Presidente da Eletrobras afirma que sistema elétrico 'inspira a retomada' da infraestrutura no Brasil no pós-pandemia

SÃO PAULO, 28 de agosto de 2020 /PRNewswire/ -- O 8º Fórum LIDE de Energia reuniu virtualmente o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, a presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Marcos Penido, e o engenheiro Décio Oddone, na segunda-feira (24). Os expositores debateram sobre a eficiência de gestão do setor.

A transmissão, que ocorreu em virtude da pandemia da Covid-19, em medidas alinhadas às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de autoridades sanitárias brasileiras, foi mediada pelo chairman do LIDE, Luiz Fernando Furlan, pelo presidente do LIDE Energia, Roberto Giannetti da Fonseca, e do diretor-executivo do Grupo Doria, João Doria Neto.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, abriu o evento defendendo o setor como elemento fundamental para o crescimento do país. "O sistema elétrico é um dos agentes que inspiram a retomada da infraestrutura, pois ele é calcado em política e regulamentação muito sólida, e constituiu os órgãos que viabilizam o processo de crescimento de forma harmônica. Temos grande oportunidade para este mercado". 

Transição

Os participantes do primeiro painel debateram sobre as energias renováveis. O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Marcos Penido, falou sobre transição energética na estrutura pública.

"Poucas pessoas sabem, mas as plantas de projetos do CDHU em São Paulo já contam com painéis fotovoltaicos solares com medidores de consumo. Temos de ser produtivos para ampliar esse consumo".

Penido também se mostrou favorável à transição da matriz energética que possa colaborar diretamente em todos os setores da sociedade. "O Biogás pode ser aproveitado nos veículos e ser transformado em energia. Temos um projeto, em parceria com a Raízen, que já está produzindo 21 megawatts e mostra a viabilidade da vinhaça, subproduto da cana-de-açúcar, para gerar energia", contou.

O vice-presidente Executivo de Logística, Distribuição e Energias Renováveis na Raízen, Antônio Simões, disse ser urgente a disseminação de outras fontes de energias no país. "Temos de falar sobre transição energética e retomada verde, sobre investimento em projetos com emissão de carbono mais sustentáveis", ponderou.

No mesmo contexto, o CEO da WDC, Vanderlei Rigatieri, disse que "a tecnologia tem que melhorar a qualidade de vida das pessoas. E gostamos de descomplicar essas inovações. Estamos focados na geração distribuída, no compromisso com a eficiência energética, e no conceito de incentivar o consumo inteligente de energias".

Diversificação

O segundo painel tratou sobre o panorama do setor de óleo e gás. A presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, acredita no desenvolvimento deste segmento. "Já estamos no momento de votar o Projeto de Lei6.407/13 para o desenvolvimento do setor de O&G no Brasil. Isso atrairá investimentos e trará a possibilidade de diversificação de gás, pois poderemos falar com um mercado mais competitivo.

O engenheiro Décio Oddone, ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), acredita ser indispensável a discussão que permita a distribuição de energia a todos os brasileiros.  "Temos que ter a universalização da eletricidade. E segundo análises, no Brasil, vamos ver a competição entre combustíveis em um futuro próximo. Devemos ter também um grid mais inteligente, hidrogênio, e mais carros elétricos", citou.

O 8º Fórum LIDE de Energia teve patrocínio da Cosan e WDC Networks. O fornecedor oficial do evento foi a RCE Digital.

FONTE LIDE

SÃO PAULO, 28 de agosto de 2020 /PRNewswire/ -- O 8º Fórum LIDE de Energia reuniu virtualmente o presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, a presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, o secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Marcos Penido, e o engenheiro Décio Oddone, na segunda-feira (24). Os expositores debateram sobre a eficiência de gestão do setor.

A transmissão, que ocorreu em virtude da pandemia da Covid-19, em medidas alinhadas às recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de autoridades sanitárias brasileiras, foi mediada pelo chairman do LIDE, Luiz Fernando Furlan, pelo presidente do LIDE Energia, Roberto Giannetti da Fonseca, e do diretor-executivo do Grupo Doria, João Doria Neto.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Júnior, abriu o evento defendendo o setor como elemento fundamental para o crescimento do país. "O sistema elétrico é um dos agentes que inspiram a retomada da infraestrutura, pois ele é calcado em política e regulamentação muito sólida, e constituiu os órgãos que viabilizam o processo de crescimento de forma harmônica. Temos grande oportunidade para este mercado". 

Transição

Os participantes do primeiro painel debateram sobre as energias renováveis. O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Marcos Penido, falou sobre transição energética na estrutura pública.

"Poucas pessoas sabem, mas as plantas de projetos do CDHU em São Paulo já contam com painéis fotovoltaicos solares com medidores de consumo. Temos de ser produtivos para ampliar esse consumo".

Penido também se mostrou favorável à transição da matriz energética que possa colaborar diretamente em todos os setores da sociedade. "O Biogás pode ser aproveitado nos veículos e ser transformado em energia. Temos um projeto, em parceria com a Raízen, que já está produzindo 21 megawatts e mostra a viabilidade da vinhaça, subproduto da cana-de-açúcar, para gerar energia", contou.

O vice-presidente Executivo de Logística, Distribuição e Energias Renováveis na Raízen, Antônio Simões, disse ser urgente a disseminação de outras fontes de energias no país. "Temos de falar sobre transição energética e retomada verde, sobre investimento em projetos com emissão de carbono mais sustentáveis", ponderou.

No mesmo contexto, o CEO da WDC, Vanderlei Rigatieri, disse que "a tecnologia tem que melhorar a qualidade de vida das pessoas. E gostamos de descomplicar essas inovações. Estamos focados na geração distribuída, no compromisso com a eficiência energética, e no conceito de incentivar o consumo inteligente de energias".

Diversificação

O segundo painel tratou sobre o panorama do setor de óleo e gás. A presidente do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), Clarissa Lins, acredita no desenvolvimento deste segmento. "Já estamos no momento de votar o Projeto de Lei6.407/13 para o desenvolvimento do setor de O&G no Brasil. Isso atrairá investimentos e trará a possibilidade de diversificação de gás, pois poderemos falar com um mercado mais competitivo.

O engenheiro Décio Oddone, ex-diretor da Agência Nacional do Petróleo (ANP), acredita ser indispensável a discussão que permita a distribuição de energia a todos os brasileiros.  "Temos que ter a universalização da eletricidade. E segundo análises, no Brasil, vamos ver a competição entre combustíveis em um futuro próximo. Devemos ter também um grid mais inteligente, hidrogênio, e mais carros elétricos", citou.

O 8º Fórum LIDE de Energia teve patrocínio da Cosan e WDC Networks. O fornecedor oficial do evento foi a RCE Digital.

FONTE LIDE