Hiperplasia prostática benigna, por Dr. Glauco Guedes

BRASÍLIA, Brasil, 18 de fevereiro de 2020 /PRNewswire/ -- A hiperplasia prostática benigna (HPB) é um aumento não cancerígeno da glândula da próstata, que pode dificultar a micção masculina. Essa doença é também conhecida como próstata aumentada.

Essa doença torna-se muito mais frequente à medida em que os homens envelhecem, principalmente depois dos 50 anos de idade. Conforme ocorre o aumento da próstata, esse órgão gradativamente comprime a uretra e dificulta o fluxo de urina, causando desconforto.

Quando homens estão com a próstata aumentada, é possível que a bexiga não esvazie completamente; então, um pouco de urina pode ficar parada na bexiga, fazendo com que os homens fiquem suscetíveis a desenvolver infecções do trato urinário e cálculos na bexiga. A obstrução prolongada pode ainda enfraquecer a bexiga e acabar causando danos aos rins.

Sintomas

De início, pode ocorrer a dificuldade para iniciar a micção. É também comum a sensação de micção incompleta, em decorrência da bexiga que não esvazia completamente. Assim, os homens têm que urinar com mais frequência, geralmente durante a noite (noctúria). Além disso, a necessidade de urinar pode tornar-se mais urgente.

Diagnóstico

Para diagnosticar esse tipo de câncer, o médico urologista faz a combinação de exames clínico, de imagem e laboratoriais:

  • exame retal;
  • às vezes urofluxometria – um exame que permite medir o fluxo urinário (volume de urina que passa pela uretra numa unidade de tempo) e que é expressa em ml/s;
  • às vezes, biópsia ou IRM - Imagem por ressonância magnética.

Ao sentir a próstata durante um exame retal, os médicos geralmente podem determinar se ela está aumentada. Logo, a próstata afetada por HPB é sentida aumentada, simétrica e lisa, mas não fica dolorida ao toque. A presença de áreas firmes ou rígidas pode ser um indício de câncer da próstata.

"O tratamento pode variar de paciente para paciente. Hoje, em decorrência da alta tecnologia, procedimentos como a Terapia Green Light Laser são ótimas soluções. Muitas vezes, dentro de 24 horas, após o procedimento, o paciente já percebe melhorar no fluxo da urina. No entanto, histórico médico, condições de saúde e outros fatores podem influenciar o tratamento e a recuperação", destaca o médico urologista Dr. Glauco Guedes.

Dr. Glauco Guedes - médico urologista - atende na cidade de Brasília, Distrito Federal. Quem quiser mais informações, ou tiver curiosidades sobre o trabalho dele, pode acompanhar o Instagram @guedes.glauco

Resumo

Conhecida como próstata aumentada ou sigla HPB, a hiperplasia prostática benigna ocorre em cerca de 90% dos homens acima de 80 anos.

Citação

"O tratamento pode variar de paciente para paciente. Hoje, em decorrência da alta tecnologia, procedimentos como a Terapia Green Light Laser são ótimas soluções. Muitas vezes, dentro de 24 horas, após o procedimento, o paciente já percebe melhorar no fluxo da urina. No entanto, histórico médico, condições de saúde e outros fatores podem influenciar o tratamento e a recuperação", destaca o médico urologista Dr. Glauco Guedes.

Contato:

Assessoria Trilha Cultural | Conteúdo e Cultura

WhatsApp: +1 940-390-9095

FONTE Dr. Glauco Guedes

BRASÍLIA, Brasil, 18 de fevereiro de 2020 /PRNewswire/ -- A hiperplasia prostática benigna (HPB) é um aumento não cancerígeno da glândula da próstata, que pode dificultar a micção masculina. Essa doença é também conhecida como próstata aumentada.

Essa doença torna-se muito mais frequente à medida em que os homens envelhecem, principalmente depois dos 50 anos de idade. Conforme ocorre o aumento da próstata, esse órgão gradativamente comprime a uretra e dificulta o fluxo de urina, causando desconforto.

Quando homens estão com a próstata aumentada, é possível que a bexiga não esvazie completamente; então, um pouco de urina pode ficar parada na bexiga, fazendo com que os homens fiquem suscetíveis a desenvolver infecções do trato urinário e cálculos na bexiga. A obstrução prolongada pode ainda enfraquecer a bexiga e acabar causando danos aos rins.

Sintomas

De início, pode ocorrer a dificuldade para iniciar a micção. É também comum a sensação de micção incompleta, em decorrência da bexiga que não esvazia completamente. Assim, os homens têm que urinar com mais frequência, geralmente durante a noite (noctúria). Além disso, a necessidade de urinar pode tornar-se mais urgente.

Diagnóstico

Para diagnosticar esse tipo de câncer, o médico urologista faz a combinação de exames clínico, de imagem e laboratoriais:

  • exame retal;
  • às vezes urofluxometria – um exame que permite medir o fluxo urinário (volume de urina que passa pela uretra numa unidade de tempo) e que é expressa em ml/s;
  • às vezes, biópsia ou IRM - Imagem por ressonância magnética.

Ao sentir a próstata durante um exame retal, os médicos geralmente podem determinar se ela está aumentada. Logo, a próstata afetada por HPB é sentida aumentada, simétrica e lisa, mas não fica dolorida ao toque. A presença de áreas firmes ou rígidas pode ser um indício de câncer da próstata.

"O tratamento pode variar de paciente para paciente. Hoje, em decorrência da alta tecnologia, procedimentos como a Terapia Green Light Laser são ótimas soluções. Muitas vezes, dentro de 24 horas, após o procedimento, o paciente já percebe melhorar no fluxo da urina. No entanto, histórico médico, condições de saúde e outros fatores podem influenciar o tratamento e a recuperação", destaca o médico urologista Dr. Glauco Guedes.

Dr. Glauco Guedes - médico urologista - atende na cidade de Brasília, Distrito Federal. Quem quiser mais informações, ou tiver curiosidades sobre o trabalho dele, pode acompanhar o Instagram @guedes.glauco

Resumo

Conhecida como próstata aumentada ou sigla HPB, a hiperplasia prostática benigna ocorre em cerca de 90% dos homens acima de 80 anos.

Citação

"O tratamento pode variar de paciente para paciente. Hoje, em decorrência da alta tecnologia, procedimentos como a Terapia Green Light Laser são ótimas soluções. Muitas vezes, dentro de 24 horas, após o procedimento, o paciente já percebe melhorar no fluxo da urina. No entanto, histórico médico, condições de saúde e outros fatores podem influenciar o tratamento e a recuperação", destaca o médico urologista Dr. Glauco Guedes.

Contato:

Assessoria Trilha Cultural | Conteúdo e Cultura

WhatsApp: +1 940-390-9095

FONTE Dr. Glauco Guedes