NOVA ENQUETE DO LORD ASHCROFT REVELA QUE OS UCRANIANOS QUEREM FICAR E LUTAR, MAS NÃO ENXERGAM OS RUSSOS COMO INIMIGOS

A MAIORIA REJEITA A PROIBIÇÃO DE ADESÃO À OTAN COMO PREÇO PARA PÔR FIM À GUERRA

LONDRES, 4 de março de 2022 /PRNewswire/ -- Três quartos dos ucranianos estão dispostos a pegar em armas contra as tropas russas e apenas um em cada dez deixaria o país se fosse possível, de acordo com uma pesquisa realizada no país pela Lord Ashcroft Polls. No entanto, dois terços dizem que os ucranianos e os russos étnicos têm mais elementos que os unem do que os dividem.

A enquete com 1.040 ucranianos, realizada por telefone entre 1º e 3 de março, também aponta que a grande maioria é contra a aceitação da proibição de adesão à OTAN, a retirada de tropas da OTAN em países que fazem fronteira com a Rússia e o reconhecimento oficial da Crimeia como parte da Rússia como o preço para acabar com a guerra. Os resultados da enquete incluem:

  • 68% disseram acreditar que as sanções impostas à Rússia seriam eficazes para pôr fim à guerra. No entanto, apenas 23% disseram que a OTAN estava fazendo o suficiente para ajudar a Ucrânia, enquanto 46% disse o mesmo para a UE, 44% para os EUA e 8% para a China. A maioria (53%) disse que o Reino Unido estava fazendo o suficiente.
  • 86% disseram que queriam que a Ucrânia se juntasse à OTAN, e seis em cada dez disseram que se sentiriam mais seguros se soubessem que a Ucrânia tem armas nucleares.
  • 67% disseram que estariam dispostos a pegar em armas para lutar contra as tropas russas, e outros 7% disseram que já estavam fazendo isso. Apenas 11% (e apenas 5% daqueles com 65 anos ou mais) disseram que abandonariam a Ucrânia no dia seguinte, se pudessem fazer isso com segurança.
  • A maioria dos ucranianos (56%) disse esperar que o conflito termine até o final de março. Menos de um em cada dez (9%) afirmou acreditar que duraria mais de seis meses.
  • 69% disseram que uma proibição da adesão da Ucrânia à OTAN seria uma condição inaceitável para o fim da guerra; 61% disseram que a redução de tropas e armas da OTAN em países que fazem fronteira com a Rússia seria inaceitável. Uma parte ainda maior – 78% – disse que o reconhecimento oficial da Crimeia como parte da Rússia seria inaceitável, mesmo que garantisse o fim da guerra.
  • 65% concordaram que "apesar de nossas diferenças, há mais elementos que unem os russos étnicos que vivem na Ucrânia e os ucranianos do que elementos que nos dividem."
  • 93% disseram considerar o futuro da Ucrânia mais próximo da Europa do que da Rússia, incluindo 78% dos indivíduos de etnia russa e 84% daqueles que vivem no leste do país, que se encontra mais próximo da fronteira russa.

Em seu comentário sobre os resultados da pesquisa, Lord Ashcroft observou:

"Todos nós vimos a extraordinária bravura e espírito com que o povo da Ucrânia respondeu à invasão brutal de Putin. Surpreendentemente, os resultados de uma pesquisa que uma agência de pesquisa em Kiev foi capaz de realizar para Lord Ashcroft Polls nos últimos dias só fizeram aumentar minha admiração. Se você considera que uma pesquisa de opinião é uma distorção bastante trivial dada a magnitude dos eventos que estão se desenrolando, gostaria dizer que nossos parceiros em Kiev ficaram satisfeitos por ter a chance de mostrar ao mundo algo do que os ucranianos estão pensando e sentindo enquanto defendem seu país." 

Os resultados completos da pesquisa estão disponíveis em LordAshcroftPolls.com. 

LORD ASHCROFT KCMG PC é um empresário internacional, filantropo, autor e pesquisador de opinião. Ele é ex-tesoureiro e vice-presidente do Partido Conservador do Reino Unido, presidente honorário e ex-tesoureiro da União Democrática Internacional. Lord Ashcroft vem realizando pesquisas de opinião desde 2005, tanto no Reino Unido quanto internacionalmente, conquistando uma reputação de pesquisa e análise objetivas e imparciais.

LordAshcroftPolls.com 

LordAshcroft.com 

Twitter/Facebook: @LordAshcroft

 

 

FONTE Lord Ashcroft Polls

A MAIORIA REJEITA A PROIBIÇÃO DE ADESÃO À OTAN COMO PREÇO PARA PÔR FIM À GUERRA

LONDRES, 4 de março de 2022 /PRNewswire/ -- Três quartos dos ucranianos estão dispostos a pegar em armas contra as tropas russas e apenas um em cada dez deixaria o país se fosse possível, de acordo com uma pesquisa realizada no país pela Lord Ashcroft Polls. No entanto, dois terços dizem que os ucranianos e os russos étnicos têm mais elementos que os unem do que os dividem.

A enquete com 1.040 ucranianos, realizada por telefone entre 1º e 3 de março, também aponta que a grande maioria é contra a aceitação da proibição de adesão à OTAN, a retirada de tropas da OTAN em países que fazem fronteira com a Rússia e o reconhecimento oficial da Crimeia como parte da Rússia como o preço para acabar com a guerra. Os resultados da enquete incluem:

  • 68% disseram acreditar que as sanções impostas à Rússia seriam eficazes para pôr fim à guerra. No entanto, apenas 23% disseram que a OTAN estava fazendo o suficiente para ajudar a Ucrânia, enquanto 46% disse o mesmo para a UE, 44% para os EUA e 8% para a China. A maioria (53%) disse que o Reino Unido estava fazendo o suficiente.
  • 86% disseram que queriam que a Ucrânia se juntasse à OTAN, e seis em cada dez disseram que se sentiriam mais seguros se soubessem que a Ucrânia tem armas nucleares.
  • 67% disseram que estariam dispostos a pegar em armas para lutar contra as tropas russas, e outros 7% disseram que já estavam fazendo isso. Apenas 11% (e apenas 5% daqueles com 65 anos ou mais) disseram que abandonariam a Ucrânia no dia seguinte, se pudessem fazer isso com segurança.
  • A maioria dos ucranianos (56%) disse esperar que o conflito termine até o final de março. Menos de um em cada dez (9%) afirmou acreditar que duraria mais de seis meses.
  • 69% disseram que uma proibição da adesão da Ucrânia à OTAN seria uma condição inaceitável para o fim da guerra; 61% disseram que a redução de tropas e armas da OTAN em países que fazem fronteira com a Rússia seria inaceitável. Uma parte ainda maior – 78% – disse que o reconhecimento oficial da Crimeia como parte da Rússia seria inaceitável, mesmo que garantisse o fim da guerra.
  • 65% concordaram que "apesar de nossas diferenças, há mais elementos que unem os russos étnicos que vivem na Ucrânia e os ucranianos do que elementos que nos dividem."
  • 93% disseram considerar o futuro da Ucrânia mais próximo da Europa do que da Rússia, incluindo 78% dos indivíduos de etnia russa e 84% daqueles que vivem no leste do país, que se encontra mais próximo da fronteira russa.

Em seu comentário sobre os resultados da pesquisa, Lord Ashcroft observou:

"Todos nós vimos a extraordinária bravura e espírito com que o povo da Ucrânia respondeu à invasão brutal de Putin. Surpreendentemente, os resultados de uma pesquisa que uma agência de pesquisa em Kiev foi capaz de realizar para Lord Ashcroft Polls nos últimos dias só fizeram aumentar minha admiração. Se você considera que uma pesquisa de opinião é uma distorção bastante trivial dada a magnitude dos eventos que estão se desenrolando, gostaria dizer que nossos parceiros em Kiev ficaram satisfeitos por ter a chance de mostrar ao mundo algo do que os ucranianos estão pensando e sentindo enquanto defendem seu país." 

Os resultados completos da pesquisa estão disponíveis em LordAshcroftPolls.com. 

LORD ASHCROFT KCMG PC é um empresário internacional, filantropo, autor e pesquisador de opinião. Ele é ex-tesoureiro e vice-presidente do Partido Conservador do Reino Unido, presidente honorário e ex-tesoureiro da União Democrática Internacional. Lord Ashcroft vem realizando pesquisas de opinião desde 2005, tanto no Reino Unido quanto internacionalmente, conquistando uma reputação de pesquisa e análise objetivas e imparciais.

LordAshcroftPolls.com 

LordAshcroft.com 

Twitter/Facebook: @LordAshcroft

 

 

FONTE Lord Ashcroft Polls

Você acabou de ler:

NOVA ENQUETE DO LORD ASHCROFT REVELA QUE OS UCRANIANOS QUEREM FICAR E LUTAR, MAS NÃO ENXERGAM OS RUSSOS COMO INIMIGOS

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/nova-enquete-do-lord-ashcroft-revela-que-os-ucranianos-querem-ficar-e-lutar-mas-nao-enxergam-os-russos-como-inimigos/