Intrader DTVM prepara novos produtos financeiros até o fim do ano

Apesar da crise financeira, decorrente do Covid-19, a empresa acredita no estabelecimento da demanda por juros baixo e mantém o planejamento de 2020

SÃO PAULO, 28 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- A crise econômica impulsionada pelo novo coronavírus abalou a estrutura econômica mundial, suspendeu os planos de muitos e inclusive promoveu um efeito de ruptura em algumas negociações em andamento. Em paralelo, o mercado financeiro historicamente tem um comportamento diferente de outros setores da economia em momentos de incerteza. É o caso da distribuidora de valores Intrader DTVM.

O empresário Edson Hydalgo Jr, fundador da empresa, explica que é um momento de cautela pois os retornos almejados a curto prazo foram comprometidos mas que esse cuidado não é refletido na interrupção de um planejamento. "Analisamos os fatos com calma, é importante não se precipitar, nem tomar medidas extremas prevendo uma virada de mercado brutal. Acreditamos que isso vai passar, só não conseguimos projetar quanto tempo", alega.

Essa dificuldade de planejamento persiste com um horizonte nebuloso referente à duração da crise, porém Hydalgo Jr acredita que a demanda por juros baixo — que vinha se firmando antes da crise — promovendo um terreno fértil para o mercado de produtos financeiros estruturados depois da crise. "Se formos olhar a precificação do mercado de ações do índice Bovespa corrigido desde 2008 — quando tivemos a crise do Subprime — para hoje é em torno de 135 mil pontos e acreditamos que o mercado vai voltar a buscar esse índice. A curva futura de juros também estressou mas tende a descer quando o coronavírus começar a estabilizar e esse câmbio, que teve um momento de pico de saída de capital, pode ter um retorno desse capital e estabilizar ali num nível de acomodação. A previsão é essa, só não sabemos o timming disso", analisa.

Fundada em 2008, a Intrader DTVM se firmou nos últimos doze anos como uma instituição financeira independente com um crescimento ano a ano. A empresa acredita em uma dinâmica veloz entre back e front office — o que é mais fácil de se tornar uma realidade por não ser uma instituição tradicional. Em 2019, a administração atingiu o patamar de 110 Fundos de Investimento com um total de R$ 7 bilhões sob Administração e Custódia da empresa.

Atualmente, a empresa elabora a oferta de produtos da área de Distribuição de Fundos — próprios ou de terceiros — e de Gestão. Ao mesmo tempo, efetiva a operação de bolsa via home broker, na busca pela ampliação da gama de clientes. Tudo isso articulado em um meio digital, ainda de acordo com Jr Hydalgo a operação foi feita com a preocupação de garantir conforto, tranquilidade e segurança aos clientes. A plataforma ainda conta com um detalhe precioso, ela conta com um assessor de investimentos que deve levar a expertise da equipe comercial da Intrader ao digital.

A formulação de uma nova área da empresa é resultado de uma crença na demanda por juros baixo. Nela, os investidores acostumados com baixo rendimento e até mesmo os chamados poupadores vão sentir a perda dos ganhos e nada como a necessidade para ditar o ritmo de uma mudança. "O investidor acostumado a colocar o dinheiro no CDI, na poupança, em algum título do governo que tinha um rendimento de mais de 1% ao mês vai ter que procurar alternativas. Não vai sair totalmente dessa locação mas pelo menos uma parte do dinheiro a ser alocado vai ter que tomar um pouco mais de risco em busca de uma rentabilidade um pouco melhor. É natural que procure um cenário de fundos de investimento imobiliário, de crédito, em ações ou mesmo para fundo de investimento em participações que são os chamados FIPs", explica Jr Hydalgo.

É natural que a crise tão inesperada, de uma magnitude imprevisível e ainda com um horizonte turvo cause incerteza e gere dificuldade na crença de que o mercado vai normalizar. Porém, essa primeira impressão pode ser desmistificada com o conhecimento histórico e uma análise minuciosa de mercado. A dificuldade ganha contornos mais drásticos para quem espera retorno a curto prazo, mas o planejamento a longo prazo premia, quem conseguir planejar sua carteira dessa maneira pode testemunhar ganhos futuros, como foi no caso da crise do subprime, em 2008.

Questionado sobre a crise, Jr Hydalgo alega que a demanda pelo juros baixo foi apenas suspensa e já se tornou uma demanda de um mercado estabelecida que potencializa o caráter promissor da área no Brasil. "Acreditamos que é um mercado que, com juros baixos, vai demandar cada vez mais produtos estruturados, seja papéis propriamente ditos ou fundos de investimentos estruturados", pontua.

Ainda vale ressaltar que os pacotes financeiros de auxílio do governo, no mundo inteiro, estão em fase de implementação ou acabaram de ser estabelecidos, de tal forma que as previsões negativas de mercado ainda não contemplam essas medidas emergenciais. O mercado financeiro pode ser um termômetro para a melhora do estado da população, ao gerar rendimentos impulsiona outros setores da economia e com a proliferação de instituições financeiras independentes, os investidores contam com mais opções para entrar nos caminhos sinuosos do mercado financeiro.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1174129/edson.jpg?p=original

FONTE Edson Hydalgo Junior

Apesar da crise financeira, decorrente do Covid-19, a empresa acredita no estabelecimento da demanda por juros baixo e mantém o planejamento de 2020

SÃO PAULO, 28 de maio de 2020 /PRNewswire/ -- A crise econômica impulsionada pelo novo coronavírus abalou a estrutura econômica mundial, suspendeu os planos de muitos e inclusive promoveu um efeito de ruptura em algumas negociações em andamento. Em paralelo, o mercado financeiro historicamente tem um comportamento diferente de outros setores da economia em momentos de incerteza. É o caso da distribuidora de valores Intrader DTVM.

O empresário Edson Hydalgo Jr, fundador da empresa, explica que é um momento de cautela pois os retornos almejados a curto prazo foram comprometidos mas que esse cuidado não é refletido na interrupção de um planejamento. "Analisamos os fatos com calma, é importante não se precipitar, nem tomar medidas extremas prevendo uma virada de mercado brutal. Acreditamos que isso vai passar, só não conseguimos projetar quanto tempo", alega.

Essa dificuldade de planejamento persiste com um horizonte nebuloso referente à duração da crise, porém Hydalgo Jr acredita que a demanda por juros baixo — que vinha se firmando antes da crise — promovendo um terreno fértil para o mercado de produtos financeiros estruturados depois da crise. "Se formos olhar a precificação do mercado de ações do índice Bovespa corrigido desde 2008 — quando tivemos a crise do Subprime — para hoje é em torno de 135 mil pontos e acreditamos que o mercado vai voltar a buscar esse índice. A curva futura de juros também estressou mas tende a descer quando o coronavírus começar a estabilizar e esse câmbio, que teve um momento de pico de saída de capital, pode ter um retorno desse capital e estabilizar ali num nível de acomodação. A previsão é essa, só não sabemos o timming disso", analisa.

Fundada em 2008, a Intrader DTVM se firmou nos últimos doze anos como uma instituição financeira independente com um crescimento ano a ano. A empresa acredita em uma dinâmica veloz entre back e front office — o que é mais fácil de se tornar uma realidade por não ser uma instituição tradicional. Em 2019, a administração atingiu o patamar de 110 Fundos de Investimento com um total de R$ 7 bilhões sob Administração e Custódia da empresa.

Atualmente, a empresa elabora a oferta de produtos da área de Distribuição de Fundos — próprios ou de terceiros — e de Gestão. Ao mesmo tempo, efetiva a operação de bolsa via home broker, na busca pela ampliação da gama de clientes. Tudo isso articulado em um meio digital, ainda de acordo com Jr Hydalgo a operação foi feita com a preocupação de garantir conforto, tranquilidade e segurança aos clientes. A plataforma ainda conta com um detalhe precioso, ela conta com um assessor de investimentos que deve levar a expertise da equipe comercial da Intrader ao digital.

A formulação de uma nova área da empresa é resultado de uma crença na demanda por juros baixo. Nela, os investidores acostumados com baixo rendimento e até mesmo os chamados poupadores vão sentir a perda dos ganhos e nada como a necessidade para ditar o ritmo de uma mudança. "O investidor acostumado a colocar o dinheiro no CDI, na poupança, em algum título do governo que tinha um rendimento de mais de 1% ao mês vai ter que procurar alternativas. Não vai sair totalmente dessa locação mas pelo menos uma parte do dinheiro a ser alocado vai ter que tomar um pouco mais de risco em busca de uma rentabilidade um pouco melhor. É natural que procure um cenário de fundos de investimento imobiliário, de crédito, em ações ou mesmo para fundo de investimento em participações que são os chamados FIPs", explica Jr Hydalgo.

É natural que a crise tão inesperada, de uma magnitude imprevisível e ainda com um horizonte turvo cause incerteza e gere dificuldade na crença de que o mercado vai normalizar. Porém, essa primeira impressão pode ser desmistificada com o conhecimento histórico e uma análise minuciosa de mercado. A dificuldade ganha contornos mais drásticos para quem espera retorno a curto prazo, mas o planejamento a longo prazo premia, quem conseguir planejar sua carteira dessa maneira pode testemunhar ganhos futuros, como foi no caso da crise do subprime, em 2008.

Questionado sobre a crise, Jr Hydalgo alega que a demanda pelo juros baixo foi apenas suspensa e já se tornou uma demanda de um mercado estabelecida que potencializa o caráter promissor da área no Brasil. "Acreditamos que é um mercado que, com juros baixos, vai demandar cada vez mais produtos estruturados, seja papéis propriamente ditos ou fundos de investimentos estruturados", pontua.

Ainda vale ressaltar que os pacotes financeiros de auxílio do governo, no mundo inteiro, estão em fase de implementação ou acabaram de ser estabelecidos, de tal forma que as previsões negativas de mercado ainda não contemplam essas medidas emergenciais. O mercado financeiro pode ser um termômetro para a melhora do estado da população, ao gerar rendimentos impulsiona outros setores da economia e com a proliferação de instituições financeiras independentes, os investidores contam com mais opções para entrar nos caminhos sinuosos do mercado financeiro.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1174129/edson.jpg?p=original

FONTE Edson Hydalgo Junior