Motivação e realização profissional

SÃO PAULO, 16 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A palavra motivação vem do Latim: movere, mover, ela refere-se à condição que influencia a direção (orientação para uma meta/ objetivo) do comportamento. Em outras palavras, motivação é o impulso que leva à ação. O que nos leva a cuidar da própria saúde é o fato de não querer ficar doente. Nesse sentido, podemos dizer que não querer adoecer é uma motivação para comer de forma saudável, fazer atividades físicas, beber mais de dois litros de água por dia etc.

O mentor e empresário Renato Costa, que traçou uma trajetória de sucesso e já ocupou o posto de Diretor de Tecnologia da maior empresa de energia da América Latina, tendo ocupado cargos importantes em corporações de destaque como Alcatel Lucent, LATAM e AES Eletropaulo, pontua uma mudança no comportamental no que dizer respeito a relação das pessoas com o trabalho, motivação e realização pessoal.

"Antigamente, jovens adultos escolhiam um ramo de atividade, empresas que admiravam, e o sonho era fazer carreira e ficar muitos anos. As características dessas empresas inspiravam, faziam com que as os jovens talentos, acreditassem nesse propósito corporativo, e, as vezes cegamente, iniciassem e continuassem em uma jornada, simplesmente por confiar na empresa. Com a chegada da geração Y (nascidos entre 80 e 90), e provavelmente o aumento da agressividade do capitalismo, as coisas começaram a mudar. Uma longa carreira na mesma empresa, com as mesmas pessoas, no mesmo país, não me parecia mais interessante. Não dava o mesmo "tesão" que antes, esses jovens queriam mais, buscavam mais, os valores de cada um começaram a falar mais alto do que uma carreira "segura". Eu vivi isso na pele, entrei em uma multinacional aos 19 anos e aos 21 eu me tornei gerente de um departamento, o gerente mais novo entre 80.000 funcionários no mundo. Sofri preconceito por ser jovem e tive que me adequar", destaca o empresário.

Costa ainda disserta sobre auto propósito e carreira: "A verdade é que mesmo com essa grande oportunidade, eu, assim como outros da minha geração, tivemos uma mudança de mindset que mudaria o mundo do trabalho para as próximas gerações. Aquele conceito de propósito de fora para dentro, de acreditar piamente num plano corporativo, ou numa marca ou numa empresa, começou a desaparecer, e aos poucos nasceu o que chamo de "Auto Propósito", de dentro para fora. Ao contrário do que os mais conservadores podem pensar, as novas gerações não são desprovidas de propósito simplesmente por não querer passar a vida na mesma empresa, e também não se trata de ser uma startup ou não, muito pelo contrário, o que inspira são os valores que vem de dentro para fora. Aquilo que é importante para cada um, seja o meio ambiente, seja um ambiente não hierárquico, seja trabalho informal, ou algo do tipo, e enquanto esses valores ou propósito estiverem sendo cumpridos pela empresa, existe "match" e o relacionamento profissional se dá, mas no momento que há ruptura de crença, valor ou propósito, chega o fim da relação".

Logo, podemos entender que cada vez mais é essencial ter autoconhecimento e saber administrar a própria carreira. Nesse sentido, o trabalho de Costa é bem interessante e enriquecedor. Hoje, além de empresário e mentor, ele disponibiliza diversos vídeos no Instagram e no YouTube que podem contribuir com a orientação de diversos profissionais e novos empresário.

 

FONTE Renato Costa

SÃO PAULO, 16 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- A palavra motivação vem do Latim: movere, mover, ela refere-se à condição que influencia a direção (orientação para uma meta/ objetivo) do comportamento. Em outras palavras, motivação é o impulso que leva à ação. O que nos leva a cuidar da própria saúde é o fato de não querer ficar doente. Nesse sentido, podemos dizer que não querer adoecer é uma motivação para comer de forma saudável, fazer atividades físicas, beber mais de dois litros de água por dia etc.

O mentor e empresário Renato Costa, que traçou uma trajetória de sucesso e já ocupou o posto de Diretor de Tecnologia da maior empresa de energia da América Latina, tendo ocupado cargos importantes em corporações de destaque como Alcatel Lucent, LATAM e AES Eletropaulo, pontua uma mudança no comportamental no que dizer respeito a relação das pessoas com o trabalho, motivação e realização pessoal.

"Antigamente, jovens adultos escolhiam um ramo de atividade, empresas que admiravam, e o sonho era fazer carreira e ficar muitos anos. As características dessas empresas inspiravam, faziam com que as os jovens talentos, acreditassem nesse propósito corporativo, e, as vezes cegamente, iniciassem e continuassem em uma jornada, simplesmente por confiar na empresa. Com a chegada da geração Y (nascidos entre 80 e 90), e provavelmente o aumento da agressividade do capitalismo, as coisas começaram a mudar. Uma longa carreira na mesma empresa, com as mesmas pessoas, no mesmo país, não me parecia mais interessante. Não dava o mesmo "tesão" que antes, esses jovens queriam mais, buscavam mais, os valores de cada um começaram a falar mais alto do que uma carreira "segura". Eu vivi isso na pele, entrei em uma multinacional aos 19 anos e aos 21 eu me tornei gerente de um departamento, o gerente mais novo entre 80.000 funcionários no mundo. Sofri preconceito por ser jovem e tive que me adequar", destaca o empresário.

Costa ainda disserta sobre auto propósito e carreira: "A verdade é que mesmo com essa grande oportunidade, eu, assim como outros da minha geração, tivemos uma mudança de mindset que mudaria o mundo do trabalho para as próximas gerações. Aquele conceito de propósito de fora para dentro, de acreditar piamente num plano corporativo, ou numa marca ou numa empresa, começou a desaparecer, e aos poucos nasceu o que chamo de "Auto Propósito", de dentro para fora. Ao contrário do que os mais conservadores podem pensar, as novas gerações não são desprovidas de propósito simplesmente por não querer passar a vida na mesma empresa, e também não se trata de ser uma startup ou não, muito pelo contrário, o que inspira são os valores que vem de dentro para fora. Aquilo que é importante para cada um, seja o meio ambiente, seja um ambiente não hierárquico, seja trabalho informal, ou algo do tipo, e enquanto esses valores ou propósito estiverem sendo cumpridos pela empresa, existe "match" e o relacionamento profissional se dá, mas no momento que há ruptura de crença, valor ou propósito, chega o fim da relação".

Logo, podemos entender que cada vez mais é essencial ter autoconhecimento e saber administrar a própria carreira. Nesse sentido, o trabalho de Costa é bem interessante e enriquecedor. Hoje, além de empresário e mentor, ele disponibiliza diversos vídeos no Instagram e no YouTube que podem contribuir com a orientação de diversos profissionais e novos empresário.

 

FONTE Renato Costa