Grupo budista SGI amplia vozes dos jovens, comunidades religiosas e vítimas durante reunião das partes para Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares

TÓQUIO, 27 de junho de 2022 /PRNewswire/ -- De 21 a 23 de junho, na Primeira Reunião das Partes dos Estados (1MSP) da história para o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) da ONU, realizada em Viena, na Áustria, a Soka Gakkai International (SGI) se uniu a grupos da sociedade civil que almejam a universalização do Tratado, atuando como co-organizadora de workshops que destacam perspectivas das comunidades e jovens afetados.

Hirotsugu Terasaki, diretor geral de paz e questões globais da SGI, comentou: "Neste momento de ameaça existencial, todos que se reuniram aqui afirmaram categoricamente que as armas nucleares são moralmente e legalmente inaceitáveis. Damos as boas-vindas à Declaração e Plano de Ação de Viena e estamos determinados a continuar nossos esforços para fortalecer a eficácia desse tratado inovador."

As vozes dos "hibakusha", como são chamados os sobreviventes dos bombardeios ocorridos em Hiroshima e Nagasaki, foram uma força de incentivo durante as discussões. Em 21 de junho, a SGI co-patrocinou um evento paralelo que abordou a assistência a vítimas, reabilitação ambiental e cooperação internacional, de acordo com os artigos 6 e 7 do tratado, com o Ministério das Relações Exteriores do Cazaquistão, a Missão Permanente do Kiribati para as Nações Unidas e a Nuclear Age Peace Foundation.

Entre os palestrantes estavam sobreviventes de testes nucleares em Semipalatinsk, no Cazaquistão, e um jovem ativista das Ilhas Marshall, o local de 67 testes nucleares. Rebecca Jovin, chefe do gabinete do Gabinete de Assuntos de Desarmamento das Nações Unidas (UNODA) em Viena, falando em nome de Izumi Nakamitsu, subsecretário-geral da ONU para assuntos de desarmamento, destacou os efeitos profundamente nocivos de mais de dois mil testes nucleares realizados desde 1945, afirmando que "a participação presencial das comunidades afetadas por testes nucleares serve como um lembrete da vida real sobre a razão pela qual devemos buscar a eliminação completa das armas nucleares".

Também em 21 de junho, no Youth MSP, a SGI e a campanha anti-nuclear italiana Senzatomica realizaram um workshop sobre movimentos educacionais de base. Os jovens discutiram sobre a reformulação do discurso em torno das armas nucleares e sobre abordagens educacionais alternativas que capacitem os alunos. Assista às entrevistas dos jovens: https://twitter.com/sgi_info/status/1540163711448797185

A participante Sanya Rajpal da SGI-Reino Unido comentou: "Temos que quebrar a lógica que leva às armas nucleares e a todas as formas de violência estrutural e capacitar as pessoas a transformar isso em suas próprias vidas e, em seguida, no mundo." A SGI e a International Disarmament Institute of Pace University também escreveram um artigo* sobre a paz e a educação sobre o desarmamento, destacando o papel fundamental da educação na universalização do TPNW.

* https://reachingcriticalwill.org/images/documents/Disarmament-fora/nuclear-weapon-ban/1msp/documents/NGO.32.pdf

Uma declaração inter-religiosa conjunta*, apresentada por Olivia Baro, jovem representante da Pacific Conference of Churches, em uma sessão realizada em 22 de junho, também incentivou uma ratificação mais ampla do tratado. Ela foi assinada pela SGI e por um total de 144 organizações de diversas tradições de fé.

* https://cdn2.assets-servd.host/un-sgi/production/assets/downloads/TPNW-MSP-Joint-Interfaith-Statement.pdf

A Soka Gakkai International (SGI) é uma ONG em status consultivo com o ECOSOC das Nações Unidas. A Soka Gakkai é uma organização budista global baseada na comunidade com 12 milhões de membros, que promove a paz, a cultura e a educação e trabalha para a abolição das armas nucleares há mais de 60 anos.

Contact:

Joan Anderson

Gabinete Internacional de Informações Públicas

Soka Gakkai

+81-80-5957-4711

anderson@soka.jp

FONTE Soka Gakkai

TÓQUIO, 27 de junho de 2022 /PRNewswire/ -- De 21 a 23 de junho, na Primeira Reunião das Partes dos Estados (1MSP) da história para o Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares (TPNW) da ONU, realizada em Viena, na Áustria, a Soka Gakkai International (SGI) se uniu a grupos da sociedade civil que almejam a universalização do Tratado, atuando como co-organizadora de workshops que destacam perspectivas das comunidades e jovens afetados.

Hirotsugu Terasaki, diretor geral de paz e questões globais da SGI, comentou: "Neste momento de ameaça existencial, todos que se reuniram aqui afirmaram categoricamente que as armas nucleares são moralmente e legalmente inaceitáveis. Damos as boas-vindas à Declaração e Plano de Ação de Viena e estamos determinados a continuar nossos esforços para fortalecer a eficácia desse tratado inovador."

As vozes dos "hibakusha", como são chamados os sobreviventes dos bombardeios ocorridos em Hiroshima e Nagasaki, foram uma força de incentivo durante as discussões. Em 21 de junho, a SGI co-patrocinou um evento paralelo que abordou a assistência a vítimas, reabilitação ambiental e cooperação internacional, de acordo com os artigos 6 e 7 do tratado, com o Ministério das Relações Exteriores do Cazaquistão, a Missão Permanente do Kiribati para as Nações Unidas e a Nuclear Age Peace Foundation.

Entre os palestrantes estavam sobreviventes de testes nucleares em Semipalatinsk, no Cazaquistão, e um jovem ativista das Ilhas Marshall, o local de 67 testes nucleares. Rebecca Jovin, chefe do gabinete do Gabinete de Assuntos de Desarmamento das Nações Unidas (UNODA) em Viena, falando em nome de Izumi Nakamitsu, subsecretário-geral da ONU para assuntos de desarmamento, destacou os efeitos profundamente nocivos de mais de dois mil testes nucleares realizados desde 1945, afirmando que "a participação presencial das comunidades afetadas por testes nucleares serve como um lembrete da vida real sobre a razão pela qual devemos buscar a eliminação completa das armas nucleares".

Também em 21 de junho, no Youth MSP, a SGI e a campanha anti-nuclear italiana Senzatomica realizaram um workshop sobre movimentos educacionais de base. Os jovens discutiram sobre a reformulação do discurso em torno das armas nucleares e sobre abordagens educacionais alternativas que capacitem os alunos. Assista às entrevistas dos jovens: https://twitter.com/sgi_info/status/1540163711448797185

A participante Sanya Rajpal da SGI-Reino Unido comentou: "Temos que quebrar a lógica que leva às armas nucleares e a todas as formas de violência estrutural e capacitar as pessoas a transformar isso em suas próprias vidas e, em seguida, no mundo." A SGI e a International Disarmament Institute of Pace University também escreveram um artigo* sobre a paz e a educação sobre o desarmamento, destacando o papel fundamental da educação na universalização do TPNW.

* https://reachingcriticalwill.org/images/documents/Disarmament-fora/nuclear-weapon-ban/1msp/documents/NGO.32.pdf

Uma declaração inter-religiosa conjunta*, apresentada por Olivia Baro, jovem representante da Pacific Conference of Churches, em uma sessão realizada em 22 de junho, também incentivou uma ratificação mais ampla do tratado. Ela foi assinada pela SGI e por um total de 144 organizações de diversas tradições de fé.

* https://cdn2.assets-servd.host/un-sgi/production/assets/downloads/TPNW-MSP-Joint-Interfaith-Statement.pdf

A Soka Gakkai International (SGI) é uma ONG em status consultivo com o ECOSOC das Nações Unidas. A Soka Gakkai é uma organização budista global baseada na comunidade com 12 milhões de membros, que promove a paz, a cultura e a educação e trabalha para a abolição das armas nucleares há mais de 60 anos.

Contact:

Joan Anderson

Gabinete Internacional de Informações Públicas

Soka Gakkai

+81-80-5957-4711

anderson@soka.jp

FONTE Soka Gakkai

Você acabou de ler:

Grupo budista SGI amplia vozes dos jovens, comunidades religiosas e vítimas durante reunião das partes para Tratado sobre a Proibição de Armas Nucleares

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/grupo-budista-sgi-amplia-vozes-dos-jovens-comunidades-religiosas-e-vitimas-durante-reuniao-das-partes-para-tratado-sobre-a-proibicao-de-armas-nucleares/