Sua empresa sobreviveria sem as redes sociais?

Instagram sofre instabilidade nos EUA, Europa e América do Sul e Ana Saragoça, especialista em marketing digital, levanta reflexão

SÃO PAULO, 14 de junho de 2019 /PRNewswire/ -- Ontem à noite (13/06) ocorreu uma interrupção no funcionamento do Instagram no mundo todo, uma das principais mídias sociais, parte do grupo do Facebook. Nas empresas, diante da importância que as redes assumiram, não só para contatar e captar clientes, mas também para potencializar vendas, feedbacks e aumentar a visibilidade, apavora a muitos empresários a ideia de ficar sem elas. Foi o que ocorreu com essa recente interrupção, que deixou as pessoas sem comunicação e prejudicou faturamentos.

O Global Digital 2019, estudo sobre tendências mundiais das redes sociais,  revela que o Brasil possui 140 milhões de usuários ativos nas redes, ou seja, 66% da população. De acordo com o Social Media Trends 2019, pesquisa de comportamento das empresas nas redes sociais, os negócios representam 96,2%,

Esse episódio leva à seguinte reflexão: sua empresa sobreviveria sem Facebook  e Instagram?

Se sua resposta for "sim", é sinal de que é um empreendedor precavido, sabe a importância do plano B, caso o A falhe. Se for "não", precisa lembrar-se de que as mídias digitais são um local emprestado, no qual as regras podem mudar inesperadamente; por isso deve estar preparado para essas circunstâncias; com contatos armazenados e consciência de que sua empresa precisa estar em todos os canais de comunicação possíveis.

Ter um site pode ser uma solução, pois é um canal de contato independente das mídias sociais, ou seja, quando não estiverem disponíveis, continuará com os dados armazenados, sem riscos para sua empresa.

Outra maneira segura é criar listas de contato. A empresa não fica vulnerável, pode alcançar recorrência nas vendas e consolidar uma clientela fiel (porque estabelece interação para convencê-la da qualidade de sua marca) e, ainda, alcançar novos clientes.

Uma tática relevante para constituir essa lista é oferecer aos seguidores um material de conteúdo rico, como uma aula, planilha, quiz ou um e-book, em troca de e-mail e telefone para participar ou baixar o conteúdo. Há outras táticas eficazes e, sendo ética, você pode usar uma que se adeque ao perfil de sua empresa.

Ana Saragoça é co-fundadora da Creation3, startup de marketing estratégico. Com 15 anos de mercado e MBA em Planejamento Estratégico de Marketing pela FGV, é premiada em Projeto Nacional de Inovação e palestrante.

@asaragoca 

@creation3br

www.creation3.com

Telefone C3: (11) 99808-4310

FONTE RM 360 COMUNICAÇÃO

Instagram sofre instabilidade nos EUA, Europa e América do Sul e Ana Saragoça, especialista em marketing digital, levanta reflexão

SÃO PAULO, 14 de junho de 2019 /PRNewswire/ -- Ontem à noite (13/06) ocorreu uma interrupção no funcionamento do Instagram no mundo todo, uma das principais mídias sociais, parte do grupo do Facebook. Nas empresas, diante da importância que as redes assumiram, não só para contatar e captar clientes, mas também para potencializar vendas, feedbacks e aumentar a visibilidade, apavora a muitos empresários a ideia de ficar sem elas. Foi o que ocorreu com essa recente interrupção, que deixou as pessoas sem comunicação e prejudicou faturamentos.

O Global Digital 2019, estudo sobre tendências mundiais das redes sociais,  revela que o Brasil possui 140 milhões de usuários ativos nas redes, ou seja, 66% da população. De acordo com o Social Media Trends 2019, pesquisa de comportamento das empresas nas redes sociais, os negócios representam 96,2%,

Esse episódio leva à seguinte reflexão: sua empresa sobreviveria sem Facebook  e Instagram?

Se sua resposta for "sim", é sinal de que é um empreendedor precavido, sabe a importância do plano B, caso o A falhe. Se for "não", precisa lembrar-se de que as mídias digitais são um local emprestado, no qual as regras podem mudar inesperadamente; por isso deve estar preparado para essas circunstâncias; com contatos armazenados e consciência de que sua empresa precisa estar em todos os canais de comunicação possíveis.

Ter um site pode ser uma solução, pois é um canal de contato independente das mídias sociais, ou seja, quando não estiverem disponíveis, continuará com os dados armazenados, sem riscos para sua empresa.

Outra maneira segura é criar listas de contato. A empresa não fica vulnerável, pode alcançar recorrência nas vendas e consolidar uma clientela fiel (porque estabelece interação para convencê-la da qualidade de sua marca) e, ainda, alcançar novos clientes.

Uma tática relevante para constituir essa lista é oferecer aos seguidores um material de conteúdo rico, como uma aula, planilha, quiz ou um e-book, em troca de e-mail e telefone para participar ou baixar o conteúdo. Há outras táticas eficazes e, sendo ética, você pode usar uma que se adeque ao perfil de sua empresa.

Ana Saragoça é co-fundadora da Creation3, startup de marketing estratégico. Com 15 anos de mercado e MBA em Planejamento Estratégico de Marketing pela FGV, é premiada em Projeto Nacional de Inovação e palestrante.

@asaragoca 

@creation3br

www.creation3.com

Telefone C3: (11) 99808-4310

FONTE RM 360 COMUNICAÇÃO

Você acabou de ler:

Sua empresa sobreviveria sem as redes sociais?

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/sua-empresa-sobreviveria-sem-as-redes-sociais/