LAFIS: Taxa de desocupação atingiu 11,2% no trimestre encerrado em janeiro

SÃO PAULO, 28 de fevereiro de 2020 /PRNewswire/ -- De acordo com os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira (28/02), a taxa de desocupação no Brasil atingiu 11,2% no trimestre de novembro a janeiro/2020, somando um total de 11,9 milhões de desocupados. O resultado representou uma queda de 3,7% ante o trimestre anterior (ago-set-out/2019), quando a taxa havia atingido 11,6%, isto é, uma queda de 453 mil no total de desocupados no País, movimento que reflete a melhora gradual do mercado de trabalho. Na comparação interanual, com o trimestre de novembro a janeiro/2019, a taxa apresentou uma queda ainda maior (12,0%), com uma retração de 5,6% da população desocupada (-712 mil pessoas).

Embora a tendência de crescimento da taxa de desocupação na comparação interanual já desde 2018 tenha deixado de assombrar o País, há um destaque neste último resultado: o aumento da população ocupada com carteira ficou acima do crescimento dos trabalhadores por conta-própria, tanto na comparação em relação ao trimestre anterior, como em relação ao trimestre de novembro a janeiro/2019. Nesta última comparação, houve um incremento de 845 mil pessoas ocupadas com carteira de trabalho e 745 mil ocupadas como trabalhadores por conta própria, um crescimento de 2,6% e 3,1%, respectivamente. Diante disso, vale mencionar, um movimento recente de retomada da participação do empregado com carteira dentre os ocupados no País.

Esse movimento é muito positivo para a economia do País, uma vez que, a categoria dos ocupados com carteira, além de acumular mais benefícios em relação ao trabalhador não formal, possui melhor aprovação do crédito junto ao setor bancário, e tradicionalmente, apresenta rendimento médio superior ao das categorias do setor informal. Portanto, a queda da taxa de desocupação somada ao avanço do trabalho com carteira, tende a elevar de forma sustentável o poder de consumo das famílias no País.

A despeito da qualidade do trabalho, a Lafis estima uma tendência de queda da taxa de desocupação em 2020, findando o ano em 11,4%, 0,5 pontos percentuais abaixo da taxa anual média observada em 2019.

Especialista Responsável: Laís Soares

Analista Sênior. Economista e Mestre em Economia pela PUC-SP. Iniciou as atividades na Lafis em 2013. Especialista em Economia do Trabalho e responsável pelos estudos e acompanhamento dos setores representantes da indústria automobilística (montadoras veículos leves, veículos pesados e carroçarias, pneus e autopeças), indústria da moda, eletrodomésticos, além dos setores de motocicletas e bicicletas, chocolates e balas e bebidas (cerveja, refrigerantes e água mineral, soft drinks).

Mais Informações:

Lafis Consultoria – www.lafis.com.br

Caique Rocha – caique.rocha@lafis.com.br

(11) 3129-3245

FONTE Lafis

SÃO PAULO, 28 de fevereiro de 2020 /PRNewswire/ -- De acordo com os resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC), divulgada pelo IBGE nesta sexta-feira (28/02), a taxa de desocupação no Brasil atingiu 11,2% no trimestre de novembro a janeiro/2020, somando um total de 11,9 milhões de desocupados. O resultado representou uma queda de 3,7% ante o trimestre anterior (ago-set-out/2019), quando a taxa havia atingido 11,6%, isto é, uma queda de 453 mil no total de desocupados no País, movimento que reflete a melhora gradual do mercado de trabalho. Na comparação interanual, com o trimestre de novembro a janeiro/2019, a taxa apresentou uma queda ainda maior (12,0%), com uma retração de 5,6% da população desocupada (-712 mil pessoas).

Embora a tendência de crescimento da taxa de desocupação na comparação interanual já desde 2018 tenha deixado de assombrar o País, há um destaque neste último resultado: o aumento da população ocupada com carteira ficou acima do crescimento dos trabalhadores por conta-própria, tanto na comparação em relação ao trimestre anterior, como em relação ao trimestre de novembro a janeiro/2019. Nesta última comparação, houve um incremento de 845 mil pessoas ocupadas com carteira de trabalho e 745 mil ocupadas como trabalhadores por conta própria, um crescimento de 2,6% e 3,1%, respectivamente. Diante disso, vale mencionar, um movimento recente de retomada da participação do empregado com carteira dentre os ocupados no País.

Esse movimento é muito positivo para a economia do País, uma vez que, a categoria dos ocupados com carteira, além de acumular mais benefícios em relação ao trabalhador não formal, possui melhor aprovação do crédito junto ao setor bancário, e tradicionalmente, apresenta rendimento médio superior ao das categorias do setor informal. Portanto, a queda da taxa de desocupação somada ao avanço do trabalho com carteira, tende a elevar de forma sustentável o poder de consumo das famílias no País.

A despeito da qualidade do trabalho, a Lafis estima uma tendência de queda da taxa de desocupação em 2020, findando o ano em 11,4%, 0,5 pontos percentuais abaixo da taxa anual média observada em 2019.

Especialista Responsável: Laís Soares

Analista Sênior. Economista e Mestre em Economia pela PUC-SP. Iniciou as atividades na Lafis em 2013. Especialista em Economia do Trabalho e responsável pelos estudos e acompanhamento dos setores representantes da indústria automobilística (montadoras veículos leves, veículos pesados e carroçarias, pneus e autopeças), indústria da moda, eletrodomésticos, além dos setores de motocicletas e bicicletas, chocolates e balas e bebidas (cerveja, refrigerantes e água mineral, soft drinks).

Mais Informações:

Lafis Consultoria – www.lafis.com.br

Caique Rocha – caique.rocha@lafis.com.br

(11) 3129-3245

FONTE Lafis

Você acabou de ler:

LAFIS: Taxa de desocupação atingiu 11,2% no trimestre encerrado em janeiro

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/lafis-taxa-de-desocupacao-atingiu-112-no-trimestre-encerrado-em-janeiro/