NovaDAX deve fechar 2019 com R$ 300 milhões em criptomoedas negociadas

Em um ano, a corretora, que cresce 90% ao mês, está entre as dez maiores do Brasil

SÃO PAULO, 29 de novembro de 2019 /PRNewswire/ -- Com cerca de 100 mil clientes, a corretora de criptomoedas brasileira, NovaDAX, cresce 90% ao mês e já está entre as dez principais do País em um ano de atuação. Nos últimos meses, a NovaDAX — que  tem o respaldo financeiro e tecnológico do grupo asiático Abakus (Wecash Group), o qual faz parte — apresentou um crescimento consistente e contínuo.

A fintech tem negociado em média 50 Bitcoins (BTCs) ao dia. "Chegamos a alcançar mais de 60 BTCs negociados em alguns dias, o que equivale a mais de R$ 2 milhões. A perspectiva é atingir  R$ 300 milhões em criptomoedas negociadas na plataforma até a virada de 2019 para o início de 2020", explica a presidente da empresa Beibei Liu.

Com mais de 160 milhões de clientes em todo o mundo e presente no Vale do Silício (EUA), Suíça, Singapura, Brasil, China e outros países do sudeste asiático, o Abakus traz segurança, respaldo financeiro e tecnológico do grupo à NovaDAX e tem como especialidade a atuação em Inteligência Artificial, Machine Learning e Big Data Analytics.

Atualmente, a exchange possui mais de 45 pares de criptomoedas, tanto na compra e venda instantânea, quanto nos livros de ofertas integrados: BRL-Cripto e Cripto-Cripto. "Temos moedas exclusivas com o par em Real e fomos pioneiros em trazer novas criptos, como Chainlink (LINK), Cardano (ADA), Stellar (XLM), IOTA, Tron (TRX) e Bittorrent (BTT), assim como a Stable coin Tether (USDT) que é a criptomoeda atrelada com o dólar americano, possibilitando aos clientes diversificarem suas estratégias e se resguardarem quanto à alta volatilidade desses ativos digitais", complementa Beibei.

Mercado de criptomoedas cresce no País - Existe uma tendência de crescimento mundial no uso de criptomoedas porque esses ativos têm se mostrado eficazes, seguros e rápidos como investimentos. Segundo a Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain  (ABCB), em abril de 2018,  já havia cerca de 1.500 criptomoedas em circulação. A startup de análise sobre a tecnologia blockchain para instituições públicas e privadas, Chainalysis, divulgou que as plataformas de pagamento com criptomoedas cresceram 65%, de janeiro a julho de 2019, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O Brasil é considerado o maior mercado de criptomoedas de toda a América Latina. Em 2019, foram negociados mais de 2,5 bilhões de dólares. Somente em bitcoins, o País já ultrapassou a quantia de R$ 10 bilhões, sendo a primeira vez que esta marca é superada. Até então o recorde tinha ocorrido em 2017 com R$ 8 bilhões — ano em que o bitcoin se tornou popular e chegou ao valor de mercado US$ 20 mil.

Entretanto é preciso tomar cuidados antes de investir em criptomoedas.  Para isso, informar-se é fundamental. A fintech NovaDAX lançou em outubro um aplicativo, considerado um dos mais completos do segmento para Android e IOS.  "Buscamos promover o maior empoderamento financeiro de nossos clientes com simplicidade frente às soluções tradicionais e àquelas já existentes com criptomoedas", explica a Beibei. Além do aplicativo, a empresa possui um canal no Youtube NovaDAX com vídeos que ensinam como investir em criptomoedas, quais são os cuidados para ter ao comprá-las, além de trazer explicações sobre todo o ecossistema e dicas de negociação.

Aqueles que querem investir em criptomoedas devem buscar uma fonte confiável para a escolha da exchange ao fazer o negócio.  "Toda a desconfiança que envolve os criptoativos  está relacionada à falta de informação e, sobretudo, à ausência de regulamentação, não em relação ao ativo digital", explica Beibei. No Brasil, a venda e compra de criptomoedas realizada por corretoras ou exchanges têm todas as operações registradas na Receita Federal do Brasil e seguem regras de KYC (Know Your Customer) de Compliance, o que traz mais segurança. 

FONTE NovaDAX

Em um ano, a corretora, que cresce 90% ao mês, está entre as dez maiores do Brasil

SÃO PAULO, 29 de novembro de 2019 /PRNewswire/ -- Com cerca de 100 mil clientes, a corretora de criptomoedas brasileira, NovaDAX, cresce 90% ao mês e já está entre as dez principais do País em um ano de atuação. Nos últimos meses, a NovaDAX — que  tem o respaldo financeiro e tecnológico do grupo asiático Abakus (Wecash Group), o qual faz parte — apresentou um crescimento consistente e contínuo.

A fintech tem negociado em média 50 Bitcoins (BTCs) ao dia. "Chegamos a alcançar mais de 60 BTCs negociados em alguns dias, o que equivale a mais de R$ 2 milhões. A perspectiva é atingir  R$ 300 milhões em criptomoedas negociadas na plataforma até a virada de 2019 para o início de 2020", explica a presidente da empresa Beibei Liu.

Com mais de 160 milhões de clientes em todo o mundo e presente no Vale do Silício (EUA), Suíça, Singapura, Brasil, China e outros países do sudeste asiático, o Abakus traz segurança, respaldo financeiro e tecnológico do grupo à NovaDAX e tem como especialidade a atuação em Inteligência Artificial, Machine Learning e Big Data Analytics.

Atualmente, a exchange possui mais de 45 pares de criptomoedas, tanto na compra e venda instantânea, quanto nos livros de ofertas integrados: BRL-Cripto e Cripto-Cripto. "Temos moedas exclusivas com o par em Real e fomos pioneiros em trazer novas criptos, como Chainlink (LINK), Cardano (ADA), Stellar (XLM), IOTA, Tron (TRX) e Bittorrent (BTT), assim como a Stable coin Tether (USDT) que é a criptomoeda atrelada com o dólar americano, possibilitando aos clientes diversificarem suas estratégias e se resguardarem quanto à alta volatilidade desses ativos digitais", complementa Beibei.

Mercado de criptomoedas cresce no País - Existe uma tendência de crescimento mundial no uso de criptomoedas porque esses ativos têm se mostrado eficazes, seguros e rápidos como investimentos. Segundo a Associação Brasileira de Criptomoedas e Blockchain  (ABCB), em abril de 2018,  já havia cerca de 1.500 criptomoedas em circulação. A startup de análise sobre a tecnologia blockchain para instituições públicas e privadas, Chainalysis, divulgou que as plataformas de pagamento com criptomoedas cresceram 65%, de janeiro a julho de 2019, na comparação com o mesmo período do ano passado.

O Brasil é considerado o maior mercado de criptomoedas de toda a América Latina. Em 2019, foram negociados mais de 2,5 bilhões de dólares. Somente em bitcoins, o País já ultrapassou a quantia de R$ 10 bilhões, sendo a primeira vez que esta marca é superada. Até então o recorde tinha ocorrido em 2017 com R$ 8 bilhões — ano em que o bitcoin se tornou popular e chegou ao valor de mercado US$ 20 mil.

Entretanto é preciso tomar cuidados antes de investir em criptomoedas.  Para isso, informar-se é fundamental. A fintech NovaDAX lançou em outubro um aplicativo, considerado um dos mais completos do segmento para Android e IOS.  "Buscamos promover o maior empoderamento financeiro de nossos clientes com simplicidade frente às soluções tradicionais e àquelas já existentes com criptomoedas", explica a Beibei. Além do aplicativo, a empresa possui um canal no Youtube NovaDAX com vídeos que ensinam como investir em criptomoedas, quais são os cuidados para ter ao comprá-las, além de trazer explicações sobre todo o ecossistema e dicas de negociação.

Aqueles que querem investir em criptomoedas devem buscar uma fonte confiável para a escolha da exchange ao fazer o negócio.  "Toda a desconfiança que envolve os criptoativos  está relacionada à falta de informação e, sobretudo, à ausência de regulamentação, não em relação ao ativo digital", explica Beibei. No Brasil, a venda e compra de criptomoedas realizada por corretoras ou exchanges têm todas as operações registradas na Receita Federal do Brasil e seguem regras de KYC (Know Your Customer) de Compliance, o que traz mais segurança. 

FONTE NovaDAX