LAFIS: Setor de serviços inicia 2019 com queda de 0,3%, mas avança no acumulado em 12 meses

SÃO PAULO, 18 de março de 2019 /PRNewswire/ -- A Pesquisa Mensal de Serviços referente ao mês de janeiro de 2019, divulgada pelo IBGE, registrou recuo (-0,3%) em relação ao mês anterior na série com ajuste sazonal, devolvendo parte do ganho observado em dezembro de 2018 (1,0%). Este desempenho acontece mesmo com a queda em apenas 2 atividades, dentre as 5 avaliadas pela pesquisa, mas que juntas somam 63% do volume total de serviços. Além disso, interrompe uma sequência de estabilidade e crescimento observada no último trimestre de 2018.

Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, o setor apresentou avanço igual a 2,1%, uma aceleração significativa frente ao resultado do mês anterior (0,4%), além de ser a maior taxa de crescimento para a análise desde março de 2015 (2,3%). De forma semelhante, a variação acumulada entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 foi positiva e igual a 2,1%, o que representa uma aceleração frente ao resultado de 2018 (0,0%),  interrompendo uma série de 3 anos seguidos de quedas na mesma base de comparação: de 2015 a 2017, acumulou-se uma queda de 11,0% no volume total de serviços na economia nacional.

Por fim, no acumulado dos últimos 12 meses, houve crescimento de 0,3%, resultado este que confirma a trajetória ascendente das taxas desde abril de 2017 (-5,1%), cada vez menos negativas, alcançado a estabilidade em novembro e dezembro de 2018, e obtendo o primeiro avanço desde maio de 2015.

Conforme comentado anteriormente, dentre as cinco atividades contempladas pela pesquisa, apenas duas apresentaram recuo mensal na série ajustada, sendo elas "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (-0,6%) e "Serviços de informação e comunicação" (-0,2%). Já "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (1,7%), "Outros serviços" (4,8%) e "Serviços prestados às famílias" (1,1%) foram as atividades que apresentaram crescimento, mas não suficiente para conter a queda do resultado global.

No que diz respeito à comparação com o mesmo período do ano anterior, a decomposição do resultado mostra que quatro das cinco atividades avaliadas registraram altas, o que representa 45,8% das 166 atividades contempladas na pesquisa, sendo elas: "Serviços de informação e comunicação" (3,4%), "Serviços prestados às famílias" (4,5%), "Outros serviços" (5,8%) e "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (0,9%). Já "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (-0,5%) apresentou queda, porém menos intensa que a observada no mês anterior (-3,7%).

Destaque entre as atividades, o segmento de "Serviços de informação e comunicação" ganha foco nesta edição da pesquisa, pois vem se beneficiando com o aumento da receita das atividades relacionadas a telecomunicações, portais de conteúdo, provedores, outros serviços na internet, além de programas para computador e consultoria em tecnologia da informação. Este aumento é decorrente da migração dos planos de telefonia e agregação de serviços de dados. Da mesma forma, destaca-se também a atividade "Serviços prestados às famílias", que apresentou seu crescimento baseado no incremento da receita das empresas do ramo de hotéis, buffet e comida preparada, influenciados principalmente pela sazonalidade do período que contempla as férias e o verão.

Portanto, apesar da frustração quanto ao crescimento do setor de serviços em 2018, que permaneceu estável, o início de 2019 foi importante para a reversão da trajetória negativa na variação acumulada dos últimos 12 meses, principalmente por se sustentar no bom desempenho em 4 das 5 atividades avaliadas. Ou seja, as taxas negativas foram cada vez menores em 2018 até se reverterem em um resultado positivo já no início de 2019, gerando boas expectativas para a evolução do setor ao longo deste ano. Se confirmada uma maior atividade econômica em 2019, ancorada pela manutenção da taxa básica de juros, controle da inflação, melhora no mercado de trabalho e retomada dos investimentos, a Lafis espera em crescimento de 1,7% no PIB Serviços este ano.

No que diz respeito à variação da receita nominal dos serviços, em janeiro, esta recuou 0,3% em relação a dezembro de 2018, e, em comparação com janeiro de 2018, a variação foi positiva em 5,6%. A taxa acumulada nos últimos 12 meses manteve-se positiva, alcançando um crescimento igual a 3,1%.

Especialista Responsável:

Fernanda Rodrigues: Graduada em Ciências Econômicas e mestre em Economia Aplicada, ambos pela Universidade Federal de São Carlos, atua como Especialista Setorial em Serviços ao Consumidor, canalizando esforços para o desenvolvimento e processamento de pesquisas quantitativas/qualitativas relacionadas aos mais variados tipos de serviços - comércio varejista geral, bancos, sistemas de saúde, e-business, entre outros.

Mais Informações:

Lafis Consultoria – www.lafis.com.br

Caique Rocha – caique.rocha@lafis.com.br

(11) 3257-2952

FONTE Lafis

SÃO PAULO, 18 de março de 2019 /PRNewswire/ -- A Pesquisa Mensal de Serviços referente ao mês de janeiro de 2019, divulgada pelo IBGE, registrou recuo (-0,3%) em relação ao mês anterior na série com ajuste sazonal, devolvendo parte do ganho observado em dezembro de 2018 (1,0%). Este desempenho acontece mesmo com a queda em apenas 2 atividades, dentre as 5 avaliadas pela pesquisa, mas que juntas somam 63% do volume total de serviços. Além disso, interrompe uma sequência de estabilidade e crescimento observada no último trimestre de 2018.

Quando comparado ao mesmo período do ano anterior, o setor apresentou avanço igual a 2,1%, uma aceleração significativa frente ao resultado do mês anterior (0,4%), além de ser a maior taxa de crescimento para a análise desde março de 2015 (2,3%). De forma semelhante, a variação acumulada entre janeiro de 2018 e janeiro de 2019 foi positiva e igual a 2,1%, o que representa uma aceleração frente ao resultado de 2018 (0,0%),  interrompendo uma série de 3 anos seguidos de quedas na mesma base de comparação: de 2015 a 2017, acumulou-se uma queda de 11,0% no volume total de serviços na economia nacional.

Por fim, no acumulado dos últimos 12 meses, houve crescimento de 0,3%, resultado este que confirma a trajetória ascendente das taxas desde abril de 2017 (-5,1%), cada vez menos negativas, alcançado a estabilidade em novembro e dezembro de 2018, e obtendo o primeiro avanço desde maio de 2015.

Conforme comentado anteriormente, dentre as cinco atividades contempladas pela pesquisa, apenas duas apresentaram recuo mensal na série ajustada, sendo elas "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (-0,6%) e "Serviços de informação e comunicação" (-0,2%). Já "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (1,7%), "Outros serviços" (4,8%) e "Serviços prestados às famílias" (1,1%) foram as atividades que apresentaram crescimento, mas não suficiente para conter a queda do resultado global.

No que diz respeito à comparação com o mesmo período do ano anterior, a decomposição do resultado mostra que quatro das cinco atividades avaliadas registraram altas, o que representa 45,8% das 166 atividades contempladas na pesquisa, sendo elas: "Serviços de informação e comunicação" (3,4%), "Serviços prestados às famílias" (4,5%), "Outros serviços" (5,8%) e "Transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio" (0,9%). Já "Serviços profissionais, administrativos e complementares" (-0,5%) apresentou queda, porém menos intensa que a observada no mês anterior (-3,7%).

Destaque entre as atividades, o segmento de "Serviços de informação e comunicação" ganha foco nesta edição da pesquisa, pois vem se beneficiando com o aumento da receita das atividades relacionadas a telecomunicações, portais de conteúdo, provedores, outros serviços na internet, além de programas para computador e consultoria em tecnologia da informação. Este aumento é decorrente da migração dos planos de telefonia e agregação de serviços de dados. Da mesma forma, destaca-se também a atividade "Serviços prestados às famílias", que apresentou seu crescimento baseado no incremento da receita das empresas do ramo de hotéis, buffet e comida preparada, influenciados principalmente pela sazonalidade do período que contempla as férias e o verão.

Portanto, apesar da frustração quanto ao crescimento do setor de serviços em 2018, que permaneceu estável, o início de 2019 foi importante para a reversão da trajetória negativa na variação acumulada dos últimos 12 meses, principalmente por se sustentar no bom desempenho em 4 das 5 atividades avaliadas. Ou seja, as taxas negativas foram cada vez menores em 2018 até se reverterem em um resultado positivo já no início de 2019, gerando boas expectativas para a evolução do setor ao longo deste ano. Se confirmada uma maior atividade econômica em 2019, ancorada pela manutenção da taxa básica de juros, controle da inflação, melhora no mercado de trabalho e retomada dos investimentos, a Lafis espera em crescimento de 1,7% no PIB Serviços este ano.

No que diz respeito à variação da receita nominal dos serviços, em janeiro, esta recuou 0,3% em relação a dezembro de 2018, e, em comparação com janeiro de 2018, a variação foi positiva em 5,6%. A taxa acumulada nos últimos 12 meses manteve-se positiva, alcançando um crescimento igual a 3,1%.

Especialista Responsável:

Fernanda Rodrigues: Graduada em Ciências Econômicas e mestre em Economia Aplicada, ambos pela Universidade Federal de São Carlos, atua como Especialista Setorial em Serviços ao Consumidor, canalizando esforços para o desenvolvimento e processamento de pesquisas quantitativas/qualitativas relacionadas aos mais variados tipos de serviços - comércio varejista geral, bancos, sistemas de saúde, e-business, entre outros.

Mais Informações:

Lafis Consultoria – www.lafis.com.br

Caique Rocha – caique.rocha@lafis.com.br

(11) 3257-2952

FONTE Lafis