Pro Music Rights, organização de direitos de execução pública sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4%, tornando-se a 3a maior organização de direitos de execução pública nos Estados Unidos

A Pro Music Rights - a quinta Sociedade de Direitos de Execução Pública nos UEA - tem agora uma participação de mercado de 7,4%.

MIAMI, 16 de agosto de 2018 /PRNewswire/ -- A Pro Music Rights é a quinta Sociedade de Direitos de Execução Pública já formada nos EUA, que tem uma participação de mercado de 7,4% nos EUA e representa obras de artistas notáveis como Snoop Dogg, A$AP Rocky, Wiz Khalifa, Pharrell, Young Jeezy, Juelz Santana, Lil Yachty, MoneyBaggYo, Larry June, Trae Pound, Sauce Walka, Trae Tha Truth, Sosaman, Soulja Boy, Lex Luger, Lud Foe, SlowBucks, Gunplay, OG Maco, Rich The Kid, Fat Trel, Young Scooter, Nipsey Hussle, Famous Dex, Boosie Badazz, Shy Glizzy e muitos outros.

A Pro Music Rights paga 100% de todos os direitos autorais de execução pública diretamente aos cantores, compositores, editores e detentores de direitos assegurados legalmente que aderiram à Pro Music Rights em uma base mensal. Jake P. Noch fundou a Pro Music Rights como seu atual presidente-executivo, depois de experimentar, em primeira mão, os problemas sistemáticos que infestam o campo dos direitos de execução pública. Esses problemas têm frustrado a capacidade de cantores, compositores, editores e da comunidade criativa como um todo de garantir suas subsistências.

A Pro Music Rights trouxe o engenheiro e produtor ganhador do Grammy Paul Ring para ocupar o cargo de presidente da Pro Music Rights.

Ring tem um longo histórico de sucesso como presidente de duas gravadoras proeminentes, que vem fazendo distribuições nos últimos 23 anos exclusivamente através da Universal Music Group. O histórico de Ring começou em 1995 como presidente da Private Eye Records, que tinha artistas lendários como Rick James, Cameo Gap Band e James Brown. Em 2000, ele lançou a Bungalo Records, que vem sustentando uma história rica e diversificada de grandes artistas e produtores, incluindo Rodney Jerkins, DJ Quik e Patti LaBelle.

A Pro Music Rights também contratou Livio Harris para o cargo de vice-presidente sênior de Operações Globais. Harris é uma potência executiva, que começou a carreira como cantor e compositor, contratado em 1990 por uma grande gravadora, chamada Uptown Records (a casa de Jodeci, Mary J. Blige, Guy e muitos outros).

Com essa experiência como artista, a progressão natural de Livio foi escalar as fileiras do setor como executivo que acumulou mais de 30 anos de experiência nessa área. Ele progrediu de ex-cantor para gestor de entretenimento, executivo de desenvolvimento de artistas, vice-presidente da Tier2 Films e vice-presidente executivo da Notting Hill Music Publishing.

Livio já trabalhou com muitas companhias de música, tais como a Elektra Records e a Epic Records como consultor de A&R. Livio também operou e desenvolveu a Notting Hill Music Publishing (EUA) por mais de 21 anos. Livio tem o crédito por uma quantia significativa do catálogo dos EUA da Notting Hill, que inclui Will Smith, The Pussycat Dolls, Beyonce, Destiny's Child, Eminem, Outkast, Nelly, Michael Jackson e DJ Khaled, entre outros.

Para obter mais informações sobre a Pro Music Rights, visite https://ProMusicRights.com.

Citações

Resnikoff, P. (3 de agosto de 2018). PRO Pro Music Rights, sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4%. Retirado em 15 de agosto de 2018 de https://www.digitalmusicnews.com/2018/08/03/pro-music-rights-7-4-market-share/ 

Sobre. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de https://www.bmi.com/about.

Sistema de Pagamento da ASCAP. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de https://www.ascap.com/help/royalties-and-payment/payment.

FIND WORKS. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de http://www.ProMusicRights.com.

Login de clientes licenciados. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de http://licensees.sesac.com/.

Rights, H. G. (sem data). Global Music Rights. Retirado em 31 de julho de 2018 de https://globalmusicrights.com/CatalogRequest.

PRO Pro Music Rights, sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4% – A2IM. (sem data). Retirado em 6 de agosto de 2018 de https://a2im.org/forums/topic/us-based-pro-pro-music-rights-reaches-a-7-4-market-share/.

Topic Tag: Pro Music Rights. (sem data). Retirado em 15 de agosto de 2018 de https://a2im.org/forums/topic-tag/pro-music-rights/

"Richard Gora da Gora, LLC anuncia parceria com a Pro Music Rights, LLC, a terceira maior PRO dos EUA representando mais de 2 milhões de publicações com direitos autorais. "Inovações digitais em reconhecimento facial: Entrevista (inclui entrevista), 13 de agosto de 2018, www.digitaljournal.com/pr/3895838?noredir=1.

Informações - https://mma.prnewswire.com/media/731345/Pro_Music_Rights_Infographic.jpg

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/728013/Pro_Music_Rights_Logo.jpg

 

FONTE Pro Music Rights

A Pro Music Rights - a quinta Sociedade de Direitos de Execução Pública nos UEA - tem agora uma participação de mercado de 7,4%.

MIAMI, 16 de agosto de 2018 /PRNewswire/ -- A Pro Music Rights é a quinta Sociedade de Direitos de Execução Pública já formada nos EUA, que tem uma participação de mercado de 7,4% nos EUA e representa obras de artistas notáveis como Snoop Dogg, A$AP Rocky, Wiz Khalifa, Pharrell, Young Jeezy, Juelz Santana, Lil Yachty, MoneyBaggYo, Larry June, Trae Pound, Sauce Walka, Trae Tha Truth, Sosaman, Soulja Boy, Lex Luger, Lud Foe, SlowBucks, Gunplay, OG Maco, Rich The Kid, Fat Trel, Young Scooter, Nipsey Hussle, Famous Dex, Boosie Badazz, Shy Glizzy e muitos outros.

A Pro Music Rights paga 100% de todos os direitos autorais de execução pública diretamente aos cantores, compositores, editores e detentores de direitos assegurados legalmente que aderiram à Pro Music Rights em uma base mensal. Jake P. Noch fundou a Pro Music Rights como seu atual presidente-executivo, depois de experimentar, em primeira mão, os problemas sistemáticos que infestam o campo dos direitos de execução pública. Esses problemas têm frustrado a capacidade de cantores, compositores, editores e da comunidade criativa como um todo de garantir suas subsistências.

A Pro Music Rights trouxe o engenheiro e produtor ganhador do Grammy Paul Ring para ocupar o cargo de presidente da Pro Music Rights.

Ring tem um longo histórico de sucesso como presidente de duas gravadoras proeminentes, que vem fazendo distribuições nos últimos 23 anos exclusivamente através da Universal Music Group. O histórico de Ring começou em 1995 como presidente da Private Eye Records, que tinha artistas lendários como Rick James, Cameo Gap Band e James Brown. Em 2000, ele lançou a Bungalo Records, que vem sustentando uma história rica e diversificada de grandes artistas e produtores, incluindo Rodney Jerkins, DJ Quik e Patti LaBelle.

A Pro Music Rights também contratou Livio Harris para o cargo de vice-presidente sênior de Operações Globais. Harris é uma potência executiva, que começou a carreira como cantor e compositor, contratado em 1990 por uma grande gravadora, chamada Uptown Records (a casa de Jodeci, Mary J. Blige, Guy e muitos outros).

Com essa experiência como artista, a progressão natural de Livio foi escalar as fileiras do setor como executivo que acumulou mais de 30 anos de experiência nessa área. Ele progrediu de ex-cantor para gestor de entretenimento, executivo de desenvolvimento de artistas, vice-presidente da Tier2 Films e vice-presidente executivo da Notting Hill Music Publishing.

Livio já trabalhou com muitas companhias de música, tais como a Elektra Records e a Epic Records como consultor de A&R. Livio também operou e desenvolveu a Notting Hill Music Publishing (EUA) por mais de 21 anos. Livio tem o crédito por uma quantia significativa do catálogo dos EUA da Notting Hill, que inclui Will Smith, The Pussycat Dolls, Beyonce, Destiny's Child, Eminem, Outkast, Nelly, Michael Jackson e DJ Khaled, entre outros.

Para obter mais informações sobre a Pro Music Rights, visite https://ProMusicRights.com.

Citações

Resnikoff, P. (3 de agosto de 2018). PRO Pro Music Rights, sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4%. Retirado em 15 de agosto de 2018 de https://www.digitalmusicnews.com/2018/08/03/pro-music-rights-7-4-market-share/ 

Sobre. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de https://www.bmi.com/about.

Sistema de Pagamento da ASCAP. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de https://www.ascap.com/help/royalties-and-payment/payment.

FIND WORKS. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de http://www.ProMusicRights.com.

Login de clientes licenciados. (sem data). Retirado em 31 de julho de 2018 de http://licensees.sesac.com/.

Rights, H. G. (sem data). Global Music Rights. Retirado em 31 de julho de 2018 de https://globalmusicrights.com/CatalogRequest.

PRO Pro Music Rights, sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4% – A2IM. (sem data). Retirado em 6 de agosto de 2018 de https://a2im.org/forums/topic/us-based-pro-pro-music-rights-reaches-a-7-4-market-share/.

Topic Tag: Pro Music Rights. (sem data). Retirado em 15 de agosto de 2018 de https://a2im.org/forums/topic-tag/pro-music-rights/

"Richard Gora da Gora, LLC anuncia parceria com a Pro Music Rights, LLC, a terceira maior PRO dos EUA representando mais de 2 milhões de publicações com direitos autorais. "Inovações digitais em reconhecimento facial: Entrevista (inclui entrevista), 13 de agosto de 2018, www.digitaljournal.com/pr/3895838?noredir=1.

Informações - https://mma.prnewswire.com/media/731345/Pro_Music_Rights_Infographic.jpg

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/728013/Pro_Music_Rights_Logo.jpg

 

FONTE Pro Music Rights

Você acabou de ler:

Pro Music Rights, organização de direitos de execução pública sediada nos EUA, atinge uma participação de mercado de 7,4%, tornando-se a 3a maior organização de direitos de execução pública nos Estados Unidos

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/pro-music-rights-organizacao-de-direitos-de-execucao-publica-sediada-nos-eua-atinge-uma-participacao-de-mercado-de-74-tornando-se-a-3a-maior-organizacao-de-direitos-de-execucao-publica-nos-estados/