Governo avalia a ampliação de tratamento para câncer renal

Por meio da consulta pública disponível até 29/10, sociedade civil poderá complementar a perspectiva da CONITEC para incorporação de pazopanibe, da Novartis, e sunitinibe no SUS

SÃO PAULO, 18 de outubro de 2018 /PRNewswire/ -- O câncer de rim é uma doença silenciosa, que não costuma apresentar sintomas em suas fases iniciais, fazendo com que muitos pacientes descubram o tumor por acaso – ao fazer um exame de imagem durante um check-up de rotina ou para investigar outras suspeitas. Com isso, em muitos casos o diagnóstico é feito com a doença em estágio avançado ou metastático1, quando as chances de cura são menores.

A cirurgia costuma ser indicada para casos nos quais o tumor é diagnosticado precocemente. Já nos casos avançados, com a presença de metástase em outros órgãos, o tratamento deve ser individualizado. "Os tumores de rim não costumam responder bem aos tratamentos oncológicos convencionais, como quimioterapia e radioterapia. Assim, o mais importante é amenizar os sintomas e retardar as complicações. Para isso, é essencial optar por uma medicação que seja eficaz, mas que também tenha boa tolerabilidade, prezando pela qualidade de vida do paciente", afirma Fernando Maluf, oncologista clínico e um dos fundadores do Instituto Vencer o Câncer.

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC) abriu uma consulta pública para discutir a incorporação do pazopanibe e sunitinibe, medicamentos que agem para diminuir e interromper o crescimento de células cancerígenas, ou mesmo destruí-las, em alguns tipos de câncer de células renais em estágio avançado e/ou metastático. "Esse tipo de medicamento age em alvos que estimulam o crescimento de células e dos vasos sanguíneos. Por serem terapias orais, o pazopanibe e sunitinibe são mais fáceis de serem administrados do que infusões de quimioterapia, contribuindo na manutenção da qualidade de vida desses pacientes", explica o especialista.

Ainda que a decisão preliminar da CONITEC seja pela não incorporação dos inibidores de tirosina quinase, no SUS, para o tratamento do carcinoma renal de células claras metastático, as contribuições da sociedade civil podem complementar a perspectiva da CONITEC e, se fundamentada, mudar a recomendação final da instituição. A avaliação é então encaminhada para a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, responsável pela decisão final de incorporar ou não o medicamento ao SUS.

A consulta pública está aberta para contribuições da sociedade civil até 29 de outubro no site http://conitec.gov.br/consultas-publicas, sob o nome "Cloridrato de pazopanibe e malato de sunitinibe para carcinoma de células renais metastático", consulta número 54.

Sobre a Novartis

A Novartis está reimaginando a medicina para melhorar e estender as vidas das pessoas.

Como uma companhia líder mundial em medicamentos, nós usamos tecnologias científicas e digitais inovadoras para criar tratamentos transformadores em áreas de grande necessidade médica. Em nossa busca por novos medicamentos, estamos constantemente classificados entre as principais companhias do mundo que investem em pesquisa e desenvolvimento. Os produtos da Novartis alcançam quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo e estamos buscando maneiras inovadoras de expandir o acesso aos nossos tratamentos mais recentes. Cerca de 125.000 pessoas de mais de 140 nacionalidades trabalham na Novartis em todo o mundo.

Para saber mais, visite www.novartis.com.br.

Referências

1. Bergerot, Paulo G. Assessment of Treatment Patterns for Metastatic Renal Cell Carcinoma in Brazil. Journal of Global Oncology. Disponível em www.jgo.org. Último acesso em 26.02.2018.

Informações para a imprensa 

Nahia Rosa

Nahia.rosa@edelman.com

55 11 3060-3124

FONTE Novartis

Por meio da consulta pública disponível até 29/10, sociedade civil poderá complementar a perspectiva da CONITEC para incorporação de pazopanibe, da Novartis, e sunitinibe no SUS

SÃO PAULO, 18 de outubro de 2018 /PRNewswire/ -- O câncer de rim é uma doença silenciosa, que não costuma apresentar sintomas em suas fases iniciais, fazendo com que muitos pacientes descubram o tumor por acaso – ao fazer um exame de imagem durante um check-up de rotina ou para investigar outras suspeitas. Com isso, em muitos casos o diagnóstico é feito com a doença em estágio avançado ou metastático1, quando as chances de cura são menores.

A cirurgia costuma ser indicada para casos nos quais o tumor é diagnosticado precocemente. Já nos casos avançados, com a presença de metástase em outros órgãos, o tratamento deve ser individualizado. "Os tumores de rim não costumam responder bem aos tratamentos oncológicos convencionais, como quimioterapia e radioterapia. Assim, o mais importante é amenizar os sintomas e retardar as complicações. Para isso, é essencial optar por uma medicação que seja eficaz, mas que também tenha boa tolerabilidade, prezando pela qualidade de vida do paciente", afirma Fernando Maluf, oncologista clínico e um dos fundadores do Instituto Vencer o Câncer.

A Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias (CONITEC) abriu uma consulta pública para discutir a incorporação do pazopanibe e sunitinibe, medicamentos que agem para diminuir e interromper o crescimento de células cancerígenas, ou mesmo destruí-las, em alguns tipos de câncer de células renais em estágio avançado e/ou metastático. "Esse tipo de medicamento age em alvos que estimulam o crescimento de células e dos vasos sanguíneos. Por serem terapias orais, o pazopanibe e sunitinibe são mais fáceis de serem administrados do que infusões de quimioterapia, contribuindo na manutenção da qualidade de vida desses pacientes", explica o especialista.

Ainda que a decisão preliminar da CONITEC seja pela não incorporação dos inibidores de tirosina quinase, no SUS, para o tratamento do carcinoma renal de células claras metastático, as contribuições da sociedade civil podem complementar a perspectiva da CONITEC e, se fundamentada, mudar a recomendação final da instituição. A avaliação é então encaminhada para a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, responsável pela decisão final de incorporar ou não o medicamento ao SUS.

A consulta pública está aberta para contribuições da sociedade civil até 29 de outubro no site http://conitec.gov.br/consultas-publicas, sob o nome "Cloridrato de pazopanibe e malato de sunitinibe para carcinoma de células renais metastático", consulta número 54.

Sobre a Novartis

A Novartis está reimaginando a medicina para melhorar e estender as vidas das pessoas.

Como uma companhia líder mundial em medicamentos, nós usamos tecnologias científicas e digitais inovadoras para criar tratamentos transformadores em áreas de grande necessidade médica. Em nossa busca por novos medicamentos, estamos constantemente classificados entre as principais companhias do mundo que investem em pesquisa e desenvolvimento. Os produtos da Novartis alcançam quase 1 bilhão de pessoas em todo o mundo e estamos buscando maneiras inovadoras de expandir o acesso aos nossos tratamentos mais recentes. Cerca de 125.000 pessoas de mais de 140 nacionalidades trabalham na Novartis em todo o mundo.

Para saber mais, visite www.novartis.com.br.

Referências

1. Bergerot, Paulo G. Assessment of Treatment Patterns for Metastatic Renal Cell Carcinoma in Brazil. Journal of Global Oncology. Disponível em www.jgo.org. Último acesso em 26.02.2018.

Informações para a imprensa 

Nahia Rosa

Nahia.rosa@edelman.com

55 11 3060-3124

FONTE Novartis

Você acabou de ler:

Governo avalia a ampliação de tratamento para câncer renal

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/governo-avalia-a-ampliacao-de-tratamento-para-cancer-renal-2/