InPACTO completa 7 anos de atuação no combate ao trabalho escravo no Brasil

No período, o Instituto tornou-se referência nacional e internacional como promotor de diálogos setoriais, estudos e estratégias para a promoção do trabalho decente

SÃO PAULO, 31 de maio de 2021 /PRNewswire/ -- O InPACTO (Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo) completou 7 anos de atuação, construindo com as empresas estratégias setoriais para o enfrentamento do trabalho escravo em cadeias produtivas. Com isso, também colabora para a mobilização e o engajamento de empresas oferecendo a elas conhecimento e inovação para vencer este desafio com mais eficiência.

O InPACTO está alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODSs), uma agenda mundial aprovada por consenso em setembro de 2015 por todos os países da ONU, composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidas pelas nações, como forma de fazer avançar o desenvolvimento sustentável no planeta.  No caso do InPACTO, as ações do instituto buscam atingir os seguintes ODSs:

ODS 8 – Trabalho Decente e Crescimento Econômico;

ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis; e

ODS 17 – Parcerias para o desenvolvimento sustentável.

Conquistas - Entre as principais conquistas do período, vale destacar:

  • Estímulo ao protagonismo das empresas no combate ao trabalho escravo nas suas cadeias produtivas;
  • Consolidação do instituto como promotor do diálogo entre setor produtivo, governos e sociedade civil não apenas sobre o combate ao trabalho escravo, mas também pela promoção do trabalho decente nas cadeias produtivas;
  • Desenvolvimento de estudos, estratégias e inovações tecnológicas para o enfrentamento do trabalho escravo nas cadeias produtivas;
  • Lançamento do IVI – Índice de Vulnerabilidade InPACTO, uma plataforma de dados permitirá que empresas possam desenvolver políticas de direitos humanos com critérios de priorização.

Estratégias setoriais – O InPACTO desenvolve estratégias setoriais como forma de chamar a atenção das empresas nacionais e internacionais para:

  • o risco da exploração dos mais vulneráveis em suas cadeias de fornecimento;
  • as medidas de prevenção e combate ao trabalho escravo.

O Instituto atua no desenho de estratégias para os setores cafeeiro, de moda e de carnaúba.

Reconhecimentos – Desde o início de suas atividades, o InPACTO vem sendo reconhecido por sua atuação consistente e inovadora no combate a um dos males mais persistentes na história humana: o trabalho escravo.

No Brasil, o InPACTO participa, em todas as instâncias governamentais, de comissões de erradicação do trabalho escravo; também é convocado por universidades para contribuir com o debate acadêmico sobre o desafio de erradicar o trabalho escravo das cadeias globais de valor.

Conheça a história da criação do InPACTO e do PACTO NACIONAL nesse vídeo https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6800521772723654656/

No plano internacional, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) reconheceu, em um estudo publicado em 2009, a importância do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo na estratégia brasileira de combate à escravidão.  Este estudo despertou a atenção da ONU, que também reconheceu o Pacto como referência internacional e mecanismo importante de enfrentamento à violação de direitos humanos.  

O InPACTO faz parte de um grupo de experts que contribuiu na elaboração de um guia de compras públicas lançado pelo Instituições Democráticas e Direitos Humanos da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), com orientações para os países estabelecerem medidas concretas de contenção do tráfico de pessoas.

Associadas – Hoje, o InPACTO tem 65 associadas, entre elas 45 empresas.  A elas, o Instituto oferece assessoria técnica na forma de um diagnóstico monitorado individual, com sugestões para aperfeiçoamento da gestão e para políticas de responsabilidade social e sustentabilidade.

A empresa associada também conta com outras vantagens, tais como:

  • Participar de reuniões setoriais com foco nos desafios para a solução dos problemas;
  • Participar gratuitamente de seminários e oficinas virtuais e presenciais;
  • Compartilhar experiências bem-sucedidas;
  • Estabelecer desafios comuns;
  • Engajar, desenvolver e qualificar a cadeia de valor em formas avançadas de gestão de risco, com o apoio técnico do InPACTO;
  • Contribuir para a construção de políticas públicas.

A associação é aberta a qualquer empresa, de qualquer tamanho e setor. Para mais informações, entre em contato com Milene Almeida (m.almeida@inpacto.org.br)

Para mais informações:

Mara Ribeiromara@mararibeiro.com.br – 11 99221.5201

Cristina Speracristinaspera1@gmail.com – 11 95316-3222

FONTE InPACTO

No período, o Instituto tornou-se referência nacional e internacional como promotor de diálogos setoriais, estudos e estratégias para a promoção do trabalho decente

SÃO PAULO, 31 de maio de 2021 /PRNewswire/ -- O InPACTO (Instituto Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo) completou 7 anos de atuação, construindo com as empresas estratégias setoriais para o enfrentamento do trabalho escravo em cadeias produtivas. Com isso, também colabora para a mobilização e o engajamento de empresas oferecendo a elas conhecimento e inovação para vencer este desafio com mais eficiência.

O InPACTO está alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODSs), uma agenda mundial aprovada por consenso em setembro de 2015 por todos os países da ONU, composta por 17 objetivos e 169 metas a serem atingidas pelas nações, como forma de fazer avançar o desenvolvimento sustentável no planeta.  No caso do InPACTO, as ações do instituto buscam atingir os seguintes ODSs:

ODS 8 – Trabalho Decente e Crescimento Econômico;

ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis; e

ODS 17 – Parcerias para o desenvolvimento sustentável.

Conquistas - Entre as principais conquistas do período, vale destacar:

  • Estímulo ao protagonismo das empresas no combate ao trabalho escravo nas suas cadeias produtivas;
  • Consolidação do instituto como promotor do diálogo entre setor produtivo, governos e sociedade civil não apenas sobre o combate ao trabalho escravo, mas também pela promoção do trabalho decente nas cadeias produtivas;
  • Desenvolvimento de estudos, estratégias e inovações tecnológicas para o enfrentamento do trabalho escravo nas cadeias produtivas;
  • Lançamento do IVI – Índice de Vulnerabilidade InPACTO, uma plataforma de dados permitirá que empresas possam desenvolver políticas de direitos humanos com critérios de priorização.

Estratégias setoriais – O InPACTO desenvolve estratégias setoriais como forma de chamar a atenção das empresas nacionais e internacionais para:

  • o risco da exploração dos mais vulneráveis em suas cadeias de fornecimento;
  • as medidas de prevenção e combate ao trabalho escravo.

O Instituto atua no desenho de estratégias para os setores cafeeiro, de moda e de carnaúba.

Reconhecimentos – Desde o início de suas atividades, o InPACTO vem sendo reconhecido por sua atuação consistente e inovadora no combate a um dos males mais persistentes na história humana: o trabalho escravo.

No Brasil, o InPACTO participa, em todas as instâncias governamentais, de comissões de erradicação do trabalho escravo; também é convocado por universidades para contribuir com o debate acadêmico sobre o desafio de erradicar o trabalho escravo das cadeias globais de valor.

Conheça a história da criação do InPACTO e do PACTO NACIONAL nesse vídeo https://www.linkedin.com/feed/update/urn:li:activity:6800521772723654656/

No plano internacional, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) reconheceu, em um estudo publicado em 2009, a importância do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo na estratégia brasileira de combate à escravidão.  Este estudo despertou a atenção da ONU, que também reconheceu o Pacto como referência internacional e mecanismo importante de enfrentamento à violação de direitos humanos.  

O InPACTO faz parte de um grupo de experts que contribuiu na elaboração de um guia de compras públicas lançado pelo Instituições Democráticas e Direitos Humanos da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE), com orientações para os países estabelecerem medidas concretas de contenção do tráfico de pessoas.

Associadas – Hoje, o InPACTO tem 65 associadas, entre elas 45 empresas.  A elas, o Instituto oferece assessoria técnica na forma de um diagnóstico monitorado individual, com sugestões para aperfeiçoamento da gestão e para políticas de responsabilidade social e sustentabilidade.

A empresa associada também conta com outras vantagens, tais como:

  • Participar de reuniões setoriais com foco nos desafios para a solução dos problemas;
  • Participar gratuitamente de seminários e oficinas virtuais e presenciais;
  • Compartilhar experiências bem-sucedidas;
  • Estabelecer desafios comuns;
  • Engajar, desenvolver e qualificar a cadeia de valor em formas avançadas de gestão de risco, com o apoio técnico do InPACTO;
  • Contribuir para a construção de políticas públicas.

A associação é aberta a qualquer empresa, de qualquer tamanho e setor. Para mais informações, entre em contato com Milene Almeida (m.almeida@inpacto.org.br)

Para mais informações:

Mara Ribeiromara@mararibeiro.com.br – 11 99221.5201

Cristina Speracristinaspera1@gmail.com – 11 95316-3222

FONTE InPACTO