Sputnik V é a vacina mais usada na Cidade do México, mais de 3 milhões de pessoas já receberam a vacina russa

MOSCOU, 13 de fevereiro de 2022 /PRNewswire/ -- A Sputnik V está desempenhando papel fundamental na campanha de vacinação na capital do México, com mais de 3 milhões de cidadãos da Cidade do México imunizados com a vacina russa. O primeiro componente da Sputnik V (Sputnik Light) também é cada vez mais usado na campanha de revacinação da cidade como dose de reforço.

A Sputnik V é responsável por 40% de todas as vacinas COVID dadas às pessoas na Cidade do México, de acordo com Eduardo Clark, diretor geral da Agência Digital de Inovações Públicas (ADIP) da Cidade do México (CDMX).  (LINK: https://www.milenio.com/politica/comunidad/sputnik-v-vacuna-rusa-utilizada-cdmx-autoridades)

A cidade do México também estenderá o uso do primeiro componente da Sputnik V (Sputnik Light) como um reforço para o grupo de 30-39 anos de idade a partir de 14 de fevereiro. (LINK: https://noticieros.televisa.com/ultimas-noticias/cdmx-aplicara-vacuna-covid-refuerzo-astrazeneca-sputnik-personas-30-39-anos/). Ele já havia começado a administrar a vacina russa de dose única, Sputnik Light, como um reforço para o grupo de 40-49 anos.

A Sputnik V cria uma resposta imune mais forte e duradoura contra o COVID (incluindo a variante Omicron) do que muitas outras vacinas e que é mais reforçada com uma dose da Sputnik Light. A Sputnik Light é baseada no sorotipo 26 do adenovírus humano e é o primeiro componente da vacina Sputnik V.  A Sputnik Light foi aprovada em mais de 30 países com uma população total de mais de 2,5 bilhões de pessoas e a Sputnik V – em 71 países com uma população total de mais de 4 bilhões de pessoas.

Um estudo [1] único do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas  Lazzaro Spallanzani, na Itália, conduzido por uma equipe de 12 cientistas italianos e 9 russos liderados por Francesco Vaia, diretor do Instituto Spallanzani e Alexander Gintsburg, diretor do Centro Gamaleya, mostrou que  a vacina Sputnik V demonstra mais de 2 vezes mais títulos de anticorpos neutralizantes do vírus para a variante Omicron (B.1.1.529) do que 2 doses da vacina Pfizer (2,1 vezes maior no total e 2,6 vezes maior 3 meses após a vacinação).

O estudo foi realizado em condições laboratoriais iguais em amostras de soro comparáveis de indivíduos vacinados com Sputnik V e Pfizer com nível semelhante de anticorpos IgG e atividade neutralizante de vírus (VNA) contra variante wuhan.  A Sputnik V mostrou redução significativamente menor (2,6 vezes) da atividade neutralizante do vírus contra Omicron em comparação com a variante wuhan referência do que a vacina Pfizer (redução de 8,1 vezes para Sputnik V em contraste com a redução de 21,4 vezes para a vacina Pfizer).

A menor eficácia das vacinas mRNA contra a Omicron, bem como a eficácia rapidamente minúscula das vacinas mRNA contra o COVID podem ser tratadas usando a Sputnik Light como um reforço universal.  Com base nos dados coletados pelo Instituto Spallanzani e nos resultados de estudos anteriores, o reforço heterólogo ("mix & match") com a Sputnik Light é a melhor solução para aumentar a eficácia de outras vacinas e estender o período de proteção, uma vez que a configuração da plataforma adenoviral fornece melhor proteção contra Omicron e outras mutações.

A Sputnik Light já mostrou fortes resultados quando administrada como um reforço em testes de "mix & match". Por exemplo, na Argentina, um estudo combinado do Sputnik Light com vacinas produzidas pela AstraZeneca, Sinopharm, Moderna e Cansino demonstrou que a Sputnik Light induz anticorpos e resposta de células T mais fortes em comparação com o regime homólogo (duas doses da mesma vacina).  O estudo realizado em cinco províncias mostrou que a combinação de "coquetel de vacina" com a Sputnik Light havia fornecido uma maior titulação de anticorpos no 14º dia após a administração de uma segunda dose quando comparada aos regimes homólogos originais (mesma vacina da primeira e segunda dose) de cada uma das vacinas.

Sputnik Light e Sputnik V foram desenvolvidas usando uma tecnologia segura que tem sido amplamente estudada por mais de 30 anos e não foram associadas a raros efeitos colaterais graves, como miocardite ou pericardite.

A maior segurança e efetividade da Sputnik V e da Sputnik Light foi demonstrada em mais de 30 estudos e publicações de dados do mundo real em mais de 10 países.

Sputnik V e Sputnik Light podem ser armazenados em um refrigerador convencional a +2 +8ºC por 6 meses, tornando-as disponíveis globalmente, inclusive em territórios remotos, sem qualquer necessidade de investir em infraestrutura adicional de cadeia fria.

[1] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2022.01.15.22269335v1

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1698158/Russian_Direct_Invest_Fund_Logo.jpg

 

 

FONTE The Russian Direct Invest Fund (RDIF)

MOSCOU, 13 de fevereiro de 2022 /PRNewswire/ -- A Sputnik V está desempenhando papel fundamental na campanha de vacinação na capital do México, com mais de 3 milhões de cidadãos da Cidade do México imunizados com a vacina russa. O primeiro componente da Sputnik V (Sputnik Light) também é cada vez mais usado na campanha de revacinação da cidade como dose de reforço.

A Sputnik V é responsável por 40% de todas as vacinas COVID dadas às pessoas na Cidade do México, de acordo com Eduardo Clark, diretor geral da Agência Digital de Inovações Públicas (ADIP) da Cidade do México (CDMX).  (LINK: https://www.milenio.com/politica/comunidad/sputnik-v-vacuna-rusa-utilizada-cdmx-autoridades)

A cidade do México também estenderá o uso do primeiro componente da Sputnik V (Sputnik Light) como um reforço para o grupo de 30-39 anos de idade a partir de 14 de fevereiro. (LINK: https://noticieros.televisa.com/ultimas-noticias/cdmx-aplicara-vacuna-covid-refuerzo-astrazeneca-sputnik-personas-30-39-anos/). Ele já havia começado a administrar a vacina russa de dose única, Sputnik Light, como um reforço para o grupo de 40-49 anos.

A Sputnik V cria uma resposta imune mais forte e duradoura contra o COVID (incluindo a variante Omicron) do que muitas outras vacinas e que é mais reforçada com uma dose da Sputnik Light. A Sputnik Light é baseada no sorotipo 26 do adenovírus humano e é o primeiro componente da vacina Sputnik V.  A Sputnik Light foi aprovada em mais de 30 países com uma população total de mais de 2,5 bilhões de pessoas e a Sputnik V – em 71 países com uma população total de mais de 4 bilhões de pessoas.

Um estudo [1] único do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas  Lazzaro Spallanzani, na Itália, conduzido por uma equipe de 12 cientistas italianos e 9 russos liderados por Francesco Vaia, diretor do Instituto Spallanzani e Alexander Gintsburg, diretor do Centro Gamaleya, mostrou que  a vacina Sputnik V demonstra mais de 2 vezes mais títulos de anticorpos neutralizantes do vírus para a variante Omicron (B.1.1.529) do que 2 doses da vacina Pfizer (2,1 vezes maior no total e 2,6 vezes maior 3 meses após a vacinação).

O estudo foi realizado em condições laboratoriais iguais em amostras de soro comparáveis de indivíduos vacinados com Sputnik V e Pfizer com nível semelhante de anticorpos IgG e atividade neutralizante de vírus (VNA) contra variante wuhan.  A Sputnik V mostrou redução significativamente menor (2,6 vezes) da atividade neutralizante do vírus contra Omicron em comparação com a variante wuhan referência do que a vacina Pfizer (redução de 8,1 vezes para Sputnik V em contraste com a redução de 21,4 vezes para a vacina Pfizer).

A menor eficácia das vacinas mRNA contra a Omicron, bem como a eficácia rapidamente minúscula das vacinas mRNA contra o COVID podem ser tratadas usando a Sputnik Light como um reforço universal.  Com base nos dados coletados pelo Instituto Spallanzani e nos resultados de estudos anteriores, o reforço heterólogo ("mix & match") com a Sputnik Light é a melhor solução para aumentar a eficácia de outras vacinas e estender o período de proteção, uma vez que a configuração da plataforma adenoviral fornece melhor proteção contra Omicron e outras mutações.

A Sputnik Light já mostrou fortes resultados quando administrada como um reforço em testes de "mix & match". Por exemplo, na Argentina, um estudo combinado do Sputnik Light com vacinas produzidas pela AstraZeneca, Sinopharm, Moderna e Cansino demonstrou que a Sputnik Light induz anticorpos e resposta de células T mais fortes em comparação com o regime homólogo (duas doses da mesma vacina).  O estudo realizado em cinco províncias mostrou que a combinação de "coquetel de vacina" com a Sputnik Light havia fornecido uma maior titulação de anticorpos no 14º dia após a administração de uma segunda dose quando comparada aos regimes homólogos originais (mesma vacina da primeira e segunda dose) de cada uma das vacinas.

Sputnik Light e Sputnik V foram desenvolvidas usando uma tecnologia segura que tem sido amplamente estudada por mais de 30 anos e não foram associadas a raros efeitos colaterais graves, como miocardite ou pericardite.

A maior segurança e efetividade da Sputnik V e da Sputnik Light foi demonstrada em mais de 30 estudos e publicações de dados do mundo real em mais de 10 países.

Sputnik V e Sputnik Light podem ser armazenados em um refrigerador convencional a +2 +8ºC por 6 meses, tornando-as disponíveis globalmente, inclusive em territórios remotos, sem qualquer necessidade de investir em infraestrutura adicional de cadeia fria.

[1] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2022.01.15.22269335v1

Logo - https://mma.prnewswire.com/media/1698158/Russian_Direct_Invest_Fund_Logo.jpg

 

 

FONTE The Russian Direct Invest Fund (RDIF)

Você acabou de ler:

Sputnik V é a vacina mais usada na Cidade do México, mais de 3 milhões de pessoas já receberam a vacina russa

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/sputnik-v-e-a-vacina-mais-usada-na-cidade-do-mexico-mais-de-3-milhoes-de-pessoas-ja-receberam-a-vacina-russa/