Oxitec Completa com Sucesso a Primeira Implantação em Campo da Tecnologia de 2ª Geração do Aedes do Bem™

– O primeiro ensaio de campo atingiu até 96% de supressão da população alvo de mosquitos transmissores de doenças em ambientes urbanos no Brasil

– Os resultados indicam um aumento na relação custo-eficácia comparado à 1ª geração, com baixos requisitos de produção

CAMPINAS, Brasil, 3 de junho de 2019 /PRNewswire/ -- A Oxitec Ltd, empresa de biotecnologia com sede no Reino Unido especializada no desenvolvimento de soluções inovadoras e ambientalmente sustentáveis de gerenciamento de pragas, anunciou hoje a bem-sucedida conclusão do primeiro teste de campo no Brasil de sua tecnologia de 2ª Geração do Aedes do Bem™. Em parceria com as autoridades municipais de controle de vetores da cidade de Indaiatuba-SP, o projeto piloto demonstrou a eficácia da nova metodologia na supressão da população do mosquito Aedes aegypti - vetor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela - em quatro bairros da cidade.

As liberações do Aedes do Bem da Oxitec foram conduzidas em quatro bairros distintos, sob aprovação da autoridade nacional de biossegurança do Brasil, a CTNBio, durante um ano de testes iniciados em maio de 2018.  O ensaio foi projetado para testar uma série de características de desempenho da tecnologia da 2ª Geração do Aedes aegypti da Oxitec, incluindo os resultados gerados pelo uso de duas taxas de liberação diferentes de mosquitos em ambientes urbanos populosos. A abundância do mosquito Aedes aegypti selvagem foi monitorada antes e durante o programa de liberação para permitir uma avaliação precisa do impacto do ensaio, sendo mantida em baixos níveis durante toda a alta temporada em todos os bairros tratados, enquanto em áreas não tratadas pelo Aedes do Bem™ da Oxitec a população aumentou, como esperado.

Em relação às áreas controle não tratadas, as liberações do Aedes do Bem™ machos resultaram1 em uma média de 89% de pico de supressão em duas comunidades tratadas com baixa taxa de liberação, e uma média de 93% de supressão em duas comunidades tratadas com uma taxa de liberação mais alta. A maior taxa de supressão obtida, com pico de 96%, foi alcançada em uma comunidade com alta taxa de liberação durante um período de quatro semanas.

"Este ensaio foi uma excelente demonstração do potencial desta nova linhagem para novas abordagens de controle de vetores em ambientes mais propensos a surtos de dengue. Conseguimos altos níveis de supressão, mesmo com menores taxas de liberação de nossos mosquitos em locais relativamente pequenos de áreas urbanas altamente povoadas, e sujeitas à pressão de mosquitos selvagens migrando de comunidades vizinhas não tratadas com os Mosquitos do Bem", explica Natalia Ferreira, Diretora Geral da Oxitec do Brasil.

A secretária de saúde da Prefeitura de Indaiatuba, Dra. Graziela Garcia, comentou sobre a parceria: "A colaboração mútua entre o município e a Oxitec tem sido positiva e transparente, e os resultados de supressão nas áreas que receberam os Mosquitos do Bem foram excelentes. Estamos satisfeitos com os resultados e esperamos continuar nossa parceria com a equipe da Oxitec."

A 2ª Geração do Aedes do Bem™ carrega um gene autolimitante que impede que os descendentes fêmeas sobrevivam, permitindo a produção exclusivamente de machos. Após a liberação de machos do Bem™ no campo, que encontram e acasalam com fêmeas selvagens, a redução da população alvo é alcançada, já que os filhotes fêmeas que resultam desse acasalamento não sobrevivem. A prole masculina sobrevive, carregando uma cópia do gene autolimitante; por sua vez, esses machos também são capazes de transmitir o gene para metade de seus descendentes, dos quais mais uma vez as fêmeas morrem. O gene autolimitante pode, assim, persistir temporariamente no ambiente, diminuindo com o tempo e oferecendo múltiplas gerações autolimitantes de supressão para cada macho Aedes do Bem™ liberado. 

Além de demonstrar o efeito de supressão do mosquito selvagem nas áreas-alvo, a Oxitec realizou uma série de testes internos para avaliar as características da linhagem - incluindo produção macho-específica - projetada para melhorar a relação custo-benefício em relação à 1ª geração e a outras tecnologias similares que exigem etapas adicionais para separar os machos e fêmeas.

"Nossa equipe está muito satisfeita com esses resultados dos testes iniciais, pois eles demonstram uma solução que é altamente eficaz em ambientes urbanos populosos, além de ser capaz de fornecer recursos que melhorarão a relação custo-benefício e a escalabilidade necessária para aplicações em larga escala sem a necessidade de grandes fábricas e com esforços de menor escala geridos por empresas ou cidadãos. Estamos agora acelerando o desenvolvimento de produtos para soluções comerciais escalonáveis e que possam ser usadas por qualquer pessoa", esclarece Grey Frandsen, CEO da Oxitec. "Acreditamos que, uma vez que esteja totalmente desenvolvida, esta será a primeira tecnologia capaz de fornecer aos governos, consumidores finais e outros parceiros comerciais, o poder de fornecer um controle do Aedes aegypti seguro e eficaz, com um sistema fácil de implementar, econômico e auto-sustentável, aliado ainda a uma solução autolimitante."

A Oxitec prevê avançar para testes de campo adicionais no Brasil em 2019 e 2020, que avaliarão a linhagem de 2ª geração em outras áreas de desempenho, inclusive com pequenos dispositivos de liberação de ovos,além da capacidade da linhagem de reverter a resistência da população selvagem a métodos tradicionais de controle.

Sobre a Oxitec

A Oxitec é pioneira no uso de engenharia genética para controlar pragas de insetos que disseminam doenças e danificam plantações, e foi fundada em 2002 como uma spinout da Universidade de Oxford (Reino Unido). A Oxitec é uma subsidiária da Intrexon Corporation (NASDAQ: XON), que alia a biologia à engenharia para ajudar a solucionar alguns dos maiores problemas do mundo. Siga-nos no Twitter em @Oxitec.

Sobre a Intrexon Corporation

A Intrexon Corporation (NASDAQ: XON) está impulsionando a Revolução Bioindustrial com o Better DNA™ para criar produtos de base biológica que melhorem a qualidade de vida e a saúde do planeta. O conjunto de tecnologias integradas da empresa fornece a seus parceiros em diversos mercados o design e o desenvolvimento em escala industrial de sistemas biológicos complexos, proporcionando controle, qualidade, função e desempenho de células vivas sem precedentes. Chamamos nossa abordagem de biologia sintética Better DNA® e convidamos você a descobrir mais em www.dna.com ou a nos seguir no Twitter em @Intrexon, no Facebook e no LinkedIn.

Declaração

Algumas das declarações feitas neste comunicado de imprensa são prospectivas. Estas declarações prospectivas baseiam-se em nossas expectativas e projeções atuais sobre eventos futuros, e geralmente se relacionam com nossos planos, objetivos e expectativas para o desenvolvimento de nossos negócios. Embora a administração acredite que os planos e objetivos refletidos ou sugeridos por essas declarações prospectivas sejam razoáveis, todas as declarações prospectivas envolvem riscos e incertezas e os resultados futuros reais podem ser materialmente diferentes dos planos, objetivos e expectativas expressos neste comunicado à imprensa.

Para mais informações entre em contato:

Oxitec:

Neil Morrison, PhD

Tel: +44 (0)7980 822 571

info@oxitec.com

Intrexon:

Marie Rossi, PhD

Vice President, Communications

Tel: +1 (301) 556-9850

publicrelations@dna.com 

1O "pico de supressão" é medido usando-se a mais alta supressão sustentada durante um período de quatro semanas em um local tratado com os mosquitos da Oxitec quando comparado a um local controle não tratado, no mesmo período de tempo. Essa métrica avalia o efeito de supressão sustentada decorrente da intervenção ao longo do tempo, que é uma medida mais precisa do que os resultados de supressão calculadora para um único dia ou semana.

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/790286/Oxitec_Logo.jpg  

 

FONTE Oxitec Ltd.

– O primeiro ensaio de campo atingiu até 96% de supressão da população alvo de mosquitos transmissores de doenças em ambientes urbanos no Brasil

– Os resultados indicam um aumento na relação custo-eficácia comparado à 1ª geração, com baixos requisitos de produção

CAMPINAS, Brasil, 3 de junho de 2019 /PRNewswire/ -- A Oxitec Ltd, empresa de biotecnologia com sede no Reino Unido especializada no desenvolvimento de soluções inovadoras e ambientalmente sustentáveis de gerenciamento de pragas, anunciou hoje a bem-sucedida conclusão do primeiro teste de campo no Brasil de sua tecnologia de 2ª Geração do Aedes do Bem™. Em parceria com as autoridades municipais de controle de vetores da cidade de Indaiatuba-SP, o projeto piloto demonstrou a eficácia da nova metodologia na supressão da população do mosquito Aedes aegypti - vetor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela - em quatro bairros da cidade.

As liberações do Aedes do Bem da Oxitec foram conduzidas em quatro bairros distintos, sob aprovação da autoridade nacional de biossegurança do Brasil, a CTNBio, durante um ano de testes iniciados em maio de 2018.  O ensaio foi projetado para testar uma série de características de desempenho da tecnologia da 2ª Geração do Aedes aegypti da Oxitec, incluindo os resultados gerados pelo uso de duas taxas de liberação diferentes de mosquitos em ambientes urbanos populosos. A abundância do mosquito Aedes aegypti selvagem foi monitorada antes e durante o programa de liberação para permitir uma avaliação precisa do impacto do ensaio, sendo mantida em baixos níveis durante toda a alta temporada em todos os bairros tratados, enquanto em áreas não tratadas pelo Aedes do Bem™ da Oxitec a população aumentou, como esperado.

Em relação às áreas controle não tratadas, as liberações do Aedes do Bem™ machos resultaram1 em uma média de 89% de pico de supressão em duas comunidades tratadas com baixa taxa de liberação, e uma média de 93% de supressão em duas comunidades tratadas com uma taxa de liberação mais alta. A maior taxa de supressão obtida, com pico de 96%, foi alcançada em uma comunidade com alta taxa de liberação durante um período de quatro semanas.

"Este ensaio foi uma excelente demonstração do potencial desta nova linhagem para novas abordagens de controle de vetores em ambientes mais propensos a surtos de dengue. Conseguimos altos níveis de supressão, mesmo com menores taxas de liberação de nossos mosquitos em locais relativamente pequenos de áreas urbanas altamente povoadas, e sujeitas à pressão de mosquitos selvagens migrando de comunidades vizinhas não tratadas com os Mosquitos do Bem", explica Natalia Ferreira, Diretora Geral da Oxitec do Brasil.

A secretária de saúde da Prefeitura de Indaiatuba, Dra. Graziela Garcia, comentou sobre a parceria: "A colaboração mútua entre o município e a Oxitec tem sido positiva e transparente, e os resultados de supressão nas áreas que receberam os Mosquitos do Bem foram excelentes. Estamos satisfeitos com os resultados e esperamos continuar nossa parceria com a equipe da Oxitec."

A 2ª Geração do Aedes do Bem™ carrega um gene autolimitante que impede que os descendentes fêmeas sobrevivam, permitindo a produção exclusivamente de machos. Após a liberação de machos do Bem™ no campo, que encontram e acasalam com fêmeas selvagens, a redução da população alvo é alcançada, já que os filhotes fêmeas que resultam desse acasalamento não sobrevivem. A prole masculina sobrevive, carregando uma cópia do gene autolimitante; por sua vez, esses machos também são capazes de transmitir o gene para metade de seus descendentes, dos quais mais uma vez as fêmeas morrem. O gene autolimitante pode, assim, persistir temporariamente no ambiente, diminuindo com o tempo e oferecendo múltiplas gerações autolimitantes de supressão para cada macho Aedes do Bem™ liberado. 

Além de demonstrar o efeito de supressão do mosquito selvagem nas áreas-alvo, a Oxitec realizou uma série de testes internos para avaliar as características da linhagem - incluindo produção macho-específica - projetada para melhorar a relação custo-benefício em relação à 1ª geração e a outras tecnologias similares que exigem etapas adicionais para separar os machos e fêmeas.

"Nossa equipe está muito satisfeita com esses resultados dos testes iniciais, pois eles demonstram uma solução que é altamente eficaz em ambientes urbanos populosos, além de ser capaz de fornecer recursos que melhorarão a relação custo-benefício e a escalabilidade necessária para aplicações em larga escala sem a necessidade de grandes fábricas e com esforços de menor escala geridos por empresas ou cidadãos. Estamos agora acelerando o desenvolvimento de produtos para soluções comerciais escalonáveis e que possam ser usadas por qualquer pessoa", esclarece Grey Frandsen, CEO da Oxitec. "Acreditamos que, uma vez que esteja totalmente desenvolvida, esta será a primeira tecnologia capaz de fornecer aos governos, consumidores finais e outros parceiros comerciais, o poder de fornecer um controle do Aedes aegypti seguro e eficaz, com um sistema fácil de implementar, econômico e auto-sustentável, aliado ainda a uma solução autolimitante."

A Oxitec prevê avançar para testes de campo adicionais no Brasil em 2019 e 2020, que avaliarão a linhagem de 2ª geração em outras áreas de desempenho, inclusive com pequenos dispositivos de liberação de ovos,além da capacidade da linhagem de reverter a resistência da população selvagem a métodos tradicionais de controle.

Sobre a Oxitec

A Oxitec é pioneira no uso de engenharia genética para controlar pragas de insetos que disseminam doenças e danificam plantações, e foi fundada em 2002 como uma spinout da Universidade de Oxford (Reino Unido). A Oxitec é uma subsidiária da Intrexon Corporation (NASDAQ: XON), que alia a biologia à engenharia para ajudar a solucionar alguns dos maiores problemas do mundo. Siga-nos no Twitter em @Oxitec.

Sobre a Intrexon Corporation

A Intrexon Corporation (NASDAQ: XON) está impulsionando a Revolução Bioindustrial com o Better DNA™ para criar produtos de base biológica que melhorem a qualidade de vida e a saúde do planeta. O conjunto de tecnologias integradas da empresa fornece a seus parceiros em diversos mercados o design e o desenvolvimento em escala industrial de sistemas biológicos complexos, proporcionando controle, qualidade, função e desempenho de células vivas sem precedentes. Chamamos nossa abordagem de biologia sintética Better DNA® e convidamos você a descobrir mais em www.dna.com ou a nos seguir no Twitter em @Intrexon, no Facebook e no LinkedIn.

Declaração

Algumas das declarações feitas neste comunicado de imprensa são prospectivas. Estas declarações prospectivas baseiam-se em nossas expectativas e projeções atuais sobre eventos futuros, e geralmente se relacionam com nossos planos, objetivos e expectativas para o desenvolvimento de nossos negócios. Embora a administração acredite que os planos e objetivos refletidos ou sugeridos por essas declarações prospectivas sejam razoáveis, todas as declarações prospectivas envolvem riscos e incertezas e os resultados futuros reais podem ser materialmente diferentes dos planos, objetivos e expectativas expressos neste comunicado à imprensa.

Para mais informações entre em contato:

Oxitec:

Neil Morrison, PhD

Tel: +44 (0)7980 822 571

info@oxitec.com

Intrexon:

Marie Rossi, PhD

Vice President, Communications

Tel: +1 (301) 556-9850

publicrelations@dna.com 

1O "pico de supressão" é medido usando-se a mais alta supressão sustentada durante um período de quatro semanas em um local tratado com os mosquitos da Oxitec quando comparado a um local controle não tratado, no mesmo período de tempo. Essa métrica avalia o efeito de supressão sustentada decorrente da intervenção ao longo do tempo, que é uma medida mais precisa do que os resultados de supressão calculadora para um único dia ou semana.

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/790286/Oxitec_Logo.jpg  

 

FONTE Oxitec Ltd.

Você acabou de ler:

Oxitec Completa com Sucesso a Primeira Implantação em Campo da Tecnologia de 2ª Geração do Aedes do Bem™

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/oxitec-completa-com-sucesso-a-primeira-implantacao-em-campo-da-tecnologia-de-2a-geracao-do-aedes-do-bem/