Sete em cada dez brasileiros da classe C querem continuidade da Operação Lava Jato

Levantamento inédito do Instituto Data Popular aponta ainda que, apesar do apoio, para 43% das pessoas força-tarefa prejudicou a economia do país

SÃO PAULO, 7 de outubro de 2019 /PRNewswire/ -- Pesquisa inédita realizada pelo Instituto Data Popular com a classe C em todas as regiões do Brasil revela que 74% desejam que a Operação Lava Jato continue. Além disso, 51% avaliam a força-tarefa como ótima ou boa. O levantamento, denominado Data Check-up Brasil - Classe C, aponta também que o apoio é seguido de uma visão crítica de 43% dos entrevistados, que afirmam que a ação prejudicou a economia do país. Essa é a primeira pesquisa com foco exclusivo nesse segmento social, que representa mais da metade da população. Entre os que defendem a manutenção da Operação, a maioria é de mulheres (79%), com 35 a 44 anos (79%) e ensino médio e superior completos (79%). Outros 21% querem o fim da Lava Jato e 5% não souberam opinar. O percentual que avalia a força-tarefa como ruim ou péssima é de 27%. Além disso, a maioria dos entrevistados acredita que a Lava Jato é um importante instrumento de combate à corrupção (74%) e que políticos e empresários terão um comportamento mais honesto a partir da ação (57%). Em outra frente, para 53%, juízes e promotores utilizam a ação para perseguir adversários políticos e que a força-tarefa comete muitos excessos, impedindo que os denunciados tenham direto à ampla defesa (42%). Corrupção Levantamento aponta ainda que a maioria dos entrevistados percebe corrupção nos três poderes e no empresariado brasileiro. Outro dado de destaque é sobre o grau de corrupção: 92% opinaram que ela está muito presente no Poder Legislativo, 86% no Executivo, 80% no Judiciário e 87% entre os empresários. Melhora Apesar do contexto político, a maior parte da classe C é otimista com relação ao cenário econômico do país e aposta em uma melhora nos próximos meses (38%). Para a maioria (53%), haverá ainda um avanço na renda pessoal. O objetivo do Data Popular é que a pesquisa, com foco específico na classe C, seja realizada mensalmente, abordando assuntos sobre opinião pública/comportamento e mercado/consumo. Nessa primeira edição, o Data Check-up Brasil - Classe C traz um panorama do cenário econômico brasileiro, corrupção e Operação Lava Jato, consumo de mídia/redes sociais e relação com instituições financeiras. "Queremos dar voz àquela que é a maior classe social brasileira. Entender seu comportamento, hábitos de consumo e opiniões. Apesar de tamanha representatividade, essas pessoas ainda são pouco ouvidas e isso é fundamental para entendermos o contexto social e econômico atual", afirma Marcio Falcão Lopes, Gerente de Pesquisa e Inteligência de Mercado do Instituto. A pesquisa ouviu 1.020 pessoas com renda entre R$ 1.646,95 e R$ 4.144,67, em 33 cidades brasileiras (escolhidas a partir de critérios populacionais), sendo 19 delas capitais. A margem de erro do levantamento, realizado entre os dias 4 e 18 de setembro, é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Classe C Para compreender quem é o público pertencente à classe C, há diferentes critérios estabelecidos por instituições e especialistas da área. O principal deles é a renda mensal. Dados do IBGE revelam que esta é a maior parcela da população brasileira, representando 51%. Segundo o Data Popular, o protagonismo dessas pessoas é crescente e formado por um público heterogêneo com poder de consumo ativo. Data Popular Com 17 anos de mercado, o Instituto Data Popular é uma empresa de referência quando o assunto é pesquisa e consumo popular no Brasil. O foco da sua atuação é mostrar "o Brasil de verdade", ouvindo, por meio de pesquisas quantitativas e qualitativas, consultoria e outras metodologias o público das classes C, D e E. FONTE Instituto Data Popular

Levantamento inédito do Instituto Data Popular aponta ainda que, apesar do apoio, para 43% das pessoas força-tarefa prejudicou a economia do país

SÃO PAULO, 7 de outubro de 2019 /PRNewswire/ -- Pesquisa inédita realizada pelo Instituto Data Popular com a classe C em todas as regiões do Brasil revela que 74% desejam que a Operação Lava Jato continue. Além disso, 51% avaliam a força-tarefa como ótima ou boa. O levantamento, denominado Data Check-up Brasil - Classe C, aponta também que o apoio é seguido de uma visão crítica de 43% dos entrevistados, que afirmam que a ação prejudicou a economia do país. Essa é a primeira pesquisa com foco exclusivo nesse segmento social, que representa mais da metade da população. Entre os que defendem a manutenção da Operação, a maioria é de mulheres (79%), com 35 a 44 anos (79%) e ensino médio e superior completos (79%). Outros 21% querem o fim da Lava Jato e 5% não souberam opinar. O percentual que avalia a força-tarefa como ruim ou péssima é de 27%. Além disso, a maioria dos entrevistados acredita que a Lava Jato é um importante instrumento de combate à corrupção (74%) e que políticos e empresários terão um comportamento mais honesto a partir da ação (57%). Em outra frente, para 53%, juízes e promotores utilizam a ação para perseguir adversários políticos e que a força-tarefa comete muitos excessos, impedindo que os denunciados tenham direto à ampla defesa (42%). Corrupção Levantamento aponta ainda que a maioria dos entrevistados percebe corrupção nos três poderes e no empresariado brasileiro. Outro dado de destaque é sobre o grau de corrupção: 92% opinaram que ela está muito presente no Poder Legislativo, 86% no Executivo, 80% no Judiciário e 87% entre os empresários. Melhora Apesar do contexto político, a maior parte da classe C é otimista com relação ao cenário econômico do país e aposta em uma melhora nos próximos meses (38%). Para a maioria (53%), haverá ainda um avanço na renda pessoal. O objetivo do Data Popular é que a pesquisa, com foco específico na classe C, seja realizada mensalmente, abordando assuntos sobre opinião pública/comportamento e mercado/consumo. Nessa primeira edição, o Data Check-up Brasil - Classe C traz um panorama do cenário econômico brasileiro, corrupção e Operação Lava Jato, consumo de mídia/redes sociais e relação com instituições financeiras. "Queremos dar voz àquela que é a maior classe social brasileira. Entender seu comportamento, hábitos de consumo e opiniões. Apesar de tamanha representatividade, essas pessoas ainda são pouco ouvidas e isso é fundamental para entendermos o contexto social e econômico atual", afirma Marcio Falcão Lopes, Gerente de Pesquisa e Inteligência de Mercado do Instituto. A pesquisa ouviu 1.020 pessoas com renda entre R$ 1.646,95 e R$ 4.144,67, em 33 cidades brasileiras (escolhidas a partir de critérios populacionais), sendo 19 delas capitais. A margem de erro do levantamento, realizado entre os dias 4 e 18 de setembro, é de 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Classe C Para compreender quem é o público pertencente à classe C, há diferentes critérios estabelecidos por instituições e especialistas da área. O principal deles é a renda mensal. Dados do IBGE revelam que esta é a maior parcela da população brasileira, representando 51%. Segundo o Data Popular, o protagonismo dessas pessoas é crescente e formado por um público heterogêneo com poder de consumo ativo. Data Popular Com 17 anos de mercado, o Instituto Data Popular é uma empresa de referência quando o assunto é pesquisa e consumo popular no Brasil. O foco da sua atuação é mostrar "o Brasil de verdade", ouvindo, por meio de pesquisas quantitativas e qualitativas, consultoria e outras metodologias o público das classes C, D e E. FONTE Instituto Data Popular

Você acabou de ler:

Sete em cada dez brasileiros da classe C querem continuidade da Operação Lava Jato

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/sete-em-cada-dez-brasileiros-da-classe-c-querem-continuidade-da-operacao-lava-jato-2/