GSTHR: ''imperativo moral'' para que a OMS adote a redução de danos causados pelo tabaco

LONDRES, 27 de outubro de 2021 /PRNewswire/ --

Enquanto os líderes globais e a mídia se concentram na COP26 da ONU, a cúpula climática que começa neste domingo, 182 delegações governamentais estão se preparando para outra reunião da COP. Entretanto, a nona sessão da COP (COP9) para a Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde para Controle do Tabaco (CQCT/OMS) de 8 a 13 de novembro recebeu pouca atenção e será conduzida em sessões fechadas e sigilosas.

Fighting The Last War: The WHO e International Tobacco Control (Combatendo a Última Guerra: A OMS e o controle do tabaco) , o mais recente relatório da agência de saúde do Reino Unido KAC's Global State of Tobacco Harm Reduction (Situação Global da Redução dos Efeitos Nocivos do Tabaco, GSTHR) revela que a implementação atual da CQCT, que visa reduzir as mortes e doenças relacionadas ao tabagismo, é considerada um fracasso da saúde pública global. Promulgada em 2005, quando havia 1,1 bilhão de fumantes em todo o mundo, o número de fumantes atualmente permanece em 1,1 bilhão, com oito milhões de mortes por ano relacionadas ao tabagismo.

A redução de danos representa uma nova esperança. Vaporizadores, snus (tabaco úmido em pó), saquinhos de nicotina e produtos de tabaco aquecidos são consideravelmente mais seguros do que os cigarros tradicionais, fornecendo nicotina sem a queima de tabaco. Isso ajuda as pessoas que não podem abandonar o tabagismo ou não querem parar de consumir a nicotina.

As partes da CQCT, incluindo o Reino Unido e a Nova Zelândia, observaram reduções acentuadas no tabagismo após a introdução de políticas de redução de danos ao lado de politicas nacionais do controle do tabaco. As estimativas da GSTHR sugerem que 98 milhões de pessoas em todo o mundo já utilizam produtos de nicotina mais seguros. Ainda assim, o autor do relatório, Harry Shapiro, argumenta que a luta contra o tabagismo está "sendo ativamente comprometida pela OMS neste momento."

A OMS permanece posicionada contra a redução de danos para o tabaco e o controle internacional do tabaco está cada vez mais focado na proibição de produtos mais seguros. A oposição ideológica à redução de danos do tabaco por parte de financiadores filantrópicos influentes tem distorcido o desenvolvimento de políticas globais - quando a redução de danos é na verdade apontada como um elemento central do controle do tabagismo na CQCT, e é fundamental para os programas da OMS na area de redução de riscos das drogas e HIV/AIDS.

"Na COP9, as delegações governamentais devem evitar a derrocada da proibição total da nicotina", disse o Professor Gerry Stimson da K.A.C. "Isso significaria o retorno ao tabagismo para milhões de possoas incapazes de parar de fumar. A era da combustão - para o tabaco e para os combustíveis fósseis - precisa ser encerrada."

Lançado hoje em um evento on-line gratuito com especialistas internacionais em políticas de tabaco e de medicamentos e defensores do consumidor, o relatório argumenta que as partes da CQCT devem retomar o controle das reuniões da COP da CQCT e exigir discussões baseadas em evidências sobre produtos de nicotina mais seguros e redução dos danos causados pelo tabaco. O financiamento para o projeto GSTHR (Situação Global da Redução dos Efeitos Nocivos do Tabaco) foi concedido por um subsídio da Foundation for a Smoke-Free World (Fundação para um mundo sem fumo).

Infográfico - https://mma.prnewswire.com/media/1668005/KAC_Infographic.jpg

 

FONTE Knowledge Action Change (KAC)

LONDRES, 27 de outubro de 2021 /PRNewswire/ --

Enquanto os líderes globais e a mídia se concentram na COP26 da ONU, a cúpula climática que começa neste domingo, 182 delegações governamentais estão se preparando para outra reunião da COP. Entretanto, a nona sessão da COP (COP9) para a Convenção-Quadro da Organização Mundial da Saúde para Controle do Tabaco (CQCT/OMS) de 8 a 13 de novembro recebeu pouca atenção e será conduzida em sessões fechadas e sigilosas.

Fighting The Last War: The WHO e International Tobacco Control (Combatendo a Última Guerra: A OMS e o controle do tabaco) , o mais recente relatório da agência de saúde do Reino Unido KAC's Global State of Tobacco Harm Reduction (Situação Global da Redução dos Efeitos Nocivos do Tabaco, GSTHR) revela que a implementação atual da CQCT, que visa reduzir as mortes e doenças relacionadas ao tabagismo, é considerada um fracasso da saúde pública global. Promulgada em 2005, quando havia 1,1 bilhão de fumantes em todo o mundo, o número de fumantes atualmente permanece em 1,1 bilhão, com oito milhões de mortes por ano relacionadas ao tabagismo.

A redução de danos representa uma nova esperança. Vaporizadores, snus (tabaco úmido em pó), saquinhos de nicotina e produtos de tabaco aquecidos são consideravelmente mais seguros do que os cigarros tradicionais, fornecendo nicotina sem a queima de tabaco. Isso ajuda as pessoas que não podem abandonar o tabagismo ou não querem parar de consumir a nicotina.

As partes da CQCT, incluindo o Reino Unido e a Nova Zelândia, observaram reduções acentuadas no tabagismo após a introdução de políticas de redução de danos ao lado de politicas nacionais do controle do tabaco. As estimativas da GSTHR sugerem que 98 milhões de pessoas em todo o mundo já utilizam produtos de nicotina mais seguros. Ainda assim, o autor do relatório, Harry Shapiro, argumenta que a luta contra o tabagismo está "sendo ativamente comprometida pela OMS neste momento."

A OMS permanece posicionada contra a redução de danos para o tabaco e o controle internacional do tabaco está cada vez mais focado na proibição de produtos mais seguros. A oposição ideológica à redução de danos do tabaco por parte de financiadores filantrópicos influentes tem distorcido o desenvolvimento de políticas globais - quando a redução de danos é na verdade apontada como um elemento central do controle do tabagismo na CQCT, e é fundamental para os programas da OMS na area de redução de riscos das drogas e HIV/AIDS.

"Na COP9, as delegações governamentais devem evitar a derrocada da proibição total da nicotina", disse o Professor Gerry Stimson da K.A.C. "Isso significaria o retorno ao tabagismo para milhões de possoas incapazes de parar de fumar. A era da combustão - para o tabaco e para os combustíveis fósseis - precisa ser encerrada."

Lançado hoje em um evento on-line gratuito com especialistas internacionais em políticas de tabaco e de medicamentos e defensores do consumidor, o relatório argumenta que as partes da CQCT devem retomar o controle das reuniões da COP da CQCT e exigir discussões baseadas em evidências sobre produtos de nicotina mais seguros e redução dos danos causados pelo tabaco. O financiamento para o projeto GSTHR (Situação Global da Redução dos Efeitos Nocivos do Tabaco) foi concedido por um subsídio da Foundation for a Smoke-Free World (Fundação para um mundo sem fumo).

Infográfico - https://mma.prnewswire.com/media/1668005/KAC_Infographic.jpg

 

FONTE Knowledge Action Change (KAC)

Você acabou de ler:

GSTHR: ''imperativo moral'' para que a OMS adote a redução de danos causados pelo tabaco

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/gsthr-imperativo-moral-para-que-a-oms-adote-a-reducao-de-danos-causados-pelo-tabaco/