Da Conferência Internacional da Associação de Alzheimer 2020: os fatores de risco para Alzheimer podem ser mensuráveis em adolescentes e adultos jovens

CHICAGO, 30 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Os fatores de risco para a demência de Alzheimer podem ser aparentes desde a adolescência e na faixa dos 20 anos, de acordo com uma nova pesquisa divulgada na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) 2020.

Entre os fatores de risco, muitos dos quais são desproporcionalmente aparentes em afro-americanos, estão os fatores da saúde cardíaca, como a pressão alta, o colesterol alto e o diabetes, e fatores sociais como a qualidade da educação. De acordo com o relatório de fatos e números da doença de Alzheimer da Associação de Alzheimer, os afro-americanos mais velhos têm duas vezes mais chances de ter Alzheimer ou outras demências do que os brancos mais velhos.

"Ao identificar, verificar e agir para combater os fatores de risco de Alzheimer que podemos mudar, podemos reduzir novos casos e, mais adiante, o número total de pessoas com Alzheimer e outras demências", disse Maria C. Carrillo, Ph.D., diretora de ciência da Associação de Alzheimer. "Pesquisas como essa são importantes no tratamento das iniquidades em saúde e no fornecimento de recursos que possam ter impacto positivo na vida de uma pessoa".

"Esses novos relatórios da AAIC 2020 mostram que nunca é cedo ou tarde demais para agir no sentido de proteger a memória e a habilidade de pensar", disse ela.

A Associação de Alzheimer está liderando o estudo dos EUA para proteger a saúde do cérebro por meio da intervenção no estilo de vida para reduzir riscos (US POINTER), um estudo clínico de dois anos para avaliar se as intervenções no estilo de vida que visam simultaneamente muitos fatores de risco protegem a função cognitiva em adultos mais velhos em risco de declínio cognitivo. O US POINTER é o primeiro estudo desse tipo a ser realizado em um grupo grande e diversificado de norte-americanos nos Estados Unidos.

Juventude afro-americana sob risco mais alto de demência

Em uma população de mais de 714 afro-americanos no estudo de envelhecimento saudável em afro-americanos (STAR), Kristen George, Ph.D., mestre em saúde pública pela Universidade da Califórnia, Davis, e colegas descobriram que pressão alta e diabetes, ou uma combinação de múltiplos fatores relacionados à saúde do coração, são comuns na adolescência e estão associadas à pior cognição no final da vida. Os participantes do estudo foram adolescentes (n = 165; 12 a 20 anos), adultos jovens (n = 439; 21 a 34 anos) e adultos (n = 110; 35 a 56 anos). A idade média na avaliação cognitiva foi de 68 anos.

A cognição foi medida usando testes presenciais de memória e função executiva. Os pesquisadores descobriram que, nesta população de estudo, ter diabetes, pressão alta ou dois ou mais fatores de risco para a saúde cardíaca na adolescência, idade adulta jovem ou meia-idade estava associado à cognição significativamente pior na vida adulta. Essas diferenças persistiram após contabilizar idade, sexo, anos desde que os fatores de risco foram medidos e escolaridade.

Antes desse relatório, pouco se sabia sobre se os fatores de risco para doenças cardiovasculares (DCV) desenvolvidos antes da meia-idade estavam associados à cognição tardia. Essa é uma questão importante, uma vez que os afro-americanos têm risco mais alto de fatores de risco para DCV em comparação com outros grupos raciais/étnicos, da adolescência à idade adulta.

Segundo os pesquisadores, essas descobertas sugerem que os fatores de risco para DCV na adolescência influenciam a saúde cerebral tardia em afro-americanos. Os esforços para promover estilos de vida saudáveis para o coração e o cérebro não devem incluir apenas adultos de meia idade, mas também adultos e adolescentes mais jovens que podem ser especialmente suscetíveis ao impacto negativo da saúde vascular precária no cérebro.

IMC em adultos jovens associado ao risco de demência tardia

No que os autores afirmam ser o primeiro estudo a divulgar o assunto, o índice de massa corporal (IMC) mais alto na idade adulta (20 a 49 anos) foi associado ao risco mais alto de demência tardia.

Sabe-se relativamente pouco sobre o papel do IMC no início da vida em relação ao risco de Alzheimer e outras demências. Os cientistas estudaram o total de 5.104 idosos de dois estudos, incluindo 2.909 do estudo de saúde cardiovascular (CHS) e 2.195 do estudo de saúde, envelhecimento e composição corporal (Health ABC). Do total da amostra, 18% eram negros e 56% eram mulheres. Usando dados agrupados de quatro coortes estabelecidas que abrangem o curso da vida adulta, incluindo as duas do estudo, os cientistas estimaram o IMC a partir dos 20 anos de idade para todos os idosos do CHS e do Health ABC.

  • Para as mulheres, o risco de demência aumentou com o IMC mais alto na idade adulta. Comparado às mulheres com IMC normal no início da idade adulta, o risco de demência foi 1,8 vezes mais alto entre as que estavam acima do peso e 2,5 vezes maior entre as que estavam obesas. As análises foram ajustadas para IMC de meia-idade e final da vida.
    • Não foram encontradas associações entre o IMC na meia-idade e o risco de demência entre as mulheres.
  • Para os homens, o risco de demência foi 2,5 vezes mais alto entre os obesos no início da idade adulta, 1,5 vezes mais alto entre os que estavam acima do peso na meia-idade e 2 vezes mais alto entre aqueles que estavam obesos na meia-idade, em modelos também ajustados para o IMC do final da vida.
  • Tanto para mulheres quanto homens, o risco de demência diminuiu com o IMC mais alto no final da vida.

Adina Zeki Al Hazzouri, Ph.D. da Universidade de Columbia, e colegas descobriram que o IMC alto na idade adulta é um fator de risco para demência no final da vida. Os pesquisadores sugerem que os esforços para reduzir o risco de demência podem precisar começar mais cedo na vida, com foco na prevenção e tratamento da obesidade.

A qualidade da educação infantil influencia o risco de demência

Em um grupo diversificado de mais de 2.400 pessoas acompanhadas até os 21 anos, a educação de alta qualidade na infância foi associada ao melhor desempenho da linguagem e memória e menor risco de demência tardia. Os resultados foram um pouco diferentes entre homens e mulheres, e entre negros e brancos no estudo.

O estudo incluiu 2.446 homens e mulheres negros e brancos, com 65 anos ou mais, participantes do Projeto de envelhecimento de Washington Heights/Inwood Columbia, que frequentaram a escola fundamental nos Estados Unidos. A variável de qualidade escolar baseada em medidas históricas incluiu: idade obrigatória para matrícula escolar, idade mínima para o abandono escolar, duração do ano letivo, proporção aluno-professor e frequência do aluno.

As pessoas que frequentaram a escola em estados com educação de menor qualidade tiveram declínio mais rápido na memória e na linguagem quando adultos mais velhos. Mulheres e homens negros e mulheres brancas que frequentaram escolas em estados com educação de qualidade mais alta estavam menos propensos a desenvolver demência. Segundo os cientistas, os resultados foram explicados, em parte, porque as pessoas que frequentam escolas de qualidade superior acabam tendo mais tempo de estudo.

Justina Avila-Rieger, PhD, pesquisadora de pós-doutorado do Irving Medical Center da Universidade de Columbia, e colegas afirmam que as descobertas fornecem evidências de que o risco de demência no final da vida e a função cognitiva são influenciados pelas políticas educacionais estaduais do início da vida.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC funciona como um catalisador para gerar novos conhecimentos sobre demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e colegiada.

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada aos tratamentos, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Tem como missão liderar o caminho para acabar com a doença de Alzheimer e todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, promovendo a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a assistência e o apoio de qualidade. Visite o site alz.org ou ligue para 800 272-3900.

  • Kristen George, PhD, MPH, et al. Cardiovascular risk factors in adolescence and adulthood and late-life cognition: Study of healthy aging in African Americans (STAR). (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Adina Zeki Al Hazzouri, PhD, et al. Association of early life BMI with dementia risk: Findings from a pooled cohort analysis. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Justina Avila-Rieger, et al. Relationship between state-level administrative school quality data, years of education, cognitive decline, and dementia risk. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1219566/AAIC_2020_Logo.jpg 

 

FONTE Alzheimer’s Association

CHICAGO, 30 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Os fatores de risco para a demência de Alzheimer podem ser aparentes desde a adolescência e na faixa dos 20 anos, de acordo com uma nova pesquisa divulgada na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) 2020.

Entre os fatores de risco, muitos dos quais são desproporcionalmente aparentes em afro-americanos, estão os fatores da saúde cardíaca, como a pressão alta, o colesterol alto e o diabetes, e fatores sociais como a qualidade da educação. De acordo com o relatório de fatos e números da doença de Alzheimer da Associação de Alzheimer, os afro-americanos mais velhos têm duas vezes mais chances de ter Alzheimer ou outras demências do que os brancos mais velhos.

"Ao identificar, verificar e agir para combater os fatores de risco de Alzheimer que podemos mudar, podemos reduzir novos casos e, mais adiante, o número total de pessoas com Alzheimer e outras demências", disse Maria C. Carrillo, Ph.D., diretora de ciência da Associação de Alzheimer. "Pesquisas como essa são importantes no tratamento das iniquidades em saúde e no fornecimento de recursos que possam ter impacto positivo na vida de uma pessoa".

"Esses novos relatórios da AAIC 2020 mostram que nunca é cedo ou tarde demais para agir no sentido de proteger a memória e a habilidade de pensar", disse ela.

A Associação de Alzheimer está liderando o estudo dos EUA para proteger a saúde do cérebro por meio da intervenção no estilo de vida para reduzir riscos (US POINTER), um estudo clínico de dois anos para avaliar se as intervenções no estilo de vida que visam simultaneamente muitos fatores de risco protegem a função cognitiva em adultos mais velhos em risco de declínio cognitivo. O US POINTER é o primeiro estudo desse tipo a ser realizado em um grupo grande e diversificado de norte-americanos nos Estados Unidos.

Juventude afro-americana sob risco mais alto de demência

Em uma população de mais de 714 afro-americanos no estudo de envelhecimento saudável em afro-americanos (STAR), Kristen George, Ph.D., mestre em saúde pública pela Universidade da Califórnia, Davis, e colegas descobriram que pressão alta e diabetes, ou uma combinação de múltiplos fatores relacionados à saúde do coração, são comuns na adolescência e estão associadas à pior cognição no final da vida. Os participantes do estudo foram adolescentes (n = 165; 12 a 20 anos), adultos jovens (n = 439; 21 a 34 anos) e adultos (n = 110; 35 a 56 anos). A idade média na avaliação cognitiva foi de 68 anos.

A cognição foi medida usando testes presenciais de memória e função executiva. Os pesquisadores descobriram que, nesta população de estudo, ter diabetes, pressão alta ou dois ou mais fatores de risco para a saúde cardíaca na adolescência, idade adulta jovem ou meia-idade estava associado à cognição significativamente pior na vida adulta. Essas diferenças persistiram após contabilizar idade, sexo, anos desde que os fatores de risco foram medidos e escolaridade.

Antes desse relatório, pouco se sabia sobre se os fatores de risco para doenças cardiovasculares (DCV) desenvolvidos antes da meia-idade estavam associados à cognição tardia. Essa é uma questão importante, uma vez que os afro-americanos têm risco mais alto de fatores de risco para DCV em comparação com outros grupos raciais/étnicos, da adolescência à idade adulta.

Segundo os pesquisadores, essas descobertas sugerem que os fatores de risco para DCV na adolescência influenciam a saúde cerebral tardia em afro-americanos. Os esforços para promover estilos de vida saudáveis para o coração e o cérebro não devem incluir apenas adultos de meia idade, mas também adultos e adolescentes mais jovens que podem ser especialmente suscetíveis ao impacto negativo da saúde vascular precária no cérebro.

IMC em adultos jovens associado ao risco de demência tardia

No que os autores afirmam ser o primeiro estudo a divulgar o assunto, o índice de massa corporal (IMC) mais alto na idade adulta (20 a 49 anos) foi associado ao risco mais alto de demência tardia.

Sabe-se relativamente pouco sobre o papel do IMC no início da vida em relação ao risco de Alzheimer e outras demências. Os cientistas estudaram o total de 5.104 idosos de dois estudos, incluindo 2.909 do estudo de saúde cardiovascular (CHS) e 2.195 do estudo de saúde, envelhecimento e composição corporal (Health ABC). Do total da amostra, 18% eram negros e 56% eram mulheres. Usando dados agrupados de quatro coortes estabelecidas que abrangem o curso da vida adulta, incluindo as duas do estudo, os cientistas estimaram o IMC a partir dos 20 anos de idade para todos os idosos do CHS e do Health ABC.

  • Para as mulheres, o risco de demência aumentou com o IMC mais alto na idade adulta. Comparado às mulheres com IMC normal no início da idade adulta, o risco de demência foi 1,8 vezes mais alto entre as que estavam acima do peso e 2,5 vezes maior entre as que estavam obesas. As análises foram ajustadas para IMC de meia-idade e final da vida.
    • Não foram encontradas associações entre o IMC na meia-idade e o risco de demência entre as mulheres.
  • Para os homens, o risco de demência foi 2,5 vezes mais alto entre os obesos no início da idade adulta, 1,5 vezes mais alto entre os que estavam acima do peso na meia-idade e 2 vezes mais alto entre aqueles que estavam obesos na meia-idade, em modelos também ajustados para o IMC do final da vida.
  • Tanto para mulheres quanto homens, o risco de demência diminuiu com o IMC mais alto no final da vida.

Adina Zeki Al Hazzouri, Ph.D. da Universidade de Columbia, e colegas descobriram que o IMC alto na idade adulta é um fator de risco para demência no final da vida. Os pesquisadores sugerem que os esforços para reduzir o risco de demência podem precisar começar mais cedo na vida, com foco na prevenção e tratamento da obesidade.

A qualidade da educação infantil influencia o risco de demência

Em um grupo diversificado de mais de 2.400 pessoas acompanhadas até os 21 anos, a educação de alta qualidade na infância foi associada ao melhor desempenho da linguagem e memória e menor risco de demência tardia. Os resultados foram um pouco diferentes entre homens e mulheres, e entre negros e brancos no estudo.

O estudo incluiu 2.446 homens e mulheres negros e brancos, com 65 anos ou mais, participantes do Projeto de envelhecimento de Washington Heights/Inwood Columbia, que frequentaram a escola fundamental nos Estados Unidos. A variável de qualidade escolar baseada em medidas históricas incluiu: idade obrigatória para matrícula escolar, idade mínima para o abandono escolar, duração do ano letivo, proporção aluno-professor e frequência do aluno.

As pessoas que frequentaram a escola em estados com educação de menor qualidade tiveram declínio mais rápido na memória e na linguagem quando adultos mais velhos. Mulheres e homens negros e mulheres brancas que frequentaram escolas em estados com educação de qualidade mais alta estavam menos propensos a desenvolver demência. Segundo os cientistas, os resultados foram explicados, em parte, porque as pessoas que frequentam escolas de qualidade superior acabam tendo mais tempo de estudo.

Justina Avila-Rieger, PhD, pesquisadora de pós-doutorado do Irving Medical Center da Universidade de Columbia, e colegas afirmam que as descobertas fornecem evidências de que o risco de demência no final da vida e a função cognitiva são influenciados pelas políticas educacionais estaduais do início da vida.

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC)

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de Alzheimer e outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC funciona como um catalisador para gerar novos conhecimentos sobre demência e promover uma comunidade de pesquisa vital e colegiada.

Sobre a Associação de Alzheimer

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada aos tratamentos, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Tem como missão liderar o caminho para acabar com a doença de Alzheimer e todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, promovendo a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a assistência e o apoio de qualidade. Visite o site alz.org ou ligue para 800 272-3900.

  • Kristen George, PhD, MPH, et al. Cardiovascular risk factors in adolescence and adulthood and late-life cognition: Study of healthy aging in African Americans (STAR). (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Adina Zeki Al Hazzouri, PhD, et al. Association of early life BMI with dementia risk: Findings from a pooled cohort analysis. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)
  • Justina Avila-Rieger, et al. Relationship between state-level administrative school quality data, years of education, cognitive decline, and dementia risk. (Financiador(es): Instituto Nacional de Envelhecimento dos EUA)

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1219566/AAIC_2020_Logo.jpg 

 

FONTE Alzheimer’s Association

Você acabou de ler:

Da Conferência Internacional da Associação de Alzheimer 2020: os fatores de risco para Alzheimer podem ser mensuráveis em adolescentes e adultos jovens

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/da-conferencia-internacional-da-associacao-de-alzheimer-2020-os-fatores-de-risco-para-alzheimer-podem-ser-mensuraveis-em-adolescentes-e-adultos-jovens/