Gráficos da CGTN: como os americanos veem as guerras nos EUA?

PEQUIM, 13 de dezembro de 2021 /PRNewswire/ -- Quando os EUA lançaram operações de combate no Afeganistão após os ataques de 11 de setembro, o apoio público à decisão chegou a 93 por cento. Dando um rápido salto para os dias de hoje, os elevados custos humanos e financeiros da guerra resultaram em uma mudança substancial na opinião pública americana. De acordo com uma pesquisa da Gallup realizada pouco antes da retirada final, 47% agora acreditam que a invasão foi um erro.

Nas últimas duas décadas, os números oscilaram, embora a maioria ainda fosse positiva em relação às operações dos EUA no Afeganistão. Uma divisão uniforme foi vista pela primeira vez em 2014, com inclinações para a oposição em 2015 e 2019.

De acordo com os custos do projeto de guerra conduzido pelo Watson Institute da Universidade de Brown, a guerra causou 46.319 mortes de civis. O The New York Times informou que, apenas no primeiro semestre de 2019, as bombas dos EUA resultaram em 363 mortes confirmadas, incluindo 89 crianças.

Dados do Departamento de Defesa dos EUA mostram que, em determinado momento, 98 mil tropas dos EUA e mais de 130 mil soldados de 50 países da OTAN e parceiros foram destacados para o país. As despesas militares desde 2001 ultrapassam 2,26 trilhões de dólares.

Em 2003, o governo Bush alegou que o Iraque estava escondendo armas de destruição em massa para justificar sua invasão ilegal, apesar da oposição internacional, e desde então, de acordo com um relatório da Sociedade Chinesa para Estudos de Direitos Humanos (China Society for Human Rights Studies - CSHRS), liderada pelos Estados Unidos as forças da coalizão usaram inúmeras variedades de bombas e projéteis que espalham fósforo branco e urânio empobrecido, que são listados pela Agência de Proteção Ambiental como produto químico tóxico e um risco à saúde por radiação. Até hoje, as Nações Unidas estimam que restam 25 milhões de minas e outras munições não deflagradas.

Os EUA têm repetidamente travado guerras agressivas e racionalizado invasões com justificativas supostamente humanitárias. Entre o final da Segunda Guerra Mundial e o 11 de Setembro, os EUA iniciaram 201 dos 248 conflitos armados em todo o mundo (81%), de acordo com o relatório da CSHRS.

https://news.cgtn.com/news/2021-11-30/Graphics-How-do-Americans-view-U-S-wars--15BP5ERWG4w/index.html

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707840/How_do_Americans_view_U_S__wars.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707841/1.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707842/2.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707843/3.jpg

 

FONTE CGTN

PEQUIM, 13 de dezembro de 2021 /PRNewswire/ -- Quando os EUA lançaram operações de combate no Afeganistão após os ataques de 11 de setembro, o apoio público à decisão chegou a 93 por cento. Dando um rápido salto para os dias de hoje, os elevados custos humanos e financeiros da guerra resultaram em uma mudança substancial na opinião pública americana. De acordo com uma pesquisa da Gallup realizada pouco antes da retirada final, 47% agora acreditam que a invasão foi um erro.

Nas últimas duas décadas, os números oscilaram, embora a maioria ainda fosse positiva em relação às operações dos EUA no Afeganistão. Uma divisão uniforme foi vista pela primeira vez em 2014, com inclinações para a oposição em 2015 e 2019.

De acordo com os custos do projeto de guerra conduzido pelo Watson Institute da Universidade de Brown, a guerra causou 46.319 mortes de civis. O The New York Times informou que, apenas no primeiro semestre de 2019, as bombas dos EUA resultaram em 363 mortes confirmadas, incluindo 89 crianças.

Dados do Departamento de Defesa dos EUA mostram que, em determinado momento, 98 mil tropas dos EUA e mais de 130 mil soldados de 50 países da OTAN e parceiros foram destacados para o país. As despesas militares desde 2001 ultrapassam 2,26 trilhões de dólares.

Em 2003, o governo Bush alegou que o Iraque estava escondendo armas de destruição em massa para justificar sua invasão ilegal, apesar da oposição internacional, e desde então, de acordo com um relatório da Sociedade Chinesa para Estudos de Direitos Humanos (China Society for Human Rights Studies - CSHRS), liderada pelos Estados Unidos as forças da coalizão usaram inúmeras variedades de bombas e projéteis que espalham fósforo branco e urânio empobrecido, que são listados pela Agência de Proteção Ambiental como produto químico tóxico e um risco à saúde por radiação. Até hoje, as Nações Unidas estimam que restam 25 milhões de minas e outras munições não deflagradas.

Os EUA têm repetidamente travado guerras agressivas e racionalizado invasões com justificativas supostamente humanitárias. Entre o final da Segunda Guerra Mundial e o 11 de Setembro, os EUA iniciaram 201 dos 248 conflitos armados em todo o mundo (81%), de acordo com o relatório da CSHRS.

https://news.cgtn.com/news/2021-11-30/Graphics-How-do-Americans-view-U-S-wars--15BP5ERWG4w/index.html

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707840/How_do_Americans_view_U_S__wars.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707841/1.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707842/2.jpg 

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1707843/3.jpg

 

FONTE CGTN

Você acabou de ler:

Gráficos da CGTN: como os americanos veem as guerras nos EUA?

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/graficos-da-cgtn-como-os-americanos-veem-as-guerras-nos-eua/