PIX, sistema de pagamento instantâneo brasileiro, entra em nova fase

SÃO PAULO, 16 de junho de 2020 /PRNewswire/ -- A implementação do Sistema de Pagamento Instantâneo (SPI) no Brasil mantém o calendário de lançamento, previsto para o dia 16 de novembro. Mesmo com a pandemia do coronavírus e impactos econômicos causados por ela, o PIX, como o sistema foi batizado pelo Banco Central, já está sendo testado pelos bancos e fintechs que aderiram à modalidade. O prazo para solicitar a adesão se encerrou no dia 1 de junho e, aproximadamente, 109 instituições entraram na lista para participar do arranjo.  

A homologação do novo sistema de pagamento se inicia ainda em junho e deve se estender até o mês de outubro. O prazo será determinante para definir o funcionamento da modalidade, anunciada como uma revolução no modelo de transações monetárias. Além disso, o PIX é o lançamento mais aguardado pelas instituições financeiras ou de pagamento e fintechs em 2020. 

Testes para implementação do PIX 

Apesar do período de homologação ter iniciado oficialmente em junho, algumas empresas já saíram na frente e começaram a realizar testes internos, antecedendo até mesmo o calendário do Bacen. Um exemplo é a Gerencianet, empresa mineira que fornece uma conta digital para negócios. "Já estávamos fazendo testes voluntários e simulando operações antes do prazo. Primeiramente, foram realizados testes de conectividade para garantirmos que os certificados digitais e a comunicação por meio da RSFN estão funcionando", afirma Francisco Carvalho, gerente de projetos da empresa. "Após essa etapa, testamos também os serviços que serão disponibilizados pelo DICT (Diretório de Contas Transacionais) e SPI (Sistemas de Pagamentos Instantâneos), ambos providos pelo Banco Central", complementa. 

A Gerencianet ainda desenvolveu uma ferramenta de transferência instantânea própria para os clientes da conta digital. Dessa maneira, os clientes podem realizar transferências gratuitas em tempo real, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Com o início do período de homologação, os testes começaram oficialmente a serem realizados pelas demais instituições participantes. Portanto, a partir desta etapa, elas passam a ser fiscalizadas pelo Banco Central e podem realizar os ajustes finais para o lançamento do PIX. As instituições também precisam cumprir os requisitos mínimos de aderência ao sistema e estão passíveis de terem a participação renunciada durante o processo. 

Como vai funcionar o PIX 

O SPI (Sistema de Pagamento Instantâneo) propõe uma plataforma que permite transferências de valores em tempo real, integrando uma revolução com a promessa de substituir o TED e o DOC. Criado pelo Banco Central, a modalidade vai funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana e poderá ser efetuada por meio de um dispositivo móvel, em qualquer lugar. Portanto, mesmo aos fins de semana e feriados, será possível receber em questão de segundos o dinheiro das transações. 

Para efetuar o pagamento, serão utilizadas chaves para endereçamento, QR Code estático ou dinâmico e não haverá a necessidade de ter uma conta em um banco tradicional. O intuito é que o recebedor e pagador possuam conta em qualquer instituição financeira ou de pagamento que forneça a modalidade. E, ainda, existirá o QR Code do Cidadão, em que cada pessoa terá um QR Code vinculado ao seu CPF para receber transferências, sem a necessidade de uma conta em seu nome. 

Segundo Francisco Carvalho, os usuários e clientes de fintechs, instituições financeiras e de pagamento são os que mais ganham com a implementação do Pagamento Instantâneo. "Os clientes Gerencianet, por exemplo, terão à disposição mais um meio de pagamento e poderão utilizar um smartphone como ferramenta de trabalho para auxiliar na gestão de uma empresa. E isso com dinheiro disponível na hora, todos os dias do ano, de maneira segura por meio da RSFN, utilizando mecanismos de criptografias e assinaturas digitais", afirma.  Segundo ele, a competição gerada pelas empresas envolvidas no PI pode baratear as transações. "Novos produtos e soluções poderão ser desenhadas a partir do PIX, pois ele é apenas um meio. A competição fomentada tende a aumentar a inovação e qualidade dos serviços. Quem sai ganhando com isso, com certeza, é o cliente", finaliza. 

Empresas solicitam participação no PIX 

Instituições financeiras e de pagamentos autorizadas pelo Banco Central e com mais de 500 mil contas ativas são, automaticamente, obrigadas a participar do PIX. O prazo de cadastro destas empresas foi realizado até o dia 20 de março. No entanto, a participação não se restringiu apenas às empresas com os requisitos obrigatórios. Demais empresas que integram o segmento também puderam solicitar a integração ao SPI, cujo prazo de cadastramento encerrou-se no dia 1 de junho. A lista de bancos e fintechs que solicitaram adesão ao PIX já está disponível.  

FONTE Gerencianet

SÃO PAULO, 16 de junho de 2020 /PRNewswire/ -- A implementação do Sistema de Pagamento Instantâneo (SPI) no Brasil mantém o calendário de lançamento, previsto para o dia 16 de novembro. Mesmo com a pandemia do coronavírus e impactos econômicos causados por ela, o PIX, como o sistema foi batizado pelo Banco Central, já está sendo testado pelos bancos e fintechs que aderiram à modalidade. O prazo para solicitar a adesão se encerrou no dia 1 de junho e, aproximadamente, 109 instituições entraram na lista para participar do arranjo.  

A homologação do novo sistema de pagamento se inicia ainda em junho e deve se estender até o mês de outubro. O prazo será determinante para definir o funcionamento da modalidade, anunciada como uma revolução no modelo de transações monetárias. Além disso, o PIX é o lançamento mais aguardado pelas instituições financeiras ou de pagamento e fintechs em 2020. 

Testes para implementação do PIX 

Apesar do período de homologação ter iniciado oficialmente em junho, algumas empresas já saíram na frente e começaram a realizar testes internos, antecedendo até mesmo o calendário do Bacen. Um exemplo é a Gerencianet, empresa mineira que fornece uma conta digital para negócios. "Já estávamos fazendo testes voluntários e simulando operações antes do prazo. Primeiramente, foram realizados testes de conectividade para garantirmos que os certificados digitais e a comunicação por meio da RSFN estão funcionando", afirma Francisco Carvalho, gerente de projetos da empresa. "Após essa etapa, testamos também os serviços que serão disponibilizados pelo DICT (Diretório de Contas Transacionais) e SPI (Sistemas de Pagamentos Instantâneos), ambos providos pelo Banco Central", complementa. 

A Gerencianet ainda desenvolveu uma ferramenta de transferência instantânea própria para os clientes da conta digital. Dessa maneira, os clientes podem realizar transferências gratuitas em tempo real, 24 horas por dia e 7 dias por semana. Com o início do período de homologação, os testes começaram oficialmente a serem realizados pelas demais instituições participantes. Portanto, a partir desta etapa, elas passam a ser fiscalizadas pelo Banco Central e podem realizar os ajustes finais para o lançamento do PIX. As instituições também precisam cumprir os requisitos mínimos de aderência ao sistema e estão passíveis de terem a participação renunciada durante o processo. 

Como vai funcionar o PIX 

O SPI (Sistema de Pagamento Instantâneo) propõe uma plataforma que permite transferências de valores em tempo real, integrando uma revolução com a promessa de substituir o TED e o DOC. Criado pelo Banco Central, a modalidade vai funcionar 24 horas por dia, 7 dias por semana e poderá ser efetuada por meio de um dispositivo móvel, em qualquer lugar. Portanto, mesmo aos fins de semana e feriados, será possível receber em questão de segundos o dinheiro das transações. 

Para efetuar o pagamento, serão utilizadas chaves para endereçamento, QR Code estático ou dinâmico e não haverá a necessidade de ter uma conta em um banco tradicional. O intuito é que o recebedor e pagador possuam conta em qualquer instituição financeira ou de pagamento que forneça a modalidade. E, ainda, existirá o QR Code do Cidadão, em que cada pessoa terá um QR Code vinculado ao seu CPF para receber transferências, sem a necessidade de uma conta em seu nome. 

Segundo Francisco Carvalho, os usuários e clientes de fintechs, instituições financeiras e de pagamento são os que mais ganham com a implementação do Pagamento Instantâneo. "Os clientes Gerencianet, por exemplo, terão à disposição mais um meio de pagamento e poderão utilizar um smartphone como ferramenta de trabalho para auxiliar na gestão de uma empresa. E isso com dinheiro disponível na hora, todos os dias do ano, de maneira segura por meio da RSFN, utilizando mecanismos de criptografias e assinaturas digitais", afirma.  Segundo ele, a competição gerada pelas empresas envolvidas no PI pode baratear as transações. "Novos produtos e soluções poderão ser desenhadas a partir do PIX, pois ele é apenas um meio. A competição fomentada tende a aumentar a inovação e qualidade dos serviços. Quem sai ganhando com isso, com certeza, é o cliente", finaliza. 

Empresas solicitam participação no PIX 

Instituições financeiras e de pagamentos autorizadas pelo Banco Central e com mais de 500 mil contas ativas são, automaticamente, obrigadas a participar do PIX. O prazo de cadastro destas empresas foi realizado até o dia 20 de março. No entanto, a participação não se restringiu apenas às empresas com os requisitos obrigatórios. Demais empresas que integram o segmento também puderam solicitar a integração ao SPI, cujo prazo de cadastramento encerrou-se no dia 1 de junho. A lista de bancos e fintechs que solicitaram adesão ao PIX já está disponível.  

FONTE Gerencianet

Você acabou de ler:

PIX, sistema de pagamento instantâneo brasileiro, entra em nova fase

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/pix-sistema-de-pagamento-instantaneo-brasileiro-entra-em-nova-fase/