Retorno aos escritórios deve acontecer entre setembro e dezembro, aponta KPMG

SÃO PAULO, 30 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Cerca de 35% dos empresários brasileiros entrevistados pela KPMG disseram que os profissionais da empresa onde trabalham devem retornar aos escritórios entre setembro e dezembro deste ano. Outros 21% voltam em agosto e apenas 9,4% no próximo ano. A pesquisa mapeou como será a volta dos funcionários às organizações. Foram ouvidos mais de 700 executivos de 11 setores da indústria brasileira.

Quando questionados se a empresa adotará retorno gradativo, a maioria (30,3%) disse que voltará, inicialmente, com no máximo 30% dos profissionais. Esse quantitativo chegará até 50% dos profissionais para 27% das empresas.

Nessa retomada, os entrevistados disseram que as empresas vão controlar o acesso aos escritórios. A principal é obrigatoriedade do uso de máscara facial (91,5%), medição de temperatura (64,8%), questionário referente às condições de saúde (49,7%) e aplicação de testes para covid-19 (26,1%). Dos entrevistados, 103 vão adotar todas as quatro medidas.

"A pesquisa aponta que as empresas estão buscando se adaptar a essa nova realidade, implementando medidas para que o retorno dos funcionários aconteça de forma segura. A retomada será gradativa até para que os gestores possam avaliar a efetividade da implementação desse processo", analisa o sócio-líder de clientes e mercados da KPMG no Brasil e na América do Sul, André Coutinho.

Sobre o impacto do trabalho remoto na produtividade, quase metade (49,5%) disse que a produtividade se manteve e, para 24,5%, houve um aumento de até 20%. Já para 10,8%, houve uma redução de até 20% na produtividade e para 5,6% a queda foi superior a 20%.

"Outro ponto interessante diz respeito à produtividade. O levantamento mostra que houve uma boa adaptação ao home office, o que não era uma realidade dos trabalhadores brasileiros", afirma o sócio-líder do Centro de Serviços Compartilhados da KPMG no Brasil, Roberto Gomez.

Sobre a pesquisa:

A "Pesquisa nacional: como será o retorno aos escritórios" foi feita em junho deste ano com empresários dos seguintes setores: agronegócio (8%); consumo e varejo (11%); energia e recursos naturais (8%); governo (2%); saúde e ciências da vida (7%); mercados industriais (16%); infraestrutura (6%); setor financeiro (18%); tecnologia, mídia e telecomunicações (9%); serviços (14%); e ONGs (1%). Já a distribuição geográfica dos entrevistados foi 77,9% no Sudeste; 8,1% no Sul, 7,6% no Centro Oeste, 3,6% no Nordeste e 2,6% no Norte.

Acesse: https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2020/07/pesquisa-nacional-como-sera-retorno-aos-escritorios.html  

São Paulo - SP 

KPMG no Brasil  

Pedro Ulsen: (11) 3736-1103 | pedro.ulsen@viveiros.com.br  

Bianca Antunes: (21) 2207-8025 | bianca.antunes@viveiros.com.br

FONTE KPMG no Brasil

SÃO PAULO, 30 de julho de 2020 /PRNewswire/ -- Cerca de 35% dos empresários brasileiros entrevistados pela KPMG disseram que os profissionais da empresa onde trabalham devem retornar aos escritórios entre setembro e dezembro deste ano. Outros 21% voltam em agosto e apenas 9,4% no próximo ano. A pesquisa mapeou como será a volta dos funcionários às organizações. Foram ouvidos mais de 700 executivos de 11 setores da indústria brasileira.

Quando questionados se a empresa adotará retorno gradativo, a maioria (30,3%) disse que voltará, inicialmente, com no máximo 30% dos profissionais. Esse quantitativo chegará até 50% dos profissionais para 27% das empresas.

Nessa retomada, os entrevistados disseram que as empresas vão controlar o acesso aos escritórios. A principal é obrigatoriedade do uso de máscara facial (91,5%), medição de temperatura (64,8%), questionário referente às condições de saúde (49,7%) e aplicação de testes para covid-19 (26,1%). Dos entrevistados, 103 vão adotar todas as quatro medidas.

"A pesquisa aponta que as empresas estão buscando se adaptar a essa nova realidade, implementando medidas para que o retorno dos funcionários aconteça de forma segura. A retomada será gradativa até para que os gestores possam avaliar a efetividade da implementação desse processo", analisa o sócio-líder de clientes e mercados da KPMG no Brasil e na América do Sul, André Coutinho.

Sobre o impacto do trabalho remoto na produtividade, quase metade (49,5%) disse que a produtividade se manteve e, para 24,5%, houve um aumento de até 20%. Já para 10,8%, houve uma redução de até 20% na produtividade e para 5,6% a queda foi superior a 20%.

"Outro ponto interessante diz respeito à produtividade. O levantamento mostra que houve uma boa adaptação ao home office, o que não era uma realidade dos trabalhadores brasileiros", afirma o sócio-líder do Centro de Serviços Compartilhados da KPMG no Brasil, Roberto Gomez.

Sobre a pesquisa:

A "Pesquisa nacional: como será o retorno aos escritórios" foi feita em junho deste ano com empresários dos seguintes setores: agronegócio (8%); consumo e varejo (11%); energia e recursos naturais (8%); governo (2%); saúde e ciências da vida (7%); mercados industriais (16%); infraestrutura (6%); setor financeiro (18%); tecnologia, mídia e telecomunicações (9%); serviços (14%); e ONGs (1%). Já a distribuição geográfica dos entrevistados foi 77,9% no Sudeste; 8,1% no Sul, 7,6% no Centro Oeste, 3,6% no Nordeste e 2,6% no Norte.

Acesse: https://home.kpmg/br/pt/home/insights/2020/07/pesquisa-nacional-como-sera-retorno-aos-escritorios.html  

São Paulo - SP 

KPMG no Brasil  

Pedro Ulsen: (11) 3736-1103 | pedro.ulsen@viveiros.com.br  

Bianca Antunes: (21) 2207-8025 | bianca.antunes@viveiros.com.br

FONTE KPMG no Brasil

Você acabou de ler:

Retorno aos escritórios deve acontecer entre setembro e dezembro, aponta KPMG

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/retorno-aos-escritorios-deve-acontecer-entre-setembro-e-dezembro-aponta-kpmg/