Sputnik V induz resposta robusta de anticorpos neutralizantes à variante Ômicron, o que pode ser acentuado ainda com a dose de reforço da Sputnik Light, mostra o estudo preliminar do Gamaleya Center

- Estudo laboratorial preliminar recente do Gamaleya Center mostra que a Sputnik V demonstra alta atividade neutralizante do vírus (VNA) contra a variante Ômicron (B.1.1.529) e espera-se que forneça forte proteção contra doenças graves e internação. - A Sputnik V demonstrou uma redução 3-7 vezes menor na atividade neutralizante do vírus contra a Ômicron em comparação com dados de outros fabricantes de vacinas: 11,8 vezes de diminuição do VNA para Sputnik V em comparação com 41 vezes menor para a Pfizer-BioNTech (de acordo com o estudo liderado por cientistas do Africa Health Research Institute, publicado em 7 de dezembro de 2021[i]) e 49-84 vezes de redução para Moderna (de acordo com o estudo publicado por um grupo de pesquisadores de institutos científicos, incluindo o Centro de Pesquisa de vacinas, em 15 de dezembro, 2021[ii]). Até agora, a Sputnik V está mostrando os melhores resultados de neutralização do vírus contra o Ômicron em comparação com outras vacinas. - O estudo foi realizado utilizando soro por um período mais longo após a vacinação (mais de 6 meses após a vacinação) como indicador da proteção de longo prazo da Sputnik V, em comparação com períodos curtos estudados por outros fabricantes de vacinas (12-27 dias para Pfizer-BioNTech e 28 dias para Moderna). - A Sputnik V provoca uma resposta forte e duradoura das células T e, como 80% dos epítopos na proteína spike não são afetados pelas mutações na variante Ômicron, espera-se que a Sputnik V forneça proteção duradoura contra doenças agravadas pela Ômicron. A imunidade de longa duração da Célula T contribui para 80% de eficácia contra a Delta, nos meses 6-8, em comparação com a eficácia de menos de 29%, demonstrada por certas vacinas de mRNA após 6 meses. - A Sputnik Light como um reforço aumenta significativamente a atividade de neutralização do vírus contra a Ômicron, com base em soro 2-3 meses após a revacinação. A atividade neutralizante de vírus contra Ômicron 2-3 meses depois de um reforço com a Sputnik Light nesse estudo laboratorial preliminar é maior do que a VNA contra o vírus "tipo selvagem" 6 meses após a vacinação com Sputnik V. Com base nesses dados, a eficácia esperada da Sputnik V com dose de reforço com a Sputnik Light contra a infecção pela Ômicron pode ser de mais de 80%, considerando que a Sputnik V mostrou eficácia de mais de 80% contra o vírus "tipo selvagem" seis meses após a vacinação. - 100% dos indivíduos revacinados com a dose de reforço da Sputnik Light desenvolveram anticorpos neutralizantes contra a Ômicron e demonstraram níveis altos 2-3 meses após a revacinação em comparação com apenas 25% para quem recebeu o reforço da Pfizer e apresentou nível de anticorpos neutralizantes 3 meses após a vacinação (como demonstrado no estudo publicado por diversos institutos científicos, incluindo o Instituto de Virologia Médica de Frankfurt, em 13 de dezembro de 2021 [iii]). - Espera-se que o reforço com a Sputnik Light ofereça forte proteção contra infecções, doença grave e hospitalização por Ômicron. A dose de reforço com Sputnik Light é recomendada para fortalecer a eficácia das vacinas contra a Ômicron e pode aumentar a eficácia de muitas vacinas com rápida perda de eficácia, à luz do desafio conjunto de Delta e Ômicron. A Sputnik Light é um reforço universal para outras vacinas, incluindo Sputnik V. Na Argentina, uma combinação de Sputnik Light com outras vacinas demonstrou sua efetividade como um reforço universal, induzindo uma resposta de anticorpos e células-T mais forte em comparação com um regime homólogo de duas doses. - Sputnik V e Sputnik Light foram desenvolvidas com base em tecnologia segura e estudada por mais de 30 anos e não foram associadas a raros efeitos colaterais graves, como miocardite ou pericardite. - A maior segurança e eficácia da Sputnik V e da Sputnik Light foi demonstrada em mais de 30 estudos e publicações com dados do mundo real de mais de 10 países.

MOSCOU, 17 de dezembro de 2021 /PRNewswire/ -- Um estudo preliminar realizado pelo Gamaleya Center demonstrou que a vacina Sputnik V e a vacina de dose única Sputnik Light (baseada no sorotipo 26 do adenovírus humano, o primeiro componente da Sputnik V) como reforço são efetivas contra a variante Ômicron (B.1.1.529) do COVID, proporcionando melhor proteção quando comparada com outras vacinas.

 

 

O reforço heteróloga com a Sputnik Light é a solução para aumentar a eficácia de outras vacinas, incluindo contra a Ômicron, e estender o período de reforço.

A Sputnik Light como um reforço aumenta significativamente a atividade de neutralização do vírus contra a Ômicron 2-3 meses após a revacinação e é um reforço universal para outras vacinas, induzindo anticorpos e resposta de células-T mais fortes.

A eficácia das vacinas mRNA provou estar diminuindo, como demonstrado por uma série de publicações científicas. Um estudo sueco na revista The Lancet mostrou que a eficácia da vacina da Pfizer contra o COVID está caindo para 47% após 4 meses, para 29% após 6 meses e para 23% após 7 meses. Um estudo recente nos EUA com indivíduos com mais de 65 anos demonstrou a diminuição da efetividade da vacina mRNA após o mês 4, atingindo uma baixa de aproximadamente 20% nos meses 5 a 7.[iv]

Reconhecendo a eficácia decrescente das vacinas mRNA, UE, Reino Unido, Grécia, Coreia do Sul e outros países recomendaram reduzir o intervalo para o reforço de 6 para 3 meses.

O reforço com a Sputnik Light é recomendado para fortalecer a eficácia das vacinas contra a Ômicron. O impulsionamento por Sputnik Light como um reforço heterólogo pode fortalecer e alongar a eficácia de muitas vacinas em declínio, à luz do desafio combinado Delta e Ômicron.

A Sputnik Light já foi registrada em mais de 20 países como uma vacina autônoma e como um reforço universal para outras vacinas, ajudando a aumentar sua eficácia (incluindo na Argentina, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Filipinas e San Marino). A Sputnik V foi autorizada em 71 países com população total de mais de 4 bilhões de pessoas.

A Sputnik Light já mostrou fortes resultados quando usada como reforço em testes combinação feitos na Argentina. Uma combinação de Sputnik Light com vacinas fabricadas pela AstraZeneca, Sinopharm, Moderna e Cansino, realizadas em 5 províncias (Cidade e Província de Buenos Aires, bem como Córdoba, La Rioja e San Luis) demonstrou que a Sputnik Light induz anticorpos e resposta de células-T mais forte em comparação com o regime homólogo (duas doses da mesma vacina). Cada combinação de "coquetel de vacina" com a Sputnik Light forneceu maior titulação de anticorpos no 14º dia após a administração de uma segunda dose quando comparada aos regimes homólogos originais (mesma vacina da primeira e segunda dose) de cada uma das vacinas.

Autores de um estudo na Argentina observaram que a proteção contra o coronavírus permanece estável ao longo de pelo menos 4 meses após a vacinação com a vacina russa Sputnik V como consequência da maturação de anticorpos, resultando em uma maior potência dos anticorpos para mutações de fuga viral. Os resultados do estudo foram resumidos em um artigo em https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.08.22.21262186v1

Dados de eficácia da Sputnik Light:

  • A Sputnik Light provou ser segura e altamente eficaz de acordo com dados de vacinação do mundo real. Em particular, dados do Ministério da Saúde de Buenos Aires (Argentina) demonstraram efetividade da vacina de dose única Sputnik Light entre 78,6 e 83,7% entre os idosos (mais de 40.000 pessoas de 60 a 79 anos), o que é maior do que o de muitas vacinas de duas doses.
  • Descobertas do Gamaleya Center com base em dados coletados em Moscou demonstraram que a vacina Sputnik Light administrada de forma autônoma tem 70% de eficácia contra a infecção da variante Delta do coronavírus durante os três primeiros meses após a vacinação. A vacina é 75% eficaz entre os indivíduos com menos de 60 anos. Sputnik V e Sputnik Light são baseadas em uma plataforma de vetores humanos seguros e eficazes e não foram associadas a eventos adversos graves após a vacinação, como miocardite ou pericardite.

[i] https://www.ahri.org/omicron-incompletely-escapes-immunity-induced-by-the-pfizer-vaccine/

[ii] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.12.15.21267805v1

[iii] [iii] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.12.07.21267432v1.full.pdf

[iv] https://papers.ssrn.com/sol3/papéis.cfm?abstract_id=3949410

FONTE The Russian Direct Invest Fund (RDIF)

- Estudo laboratorial preliminar recente do Gamaleya Center mostra que a Sputnik V demonstra alta atividade neutralizante do vírus (VNA) contra a variante Ômicron (B.1.1.529) e espera-se que forneça forte proteção contra doenças graves e internação. - A Sputnik V demonstrou uma redução 3-7 vezes menor na atividade neutralizante do vírus contra a Ômicron em comparação com dados de outros fabricantes de vacinas: 11,8 vezes de diminuição do VNA para Sputnik V em comparação com 41 vezes menor para a Pfizer-BioNTech (de acordo com o estudo liderado por cientistas do Africa Health Research Institute, publicado em 7 de dezembro de 2021[i]) e 49-84 vezes de redução para Moderna (de acordo com o estudo publicado por um grupo de pesquisadores de institutos científicos, incluindo o Centro de Pesquisa de vacinas, em 15 de dezembro, 2021[ii]). Até agora, a Sputnik V está mostrando os melhores resultados de neutralização do vírus contra o Ômicron em comparação com outras vacinas. - O estudo foi realizado utilizando soro por um período mais longo após a vacinação (mais de 6 meses após a vacinação) como indicador da proteção de longo prazo da Sputnik V, em comparação com períodos curtos estudados por outros fabricantes de vacinas (12-27 dias para Pfizer-BioNTech e 28 dias para Moderna). - A Sputnik V provoca uma resposta forte e duradoura das células T e, como 80% dos epítopos na proteína spike não são afetados pelas mutações na variante Ômicron, espera-se que a Sputnik V forneça proteção duradoura contra doenças agravadas pela Ômicron. A imunidade de longa duração da Célula T contribui para 80% de eficácia contra a Delta, nos meses 6-8, em comparação com a eficácia de menos de 29%, demonstrada por certas vacinas de mRNA após 6 meses. - A Sputnik Light como um reforço aumenta significativamente a atividade de neutralização do vírus contra a Ômicron, com base em soro 2-3 meses após a revacinação. A atividade neutralizante de vírus contra Ômicron 2-3 meses depois de um reforço com a Sputnik Light nesse estudo laboratorial preliminar é maior do que a VNA contra o vírus "tipo selvagem" 6 meses após a vacinação com Sputnik V. Com base nesses dados, a eficácia esperada da Sputnik V com dose de reforço com a Sputnik Light contra a infecção pela Ômicron pode ser de mais de 80%, considerando que a Sputnik V mostrou eficácia de mais de 80% contra o vírus "tipo selvagem" seis meses após a vacinação. - 100% dos indivíduos revacinados com a dose de reforço da Sputnik Light desenvolveram anticorpos neutralizantes contra a Ômicron e demonstraram níveis altos 2-3 meses após a revacinação em comparação com apenas 25% para quem recebeu o reforço da Pfizer e apresentou nível de anticorpos neutralizantes 3 meses após a vacinação (como demonstrado no estudo publicado por diversos institutos científicos, incluindo o Instituto de Virologia Médica de Frankfurt, em 13 de dezembro de 2021 [iii]). - Espera-se que o reforço com a Sputnik Light ofereça forte proteção contra infecções, doença grave e hospitalização por Ômicron. A dose de reforço com Sputnik Light é recomendada para fortalecer a eficácia das vacinas contra a Ômicron e pode aumentar a eficácia de muitas vacinas com rápida perda de eficácia, à luz do desafio conjunto de Delta e Ômicron. A Sputnik Light é um reforço universal para outras vacinas, incluindo Sputnik V. Na Argentina, uma combinação de Sputnik Light com outras vacinas demonstrou sua efetividade como um reforço universal, induzindo uma resposta de anticorpos e células-T mais forte em comparação com um regime homólogo de duas doses. - Sputnik V e Sputnik Light foram desenvolvidas com base em tecnologia segura e estudada por mais de 30 anos e não foram associadas a raros efeitos colaterais graves, como miocardite ou pericardite. - A maior segurança e eficácia da Sputnik V e da Sputnik Light foi demonstrada em mais de 30 estudos e publicações com dados do mundo real de mais de 10 países.

MOSCOU, 17 de dezembro de 2021 /PRNewswire/ -- Um estudo preliminar realizado pelo Gamaleya Center demonstrou que a vacina Sputnik V e a vacina de dose única Sputnik Light (baseada no sorotipo 26 do adenovírus humano, o primeiro componente da Sputnik V) como reforço são efetivas contra a variante Ômicron (B.1.1.529) do COVID, proporcionando melhor proteção quando comparada com outras vacinas.

 

 

O reforço heteróloga com a Sputnik Light é a solução para aumentar a eficácia de outras vacinas, incluindo contra a Ômicron, e estender o período de reforço.

A Sputnik Light como um reforço aumenta significativamente a atividade de neutralização do vírus contra a Ômicron 2-3 meses após a revacinação e é um reforço universal para outras vacinas, induzindo anticorpos e resposta de células-T mais fortes.

A eficácia das vacinas mRNA provou estar diminuindo, como demonstrado por uma série de publicações científicas. Um estudo sueco na revista The Lancet mostrou que a eficácia da vacina da Pfizer contra o COVID está caindo para 47% após 4 meses, para 29% após 6 meses e para 23% após 7 meses. Um estudo recente nos EUA com indivíduos com mais de 65 anos demonstrou a diminuição da efetividade da vacina mRNA após o mês 4, atingindo uma baixa de aproximadamente 20% nos meses 5 a 7.[iv]

Reconhecendo a eficácia decrescente das vacinas mRNA, UE, Reino Unido, Grécia, Coreia do Sul e outros países recomendaram reduzir o intervalo para o reforço de 6 para 3 meses.

O reforço com a Sputnik Light é recomendado para fortalecer a eficácia das vacinas contra a Ômicron. O impulsionamento por Sputnik Light como um reforço heterólogo pode fortalecer e alongar a eficácia de muitas vacinas em declínio, à luz do desafio combinado Delta e Ômicron.

A Sputnik Light já foi registrada em mais de 20 países como uma vacina autônoma e como um reforço universal para outras vacinas, ajudando a aumentar sua eficácia (incluindo na Argentina, Emirados Árabes Unidos, Bahrein, Filipinas e San Marino). A Sputnik V foi autorizada em 71 países com população total de mais de 4 bilhões de pessoas.

A Sputnik Light já mostrou fortes resultados quando usada como reforço em testes combinação feitos na Argentina. Uma combinação de Sputnik Light com vacinas fabricadas pela AstraZeneca, Sinopharm, Moderna e Cansino, realizadas em 5 províncias (Cidade e Província de Buenos Aires, bem como Córdoba, La Rioja e San Luis) demonstrou que a Sputnik Light induz anticorpos e resposta de células-T mais forte em comparação com o regime homólogo (duas doses da mesma vacina). Cada combinação de "coquetel de vacina" com a Sputnik Light forneceu maior titulação de anticorpos no 14º dia após a administração de uma segunda dose quando comparada aos regimes homólogos originais (mesma vacina da primeira e segunda dose) de cada uma das vacinas.

Autores de um estudo na Argentina observaram que a proteção contra o coronavírus permanece estável ao longo de pelo menos 4 meses após a vacinação com a vacina russa Sputnik V como consequência da maturação de anticorpos, resultando em uma maior potência dos anticorpos para mutações de fuga viral. Os resultados do estudo foram resumidos em um artigo em https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.08.22.21262186v1

Dados de eficácia da Sputnik Light:

  • A Sputnik Light provou ser segura e altamente eficaz de acordo com dados de vacinação do mundo real. Em particular, dados do Ministério da Saúde de Buenos Aires (Argentina) demonstraram efetividade da vacina de dose única Sputnik Light entre 78,6 e 83,7% entre os idosos (mais de 40.000 pessoas de 60 a 79 anos), o que é maior do que o de muitas vacinas de duas doses.
  • Descobertas do Gamaleya Center com base em dados coletados em Moscou demonstraram que a vacina Sputnik Light administrada de forma autônoma tem 70% de eficácia contra a infecção da variante Delta do coronavírus durante os três primeiros meses após a vacinação. A vacina é 75% eficaz entre os indivíduos com menos de 60 anos. Sputnik V e Sputnik Light são baseadas em uma plataforma de vetores humanos seguros e eficazes e não foram associadas a eventos adversos graves após a vacinação, como miocardite ou pericardite.

[i] https://www.ahri.org/omicron-incompletely-escapes-immunity-induced-by-the-pfizer-vaccine/

[ii] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.12.15.21267805v1

[iii] [iii] https://www.medrxiv.org/content/10.1101/2021.12.07.21267432v1.full.pdf

[iv] https://papers.ssrn.com/sol3/papéis.cfm?abstract_id=3949410

FONTE The Russian Direct Invest Fund (RDIF)

Você acabou de ler:

Sputnik V induz resposta robusta de anticorpos neutralizantes à variante Ômicron, o que pode ser acentuado ainda com a dose de reforço da Sputnik Light, mostra o estudo preliminar do Gamaleya Center

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/sputnik-v-induz-resposta-robusta-de-anticorpos-neutralizantes-a-variante-omicron-o-que-pode-ser-acentuado-ainda-com-a-dose-de-reforco-da-sputnik-light-mostra-o-estudo-preliminar-do-gamaleya-center/