Ph.D., do UCSF Memory and Aging Center e colegas divulgaram uma comparação de p-tau181 com uma forma relacionada de tau chamada p- tau217, para determinar qual formulário pode identificar melhor as pessoas com Alzheimer.

O estudo retrospectivo teve 617 participantes: 119 saudáveis no grupo controle, 74 casos de Alzheimer (confirmado por biomarcador) e 294 FTLD. Nesse grupo de estudo, o p-tau181 no plasma aumentou três vezes em pessoas com Alzheimer em comparação aos controles e FTLD. O aumento do p-tau217 no plasma foi ainda maior: cinco vezes na doença de Alzheimer em comparação com controles saudáveis e quatro vezes em relação ao FTLD. Os resultados das comparações de plasma refletiram os achados de tau na tomografia do cérebro. O p-tau181 teve precisão de 91%, e o p-tau217 teve precisão de 96% ao prever se uma pessoa tinha resultado cerebral positivo para tau.

Segundo os pesquisadores, o estudo mostra que tanto o p-tau217 quanto o p-tau181 medidos no sangue são elevados na doença de Alzheimer, e que as medições correspondem intimamente aos resultados da tomografia "padrão-ouro". É provável que esses exames de sangue sejam úteis para diagnosticar a doença de Alzheimer e como ferramentas de monitoramento em estudos clínicos para medir os efeitos do tratamento com as novas terapias.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC funciona como um catalisador para gerar novos conhecimentos sobre demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e colegiada.

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada aos tratamentos, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Tem como missão liderar o caminho para acabar com a doença de Alzheimer e todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, promovendo a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a assistência e o apoio de qualidade. Visite o site alz.org ou ligue para 800 272-3900. 

  • Oskar Hansson, PhD, et al. Phospho-tau217 and phospho-tau181 in plasma and CSF as biomarkers for Alzheimer's disease. (Financiador(es): Conselho de Pesquisa Sueco, a Fundação Knut e Alice Wallenberg e a Fundação Sueca de Alzheimer)
  • Shorena Janelidze, PhD, et al. Plasma phospho-tau217 is a potential early diagnostic and prognostic biomarker of Alzheimer's disease. (Financiador(es): Conselho de Pesquisa Sueco, a Fundação Knut e Alice Wallenberg e a Fundação Sueca de Alzheimer)
  • Dra. Suzanne Schindler, PhD, et al. Mass spectrometry measures of plasma Aβ, tau and p-tau isoforms relationship to amyloid PET, tau PET, and clinical stage of Alzheimer's disease. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Dra. Elisabeth Thijssen, et al. Comparative diagnostic performance of plasma P-tau217 and P-tau181 in Alzheimer's Disease and Frontotemporal Lobar Degeneration and correlations with [18F]Flortaucipir-PET uptake. (Financiador(es): Instituto Nacional do Envelhecimento dos EUA, Centro Nacional de Ciências Translacionais, Consórcio de Pesquisa sobre Tau)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1219566/AAIC_2020_Logo.jpg

FONTE Alzheimer's Association

Você acabou de ler:

Da Conferência Internacional da Associação de Alzheimer 2020: exame de sangue para Alzheimer? Marcadores de tau nos levam um passo mais perto

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/da-conferencia-internacional-da-associacao-de-alzheimer-2020-exame-de-sangue-para-alzheimer-marcadores-de-tau-nos-levam-um-passo-mais-perto/