Telemedicina acessível: Telamed atende o apelo popular e oferece atendimento de saúde às classes mais pobres

SÃO PAULO, 10 de março de 2022 /PRNewswire/ -- Num país onde, cada vez mais, as pessoas de classe baixa têm menos acesso à serviços essenciais, empresas com apelo social procuram, por meio da tecnologia, reduzir custos de todas as maneiras, com objetivo de auxiliar essas classes menos favorecidas.

Segundo apontam dados do IBGE, entre 2019 e 2020 a taxa da população brasileira na pobreza chegou a 24,1%, sendo 31% destes são pretos e pardos, contra 15,1% de brancos. Já na linha da extrema pobreza, 5,7% da população, algo em torno de 14,5 milhões de famílias, sendo, novamente, os pretos e pardos a maior 'fatia', representando 7,4% contra 3,5% de brancos.

Esses números extremamente alarmantes, infelizmente, não têm perspectiva de melhora expressiva a curto prazo. Isso porque a inflação (reajustes nos preços nos últimos dois anos), foi maior em itens essenciais da cesta básica, como alimentos, energia elétrica e custos com moradia. Na prática, quanto menor for a renda familiar, maior o peso que esses itens essenciais têm no orçamento, já que essas classes sociais comprometem de 30 a 40% de toda sua renda com esses tais itens essenciais.

Com a calamidade na saúde pública no Brasil, intensificada ainda mais pela pandemia e o constante surgimento das variantes, cada vez menos essas famílias de baixa renda têm conseguido acesso adequado à saúde de qualidade. O que a pandemia fez foi ocupar completamente o já escasso contingente médico no Brasil, fazendo com que ainda menos brasileiros dependentes do serviço de saúde pudessem ter acesso a ele.

Para famílias enquadradas nesses perfis, possuir um plano de saúde particular era algo completamente inimaginável. Famílias lutam para colocar o alimento na mesa todos os dias, sequer cogitam a possibilidade de dispor de, em média, R$ 400,00 mensais com planos de saúde (de acordo com a tabela de preços da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, em 2022), para cada pessoa, para ter um atendimento médico digno, de qualidade, é algo completamente fora da realidade.

Para minimizar este cenário, surge a Telamed, um serviço de atendimento médico particular à distância (virtual), com valores a partir de R$ 29,90 mensais que contemplam até 04 pessoas, ou seja, possibilitando acesso à saúde ao preço de menos de R$ 8,00 por mês para cada um dos integrantes da família.

Isso só é possível graças ao avanço da tecnologia e o entendimento do legislativo de que as empresas prestadoras de saúde podem prestar diversos serviços de atendimento médico com a mesma qualidade que num atendimento presencial. Esta modalidade ficou muito mais evidente durante a pandemia, onde o próprio Governo Federal recorreu ao uso da telemedicina para desafogar o sistema público de saúde presencial.

Cada vez mais esta ideia vem sendo difundida no Brasil e ganhando novos adeptos, seja pelos valores muito menores que o plano de saúde convencional, seja pela praticidade de poder ter um atendimento de qualidade a qualquer hora do dia, sem precisar sair de casa, apenas com o uso de um celular com conexão à internet ou simplesmente um telefone, fixo ou celular, para obterem atendimento médico via chamada, através de um canal 0800, totalmente gratuito.

Segundo informações do site Saúde Digital Brasil, até dezembro de 2020 as operadoras de telemedicina atendiam, em média, 7 mil pacientes por dia. Entre o natal e réveillon, este número mais que dobrou, saltando para 15 mil atendimentos. Hoje, de acordo com o site, são mais de 40 mil atendimentos todos os dias, o que mostra que a telemedicina está em constante crescimento e ganhando cada vez mais adeptos.

A Telamed já é uma das maiores operadoras de telemecidina do país, com tecnologia de ponta capaz de suportar um alto número de consultas simultaneamente, além de contar com um aplicativo extremamente intuitivo que, além da área de consulta, possui também recursos para recebimento de receitas médicas, armazenamento de prontuário médico, buscas de farmácias mais próximas ao usuário e um cartão virtual, que permite ao paciente, quando apresentado o cartão na rede credenciada de parceiros, capaz de conceder descontos na compra de medicamentos.

O objetivo da Telamed é tornar o atendimento privado de saúde acessível a todos. Não apenas viabilizando isso financeiramente, mas também permitindo que locais remotos, cuja dificuldade aumente ainda mais devido à falta ou precariedade de instalações de saúde, também possam se beneficiar do atendimento à distância.  A universalização do acesso à telemedicina e o desenvolvimento científico-tecnológico, que proporcionam uma grande inovação na área da saúde no Brasil, são preocupações latentes da Telamed, que está em constante busca por aprimoramento tecnológico e tendo sempre como um dos principais objetivos, o auxílio à população mais carente, fornecendo-lhe um atendimento digno e de qualidade de saúde.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1764420/Telamed.jpg

FONTE Telamed

SÃO PAULO, 10 de março de 2022 /PRNewswire/ -- Num país onde, cada vez mais, as pessoas de classe baixa têm menos acesso à serviços essenciais, empresas com apelo social procuram, por meio da tecnologia, reduzir custos de todas as maneiras, com objetivo de auxiliar essas classes menos favorecidas.

Segundo apontam dados do IBGE, entre 2019 e 2020 a taxa da população brasileira na pobreza chegou a 24,1%, sendo 31% destes são pretos e pardos, contra 15,1% de brancos. Já na linha da extrema pobreza, 5,7% da população, algo em torno de 14,5 milhões de famílias, sendo, novamente, os pretos e pardos a maior 'fatia', representando 7,4% contra 3,5% de brancos.

Esses números extremamente alarmantes, infelizmente, não têm perspectiva de melhora expressiva a curto prazo. Isso porque a inflação (reajustes nos preços nos últimos dois anos), foi maior em itens essenciais da cesta básica, como alimentos, energia elétrica e custos com moradia. Na prática, quanto menor for a renda familiar, maior o peso que esses itens essenciais têm no orçamento, já que essas classes sociais comprometem de 30 a 40% de toda sua renda com esses tais itens essenciais.

Com a calamidade na saúde pública no Brasil, intensificada ainda mais pela pandemia e o constante surgimento das variantes, cada vez menos essas famílias de baixa renda têm conseguido acesso adequado à saúde de qualidade. O que a pandemia fez foi ocupar completamente o já escasso contingente médico no Brasil, fazendo com que ainda menos brasileiros dependentes do serviço de saúde pudessem ter acesso a ele.

Para famílias enquadradas nesses perfis, possuir um plano de saúde particular era algo completamente inimaginável. Famílias lutam para colocar o alimento na mesa todos os dias, sequer cogitam a possibilidade de dispor de, em média, R$ 400,00 mensais com planos de saúde (de acordo com a tabela de preços da Agência Nacional de Saúde Suplementar – ANS, em 2022), para cada pessoa, para ter um atendimento médico digno, de qualidade, é algo completamente fora da realidade.

Para minimizar este cenário, surge a Telamed, um serviço de atendimento médico particular à distância (virtual), com valores a partir de R$ 29,90 mensais que contemplam até 04 pessoas, ou seja, possibilitando acesso à saúde ao preço de menos de R$ 8,00 por mês para cada um dos integrantes da família.

Isso só é possível graças ao avanço da tecnologia e o entendimento do legislativo de que as empresas prestadoras de saúde podem prestar diversos serviços de atendimento médico com a mesma qualidade que num atendimento presencial. Esta modalidade ficou muito mais evidente durante a pandemia, onde o próprio Governo Federal recorreu ao uso da telemedicina para desafogar o sistema público de saúde presencial.

Cada vez mais esta ideia vem sendo difundida no Brasil e ganhando novos adeptos, seja pelos valores muito menores que o plano de saúde convencional, seja pela praticidade de poder ter um atendimento de qualidade a qualquer hora do dia, sem precisar sair de casa, apenas com o uso de um celular com conexão à internet ou simplesmente um telefone, fixo ou celular, para obterem atendimento médico via chamada, através de um canal 0800, totalmente gratuito.

Segundo informações do site Saúde Digital Brasil, até dezembro de 2020 as operadoras de telemedicina atendiam, em média, 7 mil pacientes por dia. Entre o natal e réveillon, este número mais que dobrou, saltando para 15 mil atendimentos. Hoje, de acordo com o site, são mais de 40 mil atendimentos todos os dias, o que mostra que a telemedicina está em constante crescimento e ganhando cada vez mais adeptos.

A Telamed já é uma das maiores operadoras de telemecidina do país, com tecnologia de ponta capaz de suportar um alto número de consultas simultaneamente, além de contar com um aplicativo extremamente intuitivo que, além da área de consulta, possui também recursos para recebimento de receitas médicas, armazenamento de prontuário médico, buscas de farmácias mais próximas ao usuário e um cartão virtual, que permite ao paciente, quando apresentado o cartão na rede credenciada de parceiros, capaz de conceder descontos na compra de medicamentos.

O objetivo da Telamed é tornar o atendimento privado de saúde acessível a todos. Não apenas viabilizando isso financeiramente, mas também permitindo que locais remotos, cuja dificuldade aumente ainda mais devido à falta ou precariedade de instalações de saúde, também possam se beneficiar do atendimento à distância.  A universalização do acesso à telemedicina e o desenvolvimento científico-tecnológico, que proporcionam uma grande inovação na área da saúde no Brasil, são preocupações latentes da Telamed, que está em constante busca por aprimoramento tecnológico e tendo sempre como um dos principais objetivos, o auxílio à população mais carente, fornecendo-lhe um atendimento digno e de qualidade de saúde.

Foto - https://mma.prnewswire.com/media/1764420/Telamed.jpg

FONTE Telamed

Você acabou de ler:

Telemedicina acessível: Telamed atende o apelo popular e oferece atendimento de saúde às classes mais pobres

Compartilhe

https://prnewswire.com.br/releases/telemedicina-acessivel-telamed-atende-o-apelo-popular-e-oferece-atendimento-de-saude-as-classes-mais-pobres/