Zona Franca de Hainan estabelece novos caminhos para a abertura da China

PEQUIM, 19 de outubro de 2018 /PRNewswire/ -- A China apresentou um plano detalhado na terça-feira para estabelecer a província de Hainan no sul do país como uma zona de livre comércio (FTZ – free trade zone), em sua mais nova iniciativa para abrir a economia.

O plano, elaborado pelo Conselho de Estado, um gabinete ministerial da China, mapeou o objetivo e a extensão do desenvolvimento da FTZ, ao mesmo tempo que identificou os setores essenciais que irão impor menores restrições ao investimento estrangeiro.

O plano prevê transformar a província de Hainan, até 2020, em uma zona franca de alta qualidade, para promover o comércio e facilitar investimentos, criar um ambiente ecológico favorável e impulsionar o desenvolvimento das áreas circunvizinhas.

Os investidores estrangeiros terão maior acesso a diversas áreas essenciais, entre as quais turismo, educação e telecomunicações, de acordo com o plano. Um método de lista negativa, que estabelece as áreas econômicas restritas a investimentos estrangeiros, será adotado na FTZ de Hainan.

Como parte de suas políticas de abertura, a China apresentou, em junho, uma nova lista negativa de investimentos estrangeiros nas FTZs, com o número de itens reduzidos de 95 na versão anterior para 45.

O plano também dá à Hainan maior autonomia para garantir acesso a investimentos estrangeiros. Empresas internacionais que prestam serviços de telecomunicações com valor agregado não precisarão mais negociar com autoridades centrais para entrar no mercado, de acordo com o plano.

Para promover o comércio internacional, sistemas baseados em dados serão utilizados com o objetivo de melhorar a eficiência alfandegária. Ao mesmo tempo, multinacionais e empresas de comércio exterior são encorajadas a tratar Hainan como o centro de suas redes de comércio globais ou regionais.

Um dos recursos essenciais do plano de desenvolvimento da FTZ de Hainan é o de que ele leva em consideração as características distintas de Hainan, declarou o vice-ministro de Comércio, Wang Shouwen, em uma entrevista coletiva.

Empresas de transporte domésticas e estrangeiras serão encorajadas a estabelecer centros operacionais ou regionais na FTZ, como parte dos esforços para transformar a área em um centro internacional de embarque de mercadorias, de acordo com o plano.

O desenvolvimento do plano também aproveita a força estabelecida de Hainan em serviços médicos.

A ilha está atraindo diversas instituições médicas de vanguarda e médicos estrangeiros, graças ao relaxamento das regras de importação de equipamentos médicos e de produtos farmacêuticos estrangeiros, bem como às políticas de visto implementadas nos últimos anos.

De acordo com o plano, as tarifas para alguns equipamentos médicos serão reduzidas na zona-piloto.

O plano foi publicado no website oficial da Conselho de Estado da República Popular da China (www.gov.cn).

FONTE www.gov.cn

PEQUIM, 19 de outubro de 2018 /PRNewswire/ -- A China apresentou um plano detalhado na terça-feira para estabelecer a província de Hainan no sul do país como uma zona de livre comércio (FTZ – free trade zone), em sua mais nova iniciativa para abrir a economia.

O plano, elaborado pelo Conselho de Estado, um gabinete ministerial da China, mapeou o objetivo e a extensão do desenvolvimento da FTZ, ao mesmo tempo que identificou os setores essenciais que irão impor menores restrições ao investimento estrangeiro.

O plano prevê transformar a província de Hainan, até 2020, em uma zona franca de alta qualidade, para promover o comércio e facilitar investimentos, criar um ambiente ecológico favorável e impulsionar o desenvolvimento das áreas circunvizinhas.

Os investidores estrangeiros terão maior acesso a diversas áreas essenciais, entre as quais turismo, educação e telecomunicações, de acordo com o plano. Um método de lista negativa, que estabelece as áreas econômicas restritas a investimentos estrangeiros, será adotado na FTZ de Hainan.

Como parte de suas políticas de abertura, a China apresentou, em junho, uma nova lista negativa de investimentos estrangeiros nas FTZs, com o número de itens reduzidos de 95 na versão anterior para 45.

O plano também dá à Hainan maior autonomia para garantir acesso a investimentos estrangeiros. Empresas internacionais que prestam serviços de telecomunicações com valor agregado não precisarão mais negociar com autoridades centrais para entrar no mercado, de acordo com o plano.

Para promover o comércio internacional, sistemas baseados em dados serão utilizados com o objetivo de melhorar a eficiência alfandegária. Ao mesmo tempo, multinacionais e empresas de comércio exterior são encorajadas a tratar Hainan como o centro de suas redes de comércio globais ou regionais.

Um dos recursos essenciais do plano de desenvolvimento da FTZ de Hainan é o de que ele leva em consideração as características distintas de Hainan, declarou o vice-ministro de Comércio, Wang Shouwen, em uma entrevista coletiva.

Empresas de transporte domésticas e estrangeiras serão encorajadas a estabelecer centros operacionais ou regionais na FTZ, como parte dos esforços para transformar a área em um centro internacional de embarque de mercadorias, de acordo com o plano.

O desenvolvimento do plano também aproveita a força estabelecida de Hainan em serviços médicos.

A ilha está atraindo diversas instituições médicas de vanguarda e médicos estrangeiros, graças ao relaxamento das regras de importação de equipamentos médicos e de produtos farmacêuticos estrangeiros, bem como às políticas de visto implementadas nos últimos anos.

De acordo com o plano, as tarifas para alguns equipamentos médicos serão reduzidas na zona-piloto.

O plano foi publicado no website oficial da Conselho de Estado da República Popular da China (www.gov.cn).

FONTE www.gov.cn