HISTÓRICO DE DISTÚRBIOS HIPERTENSIVOS DURANTE A GESTAÇÃO ESTÃO ASSOCIADOS AO AUMENTO DO RISCO DE DEMÊNCIA

SAN DIEGO, 4 de agosto de 2022 /PRNewswire/ -- Experiências de distúrbios de alta pressão arterial durante a gestação estão associadas ao aumento do risco de demência vascular e ao envelhecimento acelerado do cérebro, de acordo com estudos apresentados hoje na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) de 2022, em San Diego e virtualmente.

Doenças hipertensivas específicas da gravidez (DHEG) — condições de alta pressão arterial como hipertensão crônica/gestacional e pré-eclâmpsia — estão fortemente ligadas a doenças cardíacas na velhice, mas antes de hoje, poucas pesquisas associaram esses distúrbios à cognição. As principais descobertas apresentadas na AAIC de 2022 incluem:

  • Mulheres com histórico de DHEG apresentaram maior probabilidade de desenvolver demência vascular — um declínio nas habilidades de raciocínio causado por condições que bloqueiam ou reduzem o fluxo sanguíneo para o cérebro — na velhice, em comparação com mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação.
  • A experiência de DHEG, especificamente pressão arterial alta durante a gestação, foi associada à patologia de substância branca, um indicador de declínio cognitivo acelerado, 15 anos após a gestação.
  • Mulheres com histórico de pré-eclâmpsia grave apresentaram níveis significativamente mais altos de beta-amiloide, uma alteração cerebral relacionada à doença de Alzheimer, conforme medições sanguíneas, em comparação com mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação.

Afetando quase um a cada sete partos hospitalares, a DHEG é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em parturientes e fetos em todo o mundo. Essas condições afetam negros, latinos, asiáticos/habitantes das ilhas do Pacífico e populações indígenas americanas a taxas desproporcionalmente altas.

"Esses estão entre os primeiros dados longitudinais que associam distúrbios hipertensivos da gravidez à demência em uma grande coorte de estudo", disse Claire Sexton, PhD e diretora sênior de programas científicos e assistência da Associação de Alzheimer. "Considerando as sérias implicações de curto e longo prazo da DHEG, a detecção e o tratamento precoces são vitais para proteger a gestante e o bebê."

"Esses dados destacam a importância do atendimento pré-natal e o monitoramento de longo prazo das gestantes", disse Sexton. "As pessoas que apresentarem quaisquer alterações em sua memória e cognição devem conversar com seu prestador de serviços de saúde."

DHEG está associada a um maior risco de demência vascular

Para explorar a associação entre a DHEG e a demência na velhice, Karen Schliep, PhD, MSPH, professora assistente de medicina familiar e preventiva da University of Utah Health, e colegas, realizou um estudo de coorte retrospectivo com 59.668 mulheres que já haviam tido uma gestação.

As mulheres com histórico de DHEG apresentaram um risco ajustado 1,37 vezes maior de demência por todas as causas, depois de levar em consideração a idade materna, o ano do parto e a paridade, em comparação com as mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação. A DHEG foi associada a um risco 1,64 vezes maior de demência vascular e 1,49 vezes maior de outras demências relacionadas, mas não à doença de Alzheimer. A hipertensão e a pré-eclâmpsia/eclâmpsia gestacional apresentaram magnitudes semelhantes em risco de demência vascular.

"Nossos resultados confirmam descobertas anteriores de que a pré-eclâmpsia está mais fortemente associada à demência vascular em comparação com a doença de Alzheimer ou com outros tipos de demência", disse Schliep. "Eles sugerem ainda que o risco de demência vascular pode ser tão alto para mulheres com histórico de hipertensão gestacional quanto de pré-eclâmpsia."

DHEG está associada à patologia de substância branca 15 anos após a gestação

Considerando a associação bem estabelecida entre a DHEG e a saúde cerebrovascular de longo prazo, Rowina Hussainali, M.Sc., doutoranda em epidemiologia e obstetrícia e ginecologia do Erasmus MC Medical Center, na Holanda, e colegas pretendiam examinar as associações entre a DHEG e os marcadores de patologia cerebral vascular 15 anos após a gestação.

Os pesquisadores examinaram 538 mulheres, 445 sem hipertensão na gestação e 93 com DHEG, do estudo Generation R. Foram incluídas gestantes com data prevista de parto entre abril de 2002 e janeiro de 2006. Quinze anos depois, algumas dessas mulheres foram submetidas a exames de ressonância magnética para avaliar os volumes de tecidos cerebrais, bem como outros marcadores que podem indicar patologia.

Hussainali e sua equipe constataram que mulheres com DHEG anterior tinham 38% mais patologia de substância branca (indicativa do desgaste do tecido cerebral) em comparação com as mulheres que não sofreram de hipertensão em gestação anterior. Essa associação foi impulsionada por mulheres com hipertensão gestacional, que tiveram 48% mais patologia de substância branca em comparação com mulheres normotensas durante uma gestação anterior. Não foram encontradas diferenças com outros marcadores de patologia cerebral, como infarto ou microssangramentos cerebrais. O desenvolvimento da hipertensão crônica após a gestação fortaleceu esse resultado, principalmente em mulheres com hipertensão gestacional anterior.

"Esses dados indicam claramente que um histórico de DHEG estava associado a mais danos ao cérebro 15 anos após a gestação, danos que podem ter impactos duradouros na cognição", disse Hussainali. "Mulheres com histórico de DHEG devem ser avaliadas e tratadas precocemente para hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular."

Pré-eclâmpsia está associada ao aumento dos marcadores de inflamação cerebral

A pré-eclâmpsia é um distúrbio hipertensivo grave da gestação, que afeta aproximadamente cinco a oito por cento das gestações. Um grande conjunto de dados indica que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia têm um acúmulo de fatores de risco para a saúde na velhice, inclusive doenças cardíacas. Como a pré-eclâmpsia grave tem sido associada a maiores riscos de doenças cerebrovasculares, Sonja Suvakov, MD, PhD, pós-doutoranda em pesquisa e professora assistente de Medicina da Mayo Clinic, e sua equipe exploraram se as vesículas — pequenas bolsas cheias de líquido — liberadas pelas células do cérebro seriam detectáveis em mulheres anos após suas gestações afetadas.

Os pesquisadores constataram que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia grave tinham concentrações significativamente maiores de vesículas extracelulares, positivas para beta-amiloide, uma proteína que constitui uma das lesões cerebrais típicas do Alzheimer. Eles também encontraram um aumento significativo de vesículas extracelulares positivas para marcadores de danos e inflamação do endotélio cerebral. Da mesma forma, os níveis circulantes de beta-amiloide também estavam aumentados.

"Essas descobertas indicam que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia têm níveis mais altos de marcadores de danos neurovasculares, o que pode afetar negativamente suas habilidades cognitivas", disse Suvakov. "É necessário realizar mais pesquisas para entender plenamente os riscos neurodegenerativos e cognitivos que um histórico de distúrbios hipertensos confere às mulheres ao longo da vida."

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de todo o mundo com foco no Alzheimer e em outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC atua como catalisadora para a geração de novos conhecimentos sobre a demência e promoção de uma comunidade de pesquisa vital e coletiva.

Site da AAIC 2022:www.alz.org/aaic/ 

Sala de imprensa da AAIC 2022:www.alz.org/aaic/pressroom.asp

Hashtag da AAIC 2022: #AAIC22

Sobre a Associação de Alzheimer® 

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada ao tratamento, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Nossa missão é assumir a liderança para acabar com a doença de Alzheimer e com todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, impulsionando a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a qualidade do tratamento e do apoio. Nossa visão é um mundo sem Alzheimer e todas as outras demências®. Acesse alz.org ou ligue para 800.272.3900.

  • Karen Schliep, PhD, MSPH, et al. Quais subtipos estão impulsionando a associação entre doenças hipertensivas da gestação e demências? Resultados de um estudo de coorte retrospectivo de 80 anos (Financiadores: Institute on Aging, National Center for Research Resources, National Cancer Institute)
  • Rowina Hussainali, M.Sc., et al. Distúrbios hipertensivos da gestação e marcadores de patologia cerebral vascular após 15 anos: um estudo de coorte prospectivo (Financiadores: Preeclampsia Foundation; Coolsingel Foundation; Erasmus MC, Erasmus University Rotterdam, Netherlands Organization for Health Research and Development, Organização Holandesa para Pesquisa Científica, Ministry of Health, Welfare and Sport; Ministry of Youth and Families; Conselho Europeu de Pesquisa)
  • Sonja Suvakov, MD, PhD, et al. As vesículas extracelulares circulantes de origem neurovascular são elevadas em mulheres com pré-eclâmpsia grave anos após suas gestações afetadas

*** Os comunicados de imprensa da AAIC de 2022 podem conter dados atualizados que não coincidem com o que é relatado nos seguintes resumos. 

ID da proposta: 62343

Título: Quais subtipos estão impulsionando a associação entre doenças hipertensivas da gestação e demências? Resultados de um estudo de coorte retrospectivo de 80 anos

Histórico: Descobrimos recentemente que as mulheres com, em comparação com as mulheres sem, um histórico de DHEG tinham um risco maior de demência por todas as causas, demência vascular (VaD) e outras demências/demências não especificadas, mas não de doença de Alzheimer (DA). Aqui, avaliamos associações de subtipos de DHEG com demências na velhice.

Métodos: Realizamos um estudo de coorte retrospectivo com mulheres com pelo menos uma gravidez unifetal (1939 a 2019) em Utah. A classificação de DHEG foi realizada por meio de certidões de nascimento (sequência de texto, 1939–1977; códigos ICD9, 1978-1988; e caixas de verificação com texto adicional, 1989-2013) com certidões de óbito e registros hospitalares utilizados para validação. A classificação de demência foi avaliada com o uso de códigos ICD 9/10 por meio de registros de morte, hospitalares e da Medicare. Mulheres expostas (n=19.989) à DHEG foram combinadas uma a duas com mulheres não expostas (n=39.679) por grupos etários de cinco anos, ano do parto e paridade na época da gestação (Figura 1). Modelos de regressão Cox foram utilizados para estimar as taxas de risco ajustado (TRa) e 95% CI para subtipos de DHEG com demências por todas as causas e específicas.

Resultados: As gestações com DHEG foram compostas por pré-eclâmpsia/eclâmpsia (65,9%) e hipertensão gestacional (33,5%). Os casos restantes de DHEG foram devidos à síndrome HELLP (0,6%), que não avaliamos aqui devido ao baixo número de casos. A incidência de demência durante o acompanhamento (1979-2019) foi de 4,1%; entre elas, 70% eram outras/não especificadas, 24% eram DA e 6% eram VaD. Mulheres com histórico de pré-eclâmpsia/eclâmpsia, em comparação com as que não foram expostas, tiveram um risco 1,38 maior de demência por todas as causas, enquanto mulheres com hipertensão gestacional tiveram um risco 1,36 maior (Tabela 1). Desmembrando por subtipos de demência, mulheres com histórico de pré-eclâmpsia/eclâmpsia apresentaram um risco 1.51 maior de outras demências/demências não especificadas, enquanto mulheres com hipertensão gestacional apresentaram um risco 1,31 maior. A força de associação de hipertensão gestacional com VaD foi de 2,75, quase o dobro da de pré-eclâmpsia/eclâmpsia, que foi de 1,58. Os subtipos de DHEG não foram associados à DA.

Conclusão: Nossos resultados estão alinhados com o maior estudo realizado até hoje na Dinamarca, que constatou que a pré-eclâmpsia estava mais fortemente associada à VaD, em comparação com outros subtipos de demência. Nossos resultados sugerem ainda que o risco de VaD pode ser tão alto para mulheres com histórico de hipertensão gestacional quanto de pré-eclâmpsia.

Autora da apresentação 

Karen Schliep, PhD, MSPH  

Universidade de Utah, Estados Unidos

ID da proposta: 62354

Título: Distúrbios hipertensivos da gestação e marcadores de patologia cerebral vascular após 15 anos: um estudo de coorte prospectivo

Histórico: Evidências substanciais sugerem uma associação entre distúrbios hipertensivos da gestação (DHEG) e saúde cerebrovascular de longo prazo. Nosso objetivo era determinar as associações entre DHEG e marcadores de patologia cerebral vascular 15 anos após a gestação

Método: Tratou-se de um estudo de coorte localizado integrado em uma coorte prospectiva baseada na população, seguido de gravidez em estágio inicial. Incluímos 538 mulheres, 445 (82,7%) com gestações com índice normotenso e 93 (17,2%) com DHEG no índice de gestação. Quinze anos após a gestação (média de 14,6 anos, faixa de 90% 14,0; 15,7), as mulheres tinham, em média, 46,5 anos de idade (SD = 4,2). Essas mulheres foram submetidas a exames de ressonância magnética para avaliar os volumes de tecido cerebral, bem como as hiperintensidades de substância branca (HSB), infartos lacunares e microssangramentos cerebrais como marcadores de patologia cerebral vascular.

Resultado: Mulheres com DHEG anterior tinham volume 38% (CI 95%: [8%; 75%]) maior de HSB em comparação com mulheres com gestação normotensa anterior. Essa associação foi impulsionada por mulheres com hipertensão gestacional, que tiveram volume 48% (CI 95%: [11%; 95%]) maior de HSB em comparação com mulheres normotensas durante uma gestação anterior. Não foram encontradas diferenças com infartos ou microssangramentos cerebrais. O desenvolvimento de hipertensão crônica após a gestação fortaleceu esse resultado, principalmente em mulheres com hipertensão gestacional anterior.

Conclusão: Um histórico de DHEG foi associado a mais sobrecarga de HSB 15 anos após a gestação. Esse efeito foi impulsionado por mulheres com hipertensão gestacional anterior. O desenvolvimento de hipertensão crônica após a gestação contribuiu para esse efeito. As mulheres com histórico de DHEG devem ser avaliadas e tratadas precocemente para hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular.

Autora da apresentação: 

Rowina Hussainali, M.Sc.

Erasmus MC University Medical Center, Holanda

ID da proposta: 62360

Título: Vesículas extracelulares circulantes de origem neurovascular são elevadas em mulheres com pré-eclâmpsia grave anos após suas gestações afetadas

Histórico:
A pré-eclâmpsia (PE), uma doença hipertensiva específica da gestação, foi associada a um risco elevado de derrames, declínio cognitivo e volumes cerebrais menores na velhice. Como a PE grave foi associada aos maiores riscos de doenças cerebrovasculares, presumimos que vesículas extracelulares (VEs) circulantes de origem neurovascular serão detectáveis em mulheres anos após PE grave como um marcador de dano neurovascular persistente e beta-amiloide.

Método: Uma coorte de 40 mulheres com históricos de gestações normotensas (grupo controle) e equiparada em idade e paridade a 40 mulheres com histórico de PE leve (n=33) e grave (n=7) foi identificada por meio do uso do Projeto de Epidemiologia de Rochester. O diagnóstico de PE grave foi determinado com base em critérios clínicos (Tabela). Embora nenhuma das mulheres tenha tido eventos cardiovasculares importantes, nosso estudo anterior dessa coorte demonstrou que o volume total de matéria cinzenta era menor em mulheres com histórico de pré-eclâmpsia e hipertensão na velhice, em comparação com os outros grupos. As VEs do sangue derivadas da ativação celular neurovascular foram determinadas por citometria de fluxo digital padronizada. A concentração de beta-amiloide no plasma foi medida pelo ELISA. As diferenças entre os grupos foram testadas pelo ANOVA, com o teste com a menor diferença para análise post hoc. A associação entre VEs e ressonância magnética do cérebro foi avaliada pelo coeficiente de correlação de Pearson.

Resultado: Mulheres com histórico de PE grave tinham uma concentração significativamente maior de VEs com beta-amiloide, em comparação com as do grupo controle (p=0,003). As VEs positivas para os marcadores de dano cerebral por barreira hemato-encefálica (LDL-R) e ativador da via de coagulação inflamatória (fator de tecido), eram significativamente mais altas em mulheres com histórico de PE grave, em comparação com as do grupo controle (p=0,008 e p=0,002, respectivamente), bem como em mulheres com histórico de PE leve. A concentração de beta-amiloide total no plasma também era significativamente maior em mulheres com histórico de PE grave, em comparação com leve (p=0,037) (tabela). O número de VEs positivas de fator de tecido foi negativamente correlacionado com o volume total de substância cinzenta (cm3) (P<0,05).

Conclusão: Mulheres com histórico de PE grave apresentam níveis elevados de marcadores de neuroinflamação e danos neurovasculares, bem como maior secreção de beta-amiloide. A inflamação excessiva pode contribuir para a atrofia cerebral nessas mulheres, conforme descrito anteriormente.

Autora da apresentação: 

Sonja Suvakov, MD, PhD 

Mayo Clinic, Minnesota, Estados Unidos

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1871700/AAIC_Vascular_Dementia.jpg

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1869584/AAIC22_purple_font_rgb_Logo.jpg

FONTE Alzheimer’s Association

SAN DIEGO, 4 de agosto de 2022 /PRNewswire/ -- Experiências de distúrbios de alta pressão arterial durante a gestação estão associadas ao aumento do risco de demência vascular e ao envelhecimento acelerado do cérebro, de acordo com estudos apresentados hoje na Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®) de 2022, em San Diego e virtualmente.

Doenças hipertensivas específicas da gravidez (DHEG) — condições de alta pressão arterial como hipertensão crônica/gestacional e pré-eclâmpsia — estão fortemente ligadas a doenças cardíacas na velhice, mas antes de hoje, poucas pesquisas associaram esses distúrbios à cognição. As principais descobertas apresentadas na AAIC de 2022 incluem:

  • Mulheres com histórico de DHEG apresentaram maior probabilidade de desenvolver demência vascular — um declínio nas habilidades de raciocínio causado por condições que bloqueiam ou reduzem o fluxo sanguíneo para o cérebro — na velhice, em comparação com mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação.
  • A experiência de DHEG, especificamente pressão arterial alta durante a gestação, foi associada à patologia de substância branca, um indicador de declínio cognitivo acelerado, 15 anos após a gestação.
  • Mulheres com histórico de pré-eclâmpsia grave apresentaram níveis significativamente mais altos de beta-amiloide, uma alteração cerebral relacionada à doença de Alzheimer, conforme medições sanguíneas, em comparação com mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação.

Afetando quase um a cada sete partos hospitalares, a DHEG é uma das principais causas de morbidade e mortalidade em parturientes e fetos em todo o mundo. Essas condições afetam negros, latinos, asiáticos/habitantes das ilhas do Pacífico e populações indígenas americanas a taxas desproporcionalmente altas.

"Esses estão entre os primeiros dados longitudinais que associam distúrbios hipertensivos da gravidez à demência em uma grande coorte de estudo", disse Claire Sexton, PhD e diretora sênior de programas científicos e assistência da Associação de Alzheimer. "Considerando as sérias implicações de curto e longo prazo da DHEG, a detecção e o tratamento precoces são vitais para proteger a gestante e o bebê."

"Esses dados destacam a importância do atendimento pré-natal e o monitoramento de longo prazo das gestantes", disse Sexton. "As pessoas que apresentarem quaisquer alterações em sua memória e cognição devem conversar com seu prestador de serviços de saúde."

DHEG está associada a um maior risco de demência vascular

Para explorar a associação entre a DHEG e a demência na velhice, Karen Schliep, PhD, MSPH, professora assistente de medicina familiar e preventiva da University of Utah Health, e colegas, realizou um estudo de coorte retrospectivo com 59.668 mulheres que já haviam tido uma gestação.

As mulheres com histórico de DHEG apresentaram um risco ajustado 1,37 vezes maior de demência por todas as causas, depois de levar em consideração a idade materna, o ano do parto e a paridade, em comparação com as mulheres que não sofreram de hipertensão na gestação. A DHEG foi associada a um risco 1,64 vezes maior de demência vascular e 1,49 vezes maior de outras demências relacionadas, mas não à doença de Alzheimer. A hipertensão e a pré-eclâmpsia/eclâmpsia gestacional apresentaram magnitudes semelhantes em risco de demência vascular.

"Nossos resultados confirmam descobertas anteriores de que a pré-eclâmpsia está mais fortemente associada à demência vascular em comparação com a doença de Alzheimer ou com outros tipos de demência", disse Schliep. "Eles sugerem ainda que o risco de demência vascular pode ser tão alto para mulheres com histórico de hipertensão gestacional quanto de pré-eclâmpsia."

DHEG está associada à patologia de substância branca 15 anos após a gestação

Considerando a associação bem estabelecida entre a DHEG e a saúde cerebrovascular de longo prazo, Rowina Hussainali, M.Sc., doutoranda em epidemiologia e obstetrícia e ginecologia do Erasmus MC Medical Center, na Holanda, e colegas pretendiam examinar as associações entre a DHEG e os marcadores de patologia cerebral vascular 15 anos após a gestação.

Os pesquisadores examinaram 538 mulheres, 445 sem hipertensão na gestação e 93 com DHEG, do estudo Generation R. Foram incluídas gestantes com data prevista de parto entre abril de 2002 e janeiro de 2006. Quinze anos depois, algumas dessas mulheres foram submetidas a exames de ressonância magnética para avaliar os volumes de tecidos cerebrais, bem como outros marcadores que podem indicar patologia.

Hussainali e sua equipe constataram que mulheres com DHEG anterior tinham 38% mais patologia de substância branca (indicativa do desgaste do tecido cerebral) em comparação com as mulheres que não sofreram de hipertensão em gestação anterior. Essa associação foi impulsionada por mulheres com hipertensão gestacional, que tiveram 48% mais patologia de substância branca em comparação com mulheres normotensas durante uma gestação anterior. Não foram encontradas diferenças com outros marcadores de patologia cerebral, como infarto ou microssangramentos cerebrais. O desenvolvimento da hipertensão crônica após a gestação fortaleceu esse resultado, principalmente em mulheres com hipertensão gestacional anterior.

"Esses dados indicam claramente que um histórico de DHEG estava associado a mais danos ao cérebro 15 anos após a gestação, danos que podem ter impactos duradouros na cognição", disse Hussainali. "Mulheres com histórico de DHEG devem ser avaliadas e tratadas precocemente para hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular."

Pré-eclâmpsia está associada ao aumento dos marcadores de inflamação cerebral

A pré-eclâmpsia é um distúrbio hipertensivo grave da gestação, que afeta aproximadamente cinco a oito por cento das gestações. Um grande conjunto de dados indica que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia têm um acúmulo de fatores de risco para a saúde na velhice, inclusive doenças cardíacas. Como a pré-eclâmpsia grave tem sido associada a maiores riscos de doenças cerebrovasculares, Sonja Suvakov, MD, PhD, pós-doutoranda em pesquisa e professora assistente de Medicina da Mayo Clinic, e sua equipe exploraram se as vesículas — pequenas bolsas cheias de líquido — liberadas pelas células do cérebro seriam detectáveis em mulheres anos após suas gestações afetadas.

Os pesquisadores constataram que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia grave tinham concentrações significativamente maiores de vesículas extracelulares, positivas para beta-amiloide, uma proteína que constitui uma das lesões cerebrais típicas do Alzheimer. Eles também encontraram um aumento significativo de vesículas extracelulares positivas para marcadores de danos e inflamação do endotélio cerebral. Da mesma forma, os níveis circulantes de beta-amiloide também estavam aumentados.

"Essas descobertas indicam que mulheres com histórico de pré-eclâmpsia têm níveis mais altos de marcadores de danos neurovasculares, o que pode afetar negativamente suas habilidades cognitivas", disse Suvakov. "É necessário realizar mais pesquisas para entender plenamente os riscos neurodegenerativos e cognitivos que um histórico de distúrbios hipertensos confere às mulheres ao longo da vida."

Sobre a Conferência Internacional da Associação de Alzheimer® (AAIC®

A Conferência Internacional da Associação de Alzheimer (AAIC) é o maior encontro mundial de pesquisadores de todo o mundo com foco no Alzheimer e em outras demências. Como parte do programa de pesquisa da Associação de Alzheimer, a AAIC atua como catalisadora para a geração de novos conhecimentos sobre a demência e promoção de uma comunidade de pesquisa vital e coletiva.

Site da AAIC 2022:www.alz.org/aaic/ 

Sala de imprensa da AAIC 2022:www.alz.org/aaic/pressroom.asp

Hashtag da AAIC 2022: #AAIC22

Sobre a Associação de Alzheimer® 

A Associação de Alzheimer é uma organização voluntária mundial de saúde dedicada ao tratamento, apoio e pesquisa da doença de Alzheimer. Nossa missão é assumir a liderança para acabar com a doença de Alzheimer e com todas as outras demências, acelerando a pesquisa global, impulsionando a redução de riscos e a detecção precoce e maximizando a qualidade do tratamento e do apoio. Nossa visão é um mundo sem Alzheimer e todas as outras demências®. Acesse alz.org ou ligue para 800.272.3900.

  • Karen Schliep, PhD, MSPH, et al. Quais subtipos estão impulsionando a associação entre doenças hipertensivas da gestação e demências? Resultados de um estudo de coorte retrospectivo de 80 anos (Financiadores: Institute on Aging, National Center for Research Resources, National Cancer Institute)
  • Rowina Hussainali, M.Sc., et al. Distúrbios hipertensivos da gestação e marcadores de patologia cerebral vascular após 15 anos: um estudo de coorte prospectivo (Financiadores: Preeclampsia Foundation; Coolsingel Foundation; Erasmus MC, Erasmus University Rotterdam, Netherlands Organization for Health Research and Development, Organização Holandesa para Pesquisa Científica, Ministry of Health, Welfare and Sport; Ministry of Youth and Families; Conselho Europeu de Pesquisa)
  • Sonja Suvakov, MD, PhD, et al. As vesículas extracelulares circulantes de origem neurovascular são elevadas em mulheres com pré-eclâmpsia grave anos após suas gestações afetadas

*** Os comunicados de imprensa da AAIC de 2022 podem conter dados atualizados que não coincidem com o que é relatado nos seguintes resumos. 

ID da proposta: 62343

Título: Quais subtipos estão impulsionando a associação entre doenças hipertensivas da gestação e demências? Resultados de um estudo de coorte retrospectivo de 80 anos

Histórico: Descobrimos recentemente que as mulheres com, em comparação com as mulheres sem, um histórico de DHEG tinham um risco maior de demência por todas as causas, demência vascular (VaD) e outras demências/demências não especificadas, mas não de doença de Alzheimer (DA). Aqui, avaliamos associações de subtipos de DHEG com demências na velhice.

Métodos: Realizamos um estudo de coorte retrospectivo com mulheres com pelo menos uma gravidez unifetal (1939 a 2019) em Utah. A classificação de DHEG foi realizada por meio de certidões de nascimento (sequência de texto, 1939–1977; códigos ICD9, 1978-1988; e caixas de verificação com texto adicional, 1989-2013) com certidões de óbito e registros hospitalares utilizados para validação. A classificação de demência foi avaliada com o uso de códigos ICD 9/10 por meio de registros de morte, hospitalares e da Medicare. Mulheres expostas (n=19.989) à DHEG foram combinadas uma a duas com mulheres não expostas (n=39.679) por grupos etários de cinco anos, ano do parto e paridade na época da gestação (Figura 1). Modelos de regressão Cox foram utilizados para estimar as taxas de risco ajustado (TRa) e 95% CI para subtipos de DHEG com demências por todas as causas e específicas.

Resultados: As gestações com DHEG foram compostas por pré-eclâmpsia/eclâmpsia (65,9%) e hipertensão gestacional (33,5%). Os casos restantes de DHEG foram devidos à síndrome HELLP (0,6%), que não avaliamos aqui devido ao baixo número de casos. A incidência de demência durante o acompanhamento (1979-2019) foi de 4,1%; entre elas, 70% eram outras/não especificadas, 24% eram DA e 6% eram VaD. Mulheres com histórico de pré-eclâmpsia/eclâmpsia, em comparação com as que não foram expostas, tiveram um risco 1,38 maior de demência por todas as causas, enquanto mulheres com hipertensão gestacional tiveram um risco 1,36 maior (Tabela 1). Desmembrando por subtipos de demência, mulheres com histórico de pré-eclâmpsia/eclâmpsia apresentaram um risco 1.51 maior de outras demências/demências não especificadas, enquanto mulheres com hipertensão gestacional apresentaram um risco 1,31 maior. A força de associação de hipertensão gestacional com VaD foi de 2,75, quase o dobro da de pré-eclâmpsia/eclâmpsia, que foi de 1,58. Os subtipos de DHEG não foram associados à DA.

Conclusão: Nossos resultados estão alinhados com o maior estudo realizado até hoje na Dinamarca, que constatou que a pré-eclâmpsia estava mais fortemente associada à VaD, em comparação com outros subtipos de demência. Nossos resultados sugerem ainda que o risco de VaD pode ser tão alto para mulheres com histórico de hipertensão gestacional quanto de pré-eclâmpsia.

Autora da apresentação 

Karen Schliep, PhD, MSPH  

Universidade de Utah, Estados Unidos

ID da proposta: 62354

Título: Distúrbios hipertensivos da gestação e marcadores de patologia cerebral vascular após 15 anos: um estudo de coorte prospectivo

Histórico: Evidências substanciais sugerem uma associação entre distúrbios hipertensivos da gestação (DHEG) e saúde cerebrovascular de longo prazo. Nosso objetivo era determinar as associações entre DHEG e marcadores de patologia cerebral vascular 15 anos após a gestação

Método: Tratou-se de um estudo de coorte localizado integrado em uma coorte prospectiva baseada na população, seguido de gravidez em estágio inicial. Incluímos 538 mulheres, 445 (82,7%) com gestações com índice normotenso e 93 (17,2%) com DHEG no índice de gestação. Quinze anos após a gestação (média de 14,6 anos, faixa de 90% 14,0; 15,7), as mulheres tinham, em média, 46,5 anos de idade (SD = 4,2). Essas mulheres foram submetidas a exames de ressonância magnética para avaliar os volumes de tecido cerebral, bem como as hiperintensidades de substância branca (HSB), infartos lacunares e microssangramentos cerebrais como marcadores de patologia cerebral vascular.

Resultado: Mulheres com DHEG anterior tinham volume 38% (CI 95%: [8%; 75%]) maior de HSB em comparação com mulheres com gestação normotensa anterior. Essa associação foi impulsionada por mulheres com hipertensão gestacional, que tiveram volume 48% (CI 95%: [11%; 95%]) maior de HSB em comparação com mulheres normotensas durante uma gestação anterior. Não foram encontradas diferenças com infartos ou microssangramentos cerebrais. O desenvolvimento de hipertensão crônica após a gestação fortaleceu esse resultado, principalmente em mulheres com hipertensão gestacional anterior.

Conclusão: Um histórico de DHEG foi associado a mais sobrecarga de HSB 15 anos após a gestação. Esse efeito foi impulsionado por mulheres com hipertensão gestacional anterior. O desenvolvimento de hipertensão crônica após a gestação contribuiu para esse efeito. As mulheres com histórico de DHEG devem ser avaliadas e tratadas precocemente para hipertensão e outros fatores de risco cardiovascular.

Autora da apresentação: 

Rowina Hussainali, M.Sc.

Erasmus MC University Medical Center, Holanda

ID da proposta: 62360

Título: Vesículas extracelulares circulantes de origem neurovascular são elevadas em mulheres com pré-eclâmpsia grave anos após suas gestações afetadas

Histórico:
A pré-eclâmpsia (PE), uma doença hipertensiva específica da gestação, foi associada a um risco elevado de derrames, declínio cognitivo e volumes cerebrais menores na velhice. Como a PE grave foi associada aos maiores riscos de doenças cerebrovasculares, presumimos que vesículas extracelulares (VEs) circulantes de origem neurovascular serão detectáveis em mulheres anos após PE grave como um marcador de dano neurovascular persistente e beta-amiloide.

Método: Uma coorte de 40 mulheres com históricos de gestações normotensas (grupo controle) e equiparada em idade e paridade a 40 mulheres com histórico de PE leve (n=33) e grave (n=7) foi identificada por meio do uso do Projeto de Epidemiologia de Rochester. O diagnóstico de PE grave foi determinado com base em critérios clínicos (Tabela). Embora nenhuma das mulheres tenha tido eventos cardiovasculares importantes, nosso estudo anterior dessa coorte demonstrou que o volume total de matéria cinzenta era menor em mulheres com histórico de pré-eclâmpsia e hipertensão na velhice, em comparação com os outros grupos. As VEs do sangue derivadas da ativação celular neurovascular foram determinadas por citometria de fluxo digital padronizada. A concentração de beta-amiloide no plasma foi medida pelo ELISA. As diferenças entre os grupos foram testadas pelo ANOVA, com o teste com a menor diferença para análise post hoc. A associação entre VEs e ressonância magnética do cérebro foi avaliada pelo coeficiente de correlação de Pearson.

Resultado: Mulheres com histórico de PE grave tinham uma concentração significativamente maior de VEs com beta-amiloide, em comparação com as do grupo controle (p=0,003). As VEs positivas para os marcadores de dano cerebral por barreira hemato-encefálica (LDL-R) e ativador da via de coagulação inflamatória (fator de tecido), eram significativamente mais altas em mulheres com histórico de PE grave, em comparação com as do grupo controle (p=0,008 e p=0,002, respectivamente), bem como em mulheres com histórico de PE leve. A concentração de beta-amiloide total no plasma também era significativamente maior em mulheres com histórico de PE grave, em comparação com leve (p=0,037) (tabela). O número de VEs positivas de fator de tecido foi negativamente correlacionado com o volume total de substância cinzenta (cm3) (P<0,05).

Conclusão: Mulheres com histórico de PE grave apresentam níveis elevados de marcadores de neuroinflamação e danos neurovasculares, bem como maior secreção de beta-amiloide. A inflamação excessiva pode contribuir para a atrofia cerebral nessas mulheres, conforme descrito anteriormente.

Autora da apresentação: 

Sonja Suvakov, MD, PhD 

Mayo Clinic, Minnesota, Estados Unidos

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1871700/AAIC_Vascular_Dementia.jpg

Logotipo - https://mma.prnewswire.com/media/1869584/AAIC22_purple_font_rgb_Logo.jpg

FONTE Alzheimer’s Association

Você acabou de ler:

HISTÓRICO DE DISTÚRBIOS HIPERTENSIVOS DURANTE A GESTAÇÃO ESTÃO ASSOCIADOS AO AUMENTO DO RISCO DE DEMÊNCIA

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/historico-de-disturbios-hipertensivos-durante-a-gestacao-estao-associados-ao-aumento-do-risco-de-demencia/