KPMG: mesmo diante da pandemia, CEOs sul-americanos acreditam no crescimento das empresas nos próximos 3 anos

SÃO PAULO, 5 de outubro de 2020 /PRNewswire/ -- Apesar das preocupações e dificuldades impostas pela pandemia, 53% dos CEOs da América do Sul entrevistados pela KPMG mostram-se confiantes no crescimento, nos próximos três anos, das empresas que presidem. Outros 27% não acreditam neste avanço para o mesmo período, enquanto 20% estão indecisos com o futuro. Já no cenário global, 68% confiam na melhoria dos resultados. Esta é uma das análises apresentadas na pesquisa CEO Outlook 2020, da KPMG, realizada nos meses de julho e agosto deste ano. No estudo anual, foram consultados líderes de 11 setores da economia de países dessa região, incluindo o Brasil e exceto o Paraguai.

Quanto ao nível de expansão dos negócios, o levantamento mostrou que 39% dos CEOs sul-americanos esperam ganhos entre 0,01% e 2,4%. Outros 27% creem em alta de 2,5% a 4,9%, enquanto 2% vislumbram avanço entre 5% e 9,9%. A pesquisa também aponta que 11% têm uma expectativa negativa, que varia entre 4,9 a 0,01%. Para 21%, não haverá variação.

O presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul, Charles Krieck, salienta que a expectativa de crescimento nos próximos três anos é bem semelhante entre os CEOs da região e os globais. "Isso mostra que, mesmo com pandemia ainda em curso, e com riscos geopolíticos em alguns países, os negócios estão evoluindo gradativamente, sinalizando um cenário geral positivo para investimentos", afirma.

Os CEOs também foram questionados sobre fatores que possam ameaçar o crescimento. De acordo com a pesquisa, 24% dos sul-americanos apontaram, com destaque, as mudanças climáticas, enquanto 18% mostraram-se preocupados com a questão da segurança cibernética. Em comparação com os executivos globais, o principal temor está relacionado à falta de talentos para suprir de maneira adequada posições nas empresas (20%), seguindo-se problemas com a cadeia de fornecedores (18%).

Segundo o levantamento, 32% dos CEOs sul-americanos apontaram que a digitalização das operações e a criação da próxima geração de modelo operacional evoluíram drasticamente, apresentando avanços que levariam anos para ser alcançados. Com relação ao mesmo tema, 36% dos executivos disseram que esse processo foi acelerado em questão de meses. Ressalta-se que 61% salientaram que a criação de um novo modelo de negócios digital e no fluxo de receita avançou em questão de meses.

O conteúdo pode ser acessado na íntegra no link - www.kpmg.com.br/ceooutlook.

FONTE KPMG no Brasil

SÃO PAULO, 5 de outubro de 2020 /PRNewswire/ -- Apesar das preocupações e dificuldades impostas pela pandemia, 53% dos CEOs da América do Sul entrevistados pela KPMG mostram-se confiantes no crescimento, nos próximos três anos, das empresas que presidem. Outros 27% não acreditam neste avanço para o mesmo período, enquanto 20% estão indecisos com o futuro. Já no cenário global, 68% confiam na melhoria dos resultados. Esta é uma das análises apresentadas na pesquisa CEO Outlook 2020, da KPMG, realizada nos meses de julho e agosto deste ano. No estudo anual, foram consultados líderes de 11 setores da economia de países dessa região, incluindo o Brasil e exceto o Paraguai.

Quanto ao nível de expansão dos negócios, o levantamento mostrou que 39% dos CEOs sul-americanos esperam ganhos entre 0,01% e 2,4%. Outros 27% creem em alta de 2,5% a 4,9%, enquanto 2% vislumbram avanço entre 5% e 9,9%. A pesquisa também aponta que 11% têm uma expectativa negativa, que varia entre 4,9 a 0,01%. Para 21%, não haverá variação.

O presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul, Charles Krieck, salienta que a expectativa de crescimento nos próximos três anos é bem semelhante entre os CEOs da região e os globais. "Isso mostra que, mesmo com pandemia ainda em curso, e com riscos geopolíticos em alguns países, os negócios estão evoluindo gradativamente, sinalizando um cenário geral positivo para investimentos", afirma.

Os CEOs também foram questionados sobre fatores que possam ameaçar o crescimento. De acordo com a pesquisa, 24% dos sul-americanos apontaram, com destaque, as mudanças climáticas, enquanto 18% mostraram-se preocupados com a questão da segurança cibernética. Em comparação com os executivos globais, o principal temor está relacionado à falta de talentos para suprir de maneira adequada posições nas empresas (20%), seguindo-se problemas com a cadeia de fornecedores (18%).

Segundo o levantamento, 32% dos CEOs sul-americanos apontaram que a digitalização das operações e a criação da próxima geração de modelo operacional evoluíram drasticamente, apresentando avanços que levariam anos para ser alcançados. Com relação ao mesmo tema, 36% dos executivos disseram que esse processo foi acelerado em questão de meses. Ressalta-se que 61% salientaram que a criação de um novo modelo de negócios digital e no fluxo de receita avançou em questão de meses.

O conteúdo pode ser acessado na íntegra no link - www.kpmg.com.br/ceooutlook.

FONTE KPMG no Brasil

Você acabou de ler:

KPMG: mesmo diante da pandemia, CEOs sul-americanos acreditam no crescimento das empresas nos próximos 3 anos

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/kpmg-mesmo-diante-da-pandemia-ceos-sul-americanos-acreditam-no-crescimento-das-empresas-nos-proximos-3-anos/