Estratégia de Partnership representa opção para garantir sobrevivência no mundo pós-pandemia

Especialista da Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade explica como implantar a meritocracia na prática

SÃO PAULO, 2 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A estratégia de Partnership – estava entre os movimentos mais recorrentes no mundo das startups, nos últimos cinco anos. Com o avanço da pandemia, ela tornou-se uma opção para garantir a sobrevivência e até mesmo o crescimento de muitos negócios.

No modelo de Partnership, os funcionários que mais se destacam têm chances reais de tornarem-se sócios da organização na qual trabalham, por meio de um plano estruturado. "Esta já era uma tendência observada antes do mundo parar em função do coronavírus. Com a pandemia, as empresas perceberam a necessidade de reinventar suas ofertas, reter talentos e diminuir custos, três metas totalmente alinhadas à estratégia de estabelecer parcerias. De modo geral, o brasileiro não tem mais o sonho de permanecer anos em uma companhia, na posição de funcionário. Assim, a crise pode funcionar como o empurrãozinho que faltava para empreender", acredita o especialista, que realizou o Partnership dentro de sua empresa e desde então conta com quatro sócios. A Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade registrou crescimento de 109% em 2019, em relação ao ano anterior; nos primeiros seis meses de 2020, a empresa cresceu 18,7%, mesmo em meio à retração econômica.

Para Moreira, o papel de "dono" faz com que o comprometimento e a vontade de crescer funcionem como uma mola propulsora para os bons resultados, uma vez que os desafios são constantes e a dedicação tende a ser intensa. "É fundamental que as regras do jogo sejam bem claras para todos; as expectativas devem ser as mais realistas possíveis em termos de crescimento". 

Além disso, a vaidade pode atrapalhar o processo de migração para o modelo de parcerias. Muitos clientes da MoreiraMendes precisaram trabalhar a maturidade para enxergar os benefícios de ter mais sócios. "Tudo é uma questão de cultura e muitas empresas brasileiras vêm trabalhando desta forma. A reflexão que se deve fazer é se a adoção da estratégia vai fazer a empresa crescer e ser mais valorizada, uma vez que mais pessoas qualificadas estão investindo seu tempo nela. Se a resposta for positiva, certamente valerá a pena", conclui ele.

Na opinião de Moreira, o modelo pode ser uma boa estratégia para pequenas e médias empresas por elas terem estrutura mais enxuta.

PressWorks

Caio Biacca

Contato: 55 11 97404-8088

E-mail: caio.biacca@mgapress.com.br 

FONTE Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade

Especialista da Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade explica como implantar a meritocracia na prática

SÃO PAULO, 2 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A estratégia de Partnership – estava entre os movimentos mais recorrentes no mundo das startups, nos últimos cinco anos. Com o avanço da pandemia, ela tornou-se uma opção para garantir a sobrevivência e até mesmo o crescimento de muitos negócios.

No modelo de Partnership, os funcionários que mais se destacam têm chances reais de tornarem-se sócios da organização na qual trabalham, por meio de um plano estruturado. "Esta já era uma tendência observada antes do mundo parar em função do coronavírus. Com a pandemia, as empresas perceberam a necessidade de reinventar suas ofertas, reter talentos e diminuir custos, três metas totalmente alinhadas à estratégia de estabelecer parcerias. De modo geral, o brasileiro não tem mais o sonho de permanecer anos em uma companhia, na posição de funcionário. Assim, a crise pode funcionar como o empurrãozinho que faltava para empreender", acredita o especialista, que realizou o Partnership dentro de sua empresa e desde então conta com quatro sócios. A Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade registrou crescimento de 109% em 2019, em relação ao ano anterior; nos primeiros seis meses de 2020, a empresa cresceu 18,7%, mesmo em meio à retração econômica.

Para Moreira, o papel de "dono" faz com que o comprometimento e a vontade de crescer funcionem como uma mola propulsora para os bons resultados, uma vez que os desafios são constantes e a dedicação tende a ser intensa. "É fundamental que as regras do jogo sejam bem claras para todos; as expectativas devem ser as mais realistas possíveis em termos de crescimento". 

Além disso, a vaidade pode atrapalhar o processo de migração para o modelo de parcerias. Muitos clientes da MoreiraMendes precisaram trabalhar a maturidade para enxergar os benefícios de ter mais sócios. "Tudo é uma questão de cultura e muitas empresas brasileiras vêm trabalhando desta forma. A reflexão que se deve fazer é se a adoção da estratégia vai fazer a empresa crescer e ser mais valorizada, uma vez que mais pessoas qualificadas estão investindo seu tempo nela. Se a resposta for positiva, certamente valerá a pena", conclui ele.

Na opinião de Moreira, o modelo pode ser uma boa estratégia para pequenas e médias empresas por elas terem estrutura mais enxuta.

PressWorks

Caio Biacca

Contato: 55 11 97404-8088

E-mail: caio.biacca@mgapress.com.br 

FONTE Moreira Mendes Consultoria & Contabilidade