Empresas familiares correm o risco de ficarem para trás em termos de governança e sustentabilidade (ESG) - Pesquisa da PwC sobre negócios familiares

LONDRES, 16 de fevereiro de 2021 /PRNewswire/ -- Em um ano em que as empresas tiveram que transformar a forma como atendem às necessidades da sociedade e do meio ambiente, as empresas de propriedade familiar correm o risco de ficar para trás, de acordo com uma nova pesquisa global realizada com 2.801 proprietários de negócios familiares.

 

 

Embora mais da metade (55%) dos entrevistados vissem o potencial de seus negócios liderarem a sustentabilidade, apenas 37% têm uma estratégia definida. As empresas europeias e americanas estão atrasando seus parceiros asiáticos em seu compromisso de priorizar a sustentabilidade em sua estratégia. 79% dos entrevistados na China continental e 78% no Japão declararam: "Colocamos a sustentabilidade no centro de tudo o que fazemos" em comparação com 23% nos EUA e 39% no Reino Unido. As empresas maiores e de propriedade de gerações posteriores também aumentam a tendência, com maior enfoque na sustentabilidade.

Essa relutância em adotar a sustentabilidade surge apesar do fato de que as empresas de propriedade familiar são altamente propensas a observar alguma responsabilidade para com a sociedade. Mais de 80% participam de atividades de responsabilidade social proativa, e 71% buscaram manter o maior número de funcionários possível durante a pandemia. Nem é uma função do pessimismo econômico - menos da metade (46%) estimam que as vendas caiam apesar da pandemia e os entrevistados da pesquisa se sentiram otimistas quanto às habilidades de seus negócios em resistir e continuar a crescer em 2021 e 2022.

Em vez disso, a questão é uma concepção cada vez mais desatualizada de como as empresas devem responder à sociedade, com 76% nos Estados Unidos e 60% no Reino Unido dando maior ênfase à sua contribuição direta, muitas vezes por meio de iniciativas filantrópicas, em vez de por meio de uma abordagem estratégica para as questões ESG. As empresas familiares também estão um pouco isoladas com a pressão dos investidores que atualmente está forçando as empresas públicas a colocar as ESG (Melhores práticas ambientais, sociais e de governança corporativa) no centro de seus planos de longo prazo para o sucesso comercial.

Peter Englisch, líder global de negócios familiares na PwC diz:

"Está claro que as empresas familiares em todo o mundo têm um forte compromisso com um propósito social mais amplo. Entretanto, há uma pressão crescente de clientes, credores, acionistas e até mesmo de funcionários, para demonstrar um impacto significativo em relação à sustentabilidade e questões de ESG mais amplas. Muitas empresas listadas começaram a responder, mas esta pesquisa indica que as empresas familiares têm uma abordagem mais tradicional à contribuição social.

As empresas familiares devem se adaptar às expectativas em mudança e, ao não fazê-lo, estão criando um risco potencial para os negócios. Não se trata apenas de afirmar um compromisso de fazer o bem, mas estabelecer metas significativas e relatar que demonstram um sentido claro de seus valores e objetivos para ajudar as economias e as sociedades a se recuperar melhor."

Crescimento 

A pesquisa sugere que as empresas familiares resistiram à pandemia relativamente bem. Menos da metade (46%) estimam que as vendas caiam apesar da pandemia e os entrevistados da pesquisa se sentiram otimistas quanto às habilidades de seus negócios em resistir e continuar a crescer em 2021 e 2022.

Negócio de família atrasado no âmbito da transformação digital 

Embora 80% das empresas familiares se adaptem aos desafios da pandemia da COVID-19 ao permitir o trabalho em casa para os funcionários, também existem preocupações quanto à sua força geral quando se trata de transformação digital.

62% dos entrevistados descreveram seus recursos digitais como "não sólidos", com mais 19% descrevendo-os como um trabalho em andamento.

No entanto, aqui existem claras diferenças geracionais: 41% das empresas que se descrevem como digitalmente fortes são de 3ª ou 4ª geração, e as de próximas gerações assumiram um papel maior em 46% dos negócios digitalmente fortes.

Peter Englisch declara:

"É uma preocupação que as empresas familiares estejam ficando para trás. Há evidências claras de que ter fortes recursos digitais permite agilidade e sucesso e que eles têm um entusiasmo semelhante pela sustentabilidade

As empresas devem considerar como podem envolver a experiência e novas percepções das Próximas Gerações quando se trata de priorizar sua jornada digital."

A lacuna da governança 

Embora as empresas familiares relatem bons níveis de confiança, transparência e comunicação, a pesquisa destaca os benefícios de uma estrutura de governança profissional. Enquanto 79% afirmam que adotam alguma forma de procedimento de governança ou política em vigor, os números caem drasticamente em áreas importantes: pouco mais de um quarto deles afirmam ter uma constituição ou protocolo familiar, enquanto apenas 15% estabeleceram mecanismos de resolução de conflitos.

Peter Englisch declara:

"A harmonia familiar nunca deve ser desconsiderada - é algo que deve ser trabalhado e planejado, com o mesmo foco e profissionalismo que é aplicado à estratégia de negócios e às decisões operacionais.

Há crescentes preocupações de reguladores em todo o mundo sobre a sucessão de negócios de família, especialmente com um terço dos negócios de 1ª, 2ª ou 3ª geração, esperando que a próxima geração se torne acionistas majoritários nos próximos cinco anos.

"É, portanto, vital, que as empresas assumam a liderança em garantir que tenham processos formais implementados e possam garantir estabilidade e continuidade no longo prazo."

Notas aos editores 

  • A pesquisa sobre negócios familiares está disponível para leitura aqui: https://www.pwc.com/familybusinesssurvey
  • O relatório se baseia em 2.801 entrevistas realizadas com líderes de negócios familiares e tomadores de decisões em 87 territórios entre 05 de outubro e 11 de dezembro de 2020
  • Sobre a PwC 

    O objetivo da PwC é construir confiança na sociedade e resolver problemas importantes. Somos uma rede de empresas em 155 países, com mais de 284 mil funcionários que estão comprometidos em oferecer qualidade em serviços de garantia, consultoria e tributários. Saiba mais e diga-nos o que é importante para você, acessando: www.pwc.com.

    PwC refere-se à rede PwC e/ou a uma ou mais de suas empresas membros, cada uma das quais é uma entidade legal separada. Consulte www.pwc.com/structure para mais detalhes.

    © 2021 PwC. Todos os direitos reservados.

    Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1121790/PWC_Logo.jpg

    Contato: 

    David Bowden

    gerente de comunicações globais | PwC

    m: +44 (0)748365049

    e: david.bowden@pwc.com

    FONTE PwC

    LONDRES, 16 de fevereiro de 2021 /PRNewswire/ -- Em um ano em que as empresas tiveram que transformar a forma como atendem às necessidades da sociedade e do meio ambiente, as empresas de propriedade familiar correm o risco de ficar para trás, de acordo com uma nova pesquisa global realizada com 2.801 proprietários de negócios familiares.

     

     

    Embora mais da metade (55%) dos entrevistados vissem o potencial de seus negócios liderarem a sustentabilidade, apenas 37% têm uma estratégia definida. As empresas europeias e americanas estão atrasando seus parceiros asiáticos em seu compromisso de priorizar a sustentabilidade em sua estratégia. 79% dos entrevistados na China continental e 78% no Japão declararam: "Colocamos a sustentabilidade no centro de tudo o que fazemos" em comparação com 23% nos EUA e 39% no Reino Unido. As empresas maiores e de propriedade de gerações posteriores também aumentam a tendência, com maior enfoque na sustentabilidade.

    Essa relutância em adotar a sustentabilidade surge apesar do fato de que as empresas de propriedade familiar são altamente propensas a observar alguma responsabilidade para com a sociedade. Mais de 80% participam de atividades de responsabilidade social proativa, e 71% buscaram manter o maior número de funcionários possível durante a pandemia. Nem é uma função do pessimismo econômico - menos da metade (46%) estimam que as vendas caiam apesar da pandemia e os entrevistados da pesquisa se sentiram otimistas quanto às habilidades de seus negócios em resistir e continuar a crescer em 2021 e 2022.

    Em vez disso, a questão é uma concepção cada vez mais desatualizada de como as empresas devem responder à sociedade, com 76% nos Estados Unidos e 60% no Reino Unido dando maior ênfase à sua contribuição direta, muitas vezes por meio de iniciativas filantrópicas, em vez de por meio de uma abordagem estratégica para as questões ESG. As empresas familiares também estão um pouco isoladas com a pressão dos investidores que atualmente está forçando as empresas públicas a colocar as ESG (Melhores práticas ambientais, sociais e de governança corporativa) no centro de seus planos de longo prazo para o sucesso comercial.

    Peter Englisch, líder global de negócios familiares na PwC diz:

    "Está claro que as empresas familiares em todo o mundo têm um forte compromisso com um propósito social mais amplo. Entretanto, há uma pressão crescente de clientes, credores, acionistas e até mesmo de funcionários, para demonstrar um impacto significativo em relação à sustentabilidade e questões de ESG mais amplas. Muitas empresas listadas começaram a responder, mas esta pesquisa indica que as empresas familiares têm uma abordagem mais tradicional à contribuição social.

    As empresas familiares devem se adaptar às expectativas em mudança e, ao não fazê-lo, estão criando um risco potencial para os negócios. Não se trata apenas de afirmar um compromisso de fazer o bem, mas estabelecer metas significativas e relatar que demonstram um sentido claro de seus valores e objetivos para ajudar as economias e as sociedades a se recuperar melhor."

    Crescimento 

    A pesquisa sugere que as empresas familiares resistiram à pandemia relativamente bem. Menos da metade (46%) estimam que as vendas caiam apesar da pandemia e os entrevistados da pesquisa se sentiram otimistas quanto às habilidades de seus negócios em resistir e continuar a crescer em 2021 e 2022.

    Negócio de família atrasado no âmbito da transformação digital 

    Embora 80% das empresas familiares se adaptem aos desafios da pandemia da COVID-19 ao permitir o trabalho em casa para os funcionários, também existem preocupações quanto à sua força geral quando se trata de transformação digital.

    62% dos entrevistados descreveram seus recursos digitais como "não sólidos", com mais 19% descrevendo-os como um trabalho em andamento.

    No entanto, aqui existem claras diferenças geracionais: 41% das empresas que se descrevem como digitalmente fortes são de 3ª ou 4ª geração, e as de próximas gerações assumiram um papel maior em 46% dos negócios digitalmente fortes.

    Peter Englisch declara:

    "É uma preocupação que as empresas familiares estejam ficando para trás. Há evidências claras de que ter fortes recursos digitais permite agilidade e sucesso e que eles têm um entusiasmo semelhante pela sustentabilidade

    As empresas devem considerar como podem envolver a experiência e novas percepções das Próximas Gerações quando se trata de priorizar sua jornada digital."

    A lacuna da governança 

    Embora as empresas familiares relatem bons níveis de confiança, transparência e comunicação, a pesquisa destaca os benefícios de uma estrutura de governança profissional. Enquanto 79% afirmam que adotam alguma forma de procedimento de governança ou política em vigor, os números caem drasticamente em áreas importantes: pouco mais de um quarto deles afirmam ter uma constituição ou protocolo familiar, enquanto apenas 15% estabeleceram mecanismos de resolução de conflitos.

    Peter Englisch declara:

    "A harmonia familiar nunca deve ser desconsiderada - é algo que deve ser trabalhado e planejado, com o mesmo foco e profissionalismo que é aplicado à estratégia de negócios e às decisões operacionais.

    Há crescentes preocupações de reguladores em todo o mundo sobre a sucessão de negócios de família, especialmente com um terço dos negócios de 1ª, 2ª ou 3ª geração, esperando que a próxima geração se torne acionistas majoritários nos próximos cinco anos.

    "É, portanto, vital, que as empresas assumam a liderança em garantir que tenham processos formais implementados e possam garantir estabilidade e continuidade no longo prazo."

    Notas aos editores 

  • A pesquisa sobre negócios familiares está disponível para leitura aqui: https://www.pwc.com/familybusinesssurvey
  • O relatório se baseia em 2.801 entrevistas realizadas com líderes de negócios familiares e tomadores de decisões em 87 territórios entre 05 de outubro e 11 de dezembro de 2020
  • Sobre a PwC 

    O objetivo da PwC é construir confiança na sociedade e resolver problemas importantes. Somos uma rede de empresas em 155 países, com mais de 284 mil funcionários que estão comprometidos em oferecer qualidade em serviços de garantia, consultoria e tributários. Saiba mais e diga-nos o que é importante para você, acessando: www.pwc.com.

    PwC refere-se à rede PwC e/ou a uma ou mais de suas empresas membros, cada uma das quais é uma entidade legal separada. Consulte www.pwc.com/structure para mais detalhes.

    © 2021 PwC. Todos os direitos reservados.

    Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1121790/PWC_Logo.jpg

    Contato: 

    David Bowden

    gerente de comunicações globais | PwC

    m: +44 (0)748365049

    e: david.bowden@pwc.com

    FONTE PwC

    Você acabou de ler:

    Empresas familiares correm o risco de ficarem para trás em termos de governança e sustentabilidade (ESG) - Pesquisa da PwC sobre negócios familiares

    Compartilhe

    https://prnewswire.com.br/releases/empresas-familiares-correm-o-risco-de-ficarem-para-tras-em-termos-de-governanca-e-sustentabilidade-esg-pesquisa-da-pwc-sobre-negocios-familiares/